14 junho, 2024

Neca de pitibiriba

Muitas pessoas já devem ter ouvido essa expressão. Mas o que é neca de pitibiriba (ou necas de pitibiribas)? Quando pesquisamos em algum dicionário online ou em qualquer outra fonte de origem duvidosa vemos que (neca + de + pitibiriba) simplesmente significa nada, nadica de nada. Neca de pitibiriba é uma maneira carinhosa popular latino-brasileira de apelidar o nada. A palavra neca vem do latim "nec", que quer dizer (adivinha?) nada. 
É um termo brasileiro inventado por não se sabe quem e nem onde também e que tem o significado de nada. 
Há relatos de que tenha sido usado por Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, ao se referir a um amigo chamado Neca, morador da cidade de Pitibiriba. Após a morte de Tiradentes, passaram a procurar exaustivamente o tal Neca e a tal Pitibiriba. E chegaram à conclusão de que nunca existiram.
Outra possibilidade é que tenha origem em Pirituba (SP), onde vivia um sujeito de apelido Neca que trabalhava num cartório. Dizia sempre não, a quem ia ao cartório atrás de documentos (sem ao menos procurá-los). E todos se referiam a ele como o "Neca de Pirituba", que virou de Pitibiriba, como variante, para designar o nada absoluto, mesclando o falso topônimo com o "neca", do latim "nec", que já é uma negativa.
Quando consignam esses termos populares os dicionários brasileiros costumam recorrer ao jeitinho da "formação expressiva", um modo elegante de reconhecer que, sobre eles, não sabem… necas de pitibiribas. A formação expressiva, quase sempre puxada para o cômico, é aquela em que o som pula na frente do sentido e o leva de arrasto. Uma palavra assim formada não tem, portanto, raízes etimológicas que possam ser pesquisadas.
Neca Setúbal
Neca, de Maria Alice Setúbal, vem do apelido "Boneca", a única menina entre sete herdeiros do Itaú. Sendo filha do prefeito de SP Olavo Setúbal, neta do deputado e acadêmico da ABL Paulo Setúbal, tetraneta da viscondessa de Campinas, do visconde de Indaiatuba e do barão de Sousa Queirós, sobrinha-trineta do marquês de Três Rios, da baronesa de Itapura e da baronesa de Anhumas, sobrinha-tetraneta do visconde de Vergueiro, do barão de Limeira e da marquesa de Valença, e pentaneta do senador Vergueiro, um dos mais influentes políticos do Império do Brasil, a Neca não se aplica o neca de pitibiriba.

Bom para o DBF, o Dicionário Brasileiro de Frases.

13 junho, 2024

O rio que deságua em dois oceanos

Parece exótico, especialmente tendo a conta a distância entre os dois oceanos. Mas é o que acontece com o rio Delkiu, na Rússia. 
O mapa abaixo mostra o rio Delkiu, que começa a sua viagem na região de Khabarovsk, no sopé do monte Berill, e depois se reparte: uma parte que deságua no Oceano Pacífico; a outra, no Oceano Ártico.

(https://es.rbth.com/viajes/92352-rio-rusia-desemboca-dos-oceanos)

Este fenômeno raro é conhecido como bifurcação fluvial e só foi testemunhado em alguns casos no mundo, entre eles com o rio Orinoco, na Venezuela, e com o rio Pará, no norte do Brasil.

12 junho, 2024

Doce Mistério de Belchior

"E foi já durante o autoexílio uma das últimas aparições nos palcos, em 2009, durante um show de Tom Zé onde estava como expectador. O cantor Belchior é chamado ao palco e com a plateia em êxtase canta a música 'Doce Mistério da Vida', originalmente gravada por Victor Herbert e composição de Rida Johnson Young, de 1910 (Ah! Sweet Mystery of Life). A versão nacional da música foi gravada inicialmente por Alberto Ribeiro, médico e compositor carioca, autor de várias marchinhas de carnaval. Posteriormente, essa música foi regravada por Maria Bethânia e Caetano Veloso, Núbia Lafayette (com letra diferente), Moacyr Franco, Agnaldo Timóteo e também por Belchior, no álbum 'Vício Elegante', lançado em 1996 e dedicado às releituras e interpretações de canções de outros artistas."
~ Bira Pereira, Mais PB

11 junho, 2024

No ônibus

(frases mais ouvidas)
- É sempre apertado assim?
- Passa por baixo da roleta.
- Quando estiver pra chegar me avisa.
- Quer que eu segure?
- Vai descer, motorista.
- Não está levando porco, não.
- Eu podia estar roubando, eu podia estar matando...

10 junho, 2024

Guerra

Este desenho tem mais de 80 anos. E, ainda assim, você não precisa mudar nada do que vê nele. Cada detalhe é hoje tão relevante quanto era no dia em que foi desenhado.

09 junho, 2024

Samba de duas notas

Stephan Hitzelberg convida amigos para tocar o "Samba de duas notas", do violonista brasileiro Luiz Bonfá, canção que este gravou com Stan Getz em 1963.

Bons Fás
Seville: melodia e sample (Great Songs)
Quase apaixonado (Elvis Presley)
Manhã de Carnaval (Caetano Veloso e Luciano Pavarotti)
Um abraço no Bonfá (João Gilberto)

08 junho, 2024

Plástico ao mar (2)

Não vejo problemas em comercializar abacaxi em rodelas, cana em roletes, tangerina em gomos etc. Quanto a estas frutas curvas (foto), não parece ser uma boa idéia. Em todos os casos, substitua-se o isopor das bandejas por papelão.


8 de junho, Dia Mundial dos Oceanos

07 junho, 2024

A satírica Dorothy Parker

Dorothy Parker (nascida Rothschild) foi uma escritora e jornalista americana radicada em Nova Iorque.
Ela era conhecida por sua inteligência, piadas e olhar para as fraquezas urbanas do século XX.
A famosa e sagaz Dorothy Parker tinha dificuldades em controlar o uso do álcool. Segundo a lenda, ao ter sido questionada sobre suas experiências em uma festa, ela respondeu:
"Mais uma bebida e eu estaria sob o comando do anfitrião!"
Dorothy também foi creditada por estes versos mais elaborado sobre o assunto. Aqui estão:
"Não posso beber martinis
Só um ou dois, no máximo
Depois das três, estou debaixo da mesa
Depois das quatro, estou sob o comando do meu anfitrião!"
Num jantar da alta sociedade, ela entrou na sala de jantar ao lado de uma bela e maliciosa dramaturga. A dramaturgo deu um passo para o lado. "A idade antes da beleza", ela disse docemente. "Pérolas aos porcos", respondeu Dorothy Parker, com a mesma doçura, e navegou para o jantar mais farto de sua vida.
Após sua cremação, as cinzas de Dorothy não foram reclamadas por muitos anos. Até que a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor reivindicou-as para o projeto de um jardim memorial.
A placa dizia:
"Aqui jazem as cinzas de Dorothy Parker (1893–1967), humorista, escritora e crítica. Defensor dos direitos humanos e civis. Como epitáfio, ela sugeriu: 'Desculpe minha poeira'. 28 de outubro de 1988."

06 junho, 2024

Putinhotep I

Como faraó moribundo e Deus vivo, Putinhotep I segue uma antiga tradição de "sacrifícios de retenção", isto é, sacrifícios humanos de pessoas destinadas a servi-lo na vida após a morte. (*)
Em cerimônias xamãs na Sibéria com o ex-amigo e chefe do Ministério da Defesa, Sergei Shoigu, este número de sacrifícios necessários foi estimado em um milhão, de preferência escravos do sexo masculino eslavos orientais (naturalmente, Osíris lhes fornecerá os serviços gratuitos de mulheres virgens).
Com a progressão da doença de Parkinson e do câncer, Putinhotep I calculou que, até o final deste ano, atingirá o tal milhão de jovens mortos, aptos a servi-lo fielmente no inferno.
Felizmente para Putinhotep I, Biden prometeu fornecer novas armas pesadas à Ucrânia, e tudo será como no Amazon Prime. Mais armas letais, mais escravos para o Faraó em sua vida após a morte.
Gostaria de deixar registrado que ninguém, absolutamente ninguém na Rússia, exceto Putinhotep I, beneficia-se ou lucra com essa "operação militar especial" na Ucrânia, mas a reverência coletiva e o temor projetado num Deus vivo não permitem que ele seja detido.
~ Misha Firer

(*) O sacrifício humano não era uma prática incomum no Egito, sendo que o chamado "sacrifício de retenção" era particularmente popular. E o que significa esse termo? Um sacrifício retentor é como um assassinato ritualizado, após a morte de um governante, de modo a facilitar o "caminho para a luz" para as outras pessoas que o acompanham. Os primeiros indícios desta prática no Egito remontam a 3,5 mil a.C.. A prática tinha seus altos e baixos, mas, durante a Primeira Dinastia, os sacrifícios humanos foram mais frequentes. O trauma externo não é evidente nos restos dos sacrificados, provavelmente para evitar a perda de sangue, e ainda não está claro se as vítimas foram coagidas ou voluntárias.

05 junho, 2024

A língua do pica-pau

A língua de um pica-pau é tão comprida que envolve o crânio para proteger o cérebro enquanto ele está a martelar uma árvore ou outras superfícies duras. Isto, combinado com outros fatores, tais como: músculos do pescoço super-fortes, placas de osso esponjoso no crânio que funcionam como um capacete de futebol e uma quantidade muito pequena de líquido cefalorraquidiano que envolve o cérebro, ajudam a impedir que um pica-pau danifique o próprio cérebro enquanto pica com uma força superior a 1.000g.
http://mastodon.social/@RustyBertrand
Relacionadas
O pica-pau não tem dor de cabeça, mas...
Um martelo de corpo inteiro

04 junho, 2024

Ó mar salgado!

