29 maio, 2015

Uma rocha com 30 mil diamantes

Esta rocha vermelha e verde está recheado com 30.000 pequeninos diamantes.
Retirada de Udachnaya, uma mina a céu aberto de diamantes na Rússia, ela foi doada para a ciência.
O minúsculo tamanho dos diamantes significa que eles não têm valor comercial.
Ah, bom.
Leia mais...

O diamante Cullinan

Um alfabeto simétrico

É preciso muita arte para escolher quais letras se adequam para serem agrupadas e, em seguida, para desenhá-las de modo a criar um alfabeto perfeito do ponto de vista da simetria.
Dividido o cartaz ao meio por uma linha vertical imaginária, cada metade é a imagem em espelho da outra. Diria se tratar de um palíndromo tipográfico.
Este é um trabalho – de autor desconhecido – que eu encontrei no The Meta Picture.

Postagens relacionadas
Pulcritude e simetriaSimetrização de árvores fotografadas e Centralizado

28 maio, 2015

Cabeça, irmão

O escultor Marc Quinn escolheu um meio único para sua obra "Self" ("Auto"), de 1991.
"Self" é uma escultura congelada de uma cabeça (do artista, que serviu de modelo) feita a partir de 4,5 litros do próprio sangue, o qual foi coletado de si mesmo ao longo de um período de 5 meses.
Derramado em um molde, o sangue era a seguir congelado.
Esta escultura é até hoje mantida em um cubo transparente com unidade de refrigeração própria.
Quinn pretende fazer uma nova versão de "Self" a cada 5 anos para ir documentando sua transformação física e deterioração.
A finalidade da cabeça é lembrar o espectador sobre a fragilidade humana.
N. do E.
Atento a esse último detalhe foi que ele coletou o sangue aos poucos.

Sobre a domesticação do cão

O cão descende do lobo e essa separação começou há muito mais tempo do que se pensava até agora, conclui um estudo genético
O osso de um lobo com 35.000 anos, encontrado na Sibéria, trouxe um novo olhar à longa relação da humanidade com o cão, mostrando que a domesticação deste animal teria ocorrido mais cedo do que se pensava até agora. Os cães atuais, desde o Chihuahua ao dogue alemão, descendem de lobos domesticados pelos humanos nos tempos pré-históricos, mas quando ocorreu essa domesticação é uma questão ainda em debate.
A equipe do geneticista Love Dalén, do Museu Sueco de História Natural, analisou o genoma de um lobo que viveu na Península de Taimir, num artigo científico publicado na revista Current Biology. Os cientistas tinham encontrado parte de uma costela no solo permanentemente congelado (permafrost) da Sibéria, durante uma expedição à Península de Taimir em 2010.
A descoberta deste osso antigo permitiu aos cientistas, mais uma vez comparando-o com o DNA de lobos e cães atuais, fazer algumas recalibrações. "Utilizámos o genoma do lobo antigo, que foi diretamente datado, para recalibrar o calendário molecular dos lobos e cães e verificamos que a taxa de mutações é substancialmente mais lenta do que foi assumido pela maioria dos estudos anteriores", refere ainda o artigo.
Estudos genéticos anteriores de cães e lobos atuais tinham calculado que os cães tinham começado a ser domesticados entre há 11.000 e 16.000 anos, baseando-se em taxas de mutação genéticas que pressuponham uma determinada velocidade.
Ora, se as mutações genéticas ocorreram a um ritmo mais lento, então os antepassados dos cães separaram-se dos lobos há mais tempo e a domesticação do cão aconteceu mais cedo do que se pensava. Os cientistas então estimaram que a domesticação do cão teria começado entre há 27.000 anos e 40.000 anos.
É provável que o lobo antigo agora estudado tenha feito parte de uma população de lobos que vagueava pelas estepes e pela tundra durante a última Idade do Gelo, caçando presas grandes, como bisontes, bois-almiscarados e cavalos. "Uma das explicações mais simples é que os caçadores-coletores podem ter apanhado crias de lobos, o que é extremamente fácil, e tê-las mantido em cativeiro como sentinelas contra os grandes predadores da última Idade do Gelo, como ursos e leões das cavernas, e outros mamíferos perigosos, como mamutes, rinocerontes lanudos e outros humanos", disse Love Dalén.

