31 março, 2018

Charlie, Anjo 18

Charlie Lagarde, uma canadense de Quebec, comprou um bilhete de loteria no dia em que completou 18 anos - e ganhou! O prêmio? Um milhão de dólares de uma vez ou mil dólares por semana pelo resto da vida.
Ela escolheu a segunda opção.



Este cearense aqui de 69 anos, se fosse o ganhador do prêmio da loto canadense, antes de optar perguntaria:
"Vocês não têm um milhão de dólares para ontem?"


Histórias lotéricas
No fim de um arco-íris | Loteria e cia. | Dinheiro fácil | O azarado sortudo | El Gordo | A loteria do código postal

Segunda geração

por Jaime Nogueira
Muito interessante o caprichoso gingado (ou caminho de bêbado?) dos cursos d'água em solos sedimentares. Define muito bem aquilo que tanto xingavam os barqueiros do Rio Pindaré (*) em seu curso S-N, referindo-se à chatice de "navegar numa porcaria de um rio que não anda" (sic). A sedimentologia fluvial moderna teve uma contribuição enorme de Hans Albert Einstein, o segundo filho do físico Albert Einstein e da matemática Mileva Marić.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Hans_Albert_Einstein
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mileva_Mari%C4%87
Sobre o relacionamento com o pai, Albert Einstein, Hans declarou ao New York Times, em 1973: "Provavelmente o único projeto do qual ele desistiu fui eu. Ele tentou me dar conselhos, mas logo descobriu que eu era cabeça-dura demais e que ele estava apenas perdendo tempo." Um dos conselhos do pai foi para que ele desistisse de estudar os fenômenos de transporte sólido nos rios e se dedicasse à física quântica, "pois este era assunto menos complicado do que a sedimentologia dos rios".
Alguns hidráulicos brasileiros trabalharam com modelos físicos de sedimentologia em Laboratórios de Hidráulica Fluvial, entre os quais Díocles Rondon, Jorge Paes Rios e Alfredo Ribeiro da Costa.

(*) O rio Pindaré, um dos mais importantes rios do estado do Maranhão, está seriamente assoreado e com suas margens destruídas, em consequência do desenfreado desmatamento que, aos poucos vai destruindo a grande Amazônia Brasileira. Em suas margens estão as cidades de Açailândia, Bom Jesus das Selvas (servindo de divisa entre os mesmos), Alto Alegre do Pindaré, Santa Inês, Pindaré Mirim, Bom Jardim, Monção e dezenas de povoados. A Estrada de Ferro Carajás, acompanha seu percurso desde as proximidades da cidade de Bom Jesus das Selvas, até a cidade de Santa Inês, em um trecho de mais de 200 km.



O serpentear dos rios
Corrigendum: onde se lê Albert Einstein, leia-se Hans Albert Einstein.

30 março, 2018

Recuar para avançar

... só se for para pegar impulso.


"Recuar é uma filosofia, avançar é uma ciência."

Quanto sangue russo corria pelas veias dos Romanov?

Alguém pode ser mais russo do que um tsar da Dinastia Romanov? Bem, prepare-se para alguns fatos surpreendentes sobre a genealogia dessa dinastia imperial.
George, que foi rei da Grâ-Bretanha, e Nicolau 2º, o último imperador da Rússia, eram primos. Suas mães, Dagmar e Alexandra, eram filhas do rei da Dinamarca, Christiano 9º. Isso significa, então, que eles eram metade dinamarqueses? Tipo isso.
Mas isso também quer dizer que o último imperador russo era metade russo? A resposta é: não. Um quarto russo? Errado de novo. Sua bisavó era russa? Desculpe desapontá-los... A verdadeira resposta é: ele era menos que 1% russo! Para ser mais preciso, era 0,7% russo – e isso não é brincadeira. Vejamos como isso ocorreu.
A culpa é de Pedro 1º
Miguel Fiodorovitch, o primeiro governante da Dinastia Romanov, assumiu o trono russo em 1613. Seu pai era um boiardo, e membro da família nobre dos Romanov; sua mãe era Boiarinia Chestova. Miguel era sobrinho do último governante da antiga dinastia Rurik, portanto, podia-se dizer que tinha sangue 100% russo.
Ao longo dos 112 anos seguintes, isso não mudou: os cinco tsares que reinaram nesse período (incluindo Miguel) eram integralmente russos. Os governantes misturavam seu sangue apenas com damas de famílias influentes como Strechnevi e Miloslavskie. O quinto e mais conhecido desses tsares foi Pedro, o Grande.
Sob Pedro, no entanto, tudo mudou. Embora considerando o "grande", Pedro vivia atormentado por algumas conflitos de pai e filho, eventualmente executando seu potencial sucessor, o tsarevitch Aleixo, acusado de conspiração para derrubar o tsar.
Isso permitiu que uma pessoa sem sangue russo governasse o país pela primeira vez na história. A segunda esposa de Pedro, o Grande, posteriormente intitulada Catarina 1ª, nasceu como Marta Helena Skowrońska em uma família pobre – talvez, polonesa, talvez, lituana, metade sueca ou até mesmo alemã. Ninguém sabe ao certo. Mas, como seus dois filhos morreram muito cedo, ela acabou assumindo o governo por dois anos.
O último tsar 100% russo
Na sequência, foi decidido que o sétimo tsar Romanov seria um menino de 10 anos e filho do tsarevitch assassinado. Quando Aleixo estava vivo, ele se casara com uma mulher da Casa de Welf, uma dinastia europeia que incluiu várias monarquias alemãs e britânicas nos últimos mil anos. Originalmente, Pedro, o Grande, considerou o casamento de seu filho com Charlotte Christine Sophie como uma demonstração de diplomacia, uma vez a irmã mais velha dela era casada com o imperador romano-germânico Carlos 6º. Desse modo, o jovem governante, Pedro 2º, era só meio russo. Mas ele não governou por muito tempo, pois morreu aos 14 anos.
Durante o resto do século 18, a maioria dos governantes russos foram mulheres. O oitavo Romanov a se sentar no trono foi Anna Ioannovna, filha do quarto tsar, Ivan 5º. Sua mãe era de uma bem conhecida e poderosa família russa, os Saltikovi, razão pela qual pode-se considerá-la a última imperadora de sangue 100% russo.
A questão, porém, é que Anna Ioannovna não teve filhos.
Houve uma tentativa de continuar a linhagem de Ivan 5º proclamando seu neto de dois meses, Ivan 6º, como imperador, mas isso também não durou muito.
A astúcia de Catarina 2ª
Em seguida, foi a vez de Isabel, a filha de Pedro, o Grande, e Catarina 1ª (ou Marta Helena Skowrońska) subir ao trono. Isabel era naturalmente "metade russa" e, como não podia ter filhos, acabou deixando o trono para o filho de sua irmã, Pedro 3º.
O novo imperador era, assim, somente 25% russo. Seu pai era o duque de Schleswig-Holstein-Gottorp, que possuía terras na atual Dinamarca e no norte da Alemanha.
Os membros dessa família ascenderam a vários tronos europeus, incluindo Suécia, Noruega, Dinamarca, Grécia e Rússia.
Não é surpresa, portanto, que Pedro 3º tenha se casado com uma princesa da família alemã de Anhalt. Mas Sophie e Pedro não se deram bem desde o início. Ela era um pouco mais sábia que o marido, além de mais popular entre os membros da alta sociedade. Assim, permitiu que o esposo governasse por apenas 186 dias, obrigando-o a assinar um ato de abdicação. Ela então se autodeclarou Catarina 2º, e foi a última da Casa dos Romanov com nem mesmo uma gota de sangue russo.
Princesas alemãs e dinamarquesas
O resto da história é pura matemática – basta ir dividindo por dois. Mesmo com as diferenças entre Sophie e Pedro 3º, eles tiveram um filho. Catarina 2ª nomeou seu filho e herdeiro, Paulo. Pedro 3º era um quarto russo, Catarina 2ª não era nada russa; então a porção de sangue russo nas veias de Paulo 1º era metade de 25%, ou 12,5%.
Por alguma razão, todos os imperadores seguintes, incluindo Paulo, casaram-se com com uma princesa alemã ou dinamarquesa. Se o objetivo fosse viver em paz com o resto da Europa, pode-se dizer que foi uma estratégia malfadada, pois isso nunca impediu a eclosão de guerras. E a Primeira Guerra Mundial é exemplo disso.
Assim sendo, Alexandre 1º, filho da duquesa Sophie Dorothea de Württemberg tinha 6,25% de sangue russo (o mesmo que seu irmão mais novo, Nicolau 1º). Já Alexandre 2º, que era o filho da princesa Charlotte da Prússia, tinha 3,1%, e seu sucessor, Alexandre 3º, 1,5%. Não é à toa o último tsar, Nicolau 2º, era o menos russo de todos.

Fonte: RUSSIA BEYOND

29 março, 2018

Genes para racistas?

