30 setembro, 2012

O Camelo e a Esfinge


"O desejo sexual do Camelo é muito maior do que qualquer um imagina.
Uma noite, em um ataque de louca paixão, ele tentou fazer amor com a Esfinge.
Mas os órgãos essenciais da Esfinge estavam enterrados nas areias do Nilo..."

Anônimo

Costumes são costumes

Um famoso repórter de televisão estava no Uzbequistão, no meio de uma grande reportagem que falava sobre os costumes do local. De repente, ele deparou-se com um velhinho e logo começou a entrevistá-lo:
- O senhor poderia contar-me um episódio da sua vida que jamais tenha se esquecido?
O velho homem sorri e começa a contar a história:
- Um dia, há muito tempo atrás, a minha cabra perdeu-se na montanha. Como manda a nossa tradição, todos os homens da cidade se reuniram para beber e sair à procura da cabra. Quando finalmente a encontramos, já de madrugada, bebemos mais uma dose e, como de costume, todos fizeram sexo com a cabra, um por um. Foi uma cena inesquecível.
O jornalista, ainda boquiaberto, retorquiu:
- Meu senhor, sinto muito, mas a estação onde trabalho dificilmente irá colocar no ar este depoimento, por isso sugiro que o senhor conte uma outra história. Quem sabe se o senhor nos contasse uma história bem feliz...
O velho sorriu e disse:
- Ok, também já vivi uma história muito feliz aqui...
O repórter sorri aliviado e o velho homem começa a contar a história:
- Um dia, a mulher do meu vizinho perdeu-se na montanha. Como manda a nossa tradição, todos os homens da cidade se reuniram para beber e sair à procura dela. Quando finalmente a encontramos, já de madrugada, bebemos mais uma dose e, como de costume, todos fizeram sexo com ela, um por um. Foi a maior diversão da minha vida!
O jornalista estava aterrado, mas não desistiu e sugeriu ao idoso:
- Ok, vamos tentar mais uma vez: Será que o senhor não poderia contar-nos uma história muito, muito triste?
Então, o velho homem baixou a cabeça e, com os olhos cheios de lágrimas, começou:
- Um dia, me perdi na montanha... e.....

É uma história em circulação na internet. Ao me enviá-la, Martinho Fernando recomendou que quem for ao Uzbequistão... não deixe de levar uma bússola na bagagem. Mas, por via das dúvidas, o melhor mesmo, acho eu, é nunca ir lá.

Um corpo desafia a barreira do som

Em 8 de outubro, Felix Baumgartner tentará romper a barreira do som. A novidade é que ele usará o próprio corpo, em uma queda livre sobre o Novo México, EUA, para realizar a façanha.
O paraquedista austríaco, conhecido por outros recordes, saltará de uma altura de 37 quilômetros, a partir de uma cápsula construída especialmente para o salto e colocada na estratosfera.
A ser supervisionado pela NASA, o salto de Baumbartner deverá alcançar a velocidade de 1.110 km/h, com a qual a barreira do som será quebrada. Além disso, deverá também bater o atual recorde em altura (31 quilômetros) para saltos de paraquedas, estabelecido em 1960.


Poderá também gostar de ...
Saltos livres no espaço e Como quebrar a barreira do som... em casa

08/10/2012 - Atualizando...
Tras varios años de preparación de los equipos necesarios y las pruebas pertinentes todo parece listo para que hoy Felix Baumgartner y el equipo de Red Bull Stratos lleven por fin a cabo el salto en paracaídas con el que pretenden establecer ni más ni menos que cuatro nuevos récords.
Estos son el del vuelo en globo tripulado más alto, con 36.000 metros de altitud, el salto en paracaídas desde la mayor altitud, la primera persona en romper la barrera del sonido en caída libre, y la caída libre de mayor duración, que se estima en unos 5 minutos y 30 segundos.
El equipo calcula que Baumgartner podría romper la barrera del sonido a una altura de unos 30.480 metros en unas temperaturas de entre -23º y -40º, por lo que tendría que estar desplazándose por encima de los 1.110 kilómetros por hora, que es la velocidad del sonido a esa altura y temperatura.

29 setembro, 2012

Vou varrendo

A vassoura nova varre melhor, mas a vassoura velha...


... é que sabe onde a poeira se esconde.

Nota de pensar

Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida...
Luís Fernando Veríssimo
Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito:"Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes".
No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:
- Quem será que estava atrapalhando o meu progresso ?
- Ainda bem que esse infeliz morreu !
Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles.
A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"?
No visor do caixão havia um espelho e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO! Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo. "SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA, QUANDO SUA EMPRESA MUDA, QUANDO SEUS PAIS MUDAM, QUANDO SEU(SUA) NAMORADO(A) MUDA. SUA VIDA MUDA... QUANDO VOCÊ MUDA! VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA."
O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando "você muda".

Nilo Mendonça indicou este texto. Título criado aqui no Blog.

Como estou dirigindo?

Minha avó vivia a reclamar que ninguém telefonava para ela. Então, eu coloquei um adesivo em seu carro com a frase...

COMO ESTOU DIRIGINDO?
(com o número do telefone dela)
mrtfunny.wordpress.com
Seu telefone agora não para mais no gancho.

28 setembro, 2012

Condenar com provas tênues

Bresser-Pereira: "Condenar sem provas é violência contra a democracia"
São Paulo - O economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, ministro nos dois mandatos do governo FHC (1995-2002), afirmou, dia 21, em sua conta no Twitter que condenar réus com base em indícios ao invés de provas “é uma violência contra os direitos civis e a democracia”.
Ele se referia ao julgamento do chamado “mensalão” no STF e aos argumentos usados até agora pelo relator Joaquim Barbosa para pedir a condenação dos acusados. Na avaliação de Barbosa, indícios são suficientes par determinar a culpa dos réus.
“O risco que o Supremo corre no julgamento do Mensalão é o de se deixar influenciar por uma opinião pública (publicada) tomada pela emoção. É preciso jamais não esquecer que a aplicação da justiça em termos emocionais é linchamento”, disse ele numa série de posts.
Depois, concluiu: O objetivo do julgamento do Mensalão é nobre, mas não pode ser o pretexto para condenar um partido político de esquerda e seus líderes. O Mensalão foi um grande erro, foi uma violência à democracia, mas erros não justificam outros erros contra essa mesma democracia”.

As semelhanças entre o STF e os EUA do começo do século
O pior dessa história do julgamento é que pode consagrar um ideal higienista de prática política, que só é acessível para pouca gente e tem como contraponto o desinteresse cada vez maior do resto da população. Qualquer ambiguidade é prova de culpa e a turba moralizadora acaba "limpando a área", como lembra o Wanderley Guilherme, tendo como padrão ideal de prática política aquela que é imaginada pelas classes médias tradicionais.
Para quem estuda história política, tem alguma semelhança com o que se passou nos Estados Unidos no começo do século XX, principalmente em Boston e Nova Iorque, quando os políticos - e juízes - das elites tradicionais tentaram, e em grande parte conseguiram, enquadrar os novos políticos, ditos populistas, originários da imigração irlandesa e italiana. Aquele filme famoso das gangues de Nova Iorque toca nesse assunto.
Mas como a história costuma se repetir em farsa, não é impossível que o mensalão do PSDB seja julgado lá pelo 2º semestre de 2014, pautando as eleições para a presidência e os governos dos Estados, muito mais importantes. Depois de pôr na agenda o mensalão do PT vai ser difícil esquecer o mensalão do PSDB e o mensalinho do DEM, por mais que nosso "PIG" tente contorcer a realidade.
Aí sim vamos assistir a vingança do baixo clero!!!!
Robertog, LN Online

CARTA ABERTA AO POVO BRASILEIRO
Desde o dia 2 de agosto o Supremo Tribunal Federal julga a ação penal 470, também conhecida como processo do mensalão. Parte da cobertura na mídia e até mesmo reações públicas que atribuem aos ministros o papel de heróis nos causam preocupação.
Somos contra a transformação do julgamento em espetáculo, sob o risco de se exigir – e alcançar – condenações por uma falsa e forçada exemplaridade. Repudiamos o linchamento público e defendemos a presunção da inocência.
A defesa da legalidade é primordial. Nós, abaixo assinados, confiamos que os Senhores Ministros, membros do Supremo Tribunal Federal, saberão conduzir esse julgamento até o fim sob o crivo do contraditório e à luz suprema da Constituição.
Fernando Morais e muitos outros

Uma solução à texana para soluços

Dois soldados estavam bebendo enquanto assistiam a um jogo de futebol, domingo à noite, no Texas.
Um deles começou a apresentar soluços, e o outro sacou a arma...
Sua intenção era curar o amigo com um susto (e os soluços, de fato, cessaram).
Mas o soldado Patrick Edward Myers (foto), 27, agora enfrenta um problema:


A arma disparou, e ele será acusado pelo homicídio culposo de Isaac Lawrence Toung, 22.