27 maio, 2015

O desafio Charlie, Charlie

Lembram-se do desafio do balde de gelo?
Rápido como veio, logo degelou. Embora o desafio tivesse o nobre propósito de angariar fundos para ajudar os pacientes com esclerose lateral amiotrófica.
Agora, a nova mania na internet é tentar falar com um espírito que atende pelo nome de Charlie. Charlie de Tal. Na lista dos espíritos suspeitos, encontrando-se: Chaplin, Chan, Hebdo e o menino Brown, nenhum é mexicano.
No Instagram e no Vine, pessoas têm publicado vídeos em que aparecem realizando o novo desafio. E, no Twitter, a hashtag #charliecharliechallenge chegou a ter mais de 1,5 milhão de publicações num único dia.
Nesse suposto ritual de invocação de espíritos, dois lápis ficam cruzados um sobre o outro, sobre uma folha com as palavras "sim" e "não" escritas.
Alguém pergunta: "Charlie, Charlie, você está aqui?". Então, um dos lápis se move.
Se o lápis se move para o "sim" é que Charlie está presente. Muitos ficam assustados com a sinceridade de Charlie, gritam e saem correndo da sala. Sangue de Cristo, o espírito está ali apenas para dar conselhos pelo método binário!
E se o lápis se move para o "não"? Charlie não está presente. Excluída a possibilidade de ele ter passado, quem sabe, uma procuração a outro espírito, você está diante de um paradoxo.
É bom lembrar ainda que esse desafio tem regras. A mais importante delas é sempre se despedir do espírito ao terminar a sessão. Isso ou, então, correr o risco de se meter no olho de um Poltergeist.
E quando o lápis não se mexe?
Bem, esse resultado só acontece se ninguém soprar o lápis.

Só micos

COM DOIS FERIDOS [MAS SEM MORTOS]
A COLUNA KIM CHEGA HOJE A BRASÍLIA


26 maio, 2015

Treinamento avançado

Vazou esta imagem sabe-se lá como. É uma foto que mostra um grupo de soldados do Exército Vermelho sob treinamento avançado:


Hogwarts existe!

+ revelações do EntreLeaks: Pilotagens

Ora (direis) ouvir sinos!

O lado côncavo da vela de um navio, soprada por uma brisa suave, também é um bom coletor de som.
Aconteceu uma vez que, a bordo de um navio na costa do Brasil, as pessoas que andavam no convés, ao passarem por um determinado ponto, ouvissem distintamente o som de sinos.
Todos a bordo vieram para ouvir e ficaram convencidos de se tratar de um fenômeno misterioso, pois o navio estava muito longe da terra firme.
Tempos depois, verificou-se que, no momento do acontecimento do fenômeno, os sinos da cidade de Salvador, na costa brasileira, haviam sido tocados por ocasião de um festival. E que o som deles, favorecido por um vento suave, viajara talvez mais de 100 milhas sobre águas calmas, até ser posto "em foco" pela vela, no ponto particular do deck em que foi ouvido.


25 maio, 2015

A felicidade é como balões

Um grupo de 50 pessoas participava de um seminário. De repente, o orador parou a conferência e decidiu fazer uma atividade de grupo.
A cada participante distribuiu um balão para que escrevesse o seu nome nele a caneta.
Em seguida, todos os balões foram recolhidos e colocados em outra sala.
Então, os participantes foram conduzidos até a sala onde estavam os balões para que, no prazo de 5 minutos, cada um encontrasse o seu balão, o que tinha o seu nome escrito.
Todo mundo ficou desesperadamente procurando o seu balão, colidindo uns com os outros, empurrando-se entre si, e houve caos absoluto.
Ao fim de 5 minutos, nenhum tinha encontrado o seu próprio balão.
Em seguida, cada um foi convidado a recolher aleatoriamente um balão e dá-lo para a pessoa cujo nome estava escrito nele.
Em poucos minutos, todos tinham seu próprio balão.
E o orador disse:
É isso exatamente o que acontece em nossas vidas. Todo mundo está desesperadamente à procura da felicidade, sem saber onde ela está. Nossa felicidade está na felicidade dos outros. Dê-lhes a sua felicidade que você vai ter a sua felicidade.