"Quem é branco?... Pessoas não judias de descendência totalmente europeia. Sem exceções."
John Law, membro da National Vanguard

Uma equipe liderada pelo sociólogo da ciência Aaron Panofsky, da Universidade da Califórnia, Los Angeles, acompanhou a conversa de 600 pessoas nos fóruns do site supremacista branco Stormfront.org – o mais "tradicional" deles, fundado num longínquo 1996.
Eles comentavam sobre os resultados de seus testes de ancestralidade genética. Ainda que alguns deles tenham conseguido o que queriam, mostrando ser 100% germânicos ou nórdicos, outros tiveram notícias bem diferentes.
Na apresentação de seu estudo Genes for Racists, Panofsky revela algumas conversas. "Olá, vieram meus resultados de DNA e aprendi hoje que sou 61% europeu", comentou um dos membros. "Estou muito orgulhoso de minha raça branca e minhas raízes europeias". Recebeu a seguinte resposta: "Preparei uma bebida para você. É 61% água pura. O resto é cianeto de potássio. Eu suponho que você não tenha objeções a bebê-la… Cianeto não é água e VOCÊ não é branco!".
Mas há solidariedade mesmo entre neonazistas diante da "tragédia". Segundo Panofsky, respostas como a acima são raras e reservadas a quem os membros do fórum consideram como trolls. Geralmente, o que se tenta é pôr panos quentes.[...]
A reação de um neonazista..., por Fábio Marton

As reações apresentadas pelos neonazistas diante dos resultados inesperados nos exames de ancestralidade genética vão do "ruído estatístico" à hipótese da "conspiração judia".

Genealogia por DNA, Linha do Tempo

Tiangong-1: fora de controle

A estação espacial chinesa Tiangong-1, de 9,4 toneladas, está fora de controle e deverá cair na Terra entre os dia 30 de março e 2 de abril.
O USO DO CAPACETE SERÁ OBRIGATÓRIO NESTAS ÁREAS

28 março, 2018

O carteiro do Apocalipse

Este vídeo de Douglas Thron, gravado por meio de um drone, mostra um carteiro entregando a correspondência — nas caixas de correio que ainda permanecem em pé — em um bairro de Santa Rosa, Califórnia, quase completamente arrasado por incêndios durante dias e até mesmo algumas horas antes.
É um curta-metragem (1:39) comovente.



Ver também: Um carteiro de fibra

Bônus: Mr. Postman, com The Beatles

Gatos de ilhas

Em 1914, a borda do vulcão Whakaari (White Island), na Nova Zelândia, entrou em colapso, enterrando uma operação de mineração de enxofre e matando 10 homens.
"Notavelmente, houve um sobrevivente: o gato do acampamento, Peter the Great", observa Sarah Lowe, na Nova Zelândia Geográfica . "O gato voltou a Whakatane, talvez com uma vida a menos, mas com a virilidade intacta: muitos donos de gato da região rastrearam a genealogia de seu animal de estimação até essa besta robusta".


Diz-se que um gato despachou a última cotovia da Ilha Stephens, também na Nova Zelândia, tornando-se o único caso conhecido de um indivíduo ter extirpado uma espécie inteira.
Em 1893, foi instalado um farol na ilha, que passou a ter pela primeira vez ocupação humana. Com o faroleiro David Lyall, chegou também um gato doméstico chamado Tibbles, apenas um mas o suficiente para provocar uma hecatombe. Ao longo dos meses seguintes, o gato caçou e matou todas as cotovias que, como não voavam, não lhe conseguiam fugir. O gato trouxe várias das suas presas ao dono, que achou graça nos passarinhos e vendeu cerca de nove corpos ao Barão Walter Rothschild, um ornitólogo que os identificou como espécie: a cotovia-da-ilha-stephens. Era tarde demais, pois a voracidade do gato já tinha feito o seu trabalho.

Em seu diário, Mark Twain escreveu: "Um gato é mais inteligente do que as pessoas acreditam e pode ser ensinado a cometer qualquer crime".

Ver também: OS GATOS PLANEJAM MATAR VOCÊ

27 março, 2018

A Sociedade dos Filósofos Mortos


Eu tenho uma teoria:
Para fazer qualquer sentença parecer profunda tudo o que você precisa é escrever no final o nome de um filósofo morto.
Verbi gratia: Platão (com Sócrates, na gravura ao lado) ou Sócrates (com Platão, na gravura ao lado).

Platão e Sócrates divergiam só no essencial.

Ver também...
A Academia de Platão, a qual foi fechada por não suportar a concorrência do Google Traductor.

Fernando Gurgel postou um comentário.

Uma trágica verdade

Gente, acorde!
Para o fato de que um telefone celular pode ser também uma distração mortal. Os dispositivos móveis retiram nossa consciência do mundo físico e os arquivos dos Prêmios Darwin estão repletos de testemunhos que comprovam esta trágica verdade.

26 março, 2018

A premiação dos profetas

Em 2011, o maior antiprêmio da ciência, o Ig Nobel, corrigiu uma injustiça histórica contra os numerólogos do Apocalipse, ao listar entre os vencedores do ano profetas que falharam em prever o fim do mundo por oito vezes.
Nomes dos líderes espirituais americanos Harold Camping, Pat Robertson, Dorothy Martin e Elizabeth Clare foram citados com os do coreano Lee Jang, do japonês Shoko Akahara e da ugandense Credonia Mwerinde.
Eles erraram a data do Apocalipse em 1954, 1982, 1990, 1992, 1994, 1997, 1999 e 2011. Ganharam na categoria Matemática por "ensinar o mundo a ter cuidado ao elaborar hipóteses e fazer cálculos".
Os profetas estavam entre os vencedores que não compareceram à cerimônia de entrega dos diplomas humorísticos. Cientistas laureados em geral levam a piada na esportiva e vão à festa do Ig Nobel em Harvard.

O dial ético

O dial ou botão ético seria um controle imaginário a ser instalado nos painéis dos carros autônomos do futuro. Antes de iniciar uma viagem, ele poderia ser regulado para o modo em que o carro atuaria em caso de acidente - ou mesmo em outras situações menores. Basicamente, uma regulação que modificaria as decisões do veículo em situações que pudessem causar danos aos seres humanos.
Mas...
Por que não também sobre o cumprimento das "normas sociais" do tráfego? Os carros deveriam contar com esse botão, nenhum ou qualquer outro? Se todos deveriam usá-lo ou ser algo como o "cartão de ponto"? Como os programadores poderiam garantir a sua eficácia?
Quase todas as análises colocam alguma restrição quanto à sua possibilidade perturbadora. Haveria mais bons veículos samaritanos ou Mad Max nas estradas?

http://www.microsiervos.com/archivo/coches/dial-etico.html

Relacionada: Automóveis autônomos

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Você quis dizer: O dialético (Google)
Não, Google. Eu quis dizer exatamente "O dial ético".

25 março, 2018

Escolhas portuguesas

Especialmente para os "enochatos" de plantão:

 ~ Jaime Nogueira

Os franceses também já tropeçaram no dilema.

Ler: Vinho caro é para otário.

Uma pesquisa sobre o robô Curiosity

O robô Curiosity, da Nasa, acaba de completar 2.000 dias caminhando na superfície de Marte.
Uma pesquisa sobre ele foi realizada aqui na Terra.
Métodos
Enquete realizada no Twitter Brasil, entre os dias 24 e 25 de março, com 24 horas de duração.
Usou-se a pergunta: "O que o robô Curiosity faz na maior parte do tempo em Marte?".
Apenas uma resposta era possível para as quatro opções apresentadas.
Pesquisa financiada pelo autor (através da perda de tempo) e sem conflito de interesses.
Resultados
  • Tirar fotos: 50%
  • Perfurar o solo marciano: 2%
  • Recolher rochas: 7%
  • Atualizar a linguagem JAVA: 41%
Participaram da pesquisa 121 das 729 pessoas que acessaram o tweet da pergunta.
Discussões
Não há o que discutir. Vox populi, vox Dei.
Conclusões
Curiosity deve continuar priorizando a atividade fotográfica mesmo estando com sua linguagem na versão anterior. ~ PGCS

https://twitter.com/EntreMentes/status/977520219597000704

Lá vem o sol [2]

Ano 1 500 002 018 d.C. Um Sol gigantesco se levanta sobre o horizonte leste da Terra. Se você pudesse acordar nessa manhã, daqui a 1,5 bilhão de anos, não encontraria nada do mundo que conhece hoje. Nossa estrela está 10% mais brilhante e parece ocupar um pedaço enorme do céu, que por sinal não é mais azul. A atmosfera, opaca, úmida e abafada, é dominada por uma luz cor-de-laranja e amarela. Sobre o solo árido não há água, nenhuma planta ou animal. Enorme, brilhante e abrasador, o Sol está começando a morrer. E os primeiros sintomas da sua longa agonia já eliminaram a vida da Terra. Essa é a previsão da equipe de astrônomos liderada por Juliana Sackmann, do Instituto de Tecnologia da Califórnia. Alguns cálculos que definem o cenário que você vai conhecer a seguir foram feitos pelos pesquisadores especialmente para a SUPER.
Thereza Venturoli


Música incidental: "Here comes the sun", The Beatles

 Gente, vamos criar uma equipe de manutenção para cuidar da troca muito antes da catástrofe.

24 março, 2018

A solidão é progressiva - 2

O universo está em expansão.
"As galáxias afastam-se umas das outras com uma velocidade proporcional à distância entre elas." ~ Lei de Hubble

Este artigo sobre o universo em expansão é um esboço. Você pode nos ajudar (e muito) não o expandindo.