Para tratar soluços (sem ser processado)
Como a maior parte dos ataques de soluço dura apenas alguns minutos, é grande o número de tratamentos caseiros indicados. É muito difícil avaliar a eficácia de medidas tão empíricas, mas como são inócuas, vale a pena tentá-las no início da crise.

- engula uma porção de açúcar cristal (uma colher de chá), miolo de pão ou gelo moído;
- chupe uma fatia de limão;
- respire repetidamente dentro de um saco de papel; VALIDADO NO BLOG ENTREMENTES
- faça gargarejos com água;
- puxe a língua para provocar reações de vômito;
- coce o céu da boca com um cotonete de algodão;
- suspenda a úvula (campainha da garganta) com uma colher de chá;
- erga os joelhos até o peito e incline-se sobre eles.

Todavia, procure o médico se as crises durarem mais de 24 horas, principalmente se interferirem com o sono. Soluço crônico usualmente requer acompanhamento neurológico.

Amigo e Dinheiro

Amigo é pra essas coisas
Silvio Silva Júnior/Aldir Blanc

- Salve!
- Como é que vai?
- Amigo, há quanto tempo!
- Um ano ou mais...
- Posso sentar um pouco?
- Faça o favor.
- A vida é um dilema
- Nem sempre vale a pena...
- Pô...
- O que é que há?
- Rosa acabou comigo.
- Meu Deus, por quê?
- Nem Deus sabe o motivo.
- Deus é bom.
- Mas não foi bom pra mim.
- Todo amor um dia chega ao fim.
- Triste...
- É sempre assim.
- Eu desejava um trago.
- Garçom, mais dois.
- Não sei como eu lhe pago.
- Se vê depois.
- Estou desempregado...
- Você está mais velho.
- É...
- Vida ruim.
- Você está bem disposto.
- Também sofri.
- Mas não se vê no rosto.
- Pode ser...
- Você foi mais feliz.
- Dei mais sorte com a Beatriz.
- Pois é..
- Tudo bem.
- Pra frente é que se anda.
- Você se lembra dela?
- Não.
- Lhe apresentei...
- Minha memória é fogo!
- E o l´argent?
- Defendo algum no jogo.
- E amanhã?
- Que bom se eu morresse!
- Pra quê, rapaz?
- Talvez Rosa sofresse.
- Vá atrás!
- Na morte a gente esquece.
- Mas no amor a gente fica em paz.
- Adeus
- Toma mais um.
- Já amolei bastante.
- De jeito algum!
- Muito obrigado, amigo.
- Não tem de quê.
- Por você ter me ouvido.
- Amigo é pra essas coisas.
- Tá...
- Tome um cabral.
- Sua amizade basta.
- Pode faltar.
- O apreço não tem preço, eu vivo ao Deus dará
Dinheiro é pra essas coisas
Paródia: Paulo Gurgel, 1992

- Salve!
- Como é que vai?
- Cruzeiro, há quanto tempo!
- Um ano ou mais...
- Posso sentar um pouco?
- Faça o favor.
- A vida é um sufoco.
- Nem sempre existe troco...
- Pô...
- O que é que há?
- Collor acabou comigo.
- Meu Deus, por quê?
- Nem Deus soube o boato.
- Foi o over.
- Ah, não foi bom pra mim.
- Todo ativo um dia chega ao fim.
- Triste...
- É sempre assim.
- Eu desejava um ajuste.
- Congresso faz.
- Não sei como é o embuste.
- Ora, rapaz.
- Estou tão bloqueado...
- Você está de volta.
- É...
- Ágio ruim.
- Você está bem enxuto.
- Também sofri.
- Não sobe o dólar um puto.
- Pode ser...
- Você foi mais feliz.
- Dei mais sorte com o tal Eris.
- Pois é...
- Tudo bem.
- Pacote é que manda.
- Se lembra da poupança?
- Não.
- Lhe indiquei...
- A garantia foi-se!
- E o CDB?
- Pior do que um coice.
- E a inflação?
- Ah, se recrudescesse...
- Pra quê, rapaz?
- Talvez Zélia sofresse...
- Vá atrás!
- Cabral não a esquece.
- Mas em casa a gente fica em paz.
- Adeus.
- Tá dois por um.
- Já despenquei bastante.
- Ziriguidum!
- É muito ágio, amigo.
- Compensa não.
- Vou acabar falido.
- Dinheiro é pra essas coisas.
- Peço...
- Vá ao leilão.
- A liquidez não dá.
- Pra liberar.
- Se tudo aumenta o preço, eu saio do colchão.

27 setembro, 2012

Uma foto especial de casamento

Rolf Zwaan e Anita Eerland não puderam viajar a Harvard para receber o Prêmio Ig Nobel de Psicologia de 2012 por seu estudo "Inclinando-se para a esquerda, a Torre Eiffel parece menor". Eles tinham na mesma data (20/09) um compromisso que não queriam cancelar: casavam-se (um com o outro) na Holanda.
O terceiro autor do trabalho, Tulio Guadalupe, representou o trio na solenidade de entrega do prêmio.
Mas...
Rolf, Anita e convidados do casamento posaram de um modo especial para algumas fotografias. Com vistas à comunidade científica a que pertencem.
A foto que eu reproduzo (abaixo) tem a cara do casal:

Inclinando-se para a esquerda (Anja Euser fotografou)

As Leis de Murphy do YouTube

  1. O vídeo sempre para na parte mais importante.
  2. Quanto maior for a pressa, maior será o tempo para o vídeo baixar.
  3. Se o vídeo puder estar bloqueado em teu país, estará.
  4. O vídeo para de baixar ao ser ampliado para a tela inteira.
  5. O vídeo que querias ver é apenas uma embromação.
  6. Se o objetivo de teu vídeo era tornar-se viral, não vai acontecer.
In: El Espíritu de los Cínicos

Pequenas janelas coloridas para o passado

Âmbar, a seiva fóssil das árvores, pode conter insetos, aracnídeos, crustáceos, anfíbios e lagartos que viveram há muitos milhões de anos - por vezes perfeitamente preservados.
A fossilização em âmbar permite, por exemplo, que pequenos detalhes como a cor e a disposição das escamas nas asas de uma borboleta se apresentem atualmente como eram há 20 milhões de anos.
Pelas surpreendentes coisas que nos mostram, alguém comparou o âmbar a... pequenas janelas coloridas para o passado.

No filme "Jurassic Park" expandiu-se a ideia de extrair DNA do aparelho digestivo de mosquitos que teriam sugado o sangue de dinossauros. Aprisionados no âmbar, esses mosquitos fossilizados conteriam no ventre material genético de dinossauros, o qual, através da clonagem, poderia ser usado para criar na atualidade um parque temático de dinossauros.

PGCS

26 setembro, 2012

Repita-se

Resumo
Há numerosas referências à repetição no TAKRIR e em retórica. Os motivos e os diversos tipos de repetição foram enumerados. Em casos, a frequência de repetição foi considerada como fator de distorção da eloquência, em outros, a repetição foi considerada adequada, importante e frutífera. A maioria dos estudiosos é da opinião de que a repetição no Alcorão não é apenas conveniente, mas também milagrosa.
O presente estudo teve como objetivo investigar a importância da repetição, através da revisão de numerosos textos. Além disso, este trabalho procurou estudar a repetição tanto na literatura quanto na importância da repetição para a língua persa. E os resultados revelaram que a repetição, não só na linguagem coloquial como também na linguagem literária, pode ser vista como tendo natureza estética, compondo e criando obras de arte na poesia.
As principais partes deste artigo são: definição de repetição, motivos de repetição e os tipos de repetição. Como tipos de repetição não se estudou aqui a repetição em termos de fonema ou morfema, mas sim a repetição em frases e sentenças, em nível discursivo.

Importance and Need of Reconsidering Rhetorical Repetition, por Sabzalipour Jahandust [da Universidade Islâmica de Azad], Journal of Faculty of Letters and Humanities (Tabriz), Fall 2009-Winter 2010; 52(211):81-103.

