14 junho, 2024

Neca de pitibiriba

Muitas pessoas já devem ter ouvido essa expressão. Mas o que é neca de pitibiriba (ou necas de pitibiribas)? Quando pesquisamos em algum dicionário online ou em qualquer outra fonte de origem duvidosa vemos que (neca + de + pitibiriba) simplesmente significa nada, nadica de nada. Neca de pitibiriba é uma maneira carinhosa popular latino-brasileira de apelidar o nada. A palavra neca vem do latim "nec", que quer dizer (adivinha?) nada. 
É um termo brasileiro inventado por não se sabe quem e nem onde também e que tem o significado de nada. 
Há relatos de que tenha sido usado por Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, ao se referir a um amigo chamado Neca, morador da cidade de Pitibiriba. Após a morte de Tiradentes, passaram a procurar exaustivamente o tal Neca e a tal Pitibiriba. E chegaram à conclusão de que nunca existiram.
Outra possibilidade é que tenha origem em Pirituba (SP), onde vivia um sujeito de apelido Neca que trabalhava num cartório. Dizia sempre não, a quem ia ao cartório atrás de documentos (sem ao menos procurá-los). E todos se referiam a ele como o "Neca de Pirituba", que virou de Pitibiriba, como variante, para designar o nada absoluto, mesclando o falso topônimo com o "neca", do latim "nec", que já é uma negativa.
Quando consignam esses termos populares os dicionários brasileiros costumam recorrer ao jeitinho da "formação expressiva", um modo elegante de reconhecer que, sobre eles, não sabem… necas de pitibiribas. A formação expressiva, quase sempre puxada para o cômico, é aquela em que o som pula na frente do sentido e o leva de arrasto. Uma palavra assim formada não tem, portanto, raízes etimológicas que possam ser pesquisadas.
Neca Setúbal
Neca, de Maria Alice Setúbal, vem do apelido "Boneca", a única menina entre sete herdeiros do Itaú. Sendo filha do prefeito de SP Olavo Setúbal, neta do deputado e acadêmico da ABL Paulo Setúbal, tetraneta da viscondessa de Campinas, do visconde de Indaiatuba e do barão de Sousa Queirós, sobrinha-trineta do marquês de Três Rios, da baronesa de Itapura e da baronesa de Anhumas, sobrinha-tetraneta do visconde de Vergueiro, do barão de Limeira e da marquesa de Valença, e pentaneta do senador Vergueiro, um dos mais influentes políticos do Império do Brasil, a Neca não se aplica o neca de pitibiriba.

Bom para o DBF, o Dicionário Brasileiro de Frases.

13 junho, 2024

O rio que deságua em dois oceanos

Parece exótico, especialmente tendo a conta a distância entre os dois oceanos. Mas é o que acontece com o rio Delkiu, na Rússia. 
O mapa abaixo mostra o rio Delkiu, que começa a sua viagem na região de Khabarovsk, no sopé do monte Berill, e depois se reparte: uma parte que deságua no Oceano Pacífico; a outra, no Oceano Ártico.

(https://es.rbth.com/viajes/92352-rio-rusia-desemboca-dos-oceanos)

Este fenômeno raro é conhecido como bifurcação fluvial e só foi testemunhado em alguns casos no mundo, entre eles com o rio Orinoco, na Venezuela, e com o rio Pará, no norte do Brasil.

12 junho, 2024

Doce Mistério de Belchior

"E foi já durante o autoexílio uma das últimas aparições nos palcos, em 2009, durante um show de Tom Zé onde estava como expectador. O cantor Belchior é chamado ao palco e com a plateia em êxtase canta a música 'Doce Mistério da Vida', originalmente gravada por Victor Herbert e composição de Rida Johnson Young, de 1910 (Ah! Sweet Mystery of Life). A versão nacional da música foi gravada inicialmente por Alberto Ribeiro, médico e compositor carioca, autor de várias marchinhas de carnaval. Posteriormente, essa música foi regravada por Maria Bethânia e Caetano Veloso, Núbia Lafayette (com letra diferente), Moacyr Franco, Agnaldo Timóteo e também por Belchior, no álbum 'Vício Elegante', lançado em 1996 e dedicado às releituras e interpretações de canções de outros artistas."
~ Bira Pereira, Mais PB

11 junho, 2024

No ônibus

(frases mais ouvidas)
- É sempre apertado assim?
- Passa por baixo da roleta.
- Quando estiver pra chegar me avisa.
- Quer que eu segure?
- Vai descer, motorista.
- Não está levando porco, não.
- Eu podia estar roubando, eu podia estar matando...