A solidão é progressiva - 1

O velho Piccard

Auguste Antoine Piccard (28 de janeiro de 1884 - 24 de março de 1962) foi um físico suíço, inventor e explorador. Piccard e seu irmão gêmeo Jean Felix nasceram em Basel, na Suíça. Mostrando grande interesse intenso em ciência, ele cursou o Instituto Federal de Tecnologia (ETH), em Zurique, e tornou-se-se, em 1922, professor de física da Universidade Livre de Bruxelas.
Foi membro dos congressos Solvay de 1922, 1924, 1927 (vide foto), 1930 e 1933.
O aeronauta
Em 1930, seu interesse por balonismo, e sua curiosidade pelos fenõmenos da atmosfera superior levaram-no a projetar uma gôndola de alumínio esférica pressurizada, que permitiria a ascensão a grandes altitudes sem a necessidade de usar um traje pressurizado.
Uma importante motivação para sua pesquisa na atmosfera superior foram as medições de radiação cósmica, que deveriam fornecer evidências experimentais para as teorias de Albert Einstein, que Piccard conhecia das conferências Solvay e de quando era aluno do ETH.
Ele fez um total de vinte e sete vôos de balão, estabelecendo um recorde final de 23.000 m.
O hidronauta
Em meados da década de 1930, os interesses de Piccard mudaram quando ele percebeu que uma modificação no cockpit de seu balão de alta altitude permitiria a descida para o oceano profundo. Em 1937, ele já havia projetado o batiscafo, uma pequena gôndola de aço construída para suportar uma grande pressão externa. A construção começou, mas foi interrompida pela eclosão da Segunda Guerra Mundial.
Retomando o trabalho em 1945, ele completou o cockpit em forma de bolha que mantinha a pressão de ar normal para uma pessoa dentro da cápsula, mesmo que a pressão da água fosse muito aumentada. Acima da cápsula, um pesado tanque de aço foi acrescentado, sendo preenchido com um líquido de baixa densidade para a flutuabilidade do conjunto. Os líquidos são relativamente incompressíveis e podem proporcionar flutuabilidade ainda que a pressão seja progressivamente aumentada. E assim, o enorme tanque foi cheio com gasolina, não como combustível, mas para a flutuação. Para fazer a embarcação agora flutuante submergir, toneladas de ferro foram anexadas ao flutuador, com um mecanismo de liberação para poder retornar à superfície.

Personagens
Piccard foi a inspiração para o Professor Calculus (gravura), personagem da HQ "The Adventures of Tintin", do cartunista belga Hergé. Ele participava de um encontro de ensino em Bruxelas, onde Hergé viu sua figura inconfundível na rua.
Auguste foi citado pelo compositor Paulo Vanzolini na música "Samba Erudito": "Fui ao fundo do mar / Como o velho Piccard / Só pra me exibir / Só pra te impressionar".
Além disso, juntamente com seu irmão Jean, é considerado a inspiração para o nome do personagem Capitão Jean-Luc Picard, da série "Jornada nas Estrelas - A Nova Geração".

23 março, 2018

Evolução do biquíni

Apesar de ser produto de exportação brasileiro, o biquíni foi invenção de um francês na década de 1940. Louis Réard, que lançou uma coleção de roupas de banho em 1946, com um conjunto de duas peças ousado, desfilado por uma streepteaser, Micheline Bernardini, contratada para usar as peças. O nome biquíni foi em razão das explosões atômicas experimentais no Atol de Bikini, no Oceano Pacífico, imaginando ele que sua criação seria tão explosiva quanto uma bomba atômica.


Antes disso, mulheres já usavam conjuntos de duas peças para se divertir nas praias ou piscinas, mas em versões mais discretas. A exemplo, vejam a reprodução deste mosaico romano do século IV, de Villa del Casale, em Piazza Armerina, na Itália.


Na década de 1980, os modelos asa-delta e fio dental apareceram nas areias brasileiras. O fio dental só vingou no Brasil.

Conheça a história do biquini em 20 fatos.

A parábola da borboleta


Certa vez um homem encontrou uma borboleta que estava começando a sair de seu casulo. Ele se sentou e observou a borboleta por algum tempo, enquanto ela lutava para sair através de um pequeno buraco. Então, de repente, a borboleta parou de fazer força e parecia que estava presa.
Diante disso, o homem decidiu ajudar a borboleta a sair. Ele pegou uma tesoura e alargou o buraco do casulo. A borboleta então emergiu facilmente, embora tivesse o corpo inchado e as asas pequenas e murchas.
O homem se sentou novamente, esperando que aquelas as asas se ampliassem para a borboleta poder voar. No entanto, isso não aconteceu. E a borboleta passou o resto de sua vida incapaz de voar, rastejando com suas pequenas asas e um corpo inchado.
Apesar do coração obsequioso do homem, ele não entendia que o casulo restritivo e o esforço que a borboleta empreendia para sair através de um pequeno buraco eram o modo de forçar o fluido do corpo da borboleta a ir para suas asas a fim de que ela pudesse voar, assim que estivesse fora do casulo.

http://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=10404, reescrito.

22 março, 2018

Como conquistar o cosmos?

Cosmo ou cosmos (do grego antigo κόσμος, transl. kósmos, "ordem", "organização", "beleza", "harmonia") é um termo que designa o universo em seu conjunto, toda a estrutura universal em sua totalidade, desde o microcosmo ao macrocosmo.
Neil deGrasse Tyson cita o método científico como primordial à conquista do cosmos (Universo).



Legendas - Esta aventura só é possível porque gerações de pesquisadores seguiram rigorosamente um conjunto de regras:
  1. Teste ideias através de experimentos e observações.
  2. Desenvolva as ideias que passaram no teste. Rejeite as que falharam.
  3. Siga as evidências aonde quer que elas forem.
  4. Questione tudo.
Aceite estes termos e o cosmos será seu.

A memória auditiva de Inaudi

O italiano Giacomo Inaudi (1867 - 1950), também conhecido como Jacques Inaudi na França, foi um prodigioso calculador. Era capaz de realizar mentalmente, de forma rápida e precisa, cálculos aritméticos complexos.
Nascido em uma família pobre no Piemonte italiano, Inaudi começou a vida como pastor, mas descobriu que possuía um prodigioso talento para o cálculo, e logo ele estava dando demonstrações nas grandes cidades europeias.
Camille Flammarion escreveu: "Foi-lhe perguntado, por exemplo, quantos minutos se passaram desde o nascimento de Jesus Cristo, quanto seria a população se os mortos dos últimos dez séculos fossem ressuscitados e, ainda, qual a raiz quadrada de um número de doze dígitos, e ele deu as respostas com precisão em dois ou três minutos - enquanto se divertia com outra atividade".
Problemas para os quais tabelas de logaritmo são geralmente usadas, ele os resolvia mentalmente com uma precisão maravilhosa."
Ao contrário de outros prodígios do gênero, Inaudi não visualizava seu trabalho. Ele o ouvia. Inaudi declarou: "Ouço os números claramente, e é o ouvido que os retém. Eu os ouço ressoando, como eu os proferi, com minha própria voz, e esta sensação interior persiste por muito tempo". Charcot, que produziu um notável estudo sobre ele, em nome da Academia Francesa de Ciências, concluiu pela existência de uma memória auditiva em Inaudi. Outros cientistas franceses como Broca e Binet também estudaram as habilidades do italiano.
O pai de Inaudi se aproximou de Flammarion esperando que seu filho pudesse ser educado para uma carreira em astronomia. "Foi um erro, seja qual for a maneira que alguém olhe para ele", escreveu Flammarion, dez anos depois. "Na ciência, não se pode fazer uso de seus métodos, de suas fórmulas adaptadas ao cálculo mental". E foi também: "Em relação a sua posição financeira, pois ele agora tem, como resultado da curiosidade que sua habilidade tem despertado, um salário que é mais de três vezes o do diretor do Observatório de Paris".

https://theodora.com/encyclopedia/i/jacques_inaudi.html
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24697632

21 março, 2018

A evolução da religião - 2



Ateísmo
A crença que Charles Darwin criou o Universo e enviou seu filho Richard Dawkins para remir nossos pecados. Faz sentido.

Erro
"... pensar que é a ciência que mata uma religião. Só pode com ela outra religião." ~ Monteiro Lobato

A evolução da religião - 1

O Edifício do Alfabeto

Arquitetos holandeses criaram um design único para o ALFABETGEBOUW de Amsterdã, um prédio de escritórios para pequenas e médias empresas da área de criatividade. No lado leste do prédio, uma série de janelas pontilhadas exibe o número do prédio (52) na rua, e, no lado norte, a forma de cada janela identifica a unidade de cada inquilino.


Para que o alfabeto se encaixasse em uma fachada de 6 × 4, eles tiveram que omitir duas letras: Q e I. Nenhum problema, "o QI está dentro do prédio".

20 março, 2018

Rock on, Tina!



Intercomments
Quando você não consegue tocar a Sonata ao Luar no piano e vê uma garota que toca na guitarra...
Ela não é deste planeta!
É um robô com forma humana desenvolvido por ETs para humilhar a espécie humana.
A prova que Beethoven era um metalhead, muito antes de todo mundo.
Aposto que você não consegue tocar o 3º Movimento no violão!
Segure minha cerveja. Tina.
Isso realmente está acontecendo?
Que execução! Que tudo!

