25 junho, 2022

A natureza sempre encontra o caminho

Esta plantinha, por exemplo, nasce de um cadeado.


A vida

quando quer ir em frente

nunca se dá por vencida.



Este riacho passa por dentro de uma árvore.


(https://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=16592)

24 junho, 2022

De onde vem a expressão "outros quinhentos"?

Hoje utilizada para se referir a algo que se pretende tirar de alguma discussão, a expressão, como tantas outras do nosso idioma, vem de Portugal. A origem foi na Península Ibérica, no século XIII.
Quando qualquer fidalgo da época se sentia lesado por alguma injúria tinha o direito de pedir a condenação do agressor. Se fosse constatada de fato a agressão, o responsável teria de pagar 500 soldos (moedas de ouro na Roma antiga) para ser absolvido.
Se o condenado voltasse a cometer um delito semelhante, deveria pagar outros 500 soldos. “Compreende-se que outra qualquer vilta, vitupério sem razão, posterior à multa cobrada, não seria incluída na primeira. Matéria para novo julgamento. Outra culpa. Outro dever. Seriam, evidentemente, outros quinhentos”, escreveu Luis Câmara Cascudo em seu livro "Locuções Tradicionais no Brasil".
Vem daí a expressão: se cometer um delito, vão embora quinhentos soldos. Mas e se cometer uma nova injúria? Bom, aí são outros quinhentos…

No Dicionário de Humor Infantil, de Pedro Bloch:
"Eu acho mil reais. Aí eu devolvo ao dono quinhentos reais e fico com os outros quinhentos para pagar minha honestidade."
São outros quinhentos, não é?
Mas a origem da expressão segundo Câmara Cascudo é insuperável.

23 junho, 2022

Wikipédia: pesquisa e acesso

A Wikipédia não é uma fonte primária de dados. 
É uma fonte terciária. A informação é editada por wikipedistas (i. e., editores da Wikipédia) que pesquisam assuntos noutras fontes e inserem aqui em seus próprios artigos, completam, corrigem e complementam artigos já inseridos. A Wikipédia não é lugar para publicar suas próprias ideias, nem para colocar informações ainda não publicadas por outros meios.

Acesse isto:
https://t.co/bBAEhl2sJK
É um link que o levará a um artigo aleatório da Wikipédia. Aproveite para revisá-lo ou expandi-lo.

22 junho, 2022

O papel de parede de Oscar Wilde

A jornalista e romancista Claire de Pratz tornou-se amiga de Oscar Wilde durante seu último período em Paris. Wilde morreu em 1900. O escritor Léon Guillot de Saix entrevistou Pratz e outros para um artigo intitulado "Souvenirs Inédits Sur Oscar Wilde" ("Memórias Inéditas sobre Oscar Wilde"), que publicou no periódico semanal "L'Européen" de Paris, em 1929. Pratz contou a Saix sobre o quarto de hotel em que Wilde ficou durante seus últimos dias.
Ele morava em um quarto mobiliado miserável no Hotel d'Alsace, na rue des Beaux-Arts. E ele, que fora o esteta da nobreza londrina, sofreu terrivelmente com essa miséria para ele simbolizada pelo pavoroso papel de parede de "estilo moderno" com flores de chocolate em um fundo azul. 
"Veja, minha querida criança, disse-me ele, há um duelo de morte entre mim e o meu papel de parede. Um ou outro de nós tem que ir. Será meu papel de parede ou eu."
Outra fascinante peça de evidência indireta para a história do papel de parede apareceu no diário pessoal da influente figura literária irlandesa Lady Gregory. Uma entrada datada de 1928 referia-se a uma carta que ela havia recebido duas décadas antes, em 1908, do conhecido poeta irlandês William Butler Yeats:
"Recebi uma carta de Paris, de dezembro de 1908, de WB Yeats. Diz que conheceu na casa de Maud Gonne, ontem à noite, um amigo de Oscar Wilde que lhe contou uma estranha e heróica história sobre Wilde. Ele morreu em grande agonia, enfiando a mão na boca para parar de chorar. Ele estava em grande pobreza, muitas vezes sem dinheiro para comprar comida, e declarou que era seu papel de parede que o estava matando. 'Um de nós precisava ir', disse ele."