Os oceanos cobrem aproximadamente 70% da superfície da Terra. Cerca de 97% de toda a água do planeta é salgada. Se todo esse sal pudesse ser extraído do oceano e distribuído uniformemente pela superfície terrestre, formaria uma camada com mais de 166 metros de altura, equivalente à altura de um prédio de 40 andares. Fonte: USGS

As intempéries carregam para dentro dos oceanos o material de que é feito os continentes e arrasta mais facilmente tudo o que é solúvel em água. E aqui entra o sal, ou cloreto de sódio.
E de onde vem a água para formar as intempéries, como chuva e neve?
Sim, evaporam dos oceanos, com a energia que estes recebem do Sol.
Ocorre que o sal praticamente não evapora nas condições de temperatura e pressão dos oceanos (evapora uma quantidade ínfima, que nem conta para nosso raciocínio). Por isso os oceanos vão ficando cada vez mais salgados.
Hoje os principais oceanos da Terra têm em torno de 37.000 ppm de sal, mas a solubilidade do cloreto de sódio na água, a 25 graus Celsius, é de 280.000 ppm. Então cabe ainda muito sal. Fonte: Quora

03 junho, 2024

DECLARAÇÃO EUROPEIA SOBRE O CICLISMO🚴

Hoje é o Dia Mundial da Bicicleta!

Estamos prontos para pedalar rumo a um futuro mais sustentável para a nossa União com a Declaração Europeia sobre o Ciclismo.

Reconhece a bicicleta como um modo de transporte sustentável e acessível e contém compromissos claros para impulsionar a utilização da bicicleta na União Europeia.

DECLARAÇÃO EUROPEIA SOBRE O VELOCIPEDISMO, uma política interinstitucional para o ciclismo a nível continental (versão pt).

A cerveja sem meias palavras

O conceito nasceu, de forma despretensiosa, numa roda de amigos. A ideia era encontrar um nome para uma cerveja artesanal de trigo que estava sendo preparada pelo grupo. O que ninguém esperava era a repercussão da iniciativa. Em pouco tempo, a cerveja Weiss Füder virou meme nas redes sociais, gerando piadas, brincadeiras e gozações.

Quanto ao nome, é uma expressão poderosa, sonora e, alguns diriam, até mesmo saborosa e encorpada. Para ser dita nos momentos certos. Weiss Füder, sem dúvida, encerra discussões Está na boca do povo, literalmente. Do campo de futebol à sala do presidente, aos gritos ou sussurros e até em pensamento.

(post não patrocinado)

02 junho, 2024

O estranho caso do Dr. Robert

Em suas visitas aos EUA, os Beatles ouviram falar de um médico chique de Nova Iorque que dava injeções misteriosas "de vitaminas". Paul conta: "Nós ouvíamos pessoas dizendo 'você pode conseguir qualquer coisa com ele, o remédio que quiser'. Era uma grande pilantragem. A música (vídeo "Dr. Robert") era uma brincadeira em torno desse sujeito que curava todo mundo com remédios e tranquilizantes. Ele simplesmente mantinha Nova Iorque chapada".


Well, well, well, you're feeling fine
Well, well, well, he'll make you
Doctor Robert.

O "Doctor Robert" era, possivelmente, o doutor Robert Freymann, um médico de 60 anos nascido na Alemanha com um consultório na Esat 78th Street. (O doutor Charles Roberts citado em alguns livros sobre os Beatles não existia. Era um pseudônimo usado pelo biógrafo Jean Stein para ocultar a identidade de outro "médico de anfetamina"). Conhecido como doutor Robert ou o "Great White Father" (tinha uma mecha de cabelo branco), Freymann era bem relacionado com a vibrante cena de arte da cidade. Ele tinha ajudado, entre outros, Thelhonius Monk e Charlie Parker (cuja certidão de óbito fora assinada por ele em 1955) e tinha a reputação de ser generoso com anfetaminas. "Tenho uma clientela impressionante, de todas as esferas", ele se gabava. "Provavelmente posso dar a você em dez minutos cem nomes de clientes famosos". John, que escreveu "Dr. Robert", estava entre esses nomes famosos, de acordo com a filha de Freymann.
Inicialmente prescritas como antidepressivos, as anfetaminas logo se tornaram uma droga recreativa para os nova-iorquinos modernos. Um antigo paciente do Dr. Freymann, citado no New York Times em 1973, declarou: "Se você quiser ter uma noitada, é só passar no Max (Dr. Max Jacobson), depois no Freymann e depois no Bishop (Dr. John Bishop). Era como ir de bar em bar". O diretor de cinema Joe Shumacher, que fazia uso de anfetaminas nos anos 60, concorda: "E nós achávamos que eram "injeções de vitamina".
Ministrar anfetaminas não era ilegal na época, mas havia normas oficiais contra a prescrição de "quantidades excessivas". O Dr. Robert perdeu sua licença por seis meses em 1968 e, em 1975, foi expulso da Medical Society do Estado de Nova Iorque por imperícia. Quando New York Times pediu em março de 1973, que ele defendesse seus atos, a resposta foi: "Os viciados mataram uma droga boa". Ele morreu em 1987.

Fonte: O estranho caso do Dr. Robert, Blog "O Baú do Edu"

O andar de cima

Fernando Gurgel Filho
O marido de Dona Antônia, o seu Antônio, foi internado com Covid. Teve que ficar na UTI, entubado e isolado, mas todos os dias, Dona Antônia e a filha iam ao hospital saber notícias do ente querido.
No terceiro ou quarto dia, ao chegarem ao hospital, se encontraram com o médico responsável pela UTI e logo quiseram saber notícias de Seu Antônio. O médico prontamente respondeu, ainda meio cansado pelo plantão da noite anterior:
- Ah, minhas filhas, felizmente ele já está no andar de cima!*
- Andar de cima, papai morreu?, balbuciou a filha quase chorando.
- Meu Antônio se foi?, gritou a idosa a cambalear.
- Não, não... Se acalmem. Desculpem assustá-las, ele foi liberado e já está no apartamento, no 3º andar. Perguntem ali para a enfermeira que ela encaminha as senhoras para lá.
E foram, ainda meio baqueadas pelas duas informações contraditórias que quase provocaram uma tragédia familiar.

*Ir pro andar de cima = morrer, ir para o céu.

01 junho, 2024

O golfinho trompetista

1 - pela embocadura

2 - para a limpeza do instrumento

Bom sopro:

"O primeiro musicista de jazz foi um trompetista, Buddy Bolden; o último será um trompetista, o arcanjo Gabriel."

31 maio, 2024

Com cinzas e com afeto

Caso verídico que escutei de uma aeromoça da Alitalia.
A historia começa na porta de entrada do avião quando uma passageira sai da fila para se aproximar da aeromoça e pedir com toda polidez que ela permita que sua adorável mãezinha viaje em primeira classe.
- É o sonho dela, disse com emoção.
A aeromoça sensibilizada negou educadamente alegando que não tinha autorização da empresa para tanto, mas faria algo especial pela mãe da passageira. Daria a ela toda atenção e mimos como se na primeira classe estivesse. Bastava que lhe dissesse o número da poltrona da classe turística.
- 34B, corredor.
O avião decolou e a gentil aeromoça,depois de alguns minutos, se dirigiu à poltrona assinalada levando um pote de caviar com um vinho espumante. Lá estava comodamente sentada a passageira.
- Onde está sua mãezinha? perguntou a aeromoça.
A passageira então abriu a mochila e sacou de lá um vidro com as cinzas da mãe.
Disse, emocionada:
- Estou levando suas cinzas para lançá-las no lago de Como na Italia.
A adorável aeromoça não se fez de rogada, pegou o vidro com cinzas e o acomodou discretamente no melhor local da primeira classe.
Achei a história linda e trouxe para vocês como o exemplo de que o afeto ainda existe até entre pessoas que mal se conhecem.
Nelson Cunha

O violão perdido de John Lennon

O violão acústico de 12 cordas, modelo Hootenanny, de fabricação alemã, usado por John Lennon na gravação do álbum e do filme "Help!", em 1965, foi vendido por US$ 2.857.000 (cerca de 15 milhões de reais) pela casa de leilões Julien’s Auctions.
O Hootenanny ultrapassou o violão Gibson J160E, também tocado por Lennon e vendido, em 2015, por US$ 2,4 milhões, tornando-se o instrumento mais caro da história dos Beatles.
O instrumento passou cinco décadas desaparecido.
Inicialmente, o violão esteve sob os cuidados do cantor e compositor escocês Gordon Waller, membro da dupla Peter and Gordon (com Peter Asher). Depois, ficou com os empresários do duo. Cinco décadas mais tarde, foi descoberto em um sótão no interior do Reino Unido. O estojo do violão foi resgatado do lixo.