Uma destas coisas não é como as outras

Bored Panda compilou uma lista hilariante de "Uma destas coisas...".
Não só para alegrar seu dia, mas também para verificar como anda sua atenção.


Ver também: Pepsicologia

19 março, 2018

O eco mais longo do mundo

No subterrâneo profundo das montanhas escocesas encontra-se um complexo de tanques de armazenamento de petróleo construídos durante a Segunda Guerra Mundial. Localizados perto da cidade de Invergordon, estes tanques da Inchindown foram usados para armazenar petróleo num ambiente à prova de bombas, enquanto escondiam um segredo sônico.
Em 2014, doze anos após os tanques serem esvaziados e desativados, um professor de engenharia acústica chamado Trevor Cox descobriu que eles eram capazes de produzir o eco mais longo do mundo em uma estrutura feita pelo homem.
Nos tanques da Inchindown, o som de uma arma disparada reverbera por incríveis 112 segundos e o simples som de uma fala normal ecoa por mais de 30 segundos.

O serpentear dos rios

Foi Albert Einstein que explicou a razão pela qual os rios serpenteiam. Quando um rio se forma, há inicialmente pequenas torções e curvas nele. Einstein observou que a água que flui no lado externo de uma curva se move mais rápido do que a água que flui em seu lado interno. Isso corrói o banco externo mais rapidamente do que o banco interno, e o rio se move para fora, criando uma curva progressivamente maior. Eventualmente, as curvas tornam-se tão acentuadas que se encontram, e o rio faz um atalho entre elas, endireitando-se. Mas o processo logo recomeça e o comprimento real do rio tenderá a voltar ao anterior.

1984 - 2012
https://i.imgur.com/Uak4YU3.gif

Uma história
Em 1906, a Rio Grande Land and Irrigation Company realizou um desvio não autorizado do Rio Grande, que moveu um terreno de 413 acres (1,67 km2 ), incluindo Rio Rico, ao sul do rio. A empresa foi mais tarde multada, mas o desvio do rio foi permitido ficar de pé se a empresa colocasse marcadores de limites, o que nunca fez.
A terra estava agora fisicamente ao sul do Rio Grande - a fronteira entre o México e os EUA desde 1845 - e as autoridades mexicanas inconscientemente assumiram o controle da área, que se tornou conhecido como o Tracto Horcón . No entanto, uma vez que a mudança do curso foi devido a mudanças feitas pelo homem e não a mudanças naturais, o direito internacional ditou que a terra permaneceu no território dos EUA, fato que não estava em disputa. Algo de uma cidade turística cresceu lá durante os anos 1920 e 1930, com licor e jogos de azar que fluem livremente.
Os EUA finalmente cederam o território ao México com o Tratado de Fronteira de 1970 , e foi formalmente anexado pelo estado de Tamaulipas . A transferência ocorreu em 1977. Depois que um residente local apresentou uma ação judicial para evitar que o Serviço de Imigração e Naturalização dos Estados Unidos o deportasse, os tribunais dos EUA decidiram que todos os residentes nascidos na cidade antes de 1972 poderiam manter sua cidadania dos EUA. A decisão quase esvaziou a cidade dos moradores, pois agora podiam se mudar para outras áreas dos Estados Unidos como cidadãos plenos. WIKI

Um clichê como conclusão
Você nunca entra no mesmo rio duas vezes. A água está sempre mudando, sempre fluindo.

18 março, 2018

Fotografias aéreas


A fotografia aérea foi praticada, pela primeira vez, pelo fotógrafo e balonista francês Gaspard-Félix Tournachon, conhecido como "Nadar", em 1858, sobre Paris, França. As fotografias que ele fez não existem mais.
Portanto, a que você vê reproduzida ao lado é a mais antiga fotografia aérea preservada.
(http://pballew.blogspot.com.br/).
Ela foi tomada por James Wallace Black e Samuel Archer King, em 13 de outubro de 1860. Mostra a cidade de Boston, a partir de uma altura de 630 metros.
Título: "Boston, como a águia e o ganso selvagem a veem".

Amelia, uma piloto de verdade

Um mistério nas revistas médicas

Por que há tão poucos artigos em revistas médicas sobre ferimentos causados por cancelas de estacionamento?
Tais ferimentos - que acontecem quando uma cancela de estacionamento encontra um corpo humano - são considerados bastante frequentes. No entanto, o PubMed, um banco de dados preeminente de estudos médicos, quase não inclui trabalhos científicos relacionados com estes acidentes. Por quê? Temos sido negligentes com eles? Ou, então, suas lesões são tão simples de serem tratadas que nenhum profissional médico julga que valha a pena escrever?
Este vídeo mostra um destes (muitos, ao que se presume) acidentes:



O mistério de por que há tão poucos artigos nas revistas médicas se estende, também, à questão das lesões sofridas quando um motorista de automóvel tem uma relação fisicamente infeliz com uma máquina de coleta automática de bilhetes de estacionamento.

http://www.improbable.com/2017/05/03/medical-journals-mystery-what-about-those-parking-gate-injuries/

Ver também: Na batuta

17 março, 2018

Taxistas


O Brasil vai mal porque as únicas pessoas que sabem como governá-lo estão dirigindo táxis, em vez de no governo. Os motoristas de táxi têm a solução para todos os problemas do país ou – dependendo do tamanho da corrida – do mundo. Um dia, quando estivermos na iminência do caos terminal (pode ser amanhã), uma revolução popular colocará os homens certos nos lugares certos. Os motoristas de táxi, os dentistas e os barbeiros assumirão o poder, colocarão em prática suas teorias e resolverão todos os nossos problemas.

Ver!ssimas frases, reflexões e sacadas sobre quase tudo / Luis Fernando Verissimo : organização Marcelo Dunlop : seleção de ilustrações Fernanda Verissimo e Fraga – 1ª ed. – Rio de Janeiro : Editora Objetiva. 2016.

Prece ao Wi-fi

Pray for Wifi
Wi-fi nosso que estais no ar
Simplificado seja o vosso nome
Venha a nós, os internautas.
Seja aberto o vosso sinal
Aqui em casa como na rua.
O Face nosso de cada dia nos dai hoje
Vigiai as nossas senhas
Enquanto nós hackeamos as dos vizinhos.
E não nos deixeis cair a conexão
Mas livrai-nos do malware.
Amém.

16 março, 2018

Um discurso [não comprometedor] sobre um assunto controverso

Num discurso em 1952, perante a casa de representantes do Mississipi, o legislador Noah S. Sweat abordou a questão de saber se o Estado deveria continuar a proibir bebidas alcoólicas:
Meus amigos,
Eu não tinha a intenção de discutir este assunto controverso neste momento em particular. No entanto, eu quero que vocês saibam que eu não evito a controvérsia. Pelo contrário, eu tomarei minha posição sobre qualquer assunto e a qualquer momento, independentemente de quão cheio de controvérsia possa ser o assunto. Você me perguntou como me sinto sobre o uísque. Tudo bem, aqui está o que eu sinto sobre o uísque:
Se você ao dizer uísque, você quer dizer a bebida do diabo, o flagelo venenoso, o monstro sangrento, que contamina a inocência, destrona a razão, destrói a casa, cria miséria e pobreza, sim, literalmente tira o pão da boca de crianças... se você quer dizer a bebida maléfica que derruba o cristão e a mulher no auge de uma vida justa e graciosa no poço sem fundo da degradação e do desespero, da vergonha, da impotência e da desesperança, então certamente eu sou contra.
Mas, se você ao dizer uísque, você quer dizer o óleo da conversa, o vinho filosófico, a cerveja que é consumida quando bons companheiros se reúnem, que coloca uma canção em seus corações e um riso em seus lábios, e o brilho ardente do contentamento em seus olhos... se você quer dizer a alegria do Natal... se você quer dizer a bebida estimulante que coloca a primavera no passo do velho cavalheiro em uma manhã gelada... se você quer dizer a bebida que permite ao homem magnificar sua alegria e sua felicidade e esquecer, ainda que por pouco tempo, as grandes tragédias da vida, as mágoas e as dores... se você quer dizer aquela bebida, cuja venda derrama em nossos tesouros incalculáveis ​​milhões de dólares, que são usados ​​para cuidar com ternura dos nossos pequenos aleijados, nossos cegos, nossos surdos, nossos mudos, nossos idosos e enfermos, e para construir rodovias, hospitais e escolas... Esta é a minha posição. Não vou me afastar disso. Não vou me comprometer.
https://www.futilitycloset.com/2017/05/14/in-a-word-567/

Símbolos gráficos perdidos

Comecemos o assunto pelo desabafo do site hispânico Jot Down:
Estamos exterminando os sinais ortográficos. E há algo ainda pior: somos reincidentes. Esta não é a primeira vez que nossa inércia destrutiva enterra esses tesouros. No deserto representado pelo vídeo, GIF, streaming e quem sabe mais quantas plataformas demoníacas, este pequeno oásis gráfico ameaça secar. Em breve, teremos um emoticon para cada emoção. Nós até teremos um emoticon para dançar no túmulo onde enterramos as aspas, outro para vilipendiar os restos mortais dos colchetes. Nós, então, não sei se seremos os mesmos, mas sei que nos lembraremos de nossos antigos professores nos explicando a diferença entre o ponto continuativo (punto y seguido, em espanhol), o ponto parágrafo e o ponto final.
Felizmente, um movimento pretende trazer de volta os símbolos gráficos perdidos. Com destaque para a iniciativa da Progressive Punctuation (Pontuação Progressiva) que advoga a reinserção gráfica de 14 deles.
Então, quais são esses símbolos misteriosos, e como eles podem nos ajudar? Veja-os a seguir:


Integram uma lista que cobre emoções e ideias como ironia, sarcasmo e dúvida.
Você poderia argumentar que, se uma pessoa quer transmitir esses sentimentos, eles devem confiar em suas palavras em vez de sua pontuação, mas todos nós provavelmente já tivemos textos e mensagens que foram mal interpretados. E estes símbolos que retornam para dissipar os equívocos parecem mais profissionais que os emojis.