Propaganda enganosa

Lá pelo ano de 1920, vendia-se nos Estados Unidos o sabão La-Mar... como sendo um redutor de peso. Sem qualquer chance de trazer para o usuário esse benefício.

A menos que...

Sem o Presidente de Nascença do Brasil...

... o que será da blogosfera?

- Acho que acaba.

24 setembro, 2012

A Privataria Tucana. Finalista do Prêmio Jabuti

O livro mais polêmico e vendido do ano, A Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Junior, está entre os finalistas do Prêmio Jabuti (a premiação mais prestigiada da literatura brasileira), na categoria Reportagem.
Esta obra trouxe à tona — com provas robustas e documentos inéditos — as denúncias dos desvios de dinheiro público que aconteceram durante o governo Fernando Henrique Cardoso, na chamada Era das Privatizações.
Publicado pela Geração Editorial, o livro constitui um excepcional trabalho do jornalista Amaury Junior, que é vencedor das maiores honrarias da imprensa brasileira como, por exemplo, três prêmios Esso e quatro prêmios Vladimir Herzog.
Sucesso inquestionável de aceitação, o furacão A Privataria Tucana vendeu, somente no dia de seu lançamento, cerca de 15 mil exemplares. Em dois meses, mais de 100 mil cópias. E a obra ainda permaneceu, por mais de quatro meses, no topo das listas dos livros mais vendidos no país.

A origem de um dossiê, A Privataria Tucana e Do trema à privataria

Gangnam Style

O rapper sul coreano Psy acaba de quebrar um recorde mundial. Seu hit "Gangnam Style" é o vídeo com mais aprovações (likes) na história do YouTube.



Inevitavelmente, vão surgindo as paródias. Nesta, a Coreia do Sul é a do Norte, Psy é Kim Jong, e se você não gostar das modificações que aparecem no segundo vídeo o risco é seu.


Recém-nascido perde a fé na humanidade

Em uma série de acontecimentos que abalaram a comunidade médica local e mundial, o bebê Nathan Jameson, que nasceu há seis dias, tornou-se a pessoa mais jovem a perder permanente e irrevogavelmente toda a fé na humanidade.
"Isso quebra todos os recordes anteriores", explica Douglas McAllister, psicólogo da Universidade de Chicago. "Em toda a história médica documentada, não há nenhum caso de um recém-nascido que, com menos de quatro meses de idade, tenha desenvolvido as faculdades mentais necessárias para compreender toda a extensão deste pesadelo existencial que chamamos de vida na Terra."
Acrescenta o psicólogo: "Considerando que ele já compreende a dura realidade por que muitas pessoas passam em suas existências terrenas, enquanto tentam superficialmente negá-la, é isso o que faz do bebê Nathan um fenômeno!"

(publicado em 17/09/2012 / acessado em 20/009/2012)



Houve um relato, ainda não confirmado, de que Nathan Jameson chegou a tentar suicídio usando um móbile musical para berço.

14/01/2016 - Atualizando ...
Reparem que há 4 anos ainda não havia o Wireless Baby Crib.

23 setembro, 2012

Caminhando e aprendendo - 15

Cães de condomínios
Nos últimos tempos, condomínios de edifícios residenciais no bairro do Cocó, Fortaleza, vêm ampliando suas medidas de segurança com o emprego de vigias acompanhados de cães.
Na rua Bento Albuquerque, por exemplo, três condomínios já apelaram para essa forma de segurança.
Contrata-se uma empresa especializada em fornecer vigilantes e cães de guarda e, ao anoitecer, lá estão eles, homem e cão, a cuidar da segurança do condomínio.
Postam-se na calçada, em frente ao portão de garagem do edifício.
Na calçada, eu disse. Que é um espaço público e não de um condomínio residencial.
Dias atrás, eu vi um destes animais arremeter-se contra uma senhora que cometeu a imprudência de passar próximo a ele. O animal foi contido pelo vigia, e a senhora, inerme contra a parede, ficou lívida.
Não é sem razão que, ao avistá-los, eu sempre mudo de calçada em minhas caminhadas.
Os condomínios podem celebrar seus contratos com essas empresas que fazem locação de cães de guarda. Mas a parte contratada deve prestar seus serviços AQUÉM das grades dos prédios.
E que haja um banco onde o vigilante possa se sentar quando estiver cansado.

Primavera animal

Os animais por aqui estão amorosos. Começou a Primavera no Hemisfério Sul da Terra.


Poderá também gostar de ver...
O Dia da Marmota

♪Rancho das Flores♪

Um clipe da marcha-rancho "Rancho das Flores", produzido por Vanya Sant'Anna, aqui colocado para saudar a chegada da Primavera no Brasil.
Vinicius de Moraes fez esta letra para a música "Jesus Alegria dos Homens", de Johann Sebastian Bach.
Aqui a interpretação é da Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro e Coral (do início da década de 1970). Muitos outros intérpretes também gravariam esta marcha-rancho: Luís Claudio, Pequenos Cantores da Guanabara, Trio Esperança, Fagner...


Curiosidade
... uma rosa não é só uma flor,
uma rosa é uma rosa é uma rosa
é a mulher rescendendo de amor.

Uma referência de Vinicius de Moraes a "Rose is a rose is a rose is a rose", a frase célebre de Gertrude Stein que faz parte de seu poema "Sacred Emily", de 1913. Nesse poema, o primeiro "Rose" é o nome de uma pessoa. Stein usaria mais tarde, em outros escritos, variações sobre a frase como: "uma rosa é uma rosa é uma rosa", no sentido de dizer que "as coisas são o que são", "A é igual a A". Uma espécie de declaração da "lei da identidade".

22 setembro, 2012

Silêncio, Cinema

Um cinema de Londres inovou com uma solução bem-humorada para silenciar aquelas pessoas que costumam conversar ou até mesmo telefonar durante o filme.
As salas do Prince Charles Cinema, no centro da capital britânica, estão empregando "Ninjas do Cinema" - funcionários fantasiados que surpreendem os barulhentos e pedem silêncio.
Eles andam silenciosamente entre as fileiras de poltronas e gentilmente pedem que os clientes mais barulhentos fiquem em silêncio.
"É interessante que o projeto de Ninjas do Cinema tenha começado justamente no Prince Charles, porque eles - mais do que ninguém - sempre incentivaram as plateias a se comportarem 'mal'", diz o crítico de cinema Jason Solomons.
"Mas eu acho que é uma forma muito inteligente de policiar este comportamento, porque mesmo aqui - onde as pessoas são incentivadas a se levantar, gritar, dançar e brincar junto com os filmes - existem limites."

"Lanterninja" em ação
O cinema Prince Charles é famoso em Londres por promover sessões de musicais, como A Noviça Rebelde, em que os espectadores são convocados a cantar junto com os atores na tela a todo volume.
"A etiqueta precisa existir em função do filme. A etiqueta é ditada pelo filme. Se o filme diz 'ria', então 'ria'. Mas nenhum filme jamais diz 'por favor, telefone para sua mãe no celular'. Isso nunca aconteceu em nenhum filme", afirma o crítico.

Lambança

Bizarra cerimônia de iniciação numa escola polonesa
Uma vez mais o círculo clerical deixa em dúvida o seu amor ao próximo, sobretudo quando os próximos são menores. Desta vez trata-se de uma espécie de iniciação onde os alunos de um colégio devem realizar coisas pouco convencionais - eu diria fetichistas - como ajoelhar para lamber o creme de barbear que um padre aplica em seus (his) joelhos.
Tudo foi documentado em fotos nas quais, em sua maioria, o protagonista é o padre Marcin Kozyra,  o diretor do colégio.


Estas fotografias chegaram às mãos dos pais dos alunos que, de imediato, comunicaram às autoridades. No entanto, Kozyra afirma que nunca antes os estudantes nem os pais tiveram alguma queixa desse ritual. Inclusive a promotoria local que disse que os atos do religioso não são considerados delito, nem têm alguma conotação sexual, ainda que excedam "os limites do bom gosto".

Criança Desesperança
Não sei onde e quando esta fotografia (abaixo) foi tirada. Por acaso teria sido durante algum rito de passagem?


23/09/2012 - Corrigindo...
O creme é chantilly.