Café com humor

1
"É desumano, em minha opinião, deixar pessoas que têm uma verdadeira necessidade médica por café esperando em uma fila, atrás de pessoas que, aparentemente, o vêem como uma espécie de atividade recreacional." – Dave Barry

"É repugnante notar o aumento na quantidade de café usado por meus súditos e, como consequência, a quantidade de dinheiro que vai para fora do país. Todo mundo está usando o café, o que deveria ser evitado. Vossa Majestade foi criado com cerveja como foram todos os seus antepassados. Muitas batalhas foram travadas e vencidas por soldados nutridos com cerveja, e o rei não acredita que beber café possa ser invocado para que os soldados suportem as dificuldades em caso de uma nova guerra." – Frederico da Prússia, o Grande (1777)

"Assim que você se sentar para uma xícara de café quente, seu chefe vai lhe pedir para fazer algo que vai durar até que o café esteja frio." – Lei de Murphy

"O sono é um sintoma de privação de café." – Anônimo

"Se eu fosse mulher eu usaria o café como perfume." – John Van Druten

Coffee Quotes, www.espressocoffeeguide.com
2
3
"Se algum dia eu me transformar em um serial killer e eu estiver correndo atrás de você, basta me perguntar qual é a melhor máquina de café. Você terá 10 horas para escapar enquanto eu estiver pesquisando as opções cada vez mais caras, até eu voltar e recomendar a mesma Aeropress de 25 dólares que eu usei durante anos. E depois apunhalá-lo no cérebro."
Dave Pacheco
4
"Por Deus, esta bebida de satanás é tão deliciosa que seria uma lástima deixá-la para o uso exclusivo dos hereges. Vamos burlar o diabo, batizando-a", teria dito o papa Clemente VIII (1536-1605), ao provar pela primeira vez o café, uma bebida que continha uma substância ainda questionável na época, a cafeína.
O café, hoje, é apreciado de diversas formas e tem feito cada vez mais parte da mesa do brasileiro. A bebida está presente em 98,2% das casas no país, sendo que estes lares, possuem em média 3,4 pessoas, das quais 2,8 bebem o café. As informações são da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC).
Não é à toa que a bebida ganhou uma data exclusiva para ser comemorada. Desde 2005, o dia 24 de maio, início da colheita em grande parte das regiões cafeeiras, foi escolhido para ser o Dia Nacional do Café.
Cristina Barroca, Café: a bebida dos deuses

24 maio, 2015

Tudo se transforma - 2

O que fizeram com aqueles tanques externos de combustível que os pilotos dos aviões de combate descartavam sobre o Vietnã?


Tudo se transforma - 1

Banda Seu Chico

Esta banda pernambucana vem empolgando as plateias das cidades em que se apresenta, tocando as músicas do Chico com uma nova pegada.
O grupo é formado por Vítor Araújo, Bruno Cupim, Negro Grilo, Amendoim, Vinicius Sarmento, Rodrigo Samico e Tiberio Azul.
O pianista Vítor é a cereja do bolo.


PLAYLIST 2/18 - Caçada / Não Sonho Mais

PLAYLIST 18/18 - Encontrando o homem...
(inclui cenas da partida de futebol do século: Politheama 3 x 3 Banda Seu Chico)

Banda Seu Chico no Face e no Twitter.

23 maio, 2015

Químicos analíticos no Velho Oeste


O duelo |  Um duelo de camaleões | Sem duelos

A página de um milhão de dólares - 2

Alex Tew precisava de dinheiro, então fez algo audacioso. Em 2005, ele iniciou um site, The Million Dollar Homepage. Vendeu um milhão de pixels da página para os anunciantes por um dólar cada pixel e, em apenas seis meses, Tew conseguiu o seu milhão de dólares.
Noticiei isto em 2008, no Blog EM.
Desde então, não há um pixel disponível para um anúncio novo. Tew provou que, quando se trata de angariar fundos crowdsourcing, nenhuma causa é muito egoísta.