30 maio, 2024

Expressões idiomáticas com a palavra "chorar"

“Chorar”: protestar ou reclamar de algo que é injusto.
“Chorar como um bebê”: chorar incontrolavelmente como uma criança pequena.
“Chorar por dentro”: manter as emoções e sentimentos dentro de si enquanto os esconde dos outros.
“Chorar sob comando”: Ser capaz de chorar à vontade ou sob demanda, normalmente para atuação ou performance.
“Chorar lágrimas de crocodilo”: choro falso ou insincero, normalmente para enganar ou manipular outras pessoas.
“Chorar pelo leite derramado”: lamentar ou ficar chateado por algo que não pode ser mudado ou desfeito.
“Chorar no ombro de alguém”: buscar conforto ou consolo de alguém durante um momento de turbulência emocional.
“Chorar rios de lágrimas”: chorar exageradamente (em inglês, “Cry rivers of tears”). “Cry me a river”: uma expressão de descrença ou ceticismo em relação às lágrimas ou demonstração emocional de alguém. 
“Chorar cortando cebola”: fingir que está emocionado para manipular a situação, fingir que está chorando.
“Chorar como um porco preso”: Gritar alto ou guinchar, também pode se referir a alguém chorando alto e inconsolável.
“Chorar de todo coração”: expressar emoções profundas em um choro intenso ou ficar profundamente magoado emocionalmente.
Concluindo:
As expressões idiomáticas para chorar fornecem uma maneira rica e matizada de expressar as emoções complexas associadas ao choro. Desde “lágrimas de crocodilo” até “chorar pelo leite derramado”, cada expressão retrata uma imagem única do que significa chorar e do contexto em que isso ocorre.
O choro é uma emoção humana natural e universal, e essas expressões fornecem uma forma de dar-lhe significado, profundidade e compreender como os outros podem se sentir. E lembre-se, não importa como você escolha se expressar, é importante permitir-se chorar quando necessário e buscar apoio quando se sentir sobrecarregado.
Esperamos que esta postagem do blog tenha-lhe proporcionado uma compreensão mais profunda das expressões idiomáticas para chorar e que você possa usá-las em suas conversas diárias para se expressar melhor.
(https://phrasedictionary.org/idioms-for-crying/)

29 maio, 2024

O tempo métrico

A arriscada proposta do metric-time.com consiste num sistema alternativo de medição do tempo em que deixando para trás a base 60, a base 12 e a base 24 a que estamos habituados, passemos a utilizar a base 10 como dita o sistema métrico.
Neste sistema métrico aplicado ao relógio, o dia tem 10 horas, cada hora tem 100 minutos e cada minuto tem 100 segundos. Ao fazer os cálculos pode-se entender que cada "hora métrica" equivale a 2,4 horas "normais", os minutos métricos duram 1,44 minutos e os segundos métricos duram 0,864 segundos.
A coisa mais fácil de entender – supostamente, o que simplifica a questão – é que num dia métrico há 10 horas, 1.000 minutos e 100.000 segundos. Isso também facilitaria alterações adicionando e subtraindo datas e também fusos horários. Ou, quando nada, se supõe.


Deve ser a enésima tentativa de modificar a forma de contar as horas – sem falar nas de modificar o calendário, que é ainda mais irregular – porque o peso da história (desde os tempos dos sumérios e egípcios) é demasiado poderoso e resiste a todos os ataques.
Fonte: Microsiervos, por Alvy 

28 maio, 2024

27 maio, 2024

O Burro Juiz, por Monteiro Lobato

Disputava a gralha com o sabiá, afirmando que a sua voz valia a dele. Como as outras aves rissem daquela pretensão, a bulhenta matraca de penas, furiosa, disse:
- Nada de brincadeiras. Isto é uma questão muito séria, que deve ser decidida por um juiz. Canta o sabiá, canto eu, e a sentença do julgador decidirá quem é o melhor artista. Topam?
- Topamos! piaram as aves. Mas quem servirá de juiz ?
Estavam a debater este ponto, quando zurrou um burro.
- Nem de encomenda! exclamou a gralha. Está lá um juiz de primeiríssima para julgamento de música, pois nenhum animal possui maiores orelhas. Convidemo-lo.
Aceitou o burro o juizado e veio postar-se no centro da roda.
- Vamos lá, comecem! ordenou ele.
O sabiá deu um pulinho, abriu o bico e cantou. Cantou como só cantam sabiás, garganteando os trinos mais melodiosos e límpidos. Uma pura maravilha, que deixou mergulhado em êxtase o auditório em peso.
- Agora, eu! disse a gralha, dando um passo à frente.
E abrindo a bicanca matraqueou uma grita de romper os ouvidos aos próprios surdos.
Terminada a justa, o meritíssimo juiz deu a sentença:
- Dou ganho de causa à excelentíssima senhora dona Gralha, porque canta muito mais forte que mestre Sabiá.
Quem burro nasce, togado ou não, burro morre.

Link: https://www.migalhas.com.br/quentes/88683/um-nacionalista-preso-por-delito-contra-a-seguranca-nacional
A condenação de Monteiro Lobato pelo Tribunal de Segurança Nacional (1941), confirma a velha fábula. A sentença deu razão ao que cantava mais forte.

26 maio, 2024

As tragédias na vida de Isadora Duncan

Angela Isadora Duncan (26 de maio de 1877 - 14 de setembro de 1927) foi uma dançarina americana que se apresentou com grande sucesso na Europa e nos EUA. Nascida e criada na Califórnia, ela morou e dançou na Europa Ocidental, nos Estados Unidos e na União Soviética.
Inspirando-se nas artes gregas clássicas, combinou-as com o atletismo americano para formar uma nova filosofia de dança, em oposição à rigidez do balé tradicional.
Sobre ela pairou uma aura de tragédias. Com situações em que ela precisou de seu amor pela arte para perfurar as tristezas que a cercavam.
Em abril de 1913, seus dois filhos, Patrick, 6, e Deirdre, o bebê, foram passear de automóvel com a governanta em Paris. Os freios do carro falharam ao se aproximar do Sena e o veículo mergulhou no rio. As crianças e a governanta morreram afogadas.
Por fim, outro automóvel que causou sua morte. Aos 50 anos, Isadora Duncan teve uma morte trágica em Nice, França. Quando seu cachecol esvoaçante se enroscou numa das rodas e no eixo do carro em que ela viajava.

Cena de sua morte no filme "Isadora", de 1968, em que ela foi interpretada por Vanessa Redgrave:

24 maio, 2024

Bom para apanhar aranhas

O meu gato é ótimo para apanhar aranhas. No entanto, há algumas ressalvas:

1. As aranhas têm de ser suficientemente grandes para serem divertidas.

2. A captura de aranhas só acontece à noite e apenas no quarto de dormir.

3. O gato faz alguns sons específicos para alertar que uma aranha está a ser caçada.

4. Todas as aranhas têm que ser entregues como prendas em meu peito ou em minha cara.

5. Reparem que eu só disse que ele era bom "para apanhar". As aranhas entregues estão bem vivas e muito zangadas com o estado atual das coisas.

(https://mastodon.social/@SecurityWriter@infosec.exchange) Trad. PGCS

23 maio, 2024

Lançamento de moedas

Um grupo de dezenas de matemáticos assumiu a tarefa de lançar 350.757 moedas ao ar e registrar os resultados para verificar como elas caem e qual é o efeito físico da matéria, em comparação com a previsão matemática de que deveriam cair 50 a 50%. Bem, as moedas têm 51% de chance de terminar da mesma forma que saíram da mão e 49% de chance de cair ao contrário. O resultado, que publicaram agora num trabalho com muitos detalhes, é contrário à intuição e ao que aplicamos nos modelos matemáticos.
A questão não deveria surpreender-nos, embora o faça porque desafia uma das regras da justiça universal do acaso que assumimos para o mundo que nos rodeia: num processo verdadeiramente aleatório, como um lançamento cara/coroa, os eventos são equiprováveis. Mas claro; O mundo não é um modelo matemático e o lançamento de uma moeda é um processo sujeito às leis da física, ao determinismo e a tudo o que isso implica, por isso seria de esperar que se comportasse como um sistema caótico e imprevisível... Ou não?
Os 48 matemáticos lançaram as moedas 350.757 vezes – de 46 denominações e países – e gravaram todos os lançamentos em vídeo para quem quiser examiná-las. Eles obtiveram uma probabilidade de 0,508 (~51%) de “o mesmo rosto a partir do qual foram lançadas” com intervalo de confiança de 95% [0,506, 0,509]. De passagem, confirmou-se a regra matemática de que se a face inicial não for levada em consideração (é aleatória) os resultados de “cara” ou “coroa” são distribuídos 50% (0,500). Os números de lançamentos e voluntários são recordes, até onde sabemos.
O venerável matemático Persi Diaconis vem trabalhando nisso há décadas e já explicou como encontrou uma explicação razoável:
Persi Diaconis expandiu o modelo padrão de lançamento de moeda propondo que quando as pessoas lançam uma moeda comum introduzem um pequeno grau de "precessão" ou oscilação, que consiste em uma mudança na direção do eixo de rotação ao longo da trajetória da moeda. De acordo com este modelo, a precessão faz com que a moeda fique mais tempo no ar com a face inicial voltada para cima . Conseqüentemente, a moeda tem uma probabilidade maior de cair no mesmo lado em que começou, o que poderia ser chamado de “viés do mesmo lado”.
Diaconis estimou esse viés ou diferença muito leve em 51%, o que agora foi confirmado com mais dados experimentais. Claro, eles também alertam que pode ter acontecido que os sujeitos do experimento tivessem consciência da hipótese que tentavam testar e se tornassem “melhores arremessadores” ao exagerarem no movimento de oscilação, e que isso influenciou os resultados. Eles estão investigando isso.
Em qualquer caso, 50,8% em comparação com os 50% teóricos pode não parecer muito , mas se apostar um euro “cara ou coroa” em 1.000 lançamentos, vendo a posição inicial da moeda quando ela sai do controle, a diferença média pode custar cerca de 19 euros, o que é mais do que o que você ganha em alguns jogos de cassino. Então não é tão ruim.