10 junho, 2024

Guerra

Este desenho tem mais de 80 anos. E, ainda assim, você não precisa mudar nada do que vê nele. Cada detalhe é hoje tão relevante quanto era no dia em que foi desenhado.

09 junho, 2024

Samba de duas notas

Stephan Hitzelberg convida amigos para tocar o "Samba de duas notas", do violonista brasileiro Luiz Bonfá, canção que este gravou com Stan Getz em 1963.

Bons Fás
Seville: melodia e sample (Great Songs)
Quase apaixonado (Elvis Presley)
Manhã de Carnaval (Caetano Veloso e Luciano Pavarotti)
Um abraço no Bonfá (João Gilberto)

08 junho, 2024

Plástico ao mar (2)

Não vejo problemas em comercializar abacaxi em rodelas, cana em roletes, tangerina em gomos etc. Quanto a estas frutas curvas (foto), não parece ser uma boa idéia. Em todos os casos, substitua-se o isopor das bandejas por papelão.


8 de junho, Dia Mundial dos Oceanos

07 junho, 2024

A satírica Dorothy Parker

Dorothy Parker (nascida Rothschild) foi uma escritora e jornalista americana radicada em Nova Iorque.
Ela era conhecida por sua inteligência, piadas e olhar para as fraquezas urbanas do século XX.
A famosa e sagaz Dorothy Parker tinha dificuldades em controlar o uso do álcool. Segundo a lenda, ao ter sido questionada sobre suas experiências em uma festa, ela respondeu:
"Mais uma bebida e eu estaria sob o comando do anfitrião!"
Dorothy também foi creditada por estes versos mais elaborado sobre o assunto. Aqui estão:
"Não posso beber martinis
Só um ou dois, no máximo
Depois das três, estou debaixo da mesa
Depois das quatro, estou sob o comando do meu anfitrião!"
Num jantar da alta sociedade, ela entrou na sala de jantar ao lado de uma bela e maliciosa dramaturga. A dramaturgo deu um passo para o lado. "A idade antes da beleza", ela disse docemente. "Pérolas aos porcos", respondeu Dorothy Parker, com a mesma doçura, e navegou para o jantar mais farto de sua vida.
Após sua cremação, as cinzas de Dorothy não foram reclamadas por muitos anos. Até que a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor reivindicou-as para o projeto de um jardim memorial.
A placa dizia:
"Aqui jazem as cinzas de Dorothy Parker (1893–1967), humorista, escritora e crítica. Defensor dos direitos humanos e civis. Como epitáfio, ela sugeriu: 'Desculpe minha poeira'. 28 de outubro de 1988."

06 junho, 2024

Putinhotep I

Como faraó moribundo e Deus vivo, Putinhotep I segue uma antiga tradição de "sacrifícios de retenção", isto é, sacrifícios humanos de pessoas destinadas a servi-lo na vida após a morte. (*)
Em cerimônias xamãs na Sibéria com o ex-amigo e chefe do Ministério da Defesa, Sergei Shoigu, este número de sacrifícios necessários foi estimado em um milhão, de preferência escravos do sexo masculino eslavos orientais (naturalmente, Osíris lhes fornecerá os serviços gratuitos de mulheres virgens).
Com a progressão da doença de Parkinson e do câncer, Putinhotep I calculou que, até o final deste ano, atingirá o tal milhão de jovens mortos, aptos a servi-lo fielmente no inferno.
Felizmente para Putinhotep I, Biden prometeu fornecer novas armas pesadas à Ucrânia, e tudo será como no Amazon Prime. Mais armas letais, mais escravos para o Faraó em sua vida após a morte.
Gostaria de deixar registrado que ninguém, absolutamente ninguém na Rússia, exceto Putinhotep I, beneficia-se ou lucra com essa "operação militar especial" na Ucrânia, mas a reverência coletiva e o temor projetado num Deus vivo não permitem que ele seja detido.
~ Misha Firer

(*) O sacrifício humano não era uma prática incomum no Egito, sendo que o chamado "sacrifício de retenção" era particularmente popular. E o que significa esse termo? Um sacrifício retentor é como um assassinato ritualizado, após a morte de um governante, de modo a facilitar o "caminho para a luz" para as outras pessoas que o acompanham. Os primeiros indícios desta prática no Egito remontam a 3,5 mil a.C.. A prática tinha seus altos e baixos, mas, durante a Primeira Dinastia, os sacrifícios humanos foram mais frequentes. O trauma externo não é evidente nos restos dos sacrificados, provavelmente para evitar a perda de sangue, e ainda não está claro se as vítimas foram coagidas ou voluntárias.