21 junho, 2022

Memento vivere

A expressão latina memento vivere significa "lembre-se de que deve viver". 
De acordo com o Oxford English Dictionary, é de safra mais recente do que o seu imperativo oposto, memento mori, que significa "lembre-se de que vai morrer".

Boa ideia para uma tatuagem:  


Unifica as duas expressões anteriores com uma terceira expressão (que é de Horácio), carpe diem, aproveite o dia, e com uma quarta, tempus fugit, o tempo voa.

Vivere hodie, eu estou vivo hoje.

A propósito, como vai seu latim?

20 junho, 2022

Dia Mundial do Refugiado

Seja quem for, seja de onde for e seja quando for. Todas as pessoas têm o direito a buscar proteção. (Lema da ACNUR - Agência da ONU para Refugiados)

O jornalista russo e ganhador do Nobel da Paz Dmitry Muratov (foto) está leiloando sua medalha do Nobel para ajudar refugiados ucranianos. Muratov é cofundador e editor-chefe de longa data do Novaya Gazeta, um jornal crítico do Kremlin que foi criado em 1993. Durante anos, ele desafiou as rígidas restrições à mídia dissidente, mas em março finalmente suspendeu suas atividades online e impressas depois que se tornou um crime, punível com 15 anos de prisão, publicar qualquer matéria sobre o conflito que se desviasse da linha do governo.
"Meu país invadiu outro Estado, a Ucrânia. Há agora 15,5 milhões de ucranianos refugiados..."
A medalha de Muratov será vendida pela Heritage Auctions em 20 de junho (hoje), Dia Mundial do Refugiado.

Outras medalhas do Nobel vendidas/leiloadas:
http://blogdopg.blogspot.com/2018/09/uma-medalha-no-leilao.html (Nobel de Fisiologia ou Medicina)
http://blogdopg.blogspot.com/2018/10/contas-medicas.html (Nobel de Física)

19 junho, 2022

A natureza da fábrica e a natureza

Você se lembra da fábula do sapo e o escorpião? Às vezes, as coisas são simplesmente da sua natureza.
Então, o que acontece se você for uma fábrica, expelindo fumaça e gases nocivos? Se você tem algo semelhante a um coração, então você pode começar a se sentir um pouco culpado pelo que está causando ao meio ambiente. Apesar do fato de que é para isso, essencialmente, que você foi criado.


18 junho, 2022

On the rocks

Em 2002,Thad Roberts, de 25 anos, era um estagiário no Johnson Space Center da NASA, em Houston, Texas. Como tantos jovens amantes fazem, ele prometeu a Lua para a namorada.
Cumprindo a promessa, ele furtou cerca de 8 quilos de rochas lunares da agência espacial, que haviam sido trazidas à Terra por astronautas da Apollo.
Em seguida, Roberts e a namorada espalharam as pedras lunares furtadas sobre um colchão em um quarto de hotel. E fizeram sexo, muito sexo sobre elas, apesar de não ter sido uma experiência muito confortável.


A façanha levou Roberts à prisão por 100 meses. Não querendo desperdiçar os conhecimentos anteriores de sua graduação em astrofísica, ele passou seu tempo atrás das grades meditando sobre os maiores mistérios do universo e até concebeu uma teoria para explicá-los.

17 junho, 2022

Fototrova # 9

(fotografia meramente ilustrativa)


    Se corno eu sou

    Não me apoquento

    Chifre também

    É ornamento.

16 junho, 2022

Que tal um samba?

Com letra política que receita o samba como remédio para o “estrago” do Brasil de 2022, "Que tal um samba?" estará no mundo digital a partir de amanhã, 17 de junho, dois dias antes do 78.º aniversário do seu autor, Chico Buarque.