22 maio, 2024

Bem-vindo ao mundo da icnologia

Dinosaurs Without Bones (Dinossauros Sem Ossos), de Anthony J. Martin (368 p.).
E se uma manhã acordássemos e todos os ossos de dinossauros do mundo tivessem desaparecido? Como saberíamos que estes animais icônicos tiveram uma história de 165 milhões de anos na Terra e se adaptaram a todos os ambientes terrestres, de polo a polo? Que pistas seriam deixadas para discernir não só a sua presença, mas também para aprender sobre a sua vida sexual, a criação dos jovens, a vida social, o combate e quem comeu quem? O que seria necessário para sabermos a rapidez com que os dinossauros se moviam, se viviam no subsolo, subiam em árvores ou nadavam? Bem-vindo ao mundo da icnologia, o estudo de vestígios de fósseis - como pegadas, trilhas, tocas, ninhos, marcas de dentes e outros vestígios de comportamento – e como, através destas pistas notáveis, podemos explorar e intuir a vida rica e complicada dos dinossauros.
Sobre o autor.

21 maio, 2024

O vazio de um exílio

Localizada em Marselha, França.

Uma das esculturas de bronze da série LES VOYAGEURS, do artista francês Bruno Catalano, originário de Marrocos. Catalano é conhecido por criar esculturas em que faltam seções substanciais como que representassem o vazio de um exílio (ou de um insílio?).

20 maio, 2024

Xisquete

Seja honesto!
Você ainda o chama de Twitter ou de X?
(Musk)

Resposta: Twitter
Xwitter, por ironia.

Ora (direis) não ver estrelas

Desde o início da humanidade, as pessoas olham para o céu noturno para ver as estrelas. Observá-los nos permitiu aprender como funciona o universo, como marcar o tempo com calendários e como navegar pelo mundo. Mas, no nosso mundo moderno, a poluição luminosa significa que os habitantes das cidades nunca veem as estrelas, muito menos os confins da Via Láctea, e mesmo nas cidades pequenas é difícil discernir o que se passa lá em cima. Se você quiser ver uma chuva de meteoros, por exemplo, terá que dirigir longas distâncias em direção à natureza selvagem. Mas mesmo nos lugares mais remotos do planeta, os céus estão mais claros do que costumavam ser. As luzes LED economizam energia, mas isso significa apenas que as usamos mais e que deixamos as luzes acesas a noite toda. E mesmo que você encontre uma área remota e escura, o próprio céu está cheio de satélites que atrapalham os fenômenos naturais. 
Os astrônomos cunharam uma nova palavra que descreve a tristeza que sentimos pela perda de oportunidades de observar as estrelas: "noctalgia".
(https://www.neatorama.com/2023/09/20/The-Pain-Stargazers-Feel-Over-the-Loss-of-Dark-Skies/)

19 maio, 2024

Bola ou búlica

1. Jogo de bola de gude (bila, no Ceará) em três buracos no chão (búlica). Começa o jogo quem jogar a bola de gude mais perto de uma linha riscada no chão após os buracos, mas sem ultrapassar a linha. O jogador 1 começa tentando colocar a bola de gude no primeiro buraco; se acertar, continua, passando a vez para o outro (jogador 2) apenas quando errar. O objetivo é acertar os buracos numa sequência de ida e volta.
2. Canção de João Bosco e Aldir Blanc. Foi gravada por Elis Regina, Tamba Trio e MPB 4 (pseudovídeo). "É bola ou búlica, é fogo esse jogo, não dá pra enganar, nega."

18 maio, 2024

Aquecendo os pés

Um fazendeiro morava em uma casinha na serra gaúcha. Era inverno e fazia um frio danado, daqueles de chegar a zero graus, e por mais que ele colocasse muitos cobertores na cama, não conseguia dormir porque seus pés não esquentavam de jeito nenhum. Até que ele teve a ideia de ir até a farmácia e comprar uma bolsa térmica.
— É para aquecer os pés na cama!, explica ele ao farmacêutico.
— Olha, no momento este produto está em falta porque todo mundo teve a mesma ideia aqui na cidade, mas eu posso lhe dar uma sugestão: o senhor tem gato em casa?
— Tenho!
— Então! Lá em casa eu também tenho um, e coloco o gato para aquecer meus pés. Não é a mesma coisa, mas ajuda bastante!
O senhor saiu todo empolgado com a idéia. No dia seguinte ele chega à farmácia, furioso e com arranhões espalhados por todo corpo.
— O que aconteceu? - perguntou o farmacêutico, aflito.
— Culpa dessa sua ideia maluca de colocar o gato pra aquecer meus pés!
— Por quê?, perguntou o farmacêutico, sentindo-se culpado. O gato era muito bravo? 
E o senhor respondeu: 
 — Não, era mansinho. Bom, pelo menos até eu fazê-lo beber um litro de água quente!

 https://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=6911

17 maio, 2024

Poemas em forma de árvores decíduas

Um problema comum ao escrever poemas em forma de árvores decíduas é que, uma vez que cheguem os primeiros movimentos da nova brisa de outono, os poemas começam a ser sacudidos até que suas letras se soltem como folhas, caiam e depois se transformem em cogumelos no chão (tradução: PGCS).

16 maio, 2024

Inventores, mestres e diluidores

O escritor Ezra Pound, em "ABC of Reading" (ABC da Literatura, Ed. Cultrix), propôs a existência de três classes de criadores:
  1. Inventores: os que descobrem um novo processo ou cuja obra nos dá o primeiro exemplo conhecido de um processo;
  2. Mestres: os que fazem várias combinações do processo inicial e se saem tão bem ou melhor do que os inventores;
  3. Diluidores: aqueles que vieram depois e não foram capazes de realizar tão bem o trabalho.
Ezra Pound falava de literatura. Mas a gente pode usar seus argumentos para falar de música.

15 maio, 2024

Confissão público-privada dos pecados - 10

🙏Um garoto está se confessando com o padre.
"Abençoa-me padre, porque pequei. Eu fiquei com uma garota fácil."
O padre pergunta: 
"É você, Joãozinho Tavares?"
"Sim, padre, sou eu."
"E quem era a garota com quem você ficou?"
"Não posso dizer, padre. Não quero arruinar a reputação dela."
"Bom, Joãozinho, eu tenho certeza de que logo vou saber quem é ela. Portanto é melhor você ir falando de uma vez. Foi a Maricleide Ferreira?"
"Não posso dizer."
"Foi a Carolina Flores?"
"Não vou contar."
"Foi a Luane Gonçalves?"
"Desculpe, mas não posso dizer o nome."
"Foi a Kátia Fonseca?"
"Não vou falar."
"Foi a Francelina Arruda?"
"Por favor, padre, eu não posso dizer."
O padre dá um suspiro frustrado. "Você sabe guardar segredo, e isso é admirável. Porém, você pecou e deve receber uma penitência. Você não pode ser coroinha por quatro semanas. Agora vá e trate de se comportar."
Joãozinho volta para o seu banco e seu amigo o cutuca e pergunta, cochichando: "O que ele lhe deu?"
"Um mês de folga e cinco ótimas dicas."
(Fonte: "TudoPorEmail")

14 maio, 2024

Uma foto para o anuário escolar

Sigourney Weaver é popularmente conhecida como uma famosa atriz americana com vários prêmios em sua carreira. Ela é reconhecida principalmente por seu trabalho em filmes como "Alien", "Caça-Fantasmas" e "Avatar". Mas muito antes de entrar no mundo do cinema, ela desejava uma vida que não fosse comum. Quando estava se formando no ensino médio, ela tirou esta foto para o anuário escolar. Mas a verdadeira pérola foi a sua citação: "Por favor, Deus, por favor, não me deixe ser normal!".

13 maio, 2024

Termen e a conquista da Europa

O novo regime decidiu enviar Termen para o estrangeiro, para a Europa. Mais uma vez ele teve um duplo papel: oficialmente, ele foi um famoso inventor soviético enviado para demonstrar as gloriosas conquistas do novo Estado operário no meio das brasas moribundas do capitalismo.
Seu verdadeiro trabalho era coletar o máximo possível de equipamentos e informações técnicas ocidentais para enviar de volta para casa.
Termen conquistou a Europa com uma série de concertos espetaculares. Todos esses shows tiveram a mesma estrutura.
Ele começaria com uma palestra sobre os princípios operacionais do teremim (theremin) e depois usaria várias configurações para fazer o instrumento imitar sons de animais e a voz humana.
Depois veio a parte principal do concerto, um recital musical com Termen tocando lentas peças românticas com acompanhamento orquestral.
Em demonstrações posteriores, Termen adicionou um efeito visual chamado Illumivox. Essencialmente, uma longa tira de gelatina arco-íris que era ligada a um projetor para que a luz colorida brilhasse na parede atrás dele. A cor exibida mudava com o tom da nota, como um tipo antigo de protetor de tela. Para o público, foi mágico.
Houve três fatores que tornaram as demonstrações de Termen inesquecíveis. Em retrospectiva, os fatores são independentes um dos outros, mas na época todos os três pareciam partes integrantes de uma nova e elétrica 'música do éter'.
O primeiro fator foi aquela interface incrível, o espetáculo da música sendo tirada do ar pelas mãos do músico.
Ironicamente, era uma interface terrível para fazer música. O teremim toca como um trombone 3D. Você tem que acertar suas marcas exatamente no espaço, e é difícil mover-se entre as notas sem um efeito de mergulho e convulsão (glissando). A consistência pastosa da interface limitava o teremim a um repertório de números lentos e um tanto xaroposos. Os músicos da época tendiam a usar um vibrato pesado, para mascarar imprecisões inevitáveis no tom.
Mas como espetáculo, aquela interface era sensacional. Ao contrário de todos os outros instrumentos elétricos, podia-se ver que o teremim era diferente. Ainda hoje o efeito é incrível; é difícil imaginarmos a impressão que deve ter causado nos anos vinte.
O segundo fator, curiosamente, foi a amplificação. Hoje pensamos na amplificação como algo separado de qualquer instrumento específico, mas para muitas pessoas na plateia, esta foi a primeira vez que ouviram música amplificada. E, ao contrário de outros instrumentos, o teremim não tinha volume natural. Um amplificador era parte integrante de seu design, para que pudesse tocar tão alto quanto você desejasse.
A visão de um único instrumento se destacando contra uma orquestra causou uma grande impressão. Ninguém poderia então prever que a amplificação elétrica representaria o verdadeiro futuro da música, ou que um instrumento humilde - a guitarra - estaria predestinada a se transformar numa estrela do rock.
Nessas "demos" de teremim, a amplificação não era algo à parte, mas parte do que tornou a música elétrica tão revolucionária.
O terceiro fator cativou a imaginação de compositores e ouvintes musicalmente sofisticados, que não se deixaram seduzir pelo trêmulo recital clássico.
Ali estava uma invenção que eliminaria os limites artificiais na cor do tom e no som que sobrecarregaram os compositores por milênios. Não havia mais necessidade de raspar crina de cavalo em corda de intestino ou soprar em canos para produzir sons musicais. As notas não seriam mais limitadas pelo comprimento físico do arco do violino ou por quanto tempo o trompetista conseguia prender a respiração.
A paleta completa de sons, todos os tipos imagináveis de tons, cores e contornos, estavam abertos à exploração. Agora você pode criar sons. Essa foi a linha de pensamento que acabaria por levar ao sintetizador e à música eletrônica como a conhecemos hoje. Foi incrivelmente libertador, mas também intimidante.
Afinal, uma coisa é saber que todas as restrições foram levantadas; outra é descobrir como essa música totalmente nova deveria soar.