05 junho, 2024

A língua do pica-pau

A língua de um pica-pau é tão comprida que envolve o crânio para proteger o cérebro enquanto ele está a martelar uma árvore ou outras superfícies duras. Isto, combinado com outros fatores, tais como: músculos do pescoço super-fortes, placas de osso esponjoso no crânio que funcionam como um capacete de futebol e uma quantidade muito pequena de líquido cefalorraquidiano que envolve o cérebro, ajudam a impedir que um pica-pau danifique o próprio cérebro enquanto pica com uma força superior a 1.000g.
http://mastodon.social/@RustyBertrand
Relacionadas
O pica-pau não tem dor de cabeça, mas...
Um martelo de corpo inteiro

04 junho, 2024

Ó mar salgado!

Os oceanos cobrem aproximadamente 70% da superfície da Terra. Cerca de 97% de toda a água do planeta é salgada. Se todo esse sal pudesse ser extraído do oceano e distribuído uniformemente pela superfície terrestre, formaria uma camada com mais de 166 metros de altura, equivalente à altura de um prédio de 40 andares. Fonte: USGS

As intempéries carregam para dentro dos oceanos o material de que é feito os continentes e arrasta mais facilmente tudo o que é solúvel em água. E aqui entra o sal, ou cloreto de sódio.
E de onde vem a água para formar as intempéries, como chuva e neve?
Sim, evaporam dos oceanos, com a energia que estes recebem do Sol.
Ocorre que o sal praticamente não evapora nas condições de temperatura e pressão dos oceanos (evapora uma quantidade ínfima, que nem conta para nosso raciocínio). Por isso os oceanos vão ficando cada vez mais salgados.
Hoje os principais oceanos da Terra têm em torno de 37.000 ppm de sal, mas a solubilidade do cloreto de sódio na água, a 25 graus Celsius, é de 280.000 ppm. Então cabe ainda muito sal. Fonte: Quora

03 junho, 2024

DECLARAÇÃO EUROPEIA SOBRE O CICLISMO🚴

Hoje é o Dia Mundial da Bicicleta!

Estamos prontos para pedalar rumo a um futuro mais sustentável para a nossa União com a Declaração Europeia sobre o Ciclismo.

Reconhece a bicicleta como um modo de transporte sustentável e acessível e contém compromissos claros para impulsionar a utilização da bicicleta na União Europeia.

DECLARAÇÃO EUROPEIA SOBRE O VELOCIPEDISMO, uma política interinstitucional para o ciclismo a nível continental (versão pt).

A cerveja sem meias palavras

O conceito nasceu, de forma despretensiosa, numa roda de amigos. A ideia era encontrar um nome para uma cerveja artesanal de trigo que estava sendo preparada pelo grupo. O que ninguém esperava era a repercussão da iniciativa. Em pouco tempo, a cerveja Weiss Füder virou meme nas redes sociais, gerando piadas, brincadeiras e gozações.

Quanto ao nome, é uma expressão poderosa, sonora e, alguns diriam, até mesmo saborosa e encorpada. Para ser dita nos momentos certos. Weiss Füder, sem dúvida, encerra discussões Está na boca do povo, literalmente. Do campo de futebol à sala do presidente, aos gritos ou sussurros e até em pensamento.

(post não patrocinado)

02 junho, 2024

O estranho caso do Dr. Robert

Em suas visitas aos EUA, os Beatles ouviram falar de um médico chique de Nova Iorque que dava injeções misteriosas "de vitaminas". Paul conta: "Nós ouvíamos pessoas dizendo 'você pode conseguir qualquer coisa com ele, o remédio que quiser'. Era uma grande pilantragem. A música (vídeo "Dr. Robert") era uma brincadeira em torno desse sujeito que curava todo mundo com remédios e tranquilizantes. Ele simplesmente mantinha Nova Iorque chapada".


Well, well, well, you're feeling fine
Well, well, well, he'll make you
Doctor Robert.