22 maio, 2015

Acredite se Quiser

Elmer Fudd (no Brasil, Hortelino Troca-Letras) é um dos personagens mais famosos dos desenhos animados Looney Tunes. A maioria das suas aparições é caçando o coelho Pernalonga e/ou o pato Patolino. Como é de costume nos desenhos animados, ele nunca consegue pegá-los.
Seu nome no Brasil se deve ao fato de trocar as letras quando fala, principalmente o R pelo L.
Segundo o TopTenz, ao criar no final da década de 1930, este personagem inicialmente conhecido como Egghead (cabeça de ovo), a Warner Bros inspirou-se no cartunista e antropólogo amador Robert Ripley, o criador do Ripley's Believe It or Not!.
Acredite se Quiser.

O título de um livro

"Eu faço uma lista dos títulos, depois que eu terminei a história ou o livro - às vezes, até cem. Então, eu começo a eliminá-los, às vezes, todos eles." – Ernest Hemingway
"O título vem depois, geralmente com considerável dificuldade. O título do trabalho frequentemente muda." – Heinrich Böll
"Eu nunca fui um homem de títulos. Eu não dou a mínima para o título. Eu chamaria este (livro) de "East of Eden" (A Leste do Éden, no Brasil), que é uma citação de absolutamente nada, mas tem duas grandes palavras e uma direção." – John Steinbeck
"Títulos em regra não importam muito. Muito bons autores quebram a cara no esforço de escolher um título." – DH Lawrence
"Quando eu preciso de um título eu vou geralmente reler a poesia de Hart Crane. Eu levo comigo uma cópia do trabalho de Crane quando viajo. A frase que me chama a atenção parece adequada para o que eu estou escrevendo. Mas não há nenhum sistema para isso." – Tennessee Williams
"Eu tenho uma ideia peculiar sobre títulos. Eles nunca devem ser, obviamente, provocativos, nem dizer nada sobre o assassinato. Eles devem ser bastante indiretos e neutros, mas a aparência das palavras deve ser um pouco incomum. (...) Quanto aos editores, eu me pergunto se eles sabem alguma coisa sobre títulos."– Raymond Chandler
First Things Last, Futility Closet

21 maio, 2015

Pillow Monster

E A GUERRA PARA ACABAR COM TODAS AS GUERRAS
(DE TRAVESSEIROS)

Entre dois males

Durante uma noite de farra em uma taverna de Salisbury, alguns soldados estavam bebendo à saúde de outras pessoas. Nisso, um soldado fez o impensável: ele bebeu à saúde do Diabo. Corajosamente, desafiando o Diabo a aparecer, o soldado alegou que, se o Diabo não aparecia, era a prova de que nem o Diabo nem Deus existiam.
Companheiros de bebida do soldado fugiram assustados do recinto, mas voltaram "depois de ouvir um ruído medonho e de sentir um mau cheiro". O soldado tinha desaparecido, e tudo o que encontraram foi uma janela quebrada e uma barra de ferro coberta de sangue. Quanto ao soldado, nunca mais se ouviu falar dele.
Essa história peculiar, relatada em 1682 pelo ministro Samuel Clarke, era uma espécie de aviso sobre o destino traiçoeiro reservado aos bêbados. O soldado cometera o erro fatal de perder o juízo e beber à saúde do Diabo, trazendo o mal a seu mundo. Esta história, porém, era apenas uma dentre as terríveis possibilidades apontadas por Clarke. A doença corporal, a destruição espiritual, a loucura e, em última instância, a morte compreendiam os destinos trágicos que aguardavam os bêbados. [...]
No entanto, essas advertências dramáticas criaram respostas de céticos que questionavam a validade de tais alegações. Será que beber realmente resultava em decadência física? Poderia uma pessoa beber álcool sem se transformar num bêbado estúpido ou num fardo social indesejado?
Um desenho da revista Puck, de 1888, apresentou uma imagem diferente da temperança: como um equilíbrio "entre dois males".


À direita, um Intemperate Teetotaler, em seu esnobismo, recusando até mesmo contemplar um copo de álcool. À esquerda, um Intemperate Drunkard, que, em muitos aspectos, reflete a deterioração física já descrita anteriormente. No meio, no entanto, está um homem que representa a verdadeira temperança. Ele não tem sinais de decadência física, está bem vestido e com o semblante amável.
Sentado entre esses dois extremos, este homem – que representa a verdadeira temperança – agarra sua caneca de cerveja e sorri... como estivesse a pensar: "Eu não tenho nada a ver com nenhum de vocês".