OUR COMRADE THE ELECTRON (NOSSO CAMARADA, O ELÉTRON) - 5.ª parte desta palestra, que Maciej Ceglowski proferiu em 14/02/2014, na Webstock, em Wellington, Nova Zelândia.
[http://idlewords.com/]

12 maio, 2024

Por que tanta gente tem "fobia" dos terraplanistas?

Eis a resposta que deu o "quorista" Barry Goldberg:
Sabe, perguntas como estas me lembram aquela cena do filme Monty Python e o Cálice Sagrado, onde o Rei Artur é forçado a lutar com o supostamente formidável Cavaleiro Negro. Artur corta um dos braços do Cavaleiro Negro, depois outro, e então uma perna, enquanto o Cavaleiro Negro recusa até mesmo a reconhecer que sofreu qualquer lesão séria.
Finalmente, Artur corta a perna que sobrou do Cavaleiro Negro e deixa-o no chão, como um tronco impotente.
Então, quando Artur segue seu caminho depois de ter derrotado completamente o Cavaleiro Negro, o mesmo ainda o acusa de covardia de "fugir" (I see. Running away, eh?).


Em suma, não é covardia, é vergonha alheia.

11 maio, 2024

A Comunidade Internacional

 Segundo Arthur Charpentier (no Mastodon):

- Puxa! Até a Nova Zelândia [1] [2] que não é muito de aparecer nos mapas!

10 maio, 2024

Guiomar Novaes. Terceiro mo(vi)mento

A abonação de déu em déu aparece no diálogo da crônica resultante de uma visita que o escritor paulista Monteiro Lobato (1882-1948) fez à pianista paulista Guiomar Novais (1896-1979):
— E deu muitos concertos?
— Só em Paris toquei nuns trinta, em Londres nuns oito, em Berlim noutros tantos, em Lausanne não sei em quantos...
Persiste a hipótese de que déu seja variante de deu, do verbo dar, com o sentido de viajar, chegar, ir:
"Tomando tal caminho, deu ou bateu com os costados em tal lugar".

Guiomar Novaes. Dois mo(vi)mentos

09 maio, 2024

Discurso de Susan Wild

A deputada Susan Wild criticou a audiência no Congresso dos Estados Unidos em 07/05/2024 sobre a democracia no Brasil: "Serve para prejudicar".


Parlamentares patriotários da extrema direita que foram aos "Esteites" tiveram que ouvir o discurso da deputada com as orelhas murchas.

Acronimomania


No princípio era a palavra, e só muito mais tarde a sigla.
Até 1970, praticamente não havia, ou eram raras, siglas e abreviaturas para identificar ensaios clínicos. Mas em 1980 essa tendência decolou e, em 1995, o Dr. Tsung O. Cheng cunhou o fenômeno de "acronimomania". Somente no campo dos ensaios clínicos em cardiologia o uso de acrônimos saltou de 245 em 1992 para 4.100 em 2002, a ponto de os ensaios clínicos sem esse artifício linguístico se tornarem exceção.
Com a série de ensaios ISIS (International Study of Infarct Survival) iniciada em 1986, a homonímia com a deusa mãe dos egípcios (Ísis) inaugurou uma nova etapa: associar nomes de ensaios clínicos a figuras míticas, figuras históricas ou celebridades contemporâneas de diversos campos, seja para manifestar o seu prestígio simbólico ou seja para melhorar a sua visibilidade e memorização.
Fontes
Matías A. Loewy. MOZART, CHAPLIN e MESSI: quando o nome dos ensaios clínicos se tornam ‘pessoais’ - Medscape - 17 de Maio de 2023
Cheng O Tsung. Acronymania - Fam Pract. 1995 Apr;40(4):328. http://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/7699341
Christopher Labos. The Alphabet Soup of Clinical Trial Acronyms - Medscape - 01 de fevereiro de 2016

08 maio, 2024

Se um gêmeo siamês cometer um crime?

Se um gêmeo siamês cometesse um crime, quais seriam as implicações legais? A justiça certamente poderia levar o perpetrador a julgamento, mas eles poderiam ser punidos com pena de prisão? Um gêmeo não poderia ser encarcerado sem o outro, e isso significaria prender um inocente. Você pode pensar, como pode um ser culpado sem que o outro também seja? Existem muitos crimes que acontecem em um piscar de olhos, como furtos em lojas ou simples assaltos, dos quais o segundo gêmeo pode não ter conhecimento antes do momento em que acontece. Isso levanta a questão de quão responsável seria um gêmeo por evitar o crime de seu irmão, ou por não denunciar, ou mesmo por fugir. Enquanto um gêmeo pode ser o culpado, o outro pode ser cúmplice de um crime.
Este é um experimento de pensamento comum na faculdade de direito, mas, acredite ou não, houve alguns casos no mundo real.


O site Vista Criminal Law relata um caso do sistema jurídico americano que envolveu Chang e Eng, os dois gêmeos siameses mais famosos da história (a dupla até serviu de inspiração para o termo "gêmeos siameses"). Em algum momento no início dos anos 1930, um espectador apertou a mão de Chang com tanta força que Chang o socou. O espectador acusou Chang de agressão, mas o juiz decidiu que, embora Chang devesse ser condenado à prisão, isso equivaleria a colocar Eng também no cárcere. Em um caso envolvendo algo tão grave quanto um assassinato, a sentença seria ainda mais longa e injusta para a parte inocente.
----------------------------------------------
E se um gêmeo não siamês cometer um crime?
Na Malásia a pena para quem trafica droga é a morte por enforcamento.
Preso em flagrante com maconha e ópio bruto, o caso do traficante Raj parecia uma moleza para a acusação. 
O único problema era que existiam dois Rajs: Sathis Raj e Sabarish Raj, que eram gêmeos idênticos, e eles decidiram complicar a vida dos promotores. Inquiridos sobre "quem fez?", cada um apontou o dedo indicador para o outro, a fim de borrar a linha de separação entre o Raj do Bem e o Raj do Mal. (Nenhum dos Rajs usava um cavanhaque, por exemplo, que permitisse fazer a distinção.)
Funcionou?
Aqui está o que só dá certo com gêmeos idênticos. Mesmo que um deles tenha sido detido em flagrante, tudo o que você tem a fazer é deixá-los juntos - e não vigiados - numa sala por rápidos 30 segundos, para você não saber mais quem é quem.
E, por conta disso, foram libertados. Não havia mais como descobrir quem era o culpado.
http://blogdopg.blogspot.com/2009/08/o-crime-do-malaio.html

07 maio, 2024

Deduza - Desuse - Defenda

"Quando o mundo acabar / Pra lá do fim do mundo / Guarde apenas meu olhar / Nem raso nem profundo / Olhos de rir e de lembrar / A beleza da vida no mundo." ~ Fernando Gurgel Filho

Está muito em voga o lema "Reduza - Reuse - Repense", querendo dizer que TODOS somos responsáveis por essa bagaça de clima que está matando este belo e "Pálido Ponto Azul". Então, resolvi devolver a responsabilidade apontando algumas "pequenas" e realmente eficazes ações que poderiam salvar o planeta:

1) desarmamento TOTAL e IRRESTRITO, com a desativação COMPLETA de TODA a indústria armamentista no mundo todo;

2) rigoroso controle de natalidade para que possamos, em pouco tempo, alcançar a marca de, pelo menos, 3 ou 4 bilhões de pessoas em todo o planeta;

3) redução de pastagens e áreas devastadas por pastos e plantações, com replantio intensivo de árvores nativas em todos os biomas;

4) reflorestamento intensivo de TODAS as cidades do planeta;

5) desativação de TODA a atividade que envolva o consumo de combustíveis fósseis.

Com isto mudamos o lema para "Deduza - Desuse - Defenda".

São apenas algumas pequenas ideias, mas somente serão eficazes se TODAS forem postas em prática simultaneamente, por todos os responsáveis diretos e indiretos envolvidos em ações destrutivas, sem imposições arbitrárias e ditatoriais.

Resultado previsível: NENHUMA dessas sugestões será colocada em prática por envolver grandes interesses financeiros e o ser humano, como bom parasita, irá usufruir deste acolhedor hospedeiro até a última gota d'água que, infelizmente, ao chegar neste ponto não haverá dinheiro no mundo que possa comprá-la.