O "Doctor Robert" era, possivelmente, o doutor Robert Freymann, um médico de 60 anos nascido na Alemanha com um consultório na Esat 78th Street. (O doutor Charles Roberts citado em alguns livros sobre os Beatles não existia. Era um pseudônimo usado pelo biógrafo Jean Stein para ocultar a identidade de outro "médico de anfetamina"). Conhecido como doutor Robert ou o "Great White Father" (tinha uma mecha de cabelo branco), Freymann era bem relacionado com a vibrante cena de arte da cidade. Ele tinha ajudado, entre outros, Thelhonius Monk e Charlie Parker (cuja certidão de óbito fora assinada por ele em 1955) e tinha a reputação de ser generoso com anfetaminas. "Tenho uma clientela impressionante, de todas as esferas", ele se gabava. "Provavelmente posso dar a você em dez minutos cem nomes de clientes famosos". John, que escreveu "Dr. Robert", estava entre esses nomes famosos, de acordo com a filha de Freymann.
Inicialmente prescritas como antidepressivos, as anfetaminas logo se tornaram uma droga recreativa para os nova-iorquinos modernos. Um antigo paciente do Dr. Freymann, citado no New York Times em 1973, declarou: "Se você quiser ter uma noitada, é só passar no Max (Dr. Max Jacobson), depois no Freymann e depois no Bishop (Dr. John Bishop). Era como ir de bar em bar". O diretor de cinema Joe Shumacher, que fazia uso de anfetaminas nos anos 60, concorda: "E nós achávamos que eram "injeções de vitamina".
Ministrar anfetaminas não era ilegal na época, mas havia normas oficiais contra a prescrição de "quantidades excessivas". O Dr. Robert perdeu sua licença por seis meses em 1968 e, em 1975, foi expulso da Medical Society do Estado de Nova Iorque por imperícia. Quando New York Times pediu em março de 1973, que ele defendesse seus atos, a resposta foi: "Os viciados mataram uma droga boa". Ele morreu em 1987.

Fonte: O estranho caso do Dr. Robert, Blog "O Baú do Edu"

O andar de cima

Fernando Gurgel Filho
O marido de Dona Antônia, o seu Antônio, foi internado com Covid. Teve que ficar na UTI, entubado e isolado, mas todos os dias, Dona Antônia e a filha iam ao hospital saber notícias do ente querido.
No terceiro ou quarto dia, ao chegarem ao hospital, se encontraram com o médico responsável pela UTI e logo quiseram saber notícias de Seu Antônio. O médico prontamente respondeu, ainda meio cansado pelo plantão da noite anterior:
- Ah, minhas filhas, felizmente ele já está no andar de cima!*
- Andar de cima, papai morreu?, balbuciou a filha quase chorando.
- Meu Antônio se foi?, gritou a idosa a cambalear.
- Não, não... Se acalmem. Desculpem assustá-las, ele foi liberado e já está no apartamento, no 3º andar. Perguntem ali para a enfermeira que ela encaminha as senhoras para lá.
E foram, ainda meio baqueadas pelas duas informações contraditórias que quase provocaram uma tragédia familiar.

*Ir pro andar de cima = morrer, ir para o céu.

01 junho, 2024

O golfinho trompetista

1 - pela embocadura

2 - para a limpeza do instrumento

Bom sopro:

"O primeiro musicista de jazz foi um trompetista, Buddy Bolden; o último será um trompetista, o arcanjo Gabriel."

31 maio, 2024

Com cinzas e com afeto

Caso verídico que escutei de uma aeromoça da Alitalia.
A historia começa na porta de entrada do avião quando uma passageira sai da fila para se aproximar da aeromoça e pedir com toda polidez que ela permita que sua adorável mãezinha viaje em primeira classe.
- É o sonho dela, disse com emoção.
A aeromoça sensibilizada negou educadamente alegando que não tinha autorização da empresa para tanto, mas faria algo especial pela mãe da passageira. Daria a ela toda atenção e mimos como se na primeira classe estivesse. Bastava que lhe dissesse o número da poltrona da classe turística.
- 34B, corredor.
O avião decolou e a gentil aeromoça,depois de alguns minutos, se dirigiu à poltrona assinalada levando um pote de caviar com um vinho espumante. Lá estava comodamente sentada a passageira.
- Onde está sua mãezinha? perguntou a aeromoça.
A passageira então abriu a mochila e sacou de lá um vidro com as cinzas da mãe.
Disse, emocionada:
- Estou levando suas cinzas para lançá-las no lago de Como na Italia.
A adorável aeromoça não se fez de rogada, pegou o vidro com cinzas e o acomodou discretamente no melhor local da primeira classe.
Achei a história linda e trouxe para vocês como o exemplo de que o afeto ainda existe até entre pessoas que mal se conhecem.
Nelson Cunha

O violão perdido de John Lennon

O violão acústico de 12 cordas, modelo Hootenanny, de fabricação alemã, usado por John Lennon na gravação do álbum e do filme "Help!", em 1965, foi vendido por US$ 2.857.000 (cerca de 15 milhões de reais) pela casa de leilões Julien’s Auctions.
O Hootenanny ultrapassou o violão Gibson J160E, também tocado por Lennon e vendido, em 2015, por US$ 2,4 milhões, tornando-se o instrumento mais caro da história dos Beatles.
O instrumento passou cinco décadas desaparecido.
Inicialmente, o violão esteve sob os cuidados do cantor e compositor escocês Gordon Waller, membro da dupla Peter and Gordon (com Peter Asher). Depois, ficou com os empresários do duo. Cinco décadas mais tarde, foi descoberto em um sótão no interior do Reino Unido. O estojo do violão foi resgatado do lixo.