Blurred Forms: An Unsteady History of Drunkenness, por Kriston D. Burton. In: the appendix

20 maio, 2015

A cruz de Karachi

O empresário paquistanês Parvez Henry Gill estava dormindo quando Deus apareceu em seu sonho e lhe deu uma tarefa: encontrar uma maneira de proteger os cristãos do Paquistão contra a violência. "Eu quero que você faça algo diferente", exigiu Deus.
Isso foi há quatro anos, e Gill, um cristão devoto, lutou muito para encontrar o que deveria fazer. Foram noites e noites de agitação, acalmadas com orações, até ele acordar numa manhã com a resposta: Ele iria construir uma das maiores cruzes do mundo em Karachi, um dos lugares mais improváveis ​​do mundo para isso.
Essa cruz, que será a maior da Ásia, já está quase pronta (foto). Gill planeja realizar uma grande festa para inaugurá-la. Convidará o papa Francisco, o primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif, a rainha Elizabeth II da Inglaterra e a ex-secretária de Estado Hillary Clinton.
"Mas eu não sei se eles virão", acrescenta.
Os cristãos representam cerca de 1,5 por cento da população paquistanesa. Num país em que eles são frequentemente hostilizados e perseguidos por extremistas muçulmanos, seria isto uma boa ideia?

♪Chazinho com biscoito♪

21, 102, 103, 104, 206, 207...
Não, não é nenhuma sequência de Fibonacci nem algo do gênero. São os apartamentos de um edifício em que, como descreve Vander Lee, muita coisa estranha acontece.
Quando puder passe no 108 para tomar um chazinho com biscoito com ele.
Vander Lee
Nascido no estado de Minas Gerais, Vanderli Catarina, mais conhecido por Vander Lee, começou sua carreira em bares locais em meados da década de 1980. Gravou sua primeira fita demo (com 4 músicas) em 1986, e em 1987 já fazia shows com seu próprio repertório. Suas canções variam desde o romântico, passando pelo samba até a balada e o rock. Alcione, Daniela Mercury, Elba Ramalho, Elza Soares, Emilinha Borba, Fábio Jr, Gal Costa, Leila Pinheiro, Luiza Possi, Margareth Menezes, Maria Bethania e Regina Souza, entre outros, já gravaram suas músicas.


Vander Lee. Participação de Regina Souza

O rapazinho lá do 21 vive de zumzumzum
Com a tal de Dinorah.
Aquela moça lá do 102 que come ovo com arroz
E arrota caviar.
O falamansa lá do 103 que todo fim de mês
Cisma de viajar.
No 104 não mora ninguém
Mas se você quiser alguém
Pra dividir pode chamar.
O bonitão, cabeludo que usa brinco 
Morador do 105
Me chamou pra passear.
Mas tem a bruxa lá do 206 que quer carona toda vez
Que o bonitão vai trabalhar.
A empregada lá do 207 fica ouvindo Elizete
E deixa o leite derramar.
Quando puder passa aqui no 108 pra um chazinho com biscoito pra gente continuar
A conversar, vou lhe contar
Na cobertura tem um fã do Sepultura
Que pratica acupuntura
Com as cordas do violão.
No andar de cima é que mora aquela prima
Do cocô do filhote do cachorro do vilão.
Aqui do lado tem um que fica pelado
Dançando sapateado de frente à televisão.
Você sabia que o dono da padaria
É primo daquela tia da mulher do seu patrão.

19 maio, 2015

A Cabeça Quadrada


Há um mundo de conhecimentos a ser explorado no interior desta caixa.
O artista francês Sasha Sonso projetou esta escultura monumental, La Tête Carrée (A Cabeça Quadrada), para integrar a Biblioteca Central de Nice, França.
Concluída em 2002, mede cerca de 30 metros de altura. Em sua parte cúbica, sustentada por um enorme busto, La Tête Carrée abriga uma biblioteca de 3 pavimentos. E seus painéis exteriores são realmente janelas. Através delas, o sol da Riviera Francesa penetra na biblioteca para iluminar os pensamentos dos leitores que a frequentam.
É uma perfeita fusão da arte com a educação.