Onde estaríamos sem os sinais de pontuação? Em uma terra de mal-entendidos gramaticais, that's where! (Veja, somos apenas três frases neste artigo e a pontuação já está ajudando a dar sentido a tudo.)

15 março, 2018

Flores do humor


Fotossíntese artificial

"Os seres vivos são máquinas biológicas acionadas por energia solar até elas veiculadas pelo processo respiratório." ~ Mario Rigatto, médico pneumologista

A fotossíntese artificial é um campo de investigação com o objetivo de imitar a fotossíntese natural das plantas, com a finalidade de converter dióxido de carbono e água em carboidratos e em oxigênio, utilizando a luz do Sol.
Na fotossíntese natural existem dezenas de enzimas que catalisam várias reações individuais. Apesar disso, todo o processo pode ser divido conceitualmente em duas fases principais, que interagem mediante moléculas transportadoras de energia, sendo elas: as reações luminosas, que dependem da luz do Sol, e as reações escuras, que podem ocorrer na ausência de luz. Estas reações têm muita importância tanto do ponto de vista científico como do ponto de vista econômico, dado sua potencial aplicação na exploração da energia solar. Entretanto, o processo é tão complexo que, mesmo em um laboratório, é difícil de replicar.
O termo fotossíntese artificial se aplica aos processos que, inspirados na fotossíntese natural, buscam utilizar a energia solar para produzir outros tipos de energia que podem ser aproveitados pelo homem de maneira limpa e eficiente, de forma que no futuro possa ser produzido uma «planta artificial» que seja capaz de armazenar energia na forma de compostos orgânicos. Isto faz com que a fotossíntese artificial venha a ser uma tecnologia atrativa não só do ponto de vista prático e econômico, mas também do ponto de vista ecológico, já que potencialmente poderia ajudar a mitigar ou reverter alguns dos efeitos adversos produzidos pelo consumo de combustíveis fósseis como, por exemplo, o aquecimento global.
Em 2015, cientistas do Joint Center for Artificial Photosynthesis (JCAP) que investigam a fotossíntese artificial conseguiram uma marca mundial de rendimento de 10% em energia armazenada com um sistema completo, eficiente, seguro e integrado. Isso, por si só, já está no limiar da rentabilidade econômica.

Em síntese:
Eureka! A descoberta da fotossíntese
Viver de luz
A fotossíntese em insetos?
Haverá um dia a fotossíntese artificial?

14 março, 2018

Animação com gotas de água

Isto não é CGI (Computer Graphic Imagery, ou seja, imagens geradas por computador).
As gotas de água que criam a figura animada que aparece neste anúncio do Gatorade são reais. Claro que há muita tecnologia envolvida no processo de criação.


(post não patrocinado)

Lembrando AQUI o vídeo "Cachoeira", feito pelo artista brasileiro Rodrigo EBA!. Dirigindo minúsculos atores (gotas de água), ele obteve um resultado também surpreendente.

Pi na justiça

A história começa no Pi Day, o Dia do Pi (14 de março, ou 3,14) em 2011. Quando o New Scientist postou um vídeo de um músico chamado Michael John Blake com uma renderização das primeiras 31 casas decimais do pi, tocada a um ritmo de 157 batimentos por minuto (314 dividido por dois).
O vídeo tornou-se imediatamente viral, mas algumas horas depois o YouTube foi contatado por um advogado que representava o músico de jazz Lars Erickson.
Lars alegou que o trabalho de Blake soava muito parecido com sua composição de 1992, Pi Symphony, que ele havia registrado no US Copyright Office.
Pressionado pela reivindicação de violação de direitos autorais, o YouTube removeu o vídeo. Mas Blake decidiu tocar em frente sua criação.
Um ano depois, em 14 de março deste ano, um juiz nos EUA, Michael H. Simon, propositalmente escolhendo o Pi Day para anunciar sua decisão, rejeitou a alegação de Erickson de violação de direitos autorais.
"Pi é um fato não protegido por direitos autorais, e a transcrição de pi para a música é uma ideia não protegida por direitos autorais", escreveu Simon em sua opinião jurídica.
Então, agora, sem medo de acusação, aqui estão os primeiros 31 dígitos de Pi na versão musical de Blake.



Fonte: http://pballew.blogspot.com.br/2017/03/on-this-day-in-math-march-14.html#links

13 março, 2018

O guru que tentou matar o cético na televisão

Para muitos, Pandit Sharma era o guru mais poderoso da Índia. Ele afirmava que poderia usar da magia para fazer quase qualquer coisa acontecer, e ele realmente acreditava nisso. Tanto que, quando o cético Sanal Edamaruku o desafiou a usar seus poderes para matá-lo num programa de TV ao vivo, Sharma concordou.
Os dois ficaram em frente de uma audiência num estúdio de TV, enquanto Sharma cantava palavras mágicas e borrifava água no rosto de Edamaruku. Como isso não causou nada, Sharma começou a movimentar uma faca ao redor do corpo do desafiante, a pressionar os dedos em sua cabeça e, pelas tantas, escreveu o nome Sanal em um papel que foi a seguir queimado, mas todo o efeito que causou em Edamaruku foi fazê-lo rir. VÍDEO
Duas horas após, o guru reconheceu que não tinha poderes para matá-lo. "Edamaruku", declarou Sharma, "deve adorar um deus poderoso que o protege". Mas o cético retrucou: "Não, eu sou ateu". E ficou pensando que teria desmontado uma farsa. Entretanto, ao ver Sharma sentado em um canto da sala, desolado e confuso, mudou de ideia. Sharma não seria um farsante. "Talvez ele realmente acreditasse que poderia me matar", escreveu Edamaruku mais tarde.

Autoproclamados santos cuyos milagros salieron horriblemente mal #9

Explicando aluguel a um alien

Da série: Por que vejo isso?

12 março, 2018

O bife do oião

Não existe comida que um ovo frito não melhore.
O ovo é o coringa da cozinha.
Lembram-se dele? 
Provocação
Não existe festa que um DJ não piore.

Falando de probabilidade

Há a história do estatístico que disse que nunca viajava de avião a um amigo. Quando perguntado o motivo, ele respondeu que calculou a probabilidade de haver uma bomba no avião e que, embora a probabilidade fosse baixa, era ainda muito alta para ele se sentir seguro.
Uma semana depois, o amigo o encontrou em um avião e então perguntou por que ele havia mudado de ideia. Ele respondeu: "Não mudei. É que eu também calculei a probabilidade de haver simultaneamente duas bombas no avião. Como esta probabilidade é mais baixa, então eu já viajo transportando minha própria bomba.

— Raymond Smullyan, A Mixed Bag, 2016

11 março, 2018

A versão coreana da separação das águas

Todos os anos, milhares de pessoas se reúnem na Ilha Jindo, na ponta sul da península coreana, para o Jindo Sea-Parting Festival. É quando se verifica um recuo acentuado no nível do mar, revelando uma passagem de 2,8 quilômetros de comprimento que lhes permite caminhar até a ilha vizinha de Modo, onde cavam por moluscos.

Moisés esteve aqui. PGCS
A lenda diz que Yongwang, o deus do oceano, separou o mar para permitir que uma velha voltasse para a família. Mas a National Geographic explica que tudo não passa de um fenômeno natural devido às harmônicas de maré.