30 maio, 2024

Expressões idiomáticas com a palavra "chorar"

“Chorar”: protestar ou reclamar de algo que é injusto.
“Chorar como um bebê”: chorar incontrolavelmente como uma criança pequena.
“Chorar por dentro”: manter as emoções e sentimentos dentro de si enquanto os esconde dos outros.
“Chorar sob comando”: Ser capaz de chorar à vontade ou sob demanda, normalmente para atuação ou performance.
“Chorar lágrimas de crocodilo”: choro falso ou insincero, normalmente para enganar ou manipular outras pessoas.
“Chorar pelo leite derramado”: lamentar ou ficar chateado por algo que não pode ser mudado ou desfeito.
“Chorar no ombro de alguém”: buscar conforto ou consolo de alguém durante um momento de turbulência emocional.
“Chorar rios de lágrimas”: chorar exageradamente (em inglês, “Cry rivers of tears”). “Cry me a river”: uma expressão de descrença ou ceticismo em relação às lágrimas ou demonstração emocional de alguém. 
“Chorar cortando cebola”: fingir que está emocionado para manipular a situação, fingir que está chorando.
“Chorar como um porco preso”: Gritar alto ou guinchar, também pode se referir a alguém chorando alto e inconsolável.
“Chorar de todo coração”: expressar emoções profundas em um choro intenso ou ficar profundamente magoado emocionalmente.
Concluindo:
As expressões idiomáticas para chorar fornecem uma maneira rica e matizada de expressar as emoções complexas associadas ao choro. Desde “lágrimas de crocodilo” até “chorar pelo leite derramado”, cada expressão retrata uma imagem única do que significa chorar e do contexto em que isso ocorre.
O choro é uma emoção humana natural e universal, e essas expressões fornecem uma forma de dar-lhe significado, profundidade e compreender como os outros podem se sentir. E lembre-se, não importa como você escolha se expressar, é importante permitir-se chorar quando necessário e buscar apoio quando se sentir sobrecarregado.
Esperamos que esta postagem do blog tenha-lhe proporcionado uma compreensão mais profunda das expressões idiomáticas para chorar e que você possa usá-las em suas conversas diárias para se expressar melhor.
(https://phrasedictionary.org/idioms-for-crying/)

29 maio, 2024

O tempo métrico

A arriscada proposta do metric-time.com consiste num sistema alternativo de medição do tempo em que deixando para trás a base 60, a base 12 e a base 24 a que estamos habituados, passemos a utilizar a base 10 como dita o sistema métrico.
Neste sistema métrico aplicado ao relógio, o dia tem 10 horas, cada hora tem 100 minutos e cada minuto tem 100 segundos. Ao fazer os cálculos pode-se entender que cada "hora métrica" equivale a 2,4 horas "normais", os minutos métricos duram 1,44 minutos e os segundos métricos duram 0,864 segundos.
A coisa mais fácil de entender – supostamente, o que simplifica a questão – é que num dia métrico há 10 horas, 1.000 minutos e 100.000 segundos. Isso também facilitaria alterações adicionando e subtraindo datas e também fusos horários. Ou, quando nada, se supõe.


Deve ser a enésima tentativa de modificar a forma de contar as horas – sem falar nas de modificar o calendário, que é ainda mais irregular – porque o peso da história (desde os tempos dos sumérios e egípcios) é demasiado poderoso e resiste a todos os ataques.
Fonte: Microsiervos, por Alvy 