Um samba | Que tal um samba? | Puxar um samba, que tal? | Para espantar o tempo feio | Para remediar o estrago | Que tal um trago? | Um desafogo, um devaneio | Um samba pra alegrar o dia | Pra zerar o jogo | Coração pegando fogo | E cabeça fria | Um samba com categoria, com calma | Cair no mar, lavar a alma | Tomar um banho de sal grosso, que tal? | Sair do fundo do poço | Andar de boa | Ver um batuque lá no cais do Valongo | Dançar o jongo lá na Pedra do Sal | Entrar na roda da Gamboa | Fazer um gol de bicicleta | Dar de goleada | Deitar na cama da amada | Despertar poeta | Achar a rima que completa o estribilho | Fazer um filho, que tal? | Pra ver crescer, criar um filho | Num bom lugar, numa cidade legal | Um filho com a pele escura | Com formosura | Bem brasileiro, que tal? | Não com dinheiro | Mas a cultura | Que tal uma beleza pura | No fim da borrasca? | Já depois de criar casca | E perder a ternura | Depois de muita bola fora da meta | De novo com a coluna ereta, que tal? | Juntar os cacos, ir à luta | Manter o rumo e a cadência | Esconjurar a ignorância, que tal? | Desmantelar a força bruta | Então que tal puxar um samba | Puxar um samba legal | Puxar um samba porreta | Depois de tanta mutreta | Depois de tanta cascata | Depois de tanta derrota | Depois de tanta demência | E uma dor filha da puta, que tal? | Puxar um samba | Que tal um samba? | Um samba

17/06/2022 - Dito e feito.


Cebola cortada - 4

"É um lugar tão secreto, a terra das lágrimas."
Saint -Exupéry, em "O Pequeno Príncipe"

Em "The Topography of Tears", a fotógrafa Rose-Lynn Fisher explora uma série de fotografias duotônicas de lágrimas derramadas (*), secas em lâminas de vidro e capturadas em uma ampliação cem vezes maior por meio de um microscópio óptico de alta resolução.

(*) por um caleidoscópio de razões: alegria, tristeza, remorso, esperança, compaixão etc.

(por cebola cortada)

1, 2 e 3 da série

15 junho, 2022

Locusta da Gália

Alguns consideram Locusta a primeira serial killer do mundo, mas ela provavelmente foi apenas a primeira bem documentada. No entanto, ela não matava por emoção. Seus motivos eram claramente mercenários.
Nascida no interior da Gália (onde hoje é o sul da França), Locusta cresceu aprendendo sobre ervas e botânica, incluindo os benefícios e os perigos de certas plantas. Ao se mudar para Roma, ela percebeu que a maneira mais rápida de lucrar com esse conhecimento era fornecer venenos às pessoas. Em uma cidade onde a ganância e a ambição eram excessivas e todos tinham muitos inimigos, ela não se deparou com falta de clientes.