Enquanto a bola se move

O professor de Física fecha os olhos e encolhe-se todo contra a parede. Sua fé é menor do que uma semente de mostarda.


O efeito Miley Cyrus.

"I came in like a wrecking ball
I never hit so hard in love
All I wanted was to break your walls.."

18 maio, 2015

Museus e sociedade sustentável

O Dia Internacional dos Museus é comemorado a 18 de maio,
Este ano, a data é dedicada a assinalar a contribuição dos espaços museológicos para promover uma sociedade sustentável.
"Museus para uma sociedade sustentável" é o tema proposto pelo Conselho Internacional de Museus (sigla ICOM, em inglês), a entidade que promove a iniciativa para as comemorações com o objetivo de reforçar os laços dos museus com a sociedade.
O tema leva a refletir em que medida os museus conservando, expondo e dialogando com as suas colecções podem contribuir para conscientizar a sociedade sobre a importância de preservar o meio ambiente, disponibilizando as melhores respostas para as transformações que nos rodeiam.

JOGO DE DAMAS. Homem x Máquina

Chinook x Tinsley, Londres - 1992
O matemático Marion Tinsley perdeu apenas sete jogos de damas em uma carreira que durou 45 anos. Entre 1950 e 1995, ganhou o primeiro lugar em todos os torneios em que jogou. "Dr. Tinsley levou o jogo além do que qualquer outra pessoa poderia conceber", disse Charles Walker, fundador da "International Checkers Hall of Fame", para a revista "Sports Illustrated", em 1992. "Ninguém se atreve a pensar que poderia vencê-lo".
Seu último e melhor adversário foi uma máquina, Chinook, projetada pelo cientista da computação Jonathan Schaeffer, da Universidade de Alberta, Canadá. Quando a American  Checkers Federation não permitiu a participação da máquina no campeonato de 1990, Tinsley renunciou ao título de campeão e aceitou jogar contra ela.
Ele venceu por 4-2, com 33 empates. Em um jogo, depois que o computador tinha jogado seu 10º movimento, Tinsley disse: "Você vai se arrepender disso." Chinook foi derrotado 26 movimentos mais tarde e, na análise que se seguiu, Schaeffer descobriu que Tinsley tinha planejado 64 movimentos à frente para encontrar a única estratégia vencedora. (Quando perguntado sobre a fonte de sua vantagem, Tinsley, que era um pregador leigo, disse: "Eu tenho um programador melhor: Deus".)
Mas a máquina continuou a melhorar, e a saúde de Tinsley começou a falhar. Ele teve que se retirar, após seis empates em sua revanche de 1994, e morreu de câncer do pâncreas pouco tempo depois, aos 68 anos.
Chinook, desde então, resolveu o jogo. Após 18 anos de aperfeiçoamento, o programa evoluíra para não perder mais em qualquer situação. Em princípio, pelo menos, o computador agora é invencível. O melhor que um ser humano pode esperar é um empate.

A Jump Ahead, Futility Closet |  Chechers, solved!, IEEE Spectrum

N. do E.
As damas são um jogo de empate, ou seja, sempre terminará em empate se ambos os adversários realizarem as jogadas corretas.

17 maio, 2015

Pela blogosfera - 52

Recebi de José Flávio Abelha (foto) esta mensagem:
Paulo,
estou sempre repassando matérias do seu blog.
O meu é JANELA DO ABELHA
http://oblogdoabelha.blogspot.com
Grande abraço do
Abelha
Acrescentei com todo o mérito o Janela do Abelha na relação de Blogs e Sites da página principal do EntreMentes.

SLIDESHOW - APRESENTAÇÃO 358

Os aspectos científicos do malabarismo

Claude Shannon, o pai da teoria da informação, tinha um interesse especial por malabarismo. Ele costumava fazer malabarismos com bolas enquanto andava de monociclo pelos corredores da Bell Laboratories.
Na década de 1970, ele construiu o primeiro robô malabarista. Esta máquina (vídeo) que imita WC Fields, que fazia malabarismos no vaudeville antes de ser comediante no cinema.



Essa arte circense é pura matemática. Em seu "Scientific Aspects of Juggling", de 1993, Shannon ofereceu o primeiro teorema para o malabarismo.