Vídeo

Pipocando

Coloco a mão no balde da pipoca e já tem outra mão nele.
Ora, é apenas minha outra mão.
A pipoca é um prato feito a partir de uma variedade especial de milho, o milho-pipoca (Zea mays everta), que estoura quando aquecido. Ao aquecermos os grãos desse milho de maneira rápida, sua umidade interna é convertida em vapor. Num determinado ponto, a pressão estoura a casca externa, transformando a parte interna numa massa pouco consistente de amidos e fibras.
Os primeiros europeus que chegaram ao continente americano descreveram a pipoca, desconhecida para eles, como um salgado à base de milho usado pelos índios. Sementes de milho usadas para fazer pipoca foram encontradas por arqueólogos no Peru, como também no atual Estado de Utah, nos Estados Unidos, o que sugere que ela fazia parte da alimentação de vários povos americanos. Sabe-se, porém, que inicialmente os índios preparavam a pipoca com a espiga inteira sobre o fogo. Depois, eles passaram a colocar só os grãos sobre as brasas - até inventarem um método mais sofisticado: cozinhar o milho numa panela de barro com areia quente. [1]
A pipoca já era vendida em feiras e parques nos Estados Unidos no século XIX. No fim desse período, surgiram os primeiros cinemas americanos e, com eles, vieram os ambulantes e seus carrinhos com pipoca e guloseimas, mistura de pipoca, amendoim e açúcar queimado. [2] No começo, os donos dos cinemas torciam o nariz e achavam que a pipoca distraía os espectadores dos filmes. [3]
Em 1981, a gigante americana General Mills, registrou a primeira patente de pipoca de microondas. Fato que foi responsável por um crescimento assustador do consumo do petisco. E, para manter o consumidor de pipocas em sua zona de conforto, recentemente criaram o Propinator, um atirador de pipocas controlado por voz e que funciona sob demanda. [4]
Bônus
Os piruás
... são aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem. A sua presunção e o seu medo são a dura casca do milho que não estoura. O destino delas é triste. Vão ficar duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca macia. Não vão dar alegria para ninguém. Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo a panela ficam os piruás que não servem para nada. Seu destino é o lixo.
Quanto às pipocas que estouraram, são adultos que voltaram a ser crianças e que sabem que a vida é uma grande brincadeira...
(extraído da crônica, "A Pipoca", de Rubem Alves ) [5]
Vídeo

Autores: Mestre Sebastião Biano / Caetano Veloso
Dia Nacional da Pipoca
O Dia da Pipoca no Brasil é comemorado no dia 11 de março. Já no Estados Unidos, a data escolhida pelo Popcorn Board é o dia 19 de janeiro.
Referências
[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Pipoca
[2] http://blogdopg.blogspot.com.br/2013/10/a-historia-da-pipoca-no-cinema.html
[3] http://blogdopg.blogspot.com.br/2013/11/comer-pipoca-no-cinema-faz-publicidade.html
[4] http://blogdopg.blogspot.com.br/2012/10/o-popinator.html
[5] http://blogdopg.blogspot.com.br/2014/12/a-pipoca-e-o-pirua.html

10 março, 2018

Observatório da Intervenção

OBJETIVO GERAL
Criar um Observatório para acompanhar e divulgar os desdobramentos, impactos e violações de direitos decorrentes da intervenção federal no Rio de Janeiro.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  • Acompanhar os fatos e desdobramentos da intervenção
  • Identificar, reunir, documentar e divulgar violações de direitos em favelas e bairros
  • Divulgar análises dos resultados da intervenção
  • Mobilizar entidades, lideranças comunitárias, ativistas e jornalistas atuantes nos temas de segurança pública e política de drogas na criação de uma rede apoiadora das ações do Observatório
  • Verificar o impacto da intervenção nas cenas abertas de consumo de crack e de outras drogas
CONTEXTO
Em 16 de fevereiro de 2018, o governo federal decretou uma intervenção na área de segurança pública no Estado do Rio de Janeiro. Como interventor, foi designado um general do Exército, que passa a ter comando direto sobre as polícias estaduais e sobre a Secretaria de Administração Penitenciária até 31 de dezembro desse ano. A medida tem caráter de excepcionalidade em relação ao Estado de Direito e suscita dúvidas sobre sua constitucionalidade. Experiências anteriores no Rio de Janeiro e no Brasil mostram que iniciativas como essa não apenas são ineficazes, como resultam em graves violações de direitos, sobretudo de moradores de favelas e periferias.
Diante do cenário, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania não vê possibilidade de "contribuir" com o interventor federal ou com projetos resultantes da intervenção. O Observatório não tem o sentido de colaborar com a intervenção na criação de propostas na área de segurança; pelo contrário, avalia que os problemas de segurança do Rio de Janeiro, especialmente nas áreas mais vulneráveis da cidade, tenderão a se agravar. O que nos move, portanto, é a intenção de difundir para a sociedade análises objetivas sobre os impactos da intervenção e de contribuir com a mobilização de parceiros que já dedicam suas instituições e vidas à luta contra a violência, as injustiças e a discriminação das favelas.
Usaremos as ferramentas e os parâmetros acadêmicos, técnicos e científicos que balizam há dezoito anos nossas práticas de pesquisas e projetos na área de segurança, violência, polícia e justiça e asseguramos que os resultados do trabalho do Observatório corresponderão rigorosamente aos fatos, impactos, desdobramentos e denúncias de violências efetivamente decorridas da intervenção.
O Observatório pretende ser uma fonte consistente e confiável de consulta, aberta aos interessados em conhecer e entender a intervenção. Também gostaria de ser um espaço de encontro de parceiros e pessoas que se dedicam a preservar a vida, os direitos e a democracia na metrópole.
Site: https://www.ucamcesec.com.br/projeto/observatorio-da-intervencao/. Ler mais.

O Cristo Redentor usando binóculo e megafone criado pelo cartunista Laerte é o símbolo provocativo do Observatório da Intervenção, uma das iniciativas surgidas para monitorar os militares que assumiram o controle da segurança no Rio de Janeiro.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

15/03/2018 - Hashtag #MariellePresente
Vereadora Marielle Franco denunciou atrocidades cometidas por bandidos vestidos de farda, e pagos com o nosso dinheiro, contra moradores do Acari. Hoje ela foi assassinada em pleno centro da cidade. ~ Jornalistas Livres
Marielle não será esquecida, e os jornais do mundo também vão contar o que aconteceu hoje. ~ Mídia NINJA
Durante sessão solene em memória da vereadora Marielle Franco, solicitei a criação de uma comissão externa para acompanhar a investigação sobre seu assassinato e para que esse crime não fique impune. ~ Jean Wyllys
Execução de Marielle Franco repercute no parlamento europeu. ~ Erika Kokay
Não é agenda política. Não é "esquerdizar uma morte". Deixem de ser burros. Uma vereadora foi executada na democracia. Executada. Não assaltada. O autor desse crime pode não ser quem vocês chamam de bandido, mas justamente quem vocês chamam de herói. ~ Pedro Vilanova
O dia em que o Rio de Janeiro parou: dezenas de milhares de pessoas lotam a Cinelândia neste momento em memória de Anderson e Marielle. ~ Gregorio Duvivier
Tristes dias para o país onde uma defensora dos direitos humanos é brutalmente assassinada. Lamento e repudio a morte da ativista Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, e de Anderson Pedro Gomes, seu motorista. ~ Dilma Rousseff

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

17/03/2018 - Anônimo
Não sei por que tanta comoção pela morte de Jesus. Ficava andando com pobres, desocupados e prostitutas. Quando morre um soldado romano ninguém fala nada.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

20/03/2018 - A Permuta dos Santos, Roda Viva e Gota d'Água
https://pbs.twimg.com/media/DYuoSTRXkAAzf4q.jpg:large

Lei anacrônica sufoca vida noturna de NY

por Silas Martí
Nova Iorque, EUA (FolhaPress) - Era noite de Ano-Novo. Debaixo de uma linha de trem de superfície em Nova Iorque, o Bossa Nova Civic Club, um inferninho todo preto que de banquinho e violão não tem nada, tremia ao som de música tecno. Festeiros se esbaldavam até a invasão de uma turma que não estava na lista VIP.
"Eles chegaram desligando a música, acendendo as luzes, mandando todo mundo parar de dançar", diz John Barclay, o dono da boate no Brooklyn, sobre o dia em que, em nome da lei, os policiais acabaram com sua festa.
Desde o episódio, plaquinhas discretas coladas ali informam o impensável numa boate  é proibido dançar. "Fui parar num tribunal por causa disso", lembra o empresário. "Isso é uma vergonha para os nova-iorquinos."
Uma lei que exige de bares e baladas uma licença especial para operar com uma pista de dança existe em Nova Iorque desde a década de 1920, quando vigorava a Lei Seca.
"Era um tempo muito conservador e racista", diz Greg Miller, um dos maiores ativistas a favor da derrubada da medida e fundador do Dance Parade, grupo que defende o direito à dança em Nova Iorque.
"Essa lei surgiu para controlar os negros, para não deixar que chegassem perto das mulheres brancas nos bares de jazz. Diziam que quando as mulheres dançavam, o Diabo se apoderava delas."
Endiabrados ou não, baladeiros nova-iorquinos passaram anos dançando sem nunca saber da regra. Mas ela voltou à baila com a gentrificação que reconfigurou partes da cidade na última década.

Ler MAIS.

Chama-se gentrificação (do inglês gentrification) o fenômeno que afeta uma região ou bairro pela alteração das dinâmicas da composição do local, tal como novos pontos comerciais ou construção de novos edifícios, valorizando a região e afetando a população de baixa renda local.