As vendas aceleradas não significavam que ela estivesse imune à lei. Locusta foi presa e até poderia ter morrido se a notícia de suas habilidades não tivesse chegado à Imperatriz Agripina. Em 54 dC, Agripina desejava assassinar seu marido Claudius, para melhor garantir que seu filho Nero herdasse o trono. E então, ela decidiu contratar Locusta.
Primeiro, Locusta forneceu um veneno com a intenção de agitar as entranhas do testador de alimentos de Claudius. Com ele fora do caminho, o veneno foi espalhado em um prato de cogumelos, a comida favorita de Claudius. Ele os comeu sem hesitar. No entanto, sendo um homem cauteloso, Claudius sempre tinha uma pena em mãos. Caso suspeitasse de veneno, ele poderia usar a pena para fazer cócegas no fundo da garganta e fazer-se vomitar. 
Seu plano falhou. Porque Locusta providenciou para que a pena também estivesse encharcada de veneno.
Agripina não foi o único membro da família a empregar as habilidades de Locusta. Nero aparentemente não sentia que as maquinações de sua mãe tinham sido suficientes para garantir que ele continuasse no trono. Ele recrutou Locusta para fornecer veneno para matar seu irmão adotivo (e competidor pelo trono) de nome Tiberius.
O assassinato de Tiberius (em que o vinho não estava envenenado e sim a água fria que foi adicionada ao vinho) exigiu uma habilidade significativa da Locusta. Enquanto Tiberius morria em frente a todos, sem fôlego, Nero dizia que seu irmão costumava sofrer de ataques epilépticos.
Nero é lembrado como um imperador verdadeiramente malvado e insano. Mas Locusta se saiu bem com ele. Ele a libertou da prisão, nomeou-a "Envenenadora Imperial" e concedeu-lhe grandes propriedades. E, o mais importante, ele também perdoou os muitos envenenamentos que ela cometeu. Ela passou, o que eu presumo, alguns anos felizes assassinando pessoas sob a orientação da família imperial e até abriu uma escola para ensinar outras pessoas a manipular venenos.
Nada mal para uma camponesa da Gália.
Mas seu contentamento foi breve. Os cidadãos se revoltaram contra Nero e o Senado o condenou. Isso era compreensível, já que ele estava sempre matando pessoas - incluindo sua mãe, Agripina. Nero cometeu suicídio em 68 dC. Infelizmente para ele, ele o fez sem a ajuda dos venenos de Locusta. O sucessor de Nero, o imperador Galba, muito rápida e sensatamente prendeu os comparsas de Nero e os sentenciou à morte.
Um mito duradouro sobre Locusta é que uma girafa especialmente treinada a estuprou até a morte. Dado o amor dos romanos por punições por intermédio de animais, isso não parece totalmente improvável. No entanto, é mais provável que ela tenha sido despachada de uma forma menos estranha. Cassius escreveu: "Locusta, a feiticeira e outros da escória que veio à tona nos dias de Nero, ele [Galba] ordenou que fossem conduzidos acorrentados por toda a cidade e depois executados".
Portanto, embora não seja correto dizer que “o crime não compensa” - vale, essa é de fato uma das principais razões pelas quais as pessoas cometem crimes - em alguns casos, como o de Locusta, só compensa brevemente. E que Deus ajude se as girafas descobrirem sobre seus crimes.

14 junho, 2022

A recém-nascida da Doutora Sarah

Deus sabe o quanto derramamos sangue, suor e lágrimas para fazer a nossa tese.
É uma façanha muito difícil e precisamos comemorar o sucesso alcançado de todas as maneiras possíveis!
Após quatro longos anos de árduo trabalho, a doutora Sarah Whelan Curtis concluiu sua tese em epigenética pela Emory University. Então, comemorou com a realização de uma sessão de fotos com sua "bebê".

13 junho, 2022

Onde a grama é mais verde (2)

"A grama é sempre mais verde do outro lado da cerca" expressa a ideia de que a situação das outras pessoas sempre parece melhor do que a nossa. O provérbio traz uma advertência implícita de que, na realidade, a grama é igualmente verde do seu lado e que você deveria estar satisfeito com o que tem.
"Algumas pessoas nunca ficam satisfeitas em lugar nenhum. A grama sempre parece um pouco mais verde do outro lado da cerca." (The Kansas Farmer, fevereiro de 1917)
Como também costuma ser abreviado, "A grama é sempre mais verde ..." é um ditado proverbial do início do século XX.
Existem variantes anteriores, tanto no Reino Unido quanto nos EUA, que são efetivamente a mesma frase, como neste exemplo do jornal The Public Press da Pensilvânia , de agosto de 1897:
"As minas [de ouro de Klondyke] são maravilhosas, mas provavelmente não tão maravilhosas como representadas. A grama é sempre mais verde, sabe, mais longe."
Erma Bombeck (1927 — 1996) foi uma humorista americana que alcançou grande popularidade por sua coluna de jornal que descrevia a vida em uma casa suburbana a partir de meados da década de 1960 até o final dos anos 1990.De 1965 a 1996, ela escreveu mais de 4.000 colunas de jornal narrando a vida comum de uma dona de casa suburbana do meio-oeste, com amplo e, por vezes, eloquente humor. Na década de 1970, suas colunas foram lidas, duas vezes por semana, por 30 milhões de leitores de 900 jornais dos Estados Unidos e Canadá. Erma Bombeck também publicou 15 livros, dos quais muitos se tornaram bestsellers.  Foi título de um deles no Brasil:
"A grama sempre cresce mais verde em cima da fossa." (Editora Record, 1976).