28 maio, 2024

27 maio, 2024

O Burro Juiz, por Monteiro Lobato

Disputava a gralha com o sabiá, afirmando que a sua voz valia a dele. Como as outras aves rissem daquela pretensão, a bulhenta matraca de penas, furiosa, disse:
- Nada de brincadeiras. Isto é uma questão muito séria, que deve ser decidida por um juiz. Canta o sabiá, canto eu, e a sentença do julgador decidirá quem é o melhor artista. Topam?
- Topamos! piaram as aves. Mas quem servirá de juiz ?
Estavam a debater este ponto, quando zurrou um burro.
- Nem de encomenda! exclamou a gralha. Está lá um juiz de primeiríssima para julgamento de música, pois nenhum animal possui maiores orelhas. Convidemo-lo.
Aceitou o burro o juizado e veio postar-se no centro da roda.
- Vamos lá, comecem! ordenou ele.
O sabiá deu um pulinho, abriu o bico e cantou. Cantou como só cantam sabiás, garganteando os trinos mais melodiosos e límpidos. Uma pura maravilha, que deixou mergulhado em êxtase o auditório em peso.
- Agora, eu! disse a gralha, dando um passo à frente.
E abrindo a bicanca matraqueou uma grita de romper os ouvidos aos próprios surdos.
Terminada a justa, o meritíssimo juiz deu a sentença:
- Dou ganho de causa à excelentíssima senhora dona Gralha, porque canta muito mais forte que mestre Sabiá.
Quem burro nasce, togado ou não, burro morre.

Link: https://www.migalhas.com.br/quentes/88683/um-nacionalista-preso-por-delito-contra-a-seguranca-nacional
A condenação de Monteiro Lobato pelo Tribunal de Segurança Nacional (1941), confirma a velha fábula. A sentença deu razão ao que cantava mais forte.

26 maio, 2024

As tragédias na vida de Isadora Duncan

Angela Isadora Duncan (26 de maio de 1877 - 14 de setembro de 1927) foi uma dançarina americana que se apresentou com grande sucesso na Europa e nos EUA. Nascida e criada na Califórnia, ela morou e dançou na Europa Ocidental, nos Estados Unidos e na União Soviética.
Inspirando-se nas artes gregas clássicas, combinou-as com o atletismo americano para formar uma nova filosofia de dança, em oposição à rigidez do balé tradicional.
Sobre ela pairou uma aura de tragédias. Com situações em que ela precisou de seu amor pela arte para perfurar as tristezas que a cercavam.
Em abril de 1913, seus dois filhos, Patrick, 6, e Deirdre, o bebê, foram passear de automóvel com a governanta em Paris. Os freios do carro falharam ao se aproximar do Sena e o veículo mergulhou no rio. As crianças e a governanta morreram afogadas.
Por fim, outro automóvel que causou sua morte. Aos 50 anos, Isadora Duncan teve uma morte trágica em Nice, França. Quando seu cachecol esvoaçante se enroscou numa das rodas e no eixo do carro em que ela viajava.

Cena de sua morte no filme "Isadora", de 1968, em que ela foi interpretada por Vanessa Redgrave:

24 maio, 2024

Bom para apanhar aranhas

O meu gato é ótimo para apanhar aranhas. No entanto, há algumas ressalvas:

1. As aranhas têm de ser suficientemente grandes para serem divertidas.

2. A captura de aranhas só acontece à noite e apenas no quarto de dormir.

3. O gato faz alguns sons específicos para alertar que uma aranha está a ser caçada.

4. Todas as aranhas têm que ser entregues como prendas em meu peito ou em minha cara.

5. Reparem que eu só disse que ele era bom "para apanhar". As aranhas entregues estão bem vivas e muito zangadas com o estado atual das coisas.