Imagem: COURB

09 março, 2018

Tamerlão e a existência miserável

"Não temas teu último dia nem o desejes." (Marcial, X, XLVII, 13)
Os homens são tão ligados à sua existência miserável que não há condição tão dura que não aceitem para conservá-la.
Tamerlão encobria com uma tola humanidade a fantástica crueldade que exercia contra os leprosos, mandando matar tantos quantos chegavam a seu conhecimento, para (dizia) livrá-los da vida tão penosa que viviam. Pois não havia nenhum deles que não preferisse ser três vezes leproso a não existir. E Antístenes, o estoico, estando muito doente, exclamava: "Quem me livrará desses males?". E Diógenes, que fora vê-lo, ao apresentar-lhe uma faca dizendo: “Esta, se quiseres, e bem depressa", o outro replicou: "Não falo da vida, falo dos males".
In: "Os Ensaios", Michel de Montaigne
(http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2017/02/os-ensaios-uma-selecao-parte-ii-michel.html)




N. do E.
Tamerlão (1336 - 1405) foi o último dos grandes conquistadores nômades da Ásia Central, de origem turco-mongol. Ainda na juventude, ele sofreu uma queda de cavalo que o deixou manco. Em 1941, a exumação de seu corpo confirmou que ele era realmente portador de uma lesão de quadril.
Em benefício próprio, o cruel e autobenevolente Tamerlão não incluía os coxos do reino em sua "política higienista".

A questão da realidade como simulação

Em 1977, o escritor Philip Kindred Dick (1928-1982) explicou com suas próprias palavras como uma revelação lhe mostrou que poderíamos viver em uma realidade simulada, algo que foi incorporado em muitas de suas obras em que o mundo não é o que parece, mas algo que é de algum modo fabricado e que alimenta nossas mentes, nos controla ou algo pior.
A bibliografia autoral de Philip K. Dick engloba dezenas de contos, novelas e romances. Se você olhar apenas para a seleção do que já foi adaptado para o cinema - provavelmente o crème de la crème - vai encontrar autênticas obras-primas do gênero. Para mencionar apenas algumas, em ordem cronológica:
  • Blade Runner, o Caçador de Androides (1982)
  • O Vingador do Futuro (1990) (2012)
  • Minority Report - A Nova Lei (2002)
  • O Pagamento (2003)
  • O Homem Duplo (2006)
  • O Homem do Castelo Alto (TV, 2015)
  • Os Agentes do Destino (2011)
Quase todos estes filmes têm um aspecto em comum: o das realidades alternativas ou simulações em que os personagens vivem. As memórias do replicador do Blade Runner são fabricadas; o passado do protagonista de O Vingador do Futuro foi deletada e reconstruída; o futuro pode ser visto (e alterado) no Minority Report; o protagonista de O Pagamento apaga a memória depois de cada trabalho que realiza; O Homem do Castelo Alto é definido em uma realidade alternativa em que os nazistas ganharam a guerra e homens de preto, em Os Agentes do Destino, manipulam a realidade desta história para que ela siga o curso "certo".
Há também o caso mais revelador sobre isso, em O Show de Truman, cujo roteiro parece "com desconfiança" com o Time out of Joint (em português, O Homem Mais Importante do Mundo), uma curta história de Dick.
Naturalmente, não poderia ser excluído Matrix, que traz a marca dos irmãos Wachowski no roteiro, mas certamente bebe dessas e de muitas outras fontes. Talvez tenha sido o que mais popularizou a ideia de que "vivemos em uma simulação de computador", mas PKD já havia elaborado essa ideia vinte anos antes de Matrix:
"Estamos vivendo em uma realidade programada por computador e a única pista que temos é quando alguma variável ​​'muda' e alguma alteração ocorre em nossa realidade. Não conheço ninguém que tenha feito essa declaração antes, mas penso que a minha experiência não é única."
Fontes
PKD y la cuestión de «la realidad como simulación», Microsiervos
Wikipédia

08 março, 2018

Dia do Cara Chato


"Intolerâncias à parte, pois até mesmo os chatos merecem ser felizes, é preciso que a verdade seja dita: mantê-los a uma distância segura é mais do que um cuidado com a saúde; é uma questão de sobrevivência." ~ Roberto Darte

Leitura indicada
O livro "Tratado Geral dos Chatos", escrito em 1962 por Guilherme Figueiredo, que é uma referência sobre o assunto. Além de pioneiro, fugiu da linguagem acadêmica, que é muito chata. Guilherme, para quem não sabe, foi irmão do Presidente Figueiredo, mas aqui já estou começando a ser chato.

Mulher (sexo frágil)

de Erasmo e Narinha
Videoclipe de 1981


"Dizem que a mulher é o sexo frágil / Mas que mentira absurda."

Agência ANSA A Academia Real Espanhola (RAE, na sigla em espanhol) anunciou que o termo "sexo frágil" não será mais relacionado à palavra "mulher" nos dicionários em espanhol a partir de agora. Até hoje, na busca pelo verbete "sexo", aparecia uma explicação sobre "sexo frágil" e "grupo de mulheres", enquanto o "sexo forte", correspondia a um "grupo de homens". A mudança só ocorreu por conta de uma campanha que reuniu mais de 200 mil assinaturas e pedia para as mulheres não serem mais relacionadas como o "sexo frágil". Nos novos dicionários, a palavra "sexo frágil" será definida como "intenção depreciativa ou discriminatória".

Bráulio Bessa, cearense de Alto Santo, recita um cordel em homenagem às mulheres no programa "Encontro":
http://especiaiss3.gshow.globo.com/programas/encontro-com-fatima-bernardes/poesia-com-rapadura/

07 março, 2018

O biscoito fino de Oswald na Alemanha

Quando o poeta paulistano Oswald de Andrade morreu, em 1954, seu trabalho estava praticamente esquecido, e o autor se tornara uma figura marginal dentro do próprio movimento artístico que ajudara a criar. Isso começou a mudar pouco depois, quando em 1956 os poetas paulistanos do Movimento da Poesia Concreta o elegeram um de seus guias e, uma década mais tarde, o mesmo ocorreu com os artistas da Tropicália. O próprio Oswald de Andrade profetizara que um dia as massas comeriam seu biscoito fino.
Oswald de Andrade também falou de uma poesia brasileira de exportação. Após levar as massas a comerem seu biscoito fino em território nacional, talvez tenha chegado a hora desta segunda profecia se realizar. Ao menos, na Alemanha. Onde, na última quinta-feira (dia 1º), em Kassel (cidade na região central da Alemanha), a exposição "Tupi or not tupi" abriu espaço para artistas textuais alemães se expressarem a partir do conceito de antropofagia cultural, criado pelo poeta paulistano.

Fonte: Ricardo Domeneck, DW
http://p.dw.com/p/2tQGH

O biscoito fino de Oswald no blog EM
Duas traquinagens poéticas, Perífrase e O Grupo dos Cinco

A lixeira flutuante que suga resíduos plásticos nos oceanos

A enorme quantidade de resíduos plásticos espalhados pelos oceanos inspirou uma dupla de surfistas australianos a criar uma lixeira flutuante.
Apelidado de "Seabin", o invento, que pode sugar pedaços de plástico de diferentes tamanhos e até pequenas quantidades de combustível, tem uma bolsa de tela removível, que pode ser esvaziada quando ficar cheia.
Segundo os criadores, a lixeira flutuante funciona com um mecanismo alimentado por energia solar. A ideia é utilizá-la em portos e embarcadouros, onde o vento e as correntes aumentam o acúmulo de resíduos. O projeto deverá ser comercializado neste ano.
A lixeira aquática pode coletar 1,5 kg de lixo por dia, o que dá 83 mil sacos plásticos por ano. Estima-se que 5 milhões de toneladas de plástico sejam jogados aos mares todos os anos.
Peter Ceiglinski, um dos fundadores do Projeto Seabin, defende que, se várias dessas lixeiras forem espalhadas pelos oceanos, o impacto pode ser significativo.
"Suga pedaços pequenos, pedaços grandes, microplástico e óleo também. Elas são relativamente pequenas, mas até que estão tendo impacto importante. Se colocarmos centenas de milhares de Seabins, o resultado se soma", afirmou.
Atualmente, mais de 5 trilhões de pedaços de plástico, que pesam no total 270 toneladas, estão flutuando nos oceanos do planeta, provocando danos diretos aos animais marítimos e à cadeia alimentar, conforme pesquisa publicada no jornal acadêmico PLOS One.
Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/geral-40039382 c/ vídeo (BBC Brasil)

06 março, 2018

O amor está no ar


Palavra-chave para pesquisar no YouTube: bubloons (balões de espuma).
São feitos de espuma e hélio através de formas customizadas (coração, jacaré, estrela, golfinho, tartaruga etc).