12 junho, 2022

Gato Jurássico

Owlkitty está de volta e estrelando um novo blockbuster!
Bem, não exatamente novo, já que Jurassic Park tem 28 anos, mas o remix é novo. O animador Tibo Charroppin editou sua paciente gata Lizzy em tantos filmes que conhecemos e amamos, mas este é mais do que apenas substituir um monstro por um gato - é uma obra-prima do VFX.
Observe como a iluminação e até mesmo os relâmpagos estão perfeitamente sincronizados com o filme original. E a cena foi alterada de outras maneiras para fazer sentido com um gato gigante. Lizzy, digo, Owlkitty assume o papel do T-rex que ameaça nossos heróis em seus carros parados, mas a ação gira em torno da única coisa que um gato sempre será atraído - o som de uma lata de Fancy Feast sendo aberta. Eu sei que meus gatos enlouquecem por isso. Tenho sorte de eles não terem seis metros de altura!
-via reddit

O que é Blockbuster:
Blockbuster é uma palavra de origem inglesa que indica um filme (ou outra expressão artística) produzido de forma exímia, que alcança um elevado nível de popularidade e que pode obter grande sucesso financeiro. Em países em que o inglês é o idioma oficial, a palavra blockbuster também é usada na indústria farmacêutica, servindo para descrever um remédio comercializado com sucesso.
A origem da palavra blockbuster ocorreu no início dos anos 40 do século XX, servindo para descrever uma bomba que era lançada a partir de aviões e que era capaz de destruir um quarteirão inteiro. Isto porque em inglês "block" significa quarteirão e o verbo "bust" significa quebrar.
No âmbito da indústria cinematográfica, a palavra começou a ser usada graças a filmes como "Tubarão", de 1975, que conseguiu mais de 100 milhões de dólares na venda de bilhetes de cinema.

11 junho, 2022

Hocus Pocus

Hocus Pocus (pseudolatim) é um encantamento utilizado por mágicos do século XVI com a função de criar um ar de mistério em suas performances.
A origem do termo permanece obscura. Alguns acreditam que deriva da forma latina empregada na eucaristia católica romana, quando o sacerdote diz "hoc est corpus" (este é o corpo). Esta tese não é muito aceita, pois os mágicos não ousariam ofender a Igreja Católica (cuja autoridade moral era respeitada na época) usando o momento mais sagrado de sua celebração religiosa numa forma vulgar como truques de mágica. Esta visão, porém, reflete uma perspectiva exclusivamente católica, pois justamente no século XVII ocorreu o movimento da reforma religiosa cristã, em que os protestantes contestavam que a missa fosse conduzida em latim, dando preferência ao uso das línguas locais, para que os fiéis pudessem entender os ensinamentos da Bíblia. Não é a toa que uma variação a esta frase, usada nos países protestantes, notadamente na Países Baixos, soasse "Hocus pocus pilatus pas", em que o nome 'pilatus' também constitui uma óbvia referência a Pôncio Pilatos, personagem do Novo Testamento.
O "Hocus Pocus" deixou seus vestígios na língua inglesa e, talvez, seja a raiz de uma outra palavra, "hoax", que significa "farsa".