(https://mastodon.social/@SecurityWriter@infosec.exchange) Trad. PGCS

23 maio, 2024

Lançamento de moedas

Um grupo de dezenas de matemáticos assumiu a tarefa de lançar 350.757 moedas ao ar e registrar os resultados para verificar como elas caem e qual é o efeito físico da matéria, em comparação com a previsão matemática de que deveriam cair 50 a 50%. Bem, as moedas têm 51% de chance de terminar da mesma forma que saíram da mão e 49% de chance de cair ao contrário. O resultado, que publicaram agora num trabalho com muitos detalhes, é contrário à intuição e ao que aplicamos nos modelos matemáticos.
A questão não deveria surpreender-nos, embora o faça porque desafia uma das regras da justiça universal do acaso que assumimos para o mundo que nos rodeia: num processo verdadeiramente aleatório, como um lançamento cara/coroa, os eventos são equiprováveis. Mas claro; O mundo não é um modelo matemático e o lançamento de uma moeda é um processo sujeito às leis da física, ao determinismo e a tudo o que isso implica, por isso seria de esperar que se comportasse como um sistema caótico e imprevisível... Ou não?
Os 48 matemáticos lançaram as moedas 350.757 vezes – de 46 denominações e países – e gravaram todos os lançamentos em vídeo para quem quiser examiná-las. Eles obtiveram uma probabilidade de 0,508 (~51%) de “o mesmo rosto a partir do qual foram lançadas” com intervalo de confiança de 95% [0,506, 0,509]. De passagem, confirmou-se a regra matemática de que se a face inicial não for levada em consideração (é aleatória) os resultados de “cara” ou “coroa” são distribuídos 50% (0,500). Os números de lançamentos e voluntários são recordes, até onde sabemos.
O venerável matemático Persi Diaconis vem trabalhando nisso há décadas e já explicou como encontrou uma explicação razoável:
Persi Diaconis expandiu o modelo padrão de lançamento de moeda propondo que quando as pessoas lançam uma moeda comum introduzem um pequeno grau de "precessão" ou oscilação, que consiste em uma mudança na direção do eixo de rotação ao longo da trajetória da moeda. De acordo com este modelo, a precessão faz com que a moeda fique mais tempo no ar com a face inicial voltada para cima . Conseqüentemente, a moeda tem uma probabilidade maior de cair no mesmo lado em que começou, o que poderia ser chamado de “viés do mesmo lado”.
Diaconis estimou esse viés ou diferença muito leve em 51%, o que agora foi confirmado com mais dados experimentais. Claro, eles também alertam que pode ter acontecido que os sujeitos do experimento tivessem consciência da hipótese que tentavam testar e se tornassem “melhores arremessadores” ao exagerarem no movimento de oscilação, e que isso influenciou os resultados. Eles estão investigando isso.
Em qualquer caso, 50,8% em comparação com os 50% teóricos pode não parecer muito , mas se apostar um euro “cara ou coroa” em 1.000 lançamentos, vendo a posição inicial da moeda quando ela sai do controle, a diferença média pode custar cerca de 19 euros, o que é mais do que o que você ganha em alguns jogos de cassino. Então não é tão ruim.

22 maio, 2024

Bem-vindo ao mundo da icnologia

Dinosaurs Without Bones (Dinossauros Sem Ossos), de Anthony J. Martin (368 p.).
E se uma manhã acordássemos e todos os ossos de dinossauros do mundo tivessem desaparecido? Como saberíamos que estes animais icônicos tiveram uma história de 165 milhões de anos na Terra e se adaptaram a todos os ambientes terrestres, de polo a polo? Que pistas seriam deixadas para discernir não só a sua presença, mas também para aprender sobre a sua vida sexual, a criação dos jovens, a vida social, o combate e quem comeu quem? O que seria necessário para sabermos a rapidez com que os dinossauros se moviam, se viviam no subsolo, subiam em árvores ou nadavam? Bem-vindo ao mundo da icnologia, o estudo de vestígios de fósseis - como pegadas, trilhas, tocas, ninhos, marcas de dentes e outros vestígios de comportamento – e como, através destas pistas notáveis, podemos explorar e intuir a vida rica e complicada dos dinossauros.
Sobre o autor.

21 maio, 2024

O vazio de um exílio

Localizada em Marselha, França.

Uma das esculturas de bronze da série LES VOYAGEURS, do artista francês Bruno Catalano, originário de Marrocos. Catalano é conhecido por criar esculturas em que faltam seções substanciais como que representassem o vazio de um exílio (ou de um insílio?).

20 maio, 2024

Xisquete

Seja honesto!
Você ainda o chama de Twitter ou de X?
(Musk)

Resposta: Twitter
Xwitter, por ironia.

Ora (direis) não ver estrelas

Desde o início da humanidade, as pessoas olham para o céu noturno para ver as estrelas. Observá-los nos permitiu aprender como funciona o universo, como marcar o tempo com calendários e como navegar pelo mundo. Mas, no nosso mundo moderno, a poluição luminosa significa que os habitantes das cidades nunca veem as estrelas, muito menos os confins da Via Láctea, e mesmo nas cidades pequenas é difícil discernir o que se passa lá em cima. Se você quiser ver uma chuva de meteoros, por exemplo, terá que dirigir longas distâncias em direção à natureza selvagem. Mas mesmo nos lugares mais remotos do planeta, os céus estão mais claros do que costumavam ser. As luzes LED economizam energia, mas isso significa apenas que as usamos mais e que deixamos as luzes acesas a noite toda. E mesmo que você encontre uma área remota e escura, o próprio céu está cheio de satélites que atrapalham os fenômenos naturais. 
Os astrônomos cunharam uma nova palavra que descreve a tristeza que sentimos pela perda de oportunidades de observar as estrelas: "noctalgia".
(https://www.neatorama.com/2023/09/20/The-Pain-Stargazers-Feel-Over-the-Loss-of-Dark-Skies/)