Dia Mundial Sem Carro - 2012

"A racionalidade coletiva é aquilo que é melhor para cada indivíduo, partindo do pressuposto de que todos os outros agirão da mesma forma. As Leis da Natureza traduzem aquilo que é coletivamente racional. Podemos ilustrar esta distinção com um exemplo retirado de Jean-Paul Sartre. Consideremos um grupo de camponeses em que cada um cultiva a sua parcela de terreno, na vertente íngreme de um monte. Individualmente, apercebem-se de que poderiam aumentar a parte utilizável do seu terreno abatendo as árvores e semeando mais. Por isso, todos cortam as árvores. Mas, na tempestade seguinte a chuva arrasta o solo do monte, estragando a terra. Neste caso, podemos afirmar que a ação individualmente racional é cortar as suas árvores, de forma a aumentar a área de terra disponível para a agricultura. (O abate de árvores de uma só parcela de terreno não faz uma diferença significativa, no que diz respeito à erosão do solo.) Mas, coletivamente isto é um desastre, pois se todos cortarem as suas árvores, todas as parcelas ficarão inutilizáveis. Portanto, a ação coletivamente racional é deixar a maioria das árvores de pé – se não mesmo todas."
Escrito por Hermes, no blogue Em Busca de Sophia, é uma reflexão apropriada para hoje e sempre.

Vídeo: As ciclovias na Holanda

26/09/2012 - Atualizando...
Desde 2007, o paulistano dispõe de uma rádio só de trânsito, a Rádio SulAmérica Trânsito, dedicada a relatar as condições de tráfego da cidade de São Paulo, e suas rotas alternativas, durante 24 horas por dia, 7 dias por semana.

21 setembro, 2012

Por que tentam ferir letalmente o PT?

por Leonardo Boff, Viomundo
Há um provérbio popular alemão que reza: “você bate no saco mas pensa no animal que carrega o saco”. Ele se aplica ao PT com referência ao processo do “Mensalão. (1) Você bate nos acusados mas tem a intenção de bater no PT. A relevância espalhafatosa que o grosso da mídia está dando à questão, mostra que o grande interesse não se concentra na condenação dos acusados, mas através de sua condenação, atingir de morte o PT.
De saída quero dizer que nunca fui filiado ao PT. Interesso-me pela causa que ele representa pois a Igreja da Libertação colaborou na sua formulação e na sua realização nos meios populares. Reconheço com dor que quadros importantes da direção do partido se deixaram morder pela mosca azul do poder e cometeram irregularidades inaceitáveis.
Muitos sentimo-nos decepcionados, pois depositávamos neles a esperança de que seria possível resistir às seduções inerentes ao poder. Tinham a chance de mostrar um exercício ético do poder na medida em que este poder reforçaria o poder do povo que assim se faria participativo e democrático. Lamentavelmente houve a queda.
Mas ela nunca é fatal. Quem cai, sempre pode se levantar. Com a queda não caiu a causa que o PT representa: daqueles que vem da grande tribulação histórica sempre mantidos no abandono e na marginalidade. Por políticas sociais consistentes, milhões foram integrados e se fizeram sujeitos ativos. Eles estão inaugurando um novo tempo que obrigará todas as forças sociais a se reformularem e também a mudarem seus hábitos políticos.
Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT? Há muitas razões. Ressalto apenas duas decisivas.
A primeira tem a ver com uma questão de classe social. Sabidamente temos elites econômicas e intelectuais das mais atrasadas do mundo, como costumava repetir Darcy Ribeiro. Estão mais interessadas em defender privilégios do que garantir direitos para todos. Elas nunca se reconciliaram com o povo. Como escreveu o historiador José Honório Rodrigues (Conciliação e Reforma no Brasil, 1965) elas “negaram seus direitos, arrasaram sua vida e logo que o viram crescer, lhe negaram, pouco a pouco, a sua aprovação, conspiraram para colocá-lo de novo na periferia, no lugar que continuam achando que lhe pertence”.
Ora, o PT e Lula vem desta periferia. Chegaram democraticamente ao centro do poder. Essas elites tolerariam Lula no Planalto, apenas como serviçal, mas jamais como Presidente. Não conseguem digerir este dado inapagável.
Lula Presidente representa uma virada de magnitude histórica. Essas elites perderam. E nada aprenderam. Seu tempo passou. Continuam conspirando, especialmente, através de uma mídia e de seus analistas, amargurados por sucessivas derrotas como se nota nestes dias, a propósito de uma entrevista montada de Veja contra Lula. (2) Estes grupos se propõem apear o PT do poder e liquidar com seus líderes.
A segunda razão está em seu arraigado conservadorismo. Não quererem mudar, nem se ajustar ao novo tempo. Internalizaram a dialética do senhor e do servo.
Saudosistas, preferem se alinhar de forma agregada e subalterna, como servos, ao senhor que hegemoniza a atual fase planetária: os USA e seus aliados, hoje todos em crise de degeneração.
Difamaram a coragem de um Presidente que mostrou a autoestima e a autonomia do país, decisivo para o futuro ecológico e econômico do mundo, orgulhoso de seu ensaio civilizatório racialmente ecumênico e pacífico. Querem um Brasil menor do que eles para continuarem a ter vantagens.
Por fim, temos esperança. Segundo Ignace Sachs, o Brasil, na esteira das políticas republicanas inauguradas pelo PT e que devem ser ainda aprofundadas, pode ser a Terra da Boa Esperança, quer dizer, uma pequena antecipação do que poderá ser a Terra revitalizada, baixada da cruz e ressuscitada.
Muitos jovens empresários, com outra cabeça, não se deixam mais iludir pela macroeconomia neoliberal globalizada. Procuram seguir o novo caminho aberto pelo PT e pelos aliados de causa. Querem produzir autonomamente para o mercado interno, abastecendo os milhões de brasileiros que buscam um consumo necessário, suficiente e responsável e assim poderem viver um desafogo com dignidade e decência.
Essa utopia mínima é factível. O PT se esforça por realizá-la. Essa causa não pode ser perdida em razão da férrea resistência de opositores superados porque é sagrada demais pelo tanto de suor e de sangue que custou.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e doutor honoris causa em política pela Universidade de Turim por solicitação de Norberto Bobbio.

N. do E.
(1) Sic
(2) "Mas agora vai todo mundo para o ralo." Uma frase também citada na entrevista fictícia do Murdoch brasileiro, a qual está sendo publicada em cinco partes no Blog do Mello. Neste tipo de entrevista não é preciso ouvir o entrevistado, e dois "offs" resultam em uma "verdade".

Emoticons da vida real

Este é o Shrug que só sabe dar de ombros:
¯\_(' ! ')_/¯



A evolução dos emoticons, Plunct, plact, Emoticon e Com o final feliz

É a língua imexível?

Paulo Gurgel
Nos últimos tempos, nossos políticos e tecnocratas têm andado às voltas com a tarefa de criar novas palavras para a língua falada no Brasil. Que, dizem uns, se tratar de português, e outros, de brasileiro mesmo. Não entrando no mérito de tal discussão, já que não tenho uma opinião formada sobre o assunto, uma coisa, porém, eu afirmo. A língua que Arraes chorou no exílio está sendo, como nunca, invadida por neologismos.
Resta ver com qual finalidade. Muitas vezes, os neologismos são criados para preencher necessidades da comunicação, concordo. E o idioma precisa deles para o seu rejuvenescimento, assim como se descarta de outras vocábulos que vão virar arcaísmos. Feito uma árvore que todo dia estreia novas folhas, desfazendo-se de outras já sem viço. E, queiram ou não, a mais corriqueira das palavras um dia já foi neologismo.
O insuperável Guimarães Rosa a três por quatro inventava palavras. Novos modos de arrumá-las, concatená-las, tal e coisa. São exemplos de composições tipicamente rosianas: "maquiavelhaco" (maquiavélico+velhaco), "enormonho" (enorme+medonho). No conto "Uns Inhos Engenheiros", em que ele descreve a construção de um ninho por um casal de passarinhos, há um brotar tamanho de palavras que o espetáculo apresenta um frescor, um encanto nunca vistos. Como se fosse a vez primeira em que isso acontecesse na Natureza e, ao ocorrer lá estivesse o olhar divertido de um homem que, paralelamente, criasse uma linguagem só para lhes celebrar a façanha.
O gênio de Cordisburgo, no dizer da scholar norte-americana Mary L. Daniel, parecia querer a língua que se falava antes de Babel. E, por isso, ele amalgamava, forçava, torcia e a submetia a experiências as mais audazes. Muitas vezes encontrando inéditos sentidos para as frases e palavras, mas... estou a falar de um artista no ato da criação. Nossos homens públicos, ao que se sabe, não chegam a tanto.

É uma crônica das antigas. Siga lendo no Preblog.

20 setembro, 2012

Sem mãos!