De qualquer forma, ainda que acreditemos nessas ações como realmente eficazes, já podemos estar sem muito tempo disponível para alcançar os resultados desejados. Ou seja, a natureza vai seguir seu curso inexorável rumo a outro ecossistema possível. Sem vida animal? Não temos como saber.

Como diria aquele Nasrudin* brazuca, exemplo tipico de ser humano, quando foi avisado que o navio em que ele navegava estava afundando:

- E daí?, não sou o dono!!!

Enquanto o navio navega afundando, cantemos: "A Moda do Fim do Mundo", de Tom Zé e Rolando Boldrin

*APRESENTAÇÃO
Originário do folclore da Turquia, o personagem Nasrudin é um mulá (que em árabe significa "mestre"). É um herói curioso: parece ingênuo, mas é mais esperto do que todos mundo. Alguns de seus contos são dignos de um verdadeiro sábio oriental, com enigmas lógicos e soluções mirabolantes. Outros são casos de simpática malandragem, de confusões que só se resolvem com muita esperteza.

06 maio, 2024

Ranking mundial dos shows com maiores públicos

A lista:

1 – Rod Stewart, na praia de Copacabana, para 4,2 milhões de pessoas, no réveillon de 1994

2 – Jean-Michel Jarre, na Rússia, para 3,5 milhões de pessoas, em 1993

3 – Jorge Ben Jor, em Copacabana, para 3 milhões de pessoas, em 1993

4 – Jean-Michel Jarre, em Paris, para 2,5 milhões de pessoas. Apresentando-se "em casa", o artista reuniu o público com o show "Paris La Défense – Une Ville En Concert", em 1990

5 – Madonna, na praia de Copacabana (2024), para 1,6 milhão de pessoas (estimativa da RioTur), com o show "Celebration Tour" (foto Agência Brasil - EBC), em 2024

6 – "Monsters of Rock", na Rússia, para 1,5 milhão de pessoas, em 1991

7 – Rolling Stones, na praia de Copacabana, para 1,5 milhão de pessoas, em 2006

Guinness Book, via Diário do Centro do Mundo

05 maio, 2024

"E o português é uma língua que beija bem."

Cinco de maio. Dia da Língua Portuguesa
"Volta e meia alguém olha atravessado quando escrevo “leiaute”, “becape” ou “apigreide” – possivelmente uma pessoa que não se avexa de escrever “futebol”, “nocaute” e “sanduíche”.
Deve se achar um craque no idioma, me esnobando sem saber que “craque” se escrevia “crack” no tempo em que “gol” era “goal”, “beque” era “back” e “pênalti” era “penalty”. E possivelmente ignorando que esnobar venha de “snob”.
Quem é contra a invasão das palavras estrangeiras (ou do seu aportuguesamento) parece desconsiderar que todas as línguas do mundo se tocam, como se falar fosse um enorme beijo planetário.
As palavras saltam de uma língua para outra, gotículas de saliva circulando em beijos mais ou menos ardentes, dependendo da afinidade entre os falantes. E o português é uma língua que beija bem.
Quando falamos “azul”, estamos falando árabe. E quando folheamos um almanaque, procuramos um alfaiate, subimos uma alvenaria, colocamos um fio de azeite, espetamos um alfinete na almofada, anotamos um algarismo.
Falamos francês quando vamos ao balé, usamos casaco marrom, fazemos uma maquete com vidro fumê, quando comemos um croquete ou pedimos uma omelete ao garçom; quando acendemos o abajur pra tomar um champanhe reclinados no divã ou quando um sutiã provoca um frisson.
Falamos tupi ao pedir um açaí, um suco de abacaxi ou de pitanga; quando vemos um urubu ou um sabiá, ficamos de tocaia, votamos no Tiririca (epa!), botamos o braço na tipoia, armamos um sururu, comemos mandioca (ou aipim), regamos uma samambaia, deixamos a peteca cair. Quando comemos moqueca capixaba, tocamos cuíca, cantamos a Garota de Ipanema.
Dá pra imaginar a Bahia sem a capoeira, o acarajé, o dendê, o vatapá, o axé, o afoxé, os orixás, o agogô, os atabaques, os abadás, os babalorixás, as mandingas, os balangandãs? Tudo isso veio no coração dos infames “navios negreiros”.
As palavras estrangeiras sempre entraram sem pedir licença, feito uma tsunami. E muitas vezes nos pegando de surpresa, como numa blitz.
Posso estar falando grego, e estou mesmo. Sou ateu, apoio a eutanásia, gosto de metáforas, adoro bibliotecas, detesto conversar ao telefone, já passei por várias cirurgias. E não consigo imaginar que palavras usaríamos para a pizza, a lasanha, o risoto, se a máfia da língua italiana não tivesse contrabandeado esse vocabulário junto com a sua culinária.
Há, claro, os exageros. Ninguém precisa de um “delivery” se pode fazer uma “entrega”, ou anunciar uma “sale” se se trata de uma “liquidação”. Pra quê sair pra night de bike, se dava tranquilamente pra sair pra noite de bicicleta?
Mas a língua portuguesa também se insinua dentro das bocas falantes de outros idiomas. Os japoneses chamam capitão de “kapitan”, copo de “koppu”, pão de “pan”, sabão de “shabon”. Tudo culpa nossa. Como o café, que deixou de ser apenas o grão e a bebida, para ser também o lugar onde é bebido. E a banana, tão fácil de pronunciar quanto de descascar, e que por isso foi incorporada tal e qual a um sem-fim de idiomas. E o caju, que virou “cashew” em inglês (eles nunca iam acertar a pronúncia mesmo).
“Fetish” vem do nosso fetiche, e não o contrário. “Mandarim”, seja o idioma, seja o funcionário que manda, vem do portuguesíssimo verbo “mandar”. O americano chama melaço de “molasses”, mosquito de “mosquito” e piranha, de “piranha” – não chega a ser a conquista da América, mas é um começo.
Tudo isso é a propósito do 5 de maio, Dia da Língua Portuguesa, cada vez mais inculta e nem por isso menos bela. Uma língua viva, vibrante, maleável, promíscua – vai de boca em boca, bebendo de todas as fontes, lambendo o que vê pela frente.
Mais de oitocentos anos, e com um tesão de vinte e poucos."
Eduardo Affonso
https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/ric/announcement/view/797
(O grifo é meu!)

03 maio, 2024

Blog EM: 4 milhões de visualizações

Em 2006 vivia-se a "Era de Ouro" dos blogs. Com muita gente inscrita nas plataformas da internet dedicadas aos diários eletrônicos. No meu caso, foi o Blogger.
O Blogger é um serviço do Google, que se integra com outros serviços úteis da empresa, como o Google Analytcs, que permite acompanhar as estatísticas dos visitantes. E a plataforma usada pelo blogueiro, como é sabido, dispensa ter os conhecimentos de programação (HTML, essas coisas). Mas que ele atenda aos requisitos de escrever com clareza, concisão e, se possível, com algumas pitadas de irreverência.
Minha data de estreia foi em 18/11/2006, ao criar o Blog do PG, valendo-me das letras iniciais do meu nome e do meu primeiro sobrenome. Assim que a minha postagem inaugural noticiou: "Vai ser grátis, custe o que custar". Um ano após, estava comemorando o 1.º aniversário do Blog do PG com 556 postagens, 89 comentários e 9.050 acessos.
Algum tempo depois, mudei o nome do blog para EntreMentes, título que permanece até hoje. Não é um mero advérbio, o título remete a uma desejável interface - a da mente do autor (postagens) com as mentes dos leitores (comentários). Uma mudança que fiz sem prejuízo da audiência, pois o endereço eletrônico permaneceu o mesmo.
Na página de entrada do PG/EntreMentes, desde sempre há um "blogroll" para relacionar os blogs amigos e uma catraca para a contagem dos visitantes. E foi causa perdida minha proposta de fixar o Dia do Blog em 29 de fevereiro (para prestigiar os poetas bissextos).
O médico e escritor Dr. Lúcio Alcântara, com o que tinha produzido na blogosfera, publicou em 2009 um livro: "Blog de Papel". Li e gostei do livro do ex-governador do Ceará. Outro colega, Dr. José Alves, publicou no ano seguinte, um romance policial cuja trama acontecia em Fortaleza, a "Morte Mecânica".
E fui em frente semeando novos blogs. Nesta sequência: Linha do Tempo, Nov'Acta, Preblog e Slideshows do PG. Cada um com uma temática exclusiva e com diferentes frequências de atualizações. E todos eles continuam na ativa, acreditem.
As pessoas ainda estão lendo blogs?

<;

Sim, apesar da crescente concorrência que os blogs encontram nas redes sociais  (Facebook, Twitter, WhatsApp, Instagram etc.) e no tal Fediverso.
Concordo com Alyssa Prado, a Blogueira Inteligente, quando ela diz que o desinteresse do leitorado pelos blogs é, na verdade, um fenômeno de percepção. Se antes os leitores favoritavam os blogs para visitá-los repetidamente, hoje acessam os blogs de modo diferente. A partir das pesquisas que fazem nos sites de buscas. 
O mercado atual é dominado pelo Wordpress e pelo Blogger velho de guerra. Mas estão surgindo novas plataformas como o Wix, que o meu sobrinho André Gurgel escolheu para abrir recentemente o seu Polimatiablog.
Tendo os sites de buscas como aliados, e buscando renovar (exceto nos "templates"), um blog pode se tornar um "case" da blogosfera.
Assim é que o blog EntreMentes, com seus atuais setenta e dois mil acessos por mês, acaba de alcançar a marca de 4 milhões de visualizações de página.
E, para concluir, declaro não ter nada contra as redes sociais. Elas são ótimas para a gente fazer os back-ups.