19 maio, 2024

Bola ou búlica

1. Jogo de bola de gude (bila, no Ceará) em três buracos no chão (búlica). Começa o jogo quem jogar a bola de gude mais perto de uma linha riscada no chão após os buracos, mas sem ultrapassar a linha. O jogador 1 começa tentando colocar a bola de gude no primeiro buraco; se acertar, continua, passando a vez para o outro (jogador 2) apenas quando errar. O objetivo é acertar os buracos numa sequência de ida e volta.
2. Canção de João Bosco e Aldir Blanc. Foi gravada por Elis Regina, Tamba Trio e MPB 4 (pseudovídeo). "É bola ou búlica, é fogo esse jogo, não dá pra enganar, nega."

18 maio, 2024

Aquecendo os pés

Um fazendeiro morava em uma casinha na serra gaúcha. Era inverno e fazia um frio danado, daqueles de chegar a zero graus, e por mais que ele colocasse muitos cobertores na cama, não conseguia dormir porque seus pés não esquentavam de jeito nenhum. Até que ele teve a ideia de ir até a farmácia e comprar uma bolsa térmica.
— É para aquecer os pés na cama!, explica ele ao farmacêutico.
— Olha, no momento este produto está em falta porque todo mundo teve a mesma ideia aqui na cidade, mas eu posso lhe dar uma sugestão: o senhor tem gato em casa?
— Tenho!
— Então! Lá em casa eu também tenho um, e coloco o gato para aquecer meus pés. Não é a mesma coisa, mas ajuda bastante!
O senhor saiu todo empolgado com a idéia. No dia seguinte ele chega à farmácia, furioso e com arranhões espalhados por todo corpo.
— O que aconteceu? - perguntou o farmacêutico, aflito.
— Culpa dessa sua ideia maluca de colocar o gato pra aquecer meus pés!
— Por quê?, perguntou o farmacêutico, sentindo-se culpado. O gato era muito bravo? 
E o senhor respondeu: 
 — Não, era mansinho. Bom, pelo menos até eu fazê-lo beber um litro de água quente!

 https://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=6911

17 maio, 2024

Poemas em forma de árvores decíduas

Um problema comum ao escrever poemas em forma de árvores decíduas é que, uma vez que cheguem os primeiros movimentos da nova brisa de outono, os poemas começam a ser sacudidos até que suas letras se soltem como folhas, caiam e depois se transformem em cogumelos no chão (tradução: PGCS).

16 maio, 2024

Inventores, mestres e diluidores

O escritor Ezra Pound, em "ABC of Reading" (ABC da Literatura, Ed. Cultrix), propôs a existência de três classes de criadores:
  1. Inventores: os que descobrem um novo processo ou cuja obra nos dá o primeiro exemplo conhecido de um processo;
  2. Mestres: os que fazem várias combinações do processo inicial e se saem tão bem ou melhor do que os inventores;
  3. Diluidores: aqueles que vieram depois e não foram capazes de realizar tão bem o trabalho.
Ezra Pound falava de literatura. Mas a gente pode usar seus argumentos para falar de música.

15 maio, 2024

Confissão público-privada dos pecados - 10

🙏Um garoto está se confessando com o padre.
"Abençoa-me padre, porque pequei. Eu fiquei com uma garota fácil."
O padre pergunta: 
"É você, Joãozinho Tavares?"
"Sim, padre, sou eu."
"E quem era a garota com quem você ficou?"
"Não posso dizer, padre. Não quero arruinar a reputação dela."
"Bom, Joãozinho, eu tenho certeza de que logo vou saber quem é ela. Portanto é melhor você ir falando de uma vez. Foi a Maricleide Ferreira?"
"Não posso dizer."
"Foi a Carolina Flores?"
"Não vou contar."
"Foi a Luane Gonçalves?"
"Desculpe, mas não posso dizer o nome."
"Foi a Kátia Fonseca?"
"Não vou falar."
"Foi a Francelina Arruda?"
"Por favor, padre, eu não posso dizer."
O padre dá um suspiro frustrado. "Você sabe guardar segredo, e isso é admirável. Porém, você pecou e deve receber uma penitência. Você não pode ser coroinha por quatro semanas. Agora vá e trate de se comportar."
Joãozinho volta para o seu banco e seu amigo o cutuca e pergunta, cochichando: "O que ele lhe deu?"
"Um mês de folga e cinco ótimas dicas."
(Fonte: "TudoPorEmail")