Uma coisa é certa: o malabarismo fica cada vez mais difícil com o aumento do número de bolas, a razão pela qual eu não consigo passar da primeira. PGCS

16 maio, 2015

Newtoniana



Que a grandeza que é capaz 
de vencer a inércia de um corpo, modificando-lhe a velocidade 
na magnitude ou na direção, 
esteja contigo!

Sardinhas e Festas de Lisboa

Sardinhas
Já foram escolhidas as cinco sardinhas vencedoras das Festas de Lisboa – que acontecem em junho deste ano. Representam alguns dos personagens mais característicos da cidade. No concurso, em sua 5ª edição, já concorreram desde 2011 mais de 25 mil sardinhas de mais de 60 países. Como prêmio, 2 mil euros para os pais da ideia e a exposição pública das suas, nossas e vossas sardinhas por toda a cidade, como imagem principal da campanha de divulgação das Festas de Lisboa.
Marise Araújo, Blue Bus



Festas de Lisboa
Período: 1º a 30 de junho
Com um cheiro de verão no ar, as Festas de Lisboa enchem de animação os recantos mais típicos da cidade e trazem à rua milhares de pessoas.
Santo António, padroeiro de Lisboa, dá o mote para as festas que atingem o seu ponto alto na noite de 12 de junho, com o desfile das marchas populares na Avenida da Liberdade. Na tarde do dia 13, a procissão em honra deste santo popular, que tem fama de casamenteiro, percorre as ruas que rodeiam a Sé e dá o cunho religioso às festas.
As noites são animadas pelos arraiais nos bairros típicos de Lisboa, do Castelo à Mouraria, Graça, Alfama, Ajuda e Bairro Alto, com muita música e dança ao ritmo das canções populares. Enfeitadas com grinaldas e globos coloridos, as ruas são invadidas pelo cheiro da sardinha assada e pelos aromas dos manjericos acompanhados de um cravo de papel e de uma quadra alusiva a Santo António.
Junho é o principal mês destas festas, que se prolongam pelo verão e incluem eventos muito diversificados como espetáculos de fado, jazz e outros géneros musicais, fado nos elétricos que atravessam a cidade, festivais de cinema e teatro, provas desportivas e exposições.

15 maio, 2015

A rejeição ao Brasil por maus brasileiros

Adam Smith, estudante de Oxford e blogueiro do Para Inglês Ver, é apenas mais um estrangeiro que descobriu, com tristeza, o famoso complexo de vira-lata (*) de muitos brasileiros.
"Eu – como vários gringos que conheço que ficaram um tempo no Brasil – adoro o país pela cultura e pelo povo, apesar dos problemas. E que país não tem problemas? O Brasil tem uma reputação invejável no exterior, mas os brasileiros, às vezes, parecem ser cegos para tudo exceto o lado negativo. Frustração e ódio da própria cultura foram coisas que senti bastante e me surpreenderam durante meus 6 meses no Brasil. Sei que há problemas, mas será que não há também exagero?", pergunta Adam.
Ele destaca também o que considera uma segunda colonização do Brasil – a colonização cultural pelos EUA, que faz com que hot dog e hambúguer sejam mais facilmente encontrados nas ruas do que uma tapioca, por exemplo, e que a música norte-americana predomine no país que é berço do samba e da bossa nova.
Leia a matéria na íntegra na BBC Brasil.

(*) A expressão tem origem na derrota desastrosa do Brasil para a seleção uruguaia no Maracanã, na final da Copa de 1950. Foi usada por Nelson Rodrigues para descrever "a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo".