Jessica Cox nasceu sem braços devido a uma enfermidade congênita.
Isto não a impediu de praticar dança, ginástica, natação e outros esportes. Nem de escrever, dirigir, e sozinha secar o cabelo; nem de fazer a maquiagem e trocar as lentes de contato.
Graduou-se em Psicologia pela Universidade de Arizona e atua como oradora motivacional.
É a primeira mulher na história da aviação que pilota sem ter braços.

Jessica Cox Motivacional Services: rightfooted.com

No último Dia das Mães voou sozinha rebocando um letreiro que dizia:

OLHA MAMÃE, SEM MÃOS!

Jessica é uma heroína da luta contra a adversidade física.

Matéria enviado em slides pelo médico Carlos Gurjão, a quem agradeço a lembrança do assunto.

Bibliotecas de hoje e de antigamente

Nem sempre têm/tinham aquele cheiro característico de livros.


impressive (impressionante) NOT EQUAL TO imprinted (impressa)

Não ressuscitar

Joy Tomkins, 81, da cidade de Norfolk, Virginia, EUA, querendo ter certeza de que ninguém tentará trazê-la de volta à vida, mandou tatuar a frase DO NOT RESSUSCITATE em seu tórax.
"Eu não quero ficar meio morta, eu quero ficar totalmente morta", disse Tomkins, que sofre de artrite, doença de Raynaud, e diabetes. "Eu tenho medo de que os médicos, com a melhor das intenções, me mantenham viva quando eu já não quero mais viver", completou.
Mas é provável que a Sra. Tomkins não seja atendida exatamente do jeito que deseja. Uma tatuagem por si só não autoriza um médico a tomar esse tipo de decisão em uma situação de emergência.


Humor

19 setembro, 2012

Listas

Nos Estados Unidos
A águia careca está fora da lista das espécies ameaçadas de extinção. Pela foto ela não parece ter gostado muito da notícia.
No Brasil
Também já estão fora da lista das espécies ameaçadas o calango, o pardal e a baratinha francesa.

Vai viajar de moto?

É uma tola superstição.
Mas nenhuma mulher faz uma boa viagem se não tiver beijado antes o namorado.

Titanic

Sete milhões de dólares para construir (em 1912) o navio. Duzentos milhões de dólares para fazer (em 1997) o filme.
Já este slideshow...

18 setembro, 2012

Como as abelhas se orientam

- ONDE ESTAMOS EXATAMENTE?

Ver também...
Como as borboletas se orientam.
Itapiúna - CE

Não conseguiu...

Robert Edward Forchion, Jr. (foto), um ativista da marijuana, entrou com uma petição na justiça para ter o seu nome legalmente mudado para NJWeedman.com.
No tribunal de apelações de Nova Jersey o pedido foi negado em uma decisão de 37 páginas.
"Em suma, os nomes de pessoas e nomes de domínio não devem se sobrepor, pois eles pertencem a esferas distintas. Nomes de domínios foram criados para uso na Internet e destinam-se a ajudar um usuário a encontrar um site desejado. Pela mesma razão, não devemos tratar uma pessoa como fazendo parte de um domínio."
Eric Goldman, Technology and Marketing Law Blog

17 setembro, 2012

O Paraíso, o Inferno e o "mensalão"

por Marcos Coimbra, CartaCapital
Na mitologia de muitas culturas, existem narrativas sobre os caminhos que se abrem em razão das escolhas que fazemos. Em algumas versões, são lendas que nos levam a pensar nas consequências práticas das ações presentes, no modo como determinam nosso futuro no mundo. Em outras, referem-se ao que nos aguarda no além-túmulo.
Na tradição do catolicismo popular temos, por exemplo, a crença do encontro da alma com São Pedro, que, zelador da porta do Céu, só deixa entrar no Paraíso quem tiver mantido vida justa na Terra. Quem não, endereça ao Inferno. Para muitos muçulmanos, o primeiro destino da alma é determinado nos instantes que sucedem a morte. Chegam os anjos Munkar e Nakir e a interrogam. São três perguntas: “Quem é teu senhor? Quem é teu profeta? Qual é a tua religião?” Os que acertam ficam à espera da ressurreição em alegria, os que erram são torturados até o Dia do Julgamento.São muitas histórias semelhantes e, em todas, um mesmo recado: quem faz a coisa certa é recompensado, quem se desvia paga. Nas labaredas do Inferno.
A ansiedade dos ministros do Supremo Tribunal Federal perante o julgamento do "mensalão" é compreensível.
Receberam da Procuradoria-Geral da República uma denúncia que os especialistas consideram mais frágil do que aquela feita contra Fernando Collor. E aquela foi tão inepta que caiu por terra na primeira análise.
O fulcro da acusação é uma palavra inventada por um personagem famoso pela falta de seriedade. Nada, nem uma única evidência foi produzida em sete anos de investigações que demonstrasse que funcionou no Congresso Nacional, entre 2004 e 2005, um esquema de compra de votos para aprovar medidas de interesse do governo Lula. O que torna a existência da “quadrilha do mensalão” uma fantasia.
Quem duvidar, que leia a denúncia e verifique com seus olhos se ela aponta as votações e os votos que teriam sido negociados (o número do inquérito é 2.245 e está disponível no site da PGR). Mas nem a fragilidade da denúncia nem sua falta de sentido estiveram em discussão em algum momento.
Quando chegou ao Supremo, o julgamento estava concluído. O veredicto havia sido dado e transitado em julgado.
Exercendo o papel autoassumido de vanguarda da oposição ao “lulopetismo”, os proprietários e funcionários da grande indústria de comunicação tinham o script pronto. E ai de quem o contrariasse. O que não quer dizer que o argumento mais forte que usassem fosse o porrete. Uma dosagem equilibrada de ameaça e adulação é sempre mais eficaz.
Se os ministros fizessem o que ela queria, as portas do Paraíso se abririam para eles. Se teimassem em discutir coisas menores – como provas, depoimentos e outros detalhes –, a fogueira começaria a arder.
Há alguns meses, o ministro Luiz Fux publicou um livro. Como toda obra técnica, de interesse restrito. Seu título bastaria para afugentar os leigos: Jurisdição Constitucional.
O lançamento no Rio de Janeiro, cidade natal do autor, mereceu tratamento vip da TV Globo. Com direito a matéria de 1 minuto e 30 segundos nos telejornais da emissora, tempo reservado a assuntos relevantes.
Talvez alguém se perguntasse o porquê do salamaleque. Mas é fácil entendê-lo. Quem não gosta de ser bem tratado? Quem não aprecia saber que sua família e seus amigos acabam de vê-lo na televisão? Quem não fica feliz quando recebe um cafuné?
O Paraíso é assim, cheio de carinhos. E quem pode proporcioná-lo pode o oposto. Como dizia Augusto dos Anjos: “A mão que afaga é a mesma que apedreja”.
Se fôssemos como os Estados Unidos, onde os juízes da Suprema Corte são figuras inacessíveis, quase desconhecidas do grande público, seria uma coisa. Mas não somos. Aqui nossos ministros adoram o reconhecimento e não hesitam em se revelar. Amam os holofotes.
Uns fazem saber que andam de motocicleta, outros que são exímios músicos, alguns se apresentam como poliglotas. Identificamos seus times de futebol, os restaurantes que frequentam. Às vezes, até seus negócios e os ambientes inadequados que frequentam.
Do julgamento do "mensalão", poderiam sair endeusados, merecendo estátuas e concedendo autógrafos. Bastava que cumprissem o papel que lhes estava reservado. Ou achincalhados. Tornados vilões. Cabia a eles escolher o caminho, o fácil ou o difícil.
No fundo, estão fazendo o que a maioria faria na mesma situação. Talvez não o que se esperaria deles.
oOo
Ou seja, tudo indica que está preparado o ritual da decapitação de José Dirceu. E dane-se, se não houver provas.

18/10/2012 - Atualizando...

Dirceu: "Não vou fugir do Brasil"


"Eu não estou deprimido. Eu não tenho razão para estar deprimido. Eu tenho objetivos, metas, sonhos."
"Muita gente me visita. Não me falta companhia."
"Não é que não tem prova no processo contra mim. Eu fiz a contraprova. Eu sou inocente. Eu confio na Justiça."
"Por que vou sofrer por antecipação? Na hora em que acontecer, vou ver o que fazer."
"Eu fui cassado pela Câmara dos Deputados sem provas. Sofri linchamento como corrupto e quadrilheiro. Eu estou preparado para qualquer resultado."
"Se alguém tem a ilusão de que, me condenando, vai me derrubar, pode tirar o cavalinho da chuva."
"Fui expulso do Brasil. Quem me impedia de voltar era a ditadura. E mesmo assim voltei, duas vezes, colocando a minha vida em risco."
"Se tem algo que não conhecemos no PT é a palavra covardia."
"A chance de eu fugir do Brasil é nenhuma. Zero."