O teorema da bola cabeluda

Lido no Quora:
Se uma bola cabeluda (ou peluda) for penteada com os cabelos sempre para o mesmo lado, tem de haver pelo menos um redemoinho caso ela seja de dimensão ímpar. No entanto, se a bola for de dimensão par, pode ser penteada sem redemoinhos. Exemplo: a sua cabeça é uma bola com três dimensões e tem um remoínho. Já uma circunferência cabeluda, que é uma bola com duas dimensões, pode ser penteada sempre na mesma direção sem redemoinhos. Agora, imagine um objeto com quatro dimensões, cinco etc. (em que haverá sempre redemoinhos quando a dimensão for ímpar).​ 
Em outras palavras, sempre que se tenta pentear uma bola cabeluda, haverá pelo menos um redemoinho de cabelo em algum lugar. Este teorema foi proposto por Henri Poincaré no final do século XIX e primeiramente demonstrado em 1912 por Brouwer.
Uma aplicação curiosa deste teorema da topologia algébrica no âmbito da meteorologia consiste em considerar a distribuição de ventos como um campo de vetores sobre a superfície de um planeta com atmosfera. Mediante esta idealização, então, a cada momento, ou não existe vento em parte alguma do planeta (o que é desconsiderado por questões físicas) ou existe pelo menos um ponto onde a velocidade é zero e há um ciclone em seu entorno. WIKI


Como se diz: redemoinho ou remoinho?
As duas palavras estão corretas e existem na língua portuguesa. Podemos utilizar os substantivos masculinos redemoinho ou remoinho sempre que quisermos nos referir a um movimento rotativo ou em espiral, em especial se for feito pela água ou pelo vento.

02 maio, 2024

Lembrando o Leonardo

Outro dia, um tipo cruzou-se comigo no metrô e disse: "Lembre-se do Leonardo DiCaprio."
Depois, o mesmo tipo seguiu-me depois do bar até minha casa e disse: "Lembre-se do Leonardo DiCaprio."
As coisas foram ficando fora do controle quando ele bateu em minha janela, às 23:30, para dizer: "Lembre-se do Leonardo DiCaprio."
Eu pensei:
"Já chega, vou à polícia."
Disse ao agente que estava sendo perseguido e ele me perguntou se eu podia descrever como era o homem.
Eu disse: "Sim, ele me faz lembrar o Leonardo DiCaprio."
(David Penfold)

Poderá também gostar de ler:
Neo, que gerou Leo, que foi morar na península itálica, onde deu origem à conhecida família DiCaprio.

01 maio, 2024

Reflexões ociosas

Trabalhadores: NÃO TRABALHEM DEMAIS PARA EVITAR O DESEMPREGO.
  • Está a prejudicar a sua vida e a sua saúde.
  • A sua entidade patronal não se apercebe disso (não, a sério, não se apercebe).
  • O seu comportamento permite uma má gestão dos recursos.
  • E, quando as demissões chegarem, vai ser demitido da mesma maneira.
Lembre-se de que a missão de uma empresa é extrair o máximo do seu trabalho por um mínimo de salário e a sua missão é extrair o máximo do seu salário por um mínimo de trabalho. Algures no meio, ambas as partes encontram um equilíbrio com o qual concordam. Portanto, não modifique em seu detrimento a sua parte do acordo.
(conselhos de Dave Rahardja, no Mastodon)

30 abril, 2024

Quem quer um vizinho desses?

Territórios ocupados pela Rússia:
1) na Moldávia: Transnístria, desde 1992;
2) na Geórgia: Abkhazia e Ossétia do Sul, desde 2008;
3) na Ucrânia: Crimeia e partes do Oblast de Luhansk e do Oblast de Donetsk, desde 2014, e partes do Oblast de Zaporizhzhia e do Oblast de Kherson, desde 2022 (quase 20% do território ucraniano).

Quem quer um vizinho (guloso) assim?


Paródia (do início de "Menino Bonito", de Billy Blanco):
Vizinho guloso / De Koliutchin / No corpo é vultoso / Ar de  curumim / Que além de comer / Nada mais aprendeu.

BYOB

BYOB é um acrônimo em inglês que geralmente significa "bring your own bottle" (traga sua própria garrafa), embora em alguns casos o segundo "B" possa se referir a "beer" (cerveja), "booze" (bebida) ou até mesmo "box" (caixa).

O último caso, numa festa como a que a que está acontecendo abaixo, em que cada gato trouxe sua própria caixa.



29 abril, 2024

A escravidão nas plantações de São Tomé

A escravidão nas plantações pode ter tido origem numa pequena ilha da África Ocidental, de acordo com arqueólogos que investigaram um engenho e uma propriedade de açúcar do século XVI.
São Tomé, uma ilha a 240 quilômetros a oeste do Gabão, no Golfo da Guiné, foi colonizada pela primeira vez pelos portugueses no final do século XV. Ao encontrar essa ilha desabitada com madeira abundante, água doce e potencial para o cultivo de cana-de-açúcar, a monarquia portuguesa tentou motivar as pessoas a se mudarem para lá. Porém, devido às altas taxas de malária, São Tomé foi considerada uma armadilha mortal. Em 1495, para fornecer mão-de-obra para o comércio de açúcar, os governantes portugueses forçaram os condenados, as crianças judias e os africanos escravizados a mudarem-se para a ilha.
Enquanto outras usinas de açúcar portuguesas dependiam de pessoas escravizadas apenas para o trabalho manual, no sistema de plantações de açúcar de São Tomé as pessoas escravizadas - em grande parte do que hoje é o Benin, a República do Congo, Angola e a República Democrática do Congo - realizavam quase todos os trabalhos. as tarefas, desde a colheita e beneficiamento da cana-de-açúcar até a carpintaria e alvenaria necessárias à construção e ao funcionamento dos engenhos.
Isto fez de São Tomé "a primeira economia de plantação nos trópicos baseada na monocultura açucareira e no trabalho escravo, um modelo exportado para o Novo Mundo onde se desenvolveu e se expandiu",
As plantações da ilha tiveram tanto sucesso que, na década de 1530, São Tomé ultrapassou a Madeira - um arquipélago atlântico que os portugueses utilizavam para as suas lucrativas operações açucareiras - no abastecimento de açúcar aos mercados europeus, e foram construídas em São Tomé dezenas de engenhos de açúcar.
Mas São Tomé teve dificuldade em acompanhar a demanda europeia de açúcar, dada a elevada umidade, as florestas em rápido crescimento e as rebeliões de escravos. Assim, os portugueses transferiram muitas de suas operações para o Brasil no início do século XVII, levando consigo o modelo de operação das plantações. Os engenhos de São Tomé caíram em desuso a partir do século XIX.
Figura: croqui de um engenho na Praia do Melão, em São Tomé.

28 abril, 2024

A rede (de dormir)

A majestade, o sabiá, de Roberta Miranda
Ah! Tou indo agora prum lugar todinho meu / Quero uma rede preguiçosa pra deitar / Em minha volta, sinfonia de pardais / Cantando para a majestade, o sabiá.
Jair Rodrigues
http://youtu.be/j9o7us_RvEU?si=Ekzu16PEVPlNUDpT

Meu cigarro de palha, toada de Klecius Caldas e Armando Cavalcanti
Meu cigarro de palha / Meu cavalo ligeiro / Minha rede de malha / Meu cachorro trigueiro.
Luiz Gonzaga
http://youtu.be/KWz1YxQQe78?si=ilyZ-AMAnrmORppW

A rede "véia", de Luiz Queiroga e Ludugero
A rede véia comeu foi fogo / Só com nós dois, pra lá e pra cá.
Cel. Ludugero
http://youtu.be/eFO-YwtdebY?si=ojs8e-kH8edhoyx9

A minha rede, de Roque Ferreira
A minha rede inda tem seu cheiro / Minha moringa inda tem seu gosto / Amanhã já é janeiro / Pra quem partiu em agosto.
Bethânia (disco "Encanteria")
http://youtu.be/tCp6fMAGaGA?si=VaSq3ffcs16vKj1t

Na minha rede
Vem cá se balançar na minha rede, vem / Se lambuzar nesse chamego, vem.
Luísa e os Alquimistas
http://www.letras.mus.br/luisa-e-os-alquimistas/na-minha-rede/

A Casa, de Toquinho e Vinicius
Ninguém podia dormir na rede / Porque na casa não tinha parede.
Toquinho
http://youtu.be/ECQgOLWAJNE?si=_iXwRUv9Pp_xLlix

La Casa, versão de "A Casa"para o italiano, por Sergio Endrigo
Non si poteva andare a letto / In quella casa non c'era il tetto.
(em que a palavra rede foi substituída por letto, cama, que rima com tetto, telhado)
Endrigo, Toquinho e Vinicius [VÍDEO]

27 abril, 2024

Despacho de bagagem

No aeroporto de Frankfurt, Alemanha, funciona um sistema automático de despacho de bagagem para quem voa pela Lufthansa. Máquinas que pesam as malas, emitem os respectivos cartões e em seguida enviam a bagagem para o avião.
http://www.instagram.com/reel/C5vcNGNOvB1/?igsh=dzc1d3d6dzA4bWh1
http://www.tiktok.com/@nicolesimoes/video/7348589914658819334
Uma recifense: "Tchau, malinha!"