Sobre o complexo de vira-lata de alguns artistas brasileiros

Gráfico: o Brasil entre os cinco grandes


(desenhado para o pessoal do complexo de vira-lata poder entender)

Maria e Maria Madalena

A simetria é uma qualidade estética tanto na arte quanto na vida. É geralmente associada com a beleza e a perfeição, enquanto a assimetria está associada com a não-beleza e a imperfeição.
Bem, há controvérsias. (1) x (2)
Em seu aspecto físico, o ato de orar pode ter uma postura simétrica (com as mãos exatamente sobrepostas) ou assimétrica.
Na arte cristã, Maria e Maria Madalena foram, sem dúvida, as duas mulheres mais frequentemente retratadas. Mas, suas posturas de oração, conforme se veem em inúmeras representações iconográficas, não eram aleatórias. Maria rezava, na maioria das vezes, de forma simétrica, ao passo que Maria Madalena costumava orar assimetricamente.
Uma tentativa de explicar essa diferença propõe que: Maria era simétrica ao orar por ser o epítome da perfeição e da serenidade, enquanto Maria Madalena era assimétrica por causa de sua extrema emotividade (inclusive com períodos em que a santidade ficava na balança).

14 maio, 2015

Pela blogosfera - 51

Post
Parem os relógios, pois é tempo de blues
Anna Dutra, Jornal GGN
Comentário
O filme "Quatro casamentos e um funeral" contribuiu para tornar mundialmente conhecido este poema de W. H. Auden, ao incluí-lo numa cena em que foi declamado pelo ator escocês John Hannah.
No Brasil, o poeta e jornalista Nelson Ascher realizou uma primorosa tradução do "Funeral blues" para:
BLUES FÚNEBRE
Resposta
Paulo,
eu procurei uma tradução que pudesse trazer toda a carga de emoção que o poema traduz, mas não o havia encontrado. Por isso, não coloquei nenhum texto adicional que pudesse corromper o significado tão profundo dos versos, pois no original o poema é lindíssimo.
Certamente esta tua contribuição me passou desapercebida ou a teria incluído no post, sem prejuízo.
Obrigada por enriquecê-lo.
Anna Dutra, Jornal GGN

Pêssegos eróticos





Uma ideia do Sr. Yao, vendedor de futas em Nanjing, China.
Vestir de lingerie os pêssegos que vende para aumentar o faturamento.
Cada caixa com nove suculentos pêssegos custa 498 yuans (= 80 dólares).

Sexy peaches, Bits and Pieces

13 maio, 2015

Nove meses de bastardos na França

O rei Filipe Augusto, da França, casou-se com Ingeborg, da Dinamarca, em 1193. Infelizmente, por considerar que Ingeborg era absolutamente insuportável, Augusto entrou com um pedido de divórcio, alegando que o casamento não havia sido consumado. Sua esposa, no entanto, argumentou que tinham consumado esse casamento.
Decidindo o litígio, o Papa Celestino III recusou-se a conceder o divórcio ao rei.
Mas Filipe não se deu por derrotado. Ele, não só ignorou a decisão do papa, como ainda se casou com Agnes, de Marania.
Foi quando o papa, além de ordenar ao rei que voltasse a Ingeborg para cumprir seus deveres conjugais, impôs um interdito. Determinando que, a partir de 12 de dezembro de 1199, todas as igrejas ficassem fechadas e que, enquanto o rei não estivesse dormindo com a verdadeira esposa, seus súditos não tinham permissão para dormir com as deles.
Durante o período da interdição, que durou até 7 de setembro de 1200, todas as crianças nascidas na França foram consideradas ilegítimas.
Foram nove meses de bastardos na França.
Quanto a Filipe Augusto, eventualmente ele visitava Ingeborg, mas não antes de 1213.

10 Examples of Royal Weirdness, Neatorama

400 K acessos

Atingimos a marca dos 400 mil acessos.
Mas este número não é a única coisa a se comemorar neste posto de trabalho.

ESTAMOS NO BLOGUE SEM INCIDENTES 
COM VELOCIRAPTORES HÁ EXATOS 3097 DIAS

Cálculo dos dias sem incidentes no How Long Have I Been Alive For?. Poderia também ser feito no Excel.

12 maio, 2015

A Era do Wi-Fi - 2

"Usar Wi-Fi que llega a mi casa no significa robar. El Wi-Fi esta atravesando y invadiendo mi propriedad privada."

"El Wi-Fi es como un beso. Si es robado es mejor." — desmotivaciones.es

Oído hoy en una cafetería: "No tenemos Wi-Fi, lo siento. Tendréis que hablar entre vosotros."
— Ignasi Comellas (@ignasicomellas) August 30, 2013

Por qué no deberíamos ir a otros planetas:


En mi tumba:

A Era do Wi-Fi - 1