(extraído da entrevista de José Dirceu a Mônica Bergamo, "Folha de São Paulo")

VIVALDI. La Primavera

É impossível para um nativo de lingua inglesa ou asiática solfejar com essa abundância de "R" vibrante alveolar (vídeo), comum no espanhol, no italiano e em vias de desaparecimento no português.
"O Rato Roeu a Roupa do Rei de Roma."
O chinês diria assim:
"O Lato Loeu a Loupa do Lei de Loma."
Nelson Cunha



Uma interpretação deslumbrante. para uma obra-prima da música barroca.
A cappella é uma expressão de origem italiana, também utilizada na maioria dos idiomas ocidentais, que designa a música vocal sem acompanhamento instrumental.
O canto a cappella (em português: "na capela") tem suas origens na prática do canto gregoriano, que não exige o auxílio do órgão ou de qualquer outro instrumento, sendo executado apenas por vozes de monges ou clérigos que formavam o grupo de cantores chamado schola cantorum.
Muitas vezes os cantores desciam do presbitério e se punham a cantar em uma capela lateral da igreja, daí a origem da expressão.
A técnica a cappella foi e até hoje é usada nas igrejas.
Além do canto gregoriano, a maior parte da músicas sacras renascentistas para grupos vocais ou coros polifônicos também foi concebida para ser cantada a cappella.
Manoel Pinto Neto. In: YouTube

Duas vidas

Designers: Sheng-Zhe Feng e Yuan-Ling Chou

Relíquias do Velho Oeste

Por que alguém iria pagar 500 dólares por um pedaço de arame farpado enferrujado?


Bem, por essa amostra aí, com 18 cm de comprimento, e que é o único exemplo conhecido de uma patente de 1907, algumas pessoas aceitariam pagar até mais do que isso.
Fabricados a partir de 1874, o arame farpado já foi um negócio de movimentar milhões de dólares nos EUA, anualmente. Muita gente brigava por suas patentes e pelo direito de produzi-lo. Hoje, ele é o foco da atenção de colecionadores, associações especializadas e museus.
No Collectors Weekly você encontra um excelente artigo sobre o assunto, escrito por Ben Marcas.

Chapéu de caubói esculpido em arame farpado.
Acervo do Devil's Rope Museum

16 setembro, 2012

Ernesto Nazareth - 150 Anos

Eis um site para quem aprecia a obra musical do grande Ernesto Nazareth.
Cataloga e disponibiliza para audição online todas as gravações de suas músicas realizadas em todo o mundo.
Em Ernesto Nazareth - 150 Anos (faltam 185 dias) estão contempladas gravações desde 1902 até o presente, em diferentes mídias e pelos mais variados intérpretes e instrumentações.
Patrocinado pelo Instituto Moreira Salles, o acervo do site (em desenvolvimento) é o resultado de uma pesquisa iniciada em 1999 pelo musicólogo Alexandre Dias.
Para dar uma ideia da dimensão do projeto: apenas para a música "Bambino" o acervo já dispõe de 44 áudios até o momento.

Curiosidade
Composto em 1907 por Nazareth, "Bambino" é um "tango brasileiro" (chorinho) que recebeu duas letras:

- de Catullo da Paixão Cearense (a letra que é mostrada no primeiro vídeo, por Zé Luiz Mazziotti)
- de José Miguel Wisnik (a do segundo vídeo, por Elza Soares)



Que grande cantor é este Zé Luiz Mazziotti!
Estrada do sertão

Uma economia de palitos

Não empreguem a expressão acima na presença dos fabricantes dos Palitos Gina. A empresa, que é líder de mercado no segmento de palitos para dentes, depende da gastança que nós façamos com eles para que tudo continue em seu lugar.


A propósito, saibam o que é o EFEITO GINA INDELICADA NA INTERNET.
E...
Uma economia de azeitonas
Uma economia de pipocas

O Emprego

El Empleo (título original) é um curta-metragem de animação super premiado. Foi produzido na Argentina em 2008.
Um homem desperta, arruma-se, toma o café da manhã e vai trabalhar, fazendo parte de um mundo em que as pessoas são objetos.

DISPONÍVEL EM PRODUCTIONS NO SITE opusBOU


Postagem relacionada
A FLOR DO ABORRECIMENTO

15 setembro, 2012

O agradecimento do dia

Meus amigos,
Quero agradecer a todos, pelos e-mails educacionais (e também os obscenos) que tenho recebido. Foram muito eficazes, principalmente os que modificaram a minha dieta que, graças a eles, hoje é à base de farinha de maracujá, linhaça, chá de alpiste, chá de folha de bambu, limão, vitamina E, mamão papaya, graviola, jabuticaba, aspargo, alho, azeite, pimenta, abacate, alecrim etc.
Ah! Mas a dieta que me dá mais prazer, incluída por imposição de meu compadre mineiro, é a do vinho tinto para prevenir cardiopatias. (Se tiver algum sobrando na sua adega me chame para dar o parecer. Aprecio desde um bom ‘AlmaViva’ até o “Rio Sol”, do Vale do São Francisco!)
E mais, graças a esses maravilhosos e-mails:
Eu não abro mais a porta do banheiro sem usar uma toalha de papel nas mãos; não bebo mais refrigerante com rodelas de limão ou laranja, sem me preocupar com as milhares de bactérias na casca.
Eu não consigo mais usar o controle remoto em quartos de hotel porque não sei o que a última pessoa estava fazendo enquanto navegava nos canais adultos.
Eu tenho dificuldade em apertar a mão de alguém que estava dirigindo porque o passatempo predileto de quem dirige é escarafunchar o nariz.
Eu não consigo pegar numa bolsa de mulher, com medo que ela a tenha colocado no chão de um banheiro público.
Eu tenho que mandar um agradecimento especial para quem me mandou uma mensagem falando do cocô de rato na cola de envelopes porque agora eu uso uma esponja úmida para cada envelope que precisa ser selado. Pela mesma razão, escovo vigorosamente cada latinha antes de abri-la.
Eu não tenho mais economias porque dei para uma menina doente (Penny Brown) que está para morrer pela 1.387.258 vez.
Eu não tenho mais dinheiro, mas isto vai mudar quando eu receber os 15.000 dólares que o Bill Gates / Microsoft e AOL vão me mandar por participar no programa especial de e-mail.
Eu não me preocupo mais com minha alma porque eu tenho 363.214 anjos olhando por mim, e a novena de Santa Teresa atendeu a todos os meus desejos.
Eu não posso mais beber um drinque num bar porque posso acordar numa banheira cheia de gelo sem meus rins.
Eu não posso mais usar desodorantes, cancerígenos, mesmo fedendo como um búfalo num dia quente.
Graças a você, aprendi que minhas preces só serão atendidas se eu enviar um e-mail para 7 dos meus amigos e fizer um desejo em 5 minutos.
Graças à sua preocupação, eu não bebo mais Coca-Cola porque ela é capaz de remover manchas em privadas.
Eu não abasteço mais o carro sem ter alguém o vigiando, para que um serial killer não entre no banco de trás enquanto eu estou abastecendo.
Eu não bebo mais Pepsi ou Fanta porque as pessoas que produzem esses produtos são ateístas e se recusaram a colocar nas latinhas “Feito por Deus”.E obrigado por me avisar que eu não posso esquentar um copo de água no microondas porque pode estourar na minha cara… e me desfigurar para a vida inteira.
Eu não vou mais ao cinema porque me disseram que eu posso ser picado por um alfinete infectado com AIDS, quando eu sentar.
Eu não vou mais a shopping centers porque alguém pode me drogar com uma amostra de perfume e me roubar.
Eu não recebo mais pacotes da UPS ou FedEx porque na realidade os entregadores são agentes disfarçados da Al Qaeda.
E eu não atendo mais telefones porque alguém vai me pedir que disque um número pelo qual eu vou receber uma conta com chamadas para a Jamaica, Uganda, Singapura e Usbequistão.
Graças você eu não uso outra privada que não a minha porque uma enorme cobra preta pode estar escondida dentro do vaso sanitário e me matar, instantaneamente.
Eu não dirijo mais meu carro porque comprando gasolina de algumas marcas, estou apoiando a Al Qaeda e se comprar das outras companhias, estou apoiando os ditadores sul-americanos e o PT.
Eu não mexo mais no meu jardim porque tenho medo de ser picado pela aranha madeira e minha mão vai cair.
Ah… Eu estou guardando a escova de dente no meu quarto, por causa das bactérias do banheiro.
E a última é que o filtro solar engorda; não sei como vou me salvar neste verão, mas já estou me orientando para sobreviver!
Se você não mandar este e-mail para pelo menos 144.000 pessoas, nos próximos 70 minutos, uma pomba grande, com diarréia, vai pousar em sua cabeça às 17h7, amanhã, e as moscas de 120 camelos vão infestar suas costas, causando o crescimento de uma enorme corcunda cabeluda. Eu sei que isto vai ocorrer porque aconteceu com a cabeleireira da melhor amiga do segundo marido da prima da sogra da minha vizinha.
Ah, e a propósito…
Um pesquisador alemão, da Universidade de Ciências Médicas de Buenos Aires, descobriu, após longo estudo, que pessoas com pouca atividade cerebral vêem blogs e emails com a mão sobre o mouse.
Não se preocupe em tirá-la. É tarde demais!
Um fraterno abraço,
EU!
N. do E.
1) Este EU! pode ser o Laerte Faria, que enviou esta matéria para o Blog Bira Viegas, ou outra pessoa que escreveu o texto - a ser identificada!
2) A postagem vai para a colega Célia Ciarlini que, ao me enviá-lo por e-mail, me pegou com a mão sobre o mouse. E eu uso o modelo Black Scorpion:

Uma arte-de-rua inteligente

Inteligente não é a rua, é a arte:
Clever street art, Bits-and-Pieces

O pagamento de uma multa

Multado no trânsito em 137 dólares, um cara fez o seguinte:
Reuniu 137 notas de 1 dólar, dobrou-as de um modo especial e levou-as em duas caixas à repartição pública encarregada de receber as multas.
Para protestar, ele usou o seu conhecimento sobre o origami para dobrar as cédulas, de modo a criar 137 "porcos".
Isso é que é dedicação a uma causa.


Assista ao VÍDEO

14 setembro, 2012

O dever da contrição

Houvesse sido o seu governo o mais limpo e mais honrado de toda a nossa história republicana e, naturalmente, o Sr. Fernando Henrique Cardoso manteria silêncio sobre os seus sucessores. Não lhe caberia censurá-los, nem elogiá-los, deixando o juízo à transparência dos fatos.
Quando alguém despreza a inteligência alheia, e é o que faz o ex-presidente, infirma a própria inteligência. Em nenhum governo houve tão rápido enriquecimento de agentes públicos, quanto no seu. Tudo se fez de forma asséptica, com cuidadoso planejamento legal, para que os brilhantes rapazes da equipe econômica saíssem por uma porta – a das instituições públicas – e entrassem pela outra – a do sistema financeiro e das empresas privatizadas, ganhando milhões neste movimento. É provável que, em nenhum dos casos, houvesse infração às leis, ajustadas previamente ao programa, a partir do governo Collor. Pode ter sido “legal”, mas contrariou todas as regras morais e feriu profundamente o mandamento ético.
É claro que sempre há descuidos, como houve o do “adjutório” ao banqueiro Cacciola. Cacciola, que pôde fugir para a Itália, foi laçado pelas circunstâncias e acabou indo para a prisão. Os outros implicados, diretores do Banco Central, apesar de condenados, respondem em liberdade. O dinheiro desapareceu no vórtice da crise.
Nenhum chefe de Estado, antes dele – e, até agora - nem depois dele, violou a Constituição a fim de reeleger-se, mediante o suborno de parlamentares com favorecimentos e, de acordo com as denúncias conhecidas, dinheiro vivo. A emenda da reeleição já se encontra na História como um dos momentos mais constrangedores da vida republicana.
Em entrevista a um portal da internet, há alguns meses, Fernando Henrique se referiu ao Ministro Gilmar Mendes – que ele nomeou – como “corajoso”. Não lhe pode ser negada a mesma coragem. A coragem, por exemplo, de se referir aos fatos lamentáveis da Ação 470, em julgamento pelo STF, como se referiu, esquecendo-se de que homens de seu partido se encontram sob suspeita de atos semelhantes. O publicitário Marcos Valério, é o que se sabe, sempre agiu com neutralidade partidária. Em lugar do ataque a Lula, seria melhor a Fernando Henrique um ato de contrição.
No julgamento dos pósteros, Lula, com todos os seus acertos, erros e defeitos, será lembrado como o sertanejo que entrou para a História, arrombando-a com o próprio peito, como fazem os pobres. E Fernando Henrique será lembrado como o “intelectual” arrogante, que chamou o seu próprio povo de caipira, e os aposentados de vagabundos. Ele, sim, é até hoje fascinado com os estrangeiros, embasbacado com Paris e Boston, frustrado por não ter nascido no Marais do século 18, nem na Nova Inglaterra de Franklin e Jefferson.

Mandando bala

Quando James Puckle patenteou uma metralhadora, em 1718, ele apresentou duas versões.
A primeira, para ser usada contra os inimigos cristãos, dispararia balas cilíndricas. (1) A segunda, para ser usada contra os turcos, dispararia balas não cilíndricas (projetadas ​​para serem mais lesivas). (2)


Isso, escreveu Puckle, seria a forma de convencer os turcos dos "benefícios da civilização ocidental cristã."

Missionary Work, Futility Closet

Palíndromos

Os palíndromos são palavras ou frases que podem ser lidas da esquerda para a direita e vice-versa, sempre com o mesmo significado. Exemplos: A DIVA É MOTE E TOM É A VIDA (ao Tom Jobim) e À D. ANA: DÁS UMA DANADA (à Ana, mulher do Tom). Estes dois palíndromos foram criados por Fraga, ao tempo em que o "Pasquim" abriu uma temporada sobre o assunto.
Há muitos outros exemplos: O SÓ REMETER É TEMEROSO, SOMAR SOB OS RAMOS, A TROPA À PORTA, EVA ASSE E PAPE ESSA AVE, ALI ROGO RETER O GORILA, SOCORRAM MARROCOS, ROMA ME TEM AMOR, O TREPONEMA É AMENO PERTO, ATIRA O CASACO À RITA, A TORRE DA DERROTA, A CARA RAJADA DA JARARACA etc.
Para "palindromizar" exige-se um vocabulário acima da média e uma boa dose de paciência. Escolhe-se um tema (nome) para centralizar o trabalho nele. O tema é o ponto em que o palíndromo se espelha para os lados. Se houver uma letra-chave, que não permita o retorno, aí está o "miolo" do palíndromo.
Vale tudo no palíndromo: Non sense, livre pensar, achado sonoro (aliterações e cacofonias são ótimos resultados). Até bobagens são bem-vindas (porque são exercícios que levam à boa técnica). Mas o ideal é perseguir uma frase que enuncie uma clara intenção ou contenha alguma "substância", além do mero efeito vai-vem.

13 setembro, 2012

Dia Nacional da Cachaça

O Brasil comemora nesta quinta-feira, dia 13 de setembro, o Dia Nacional da Cachaça.
A escolha da data tem explicação histórica. Em 13 de setembro de 1661, uma revolta popular no Brasil contra a metrópole portuguesa levou à legalização da cachaça, que era aqui proibida, até então. Tal episódio ficou conhecido como a “Revolta da Cachaça”.
A data também objetiva lembrar a luta pelo reconhecimento da cachaça no mercado internacional como uma bebida exclusiva e genuinamente brasileira.
Hoje, até um órgão dedicado a ela existe: trata-se do Instituto Brasileiro da Cachaça- IBRAC, fundado em 2006 e localizado em Brasília.
Só pode ser considerada cachaça a bebida produzida no Brasil e a partir de cana-de-açúcar. Com estes requisitos atendidos, precisa ainda ter a graduação alcoólica entre 38º e 48º.
A cachaça é classificada em dois tipos básicos:
A “branca”, engarrafada logo após a produção, que é mais rústica. E a envelhecida, que, por determinações da legislação brasileira, precisa passar no mínimo um ano em tonéis de madeira. Nesse processo, a bebida perde um pouco de álcool, assimila aromas, adquire uma cor dourada e suaviza o sabor.