As capas de disco da Elenco

[...] A arte gráfica em capas se desenvolveu com os LPs que traziam mais faixas gravadas e maior espaço de ilustração. Lançado pela Columbia nos EUA em 1948, ainda com 10 polegadas de diâmetro – aumentado para 12 em 1952 –, esse formato possibilitou que artistas visuais traduzissem o som do disco em imagens que, como nas embalagens, facilitam a venda.
Aqui no Brasil, o LP foi lançado em 1952 e, no final da década, Cesar Gomes Villela (n. 1930, Rio de Janeiro - RJ) iniciava sua trajetória de ilustrador na Odeon. Ele buscou maneiras de eliminar as imagens tradicionais usadas – foto posada do cantor, paisagens bucólicas, mulheres bonitas etc. – e substituí-las por soluções visuais menos rebuscadas que produzissem comunicação rápida em compasso com a modernidade das artes gráficas.
A guinada inventiva aconteceu quando foi convidado por Aloysio de Oliveira (músico, que acompanhara Carmen Miranda aos EUA com o Bando da Lua, e produtor) que, em 1963, fundou o selo Elenco e começou a gravar o pessoal da bossa nova. Não apenas por falta de dinheiro para grandes gastos com capas, mas também por conta do projeto que Villela já testava, os discos da pequena gravadora, além de trazerem a nata da música brasileira da época, produziram uma verdadeira revolução gráfica.
Os trabalhos do designer, em parceria com o fotógrafo Chico Pereira, se caracterizavam pelo uso do preto e branco, fotos em alto contraste, elementos gráficos trabalhados nas letras (nome do artista, nome do disco etc.) e, quase sempre, quatro bolinhas vermelhas mescladas às imagens, sendo que uma era do logo criado para o selo. Segundo o próprio artista, o propósito era ter uma imagem limpa, econômica e de comunicação imediata.
Essa aventura inovadora não durou muito. Em 1964, Villela aproveitou a instabilidade política e os amigos de música que saiam do país e foi para os EUA. Aloysio não suportou a concorrência e vendeu a Elenco para a Philips em 1967. Mas, o revolucionário projeto gráfico tornou-se a grande marca visual não só desse selo, mas da bossa nova. Ficou ainda na história do disco, imitado por muitas gravadoras.
Extraído de: Cesar Villela e as capas de disco da Elenco, por Herom Vargas
N. do E.
Adquiri em minha juventude alguns destes discos da Elenco. Eram tocados à exaustão em minha casa. Um deles, foi o clássico LP VINICIUS - ODETE LARA, de 1963. Olha ele aí:
  1. Berimbau
  2. Só por amor
  3. Deixa
  4. Seja feliz
  5. Mulher carioca
  6. Samba em prelúdio
  7. Labareda
  8. É hoje só
  9. O astronauta
  10. Deve ser amor
  11. Samba da bênção;
  12. Além do amor
Em 2008, para homenagear os 50 anos da Bossa Nova, Época fez este vídeo com a identidade visual claramente inspirada no trabalho do artista Cesar Villela, em sua fase na gravadora Elenco (com as tais bolinhas vermelhas).
Pode também lhe interessar: LP CAYMMI VISITA TOM, de 1964

05 março, 2018

O número de Dunbar

Fica entre 100 e 230 e sua estimativa mais comum é 150.
O número de Dunbar define o limite cognitivo teórico do número de pessoas com as quais um indivíduo pode manter relações sociais estáveis. Nesse tipo de relação o indivíduo conhece cada membro do grupo e sabe identificar em que relação cada indivíduo se encontra com os outros do grupo.
Este número foi proposto pela primeira vez, na década de 1990, pelo antropólogo britânico Robin Dunbar, ao encontrar uma correlação entre o tamanho médio do cérebro primata e o tamanho médio do seu grupo social. Usando o tamanho médio do cérebro primata  e extrapolando a partir dos resultados dos primatas, ele propôs que os seres humanos podem confortavelmente manter apenas 150 relações sociais estáveis.
Deve-se reparar que as pequenas comunidades - tribos, aldeias, grupos de interesse comum - costumam ficar mais ou menos nessa faixa encontrada pelo antropólogo.

Artesanato com clipes

Hoje em dia, as pessoas realmente querem salvar seus empregos - há uma recessão em pleno curso, afinal. No entanto, como cada toque que você dá em seu teclado fica gravado no computador, torna-se fácil para o patrão descobrir como você vem gastando seu tempo.
(Fazendo ronda no YouTube, Facebook ou Twitter, em vez de trabalhar.)
Para evitar contratempos do tipo, muitas pessoas, quando entediadas no trabalho, estão se voltando para formas mais arcaicas de entretenimento. Uma delas é fazer, com o humilde clipe para anexar papéis, objetos criativos - como uma libélula, por exemplo.
No Kuriositas, há outros sugestões.

Se sobrar tempo, veja estes dois slideshows:
1 - MATANDO MOSCAS...
2 - QUANDO O PATRÃO VIAJA...

04 março, 2018

Freud e o trauma do Nobel

por Gaël BRANCHEREAU, YAHOO!
AFP, 1º de outubro de 2017 - O Nobel não só ignorou Sigmund Freud, como o comitê que atribui o prestigioso prêmio deixou para a posteridade comentários devastadores sobre o pai da psicanálise.
Sua candidatura ao Nobel de Medicina ou Fisiologia foi apresentada em 1915 pelo neurologista americano William Alanson White. Freud (1856-1939) foi candidato no total 12 vezes, apresentado por diferentes personalidades até 1938, um ano antes de sua morte no exílio londrino.
Freud também foi candidato ao Nobel de Literatura.
Em 1937, nada menos que 14 cientistas - vários deles premiados com o Nobel - apadrinharam o médico vienense que não hesitava em se comparar a Copérnico e Darwin. Em vão.
Rapidamente, Freud "compreendeu que não podia alcançar um Nobel científico. A psicanálise não podia ser considerada uma ciência já naquela época. E isso o magoou", explica Elisabeth Roudinesco, autora de "Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo".
Em 1929, o professor Henry Marcus, do Instituto Karolinska - que atribui o Nobel de Medicina -, resume cruelmente a desconfiança do mundo científico com as teorias freudianas.
"Toda a teoria psicanalítica de Freud, tal como a conhecemos, constitui uma hipótese", segundo a qual a neurose é consequência de um trauma sexual infantil, algo que não pôde ser demonstrado ainda em casos em que este trauma realmente existe", escreve Marcus em um documento recuperado em 2006 pelo universitário sueco Nils Wiklund. As deliberações dos comitês Nobel se mantiveram em sigilo durante meio século.
Elisabeth Roudinesco admite: "Seus críticos têm razão sobre o complexo de Édipo porque o transformou em dogma", mas descartar o conjunto da reflexão freudiana é um erro.
Antes de Freud, "todos os psiquiatras consideravam a mulher histérica como uma louca, o menino que se masturbava como um perverso e o homossexual como um degenerado", lembra a historiadora.
- Estilo muito bom -
Diante da indiferença dos comitês Nobel científicos, a princesa Marie Bonaparte, sua amiga e tradutora ao francês, mobiliza apoios para fazer atribuir o prêmio de Literatura ao então septuagenário, que sofre desde 1919 de um câncer de mandíbula.
Nobel de Literatura em 1916 (já que em 1915 ficou sem ganhador), foi o escritor francês Romain Rolland que solicitou a máxima recompensa dos poetas e romancistas para quem nunca publicou uma única linha de ficção em sua vida.
Em 20 de janeiro de 1936, o autor do romance "Jean-Christophe" escreve à Academia sueca para propor o nome de Sigmund Freud, com quem havia se correspondido.
Nesta carta, à qual a AFP teve acesso, o escritor propõe contrabalançar as reticências dos acadêmicos suecos: "Sei que à primeira vista o ilustre sábio pareceria estar destinado mais especialmente a um prêmio de medicina".
Em seguida, se entusiasma: "seus grandes trabalhos (...) abriram uma nova via à análise da vida emocional e intelectual, e há 30 anos a literatura recebeu sua profunda influência".
Rolland omitiria ressaltar que o amigo havia recebido em 1930 o prestigioso prêmio Goethe.
Hallström, secretário perpétuo da Academia sueca da época, reconheceu "a perspicácia, a fluidez e a clareza dialética" de Freud.
"Seu estilo literário também é indiscutivelmente bom", prosseguiu, antes de acrescentar uma nuance devastadora: "Salvo, talvez, 'A interpretação dos sonhos', obra sobre a qual está baseada toda a sua doutrina". Freud, conclui, "não merece os louros do poeta, embora como cientista tenha feito muita poesia".
Fim da discussão.
- Einstein, seu maior inimigo -
Oitenta anos depois, o diretor administrativo da Academia tenta aparar as arestas: "a concorrência era muito forte" naquele ano de 1936 que viu a consagração do dramaturgo americano Eugene O'Neill, lembra Odd Zsiedrich.
Ao contrário de Freud, com quem publicou "Por que a guerra?", em 1933, Albert Einstein (1879-1955) inscreveu seu nome na página de glórias do Nobel, atribuídos pela primeira vez em 1901. Proposto em 11 oportunidades, levou o prêmio de física em 1921.
Em 1928, Einstein se negou a apoiar a candidatura de Freud ao prêmio de medicina. Será que o médico vienense soube disso algum dia?
"Sou incapaz de formar uma opinião de fundo sobre as teorias freudianas e menos ainda a emitir um juízo autorizado", destacou Einstein naquela época.
Em 1939, após ler "O homem Moisés e a religião monoteísta", a última publicação de Freud, o pai da teoria da relatividade geral lhe fez um elogio bastante ambíguo: "admiro especialmente essa obra, assim como todas as outras", antes de acrescentar: "de um ponto de vista literário".

Dança com lâmpadas

Os dançarinos da Ucrânia iluminam o palco e ganham o Golden Buzzer do America's Got Talent.



Troco uma lâmpada, razoavelmente. Mas dançar com elas: esqueçam. Nem quando eu vivia os meus anos mais iluminados.

03 março, 2018

O Pequeno Príncipe, revisitado

 Como estou digerindo?


Respostas a cargo do elefante:
( ) Minha tromba está coçando.
( ) Aqui não dá para fazer a reversão.
( ) Estou pensando em sair por trás.
( ) Vai arrepender-se do que fez comigo.
( ) ... ... ...