[17/04, 22:49] Nelson Cunha: O futuro das viagens será assim. Você mesmo compra a passagem, escolhe o assento, imprime o cartão, corre para o portão de embarque e entra no avião sem piloto. No destino final você pega um táxi sem motorista e vai para hotel sem concierge. Passa o cartão na porta do quarto e vai rezar para você mesmo não perder seu emprego. Vai dar certo isto?
[18/04, 06:52] Paulo Gurgel: No quarto do hotel não tem um robozinho que reze por você?
[18/04, 07:03] Nelson Cunha: Tem sim. E faz massagens íntimas, prepara o café, responde suas dúvidas existenciais e anuncia que está disponível um curso on line de reabilitação profissional, uma vez que seu emprego sumiu.

26 abril, 2024

"Cisne Branco"

A palavra mais mal escolhida, pior que o "heróico brado/herói cobrado" do Hino Nacional, é a "derrota cumprida" do Hino da Marinha — o Cisne Branco. No caso, foi usado o sentido náutico de derrota, mas que em outro contexto significaria revés, mau êxito etc.
"Quanta alegria nos traz a volta
À nossa Pátria do coração
Dada por finda a nossa derrota
Temos cumprido nossa missão."

(última estrofe)
Música: 1SG EB Antonino Manuel do Espírito Santo
Letra: SG MB Benedito Xavier de Macedo
der.ro.ta — Caminho, carreira ou rumo seguido por um navio, do ponto de partida ao ponto de chegada, não se contando para este efeito os portos ou ancoradouros acidentais. O mesmo que rota, roteiro; relatório de viagem etc.
Antonino Manoel do Espírito Santo (Salvador, 10 de maio de 1884 – 16 de abril de 1913), conhecido e por vezes mencionado como Antônio do Espírito Santo, foi um compositor de música instrumental militar brasileira e considerado o maior autor de dobrados militares do país. Era 1.º Sargento do Exército Brasileiro, servindo no 50.º Batalhão de Caçadores de Salvador, quando em 1913 compôs em homenagem a um amigo de farda o dobrado "Sargento Calhau", que viria a se tornar a melodia da célebre "Canção do Marinheiro", popularmente chamada de "Cisne Branco". A "Canção do Marinheiro" é atualmente o Hino da Marinha Brasileira, mas a sua adoção como símbolo aconteceu após a morte do compositor. (Wiki) 
Em 1926 achava-se embarcado no Navio-Escola Benjamim Constant, o Sargento cearense Benedito Xavier de Macedo, que fizera um poema, intitulado "Cisne Branco", em homenagem ao Navio, um veleiro, classificado como "galera". Benedito Xavier de Macedo não encontrou dificuldades para fazer uma associação entre o seu poema, com a melodia daquele dobrado que passou a ter o título de "Sargento Calhau - Cisne Branco". Mas os copistas, por omissão, ou mesmo por simplificação passaram a chamá-lo, apenas de "Cisne Branco". Na década de 50, passou a ser muito cantado nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros, agora com o novo título de "Cisne Branco - Canção do Marinheiro", omitindo assim o nome "Sargento Calhau". E a tradição acabou por fazer desaparecer, definitivamente, o nome original.
(Há controvérsia.)
http://luizberto.com/cisne-branco-hinos-e-autores/
http://sacoemaca.blogspot.com/2010/12/sargento-calhau-march-cisne-branco.html

25 abril, 2024

Os russos tiveram muita sorte

Nota de Elena Ouro (para ler enquanto pensa no que Oscar Wilde disse sobre o sarcasmo):
=> Num país onde muitos roubam – governadores, parlamentares, executivos, oficiais das forças armadas etc. –  por algum milagre, um homem totalmente honesto tornou-se presidente.
=> Num país de grande incompetência em todos os níveis, um brilhante estrategista está no comando.
=> Num país onde 70% dos casamentos terminam em divórcio, existe o presidente que defende os valores familiares tradicionais.
=> Num país onde as esposas convencem os maridos a irem à guerra para matar pessoas, a fim de que possam comprar uma máquina de lavar roupa e um carro de segunda mão, um líder gentil, compassivo e generoso dá o tom emocional.
STALER e PUTLER (meme)
 
* O sarcasmo é a forma mais baixa do humor e a mais alta da inteligência. (Oscar Wilde)

24 abril, 2024

Madame Slay

Os leopardos podem ter sido apenas treinados e não que eles estejam sob algum poder especial da Madame.

O que você vê AQUI?

23 abril, 2024

Livros

O dia 23 de abril, Dia Mundial do Livro, foi a data escolhida pela UNESCO para celebrar o livro, incentivar a leitura, homenagear os autores e refletir sobre seus direitos legais. Esta data comemorativa é simbólica e tem origem na história da literatura mundial. Foi no dia 23 de abril que morreram três grandes escritores: o inglês William Shakespeare, o espanhol Miguel de Cervantes e o peruano Inca Garcilaso de La Vega.
Os livros tornam-se influentes de diferentes maneiras. Antes da impressão em massa e das listas de best-sellers, sua repercussão dependia de quem lia um determinado livro. Se um livro influenciasse uma pessoa poderosa, poderia mudar o mundo. Se fosse lido por estudiosos, poderia mudar toda uma disciplina, como a astronomia. No mundo moderno, os livros mais vendidos podem influenciar a opinião pública, revelando o que antes era desconhecido para a maioria dos leitores, ou especulando sobre o que poderia ter sido, ou o que poderia algum dia ser. A opinião pública percorre um longo caminho para mudar a sociedade e, de fato, foram os livros que alimentaram o fim da escravidão, o feminismo, os direitos civis, as regulamentações ambientais, a revolução comunista e outros movimentos que mudaram o mundo.

22 abril, 2024

Dia da Terra 2024

22/04/2024 - Para comemorar o Dia da Terra, o Google apresenta em sua página de buscas seis fotos aéreas da beleza natural e da biodiversidade de nosso planeta. Fazeno-nos lembrar da importância de preservar a Terra para as gerações futuras.

UMA OLHADA DENTRO DAS LETRAS

G: Ilhas Turks e Caicos. As ilhas abrigam importantes áreas de biodiversidade, com esforços de conservação destinados a enfrentar os desafios ambientais contínuos, incluindo a proteção dos recursos naturais e dos recifes e a restauração de espécies ameaçadas de extinção, como a iguana rochosa das Ilhas Turks e Caicos. 
O: Parque Nacional Scorpion Reef, México. Também conhecido como Arrecife de Alacranes, este é o maior recife do sul do Golfo do México e reserva da biosfera da UNESCO. A área marinha protegida serve de refúgio para corais complexos e várias espécies ameaçadas de aves e tartarugas. 
O: Parque Nacional Vatnajökull, Islândia. Estabelecido como parque nacional em 2008, após décadas de defesa, este Patrimônio Mundial da UNESCO protege o ecossistema dentro e ao redor da maior geleira da Europa. A mistura de vulcões e gelo glacial produz paisagens e flora raras. 
G: Parque Nacional do Jaú, Brasil. É uma das maiores reservas florestais da América do Sul e Patrimônio Mundial da UNESCO. Localizado no coração da floresta amazônica, abriga uma grande variedade de espécies, incluindo o gato-maracajá, a onça-pintada, a ariranha e o peixe-boi amazônico.
L: Grande Muralha Verde, Nigéria. Iniciada em 2007, esta iniciativa liderada pela União Africana está a restaurar terras afectadas pela desertificação em toda a extensão de África, plantando árvores e outra vegetação, ao mesmo tempo que implementa práticas sustentáveis ​​de gestão de terras. Isto também proporciona às pessoas e comunidades da região maiores oportunidades económicas, segurança alimentar e resiliência climática. 
E: Reservas Naturais das Ilhas Pilbara, Austrália. Localizada perto de uma das Reservas Naturais da Ilha de Pilbara, uma das 20 reservas naturais da Austrália que ajudam a proteger ecossistemas frágeis, habitats naturais cada vez mais raros e uma série de espécies ameaçadas ou em perigo de extinção, incluindo múltiplas espécies de tartarugas marinhas, aves limícolas e aves marinhas. 
Imagens de cortesia da Airbus, CNES/Airbus, Copernicus, Maxar Technology e USGS/NASA Landsat

Aldeia Potemkin

Putler está a pagar um alto preço pela aldeia Potemkin que construiu em torno dele.
Todos em sua volta (seus generais, principalmente) tinham tanto medo de suas reações, que somente lhe ofereceram uma "verdade melhorada" em favor da Rússia.
E, com base nessas falsas suposições, Putler estabeleceu sua estratégia. Na qual, ele tinha apenas um plano: uma guerra relâmpago para tomar a Ucrânia em questão de semanas.
Putler já se imaginava marchando em Kiev no dia 9 de maio de 2022, o Dia da Vitória na Rússia.
No final, vemos que o isolamento dos ditadores (em que ele imergiu) vem conduzindo Putler a um tipo de situação, que o levará inexoravelmente à queda.
Cedo ou tarde!
Syvain Saurel, in Quora (excerto).


Uma aldeia Potemkin é, em política e economia, qualquer construção, literal ou figurativa, cujo único objetivo é proporcionar uma fachada externa a um país que está a se dar mal, fazendo as pessoas acreditarem que o país está melhor, em desacordo com o mundo real.
O termo tem origem em relatos de uma falsa aldeia construída exclusivamente para impressionar a Imperatriz Catarina, a Grande por seu amante Gregório Alexandrovich Potemkin, durante a sua viagem à Crimeia em 1787. Embora os historiadores modernos afirmem que os relatos desta aldeia sejam exagerados, segundo o relato original Potemkin havia erguido assentamentos portáteis falsos ao longo das margens do rio Dnieper, a fim de impressionar a Imperatriz russa. Essas estruturas eram desmontadas assim que ela passasse, e remontadas mais adiante ao longo de sua rota, para que fossem vistas novamente como se fossem outras aldeias. (Wikipédia)