Fernando Gurgel, que me lembrou a efeméride, avisa a todos que ...
No dia 21 de setembro, a Ypióca, a mais tradicional e deliciosa cachaça cearense, estará presente no "1º Encontro de Escritores Cearenses de Brasília", colocando a sua "160" para a degustação livre e desimpedida.

Adendo
Para esse "1º Encontro..." foram convidados apenas os escritores cearenses radicados no Distrito Federal e arredores. Escritores que, de alguma forma, têm algum vínculo com a Casa do Ceará em Brasília. Nosso sonho é que o próximo encontro seja de todos os escritores cearenses.
Fernando Gurgel

Sorria, você está sendo "tuitada"


Esta é a versão da Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, segundo a criatividade da Nothing Graphic. Adaptada ao minimalismo da era contemporânea, a imagem tem apenas 140 pontos de cor.

- Ah, não tentem ver nesta imagem aquele sorriso enigmático!

O8/12/2013 - Atualizando...
Mona Lego

Jakeitis

Seis irmãos da uma família Jackson, residente em Ardmore, Oklahoma, tinham os seguintes nomes: Tonsilitis, Meningitis, Appendicitis, Laringitis (Larry, para encurtar), Peritonitis e Jakeitis.
A propósito do nome Jakeitis, Elsdon Smith, em seu "Treasury of Name Lore" (New York: Harper and Row, 1967), escreveu sarcasticamente:
"O último nome deve ter significado o fim do conhecimento médico de seus pais."
Não poderia estar mais equivocado. Ao que parece, o conhecimento médico dos pais superava o de muitos especialistas da época.
Com o nome de Jakeitis se denominou uma estranhíssima enfermidade que, em 1930, afetou mais de 400 pessoas em diferentes partes dos EUA. A doença se devia ao consumo de um extrato de gengibre jamaicano de contrabando, vulgarmente conhecido como "Jake", muito procurado naquela época (Lei Seca) por causa de seu alto conteúdo de álcool. E esse extrato era tornado ainda mais tóxico porque alguns fornecedores lhe acrescentavam um plastificante industrial.
Os indivíduos afetados pela Jakeitis sofriam uma paralisia parcial, especialmente dos pés, que os impedia de caminhar normalmente.
É esta um pouco da história dos irmãos Jackson, de Ardmore, Oklahoma, cujos progenitores se destacaram pela "originalidade" com que escolheram os nomes dos filhos.

Por Guillermo, La Aldea Irreductible. Tradução de PGCS

12 setembro, 2012

O partido campeão dos fichas-sujas

Leitora da Folha se espanta ao descobrir que o PSDB é o partido campeão dos fichas-sujas
É no que dar viver sequestrado da realidade por Folha, Estadão, Veja e Organizações Globo. Uma leitora da Folha, que, pelo que lê diariamente no jornal, deveria achar que o PT era o partido mais corrupto e ficha-suja do Brasil, ao contrário do PSDB, que seria o mais limpinho, surpreendeu-se com uma reportagem recente da própria Folha que mostra exatamente o oposto: que o PSDB é o partido com o maior número de fichas-sujas do Brasil.
"Surpreendeu-me o levantamento apresentado pela Folha cruzando candidatos impedidos pela Lei da Ficha Limpa e partidos políticos. O PMDB tem fama de fisiológico e o PT está enroscado com o julgamento do mensalão (sic), mas quem lidera o ranking dos "fichas-sujas" é o PSDB, que, por esses dias, tem destacado a questão da honestidade e moral em suas campanhas. Que ironia!" - Fabiana Tambellini

ARTE MODERNA. Criança x Adulto

CRIANÇA É MUITO MAIS LIGADA EM ARTE MODERNA DO QUE ADULTO.

Niewe Garde

15/09/2012 - Atualizando...
As crianças arteiras segundo Valquiria Farias.

O amor é cego

:-)

11 setembro, 2012

OK, sem manipulação

O que um rapaz faz com uma garota quente enquanto todos estão distraídos com o telão:


A foto foi tirada no Verizon Center, em Washington, DC, 16 de julho de 2012, durante a transmissão do jogo de basquete entre as seleções olímpicas norte-americana e brasileira.
A Casa Branca, que distribui a fotografia, proíbe qualquer manipulação desta imagem.
Sou lá besta de fazer isso! Depois mandam uns drones para cá em Fortaleza.

Airton Monte (1949 - 2012)

Morreu nesta segunda-feira (10), aos 63 anos, o médico e escritor cearense Airton Monte.
Nascido em Fortaleza, em 1949, e formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Antonio Airton Machado Monte tinha como especialidade a psiquiatria.
Iniciou a carreira literária na revista "O Saco", na qual publicou contos, e foi um dos fundadores do "Grupo Siriará de Literatura".
Escreveu “O Grande pânico” (1979), “Homem não chora” (1981), "Alba Sangüínea" (1983) e “Moça com flor na boca” (2005). Este último livro foi adotado pelo vestibular da UFC.
Participou também de coletâneas, dentre as quais o livro "Verdeversos", editado pelo Centro Médico Cearense (atual AMC), e era membro da "Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional Ceará".
Suas crônicas eram publicadas, das segundas às sextas-feiras, no jornal "O Povo". Foi o nosso cronista maior.
O corpo será cremado no Cemitério Jardim Metropolitano, no Eusébio.
Externo o meu imenso pesar à família de Airton e à literatura cearense.
Para homenagear o amigo parceiro
"O Povo", 08/01/2007 (Claudio Ribeiro, Demitri Túlio, Felipe Araújo e Luiz Henrique Campos, da Redação) - Uma conversa franca e bem humorada com Airton Monte, cronista de uma Fortaleza boêmia, solidária e fraterna que propõe o hedonismo e o anarquismo educado como utopia para a humanidade. Via Blog do Lauriberto
"Linha do Tempo", 07/09/2012 (Paulo Gurgel) - O PARCEIRO AIRTON MONTE
"O Povo", 11/09/2012 (Pedro Rocha, de Vida e Arte) - Inventor de delicadezas
"Blog do Marcelo Gurgel", 11/09/2012 - Com sua morte, encerra-se o ciclo dos grandes cronistas cearenses, cuja tríade de escol foi formada por Ciro Colares, Milton Dias e Airton Monte. Morre o médico e escritor Airton Monte

Desejo

Eis uma história muito simples que vai tocar você. Houve um terrível fato em 11/09, aqui apresentado pela primeira vez em desenho de animação (acho). Numa versão dos acontecimentos que reúne um pai e sua filha, cujo vínculo não é para ser quebrado pela história e, sim, para ultrapassá-la. "Will (director's cut)" é uma peça ousada de animação - tão emocionalmente carregada como o 11/09 - que, trazida para a área do entretenimento, pode inclusive atrair a hostilidade de alguns setores. Mas Eusong Lee, um cineasta independente da Califórnia, revisitou aquele dia terrível com uma grande dose de sensibilidade. Como já disse, eu espero que a história o comova. É honesta nas intenções, além de ter um forte conteúdo.

10 setembro, 2012

A "fortuna" de Lula

"Quem te faz acreditar em absurdos, também te faz cometer atrocidades." Voltaire

Um texto que circula na web, principalmente por e-mails, afirma que o ex-presidente Lula estaria na lista dos bilionários do mundo. Dá como fonte a conceituada revista Forbes.
O texto, que vem com uma reprodução da "capa" da revista, apresenta todas as características de uma pasquinada exclusivamente difamatória (perdão pelo pleonasmo), engendrada por uma mente ociosa e sórdida, à qual não falta o apoio de outras do gênero encarregadas de repassá-la.
O leitor minimamente provido de senso crítico pode verificar que, além de descolada da realidade e das incoerências contidas, o "artigo" em questão não cita o autor, o número e o ano da revista.
O site E-FARSAS mostra em que capa real da revista Forbes foi montada a falsificação:


Lula, segundo a pasquinada, teria uma "fortuna pessoal de dois bilhões de dólares". E, pela "inteligência financeira do ex-presidente", essa fortuna já teria "mais que dobrado". Quanta enganação!
"Alegações extraordinárias exigem provas extraordinárias", como disse Carl Sagan. Na lista da Forbes para o Brasil há... 47 bilionários.
Nenhum é o Lula! LINK
Bons tempos aqueles em que a mentira tinha pernas curtas. Agora, ela não tem perna nenhuma e, por isso, só rasteja. Paulo Gurgel

Para ajudar a entender por que a elite econômica odeia o Lula
Eduardo Guimarães, Blog da Cidadania
Eduardo Santana, Blog
Casper Vox

Vídeo com Mino Carta: sobre as regras de ouro do jornalismo