Expressões mágicas em ordem escalafobética:
Abracadabra
Abre-te, Sésamo
Hocus Pocus
Pirlimpimpim

10 junho, 2022

Monges copistas

O livro nem sempre foi um artigo barato. Durante a Idade Média, por exemplo, a Europa tinha poucas bibliotecas, as maiores não possuíam nem 1000 livros em seu acervo. Antes da invenção da máquina de Gutenberg, a forma mais popular e rápida de reproduzir um livro eram em manuscritos, com as próprias mãos. 
Foi realizando esse trabalho, que milhares de monges dedicaram suas vidas. Usando pergaminhos e tinta, esses homens copiavam palavra por palavra os escritos de Platão, Aristóteles, Heródoto e demais autores que sobreviveram à destruição da biblioteca de Alexandria.
Estima-se que um bom copista chegava a dar conta de 20 a 30 páginas por dia. Algumas cópias de livros como a Bíblia, demoravam anos para serem concluídas.
Como, na época, uma parte muito pequena da sociedade era letrada e a reprodução de livros era trabalhosa, as obras ficavam dentro de igrejas e bibliotecas de mosteiros, geralmente presas por cadeados e correntes, onde só se conseguia a consulta com a permissão de alguma autoridade religiosa.
In: Como se conseguia um livro antes da invenção de Gutenberg

As bibliotecas da época medieval criaram engenhosos métodos para que os livros pudessem ser lidos sem ser roubados Eram métodos que, de alguma forma, dissuadiam os ladrões de seu "animus furtandi".
Encontrei a descrição de dois deles em La Aldea Irreductible, num artigo de Guillermo: ¡Leed, leed, pero no os llevéis los libros!
In: Correntes e maldições

09 junho, 2022

Por que as folhas mudam de cor?

A fotossíntese é a maneira da natureza criar vida a partir da luz. A clorofila permite que uma árvore capture fótons, extraindo uma parte de sua energia para fazer os açúcares que a tornam uma árvore - a matéria-prima para folhas e cascas e raízes e galhos - então liberando os fótons em comprimentos de onda mais baixos de volta para a atmosfera
Embora a mente humana tenha se perguntado por que as folhas caem e mudam de cor, pelo menos desde Aristóteles, a clorofila - que tem parentesco químico com a hemoglobina em nosso sangue - só foi descoberta e nomeada em 1817, pela dupla farmacêutica-química francesa Joseph Bienaimé Caventou e Pierre Joseph Pelletier.
Em um adorável toque de humildade que distingue o cientista do explorador - o explorador, tão ansioso para nomear as terras e pontos de referência que ele "descobre" com base em si mesmo - eles escreveram em seu artigo de referência:
"Não temos o direito de nomear uma substância há muito conhecida e à história da qual acrescentamos apenas alguns fatos; no entanto, proporemos, sem lhe atribuir qualquer importância, o nome clorofila, de chloros, verde, e phyllon, folha: um nome que indicaria o papel que desempenha na natureza."
Mas a clorofila, que ainda não foi totalmente compreendida, não é o único pigmento nas árvores. Ao longo da vida de uma folha, quatro pigmentos primários percorrem suas células: o verde da clorofila, mas também o amarelo da xantofila, o laranja dos carotenóides e os vermelhos e roxos das antocianinas.
Na primavera e no verão, quando o dia fica longo e claro, a clorofila satura as folhas enquanto a árvore se ocupa convertendo fótons na doçura do novo crescimento.
Quando a luz do dia começa a diminuir no outono e o ar esfria, as árvores decíduas se preparam para o inverno e param de fazer comida - um gasto de energia metabolicamente caro demais na carência de luz solar. As enzimas começam a quebrar a clorofila desativada, permitindo que os outros pigmentos que estavam lá invisivelmente o tempo todo entrem em cena.
Um processo semelhante ocorre quando a fruta amadurece de verde a vários tons de vermelho, roxo, laranja ou amarelo.

Why the leaves change color?, The Marginalian (a continuar)

08 junho, 2022

O filósofo do futebol

Antônio Franco de Oliveira (1906 – 1976), mais conhecido por Neném Prancha, o apelido que nele puseram em razão de possuir mãos e pés enormes. 

Ele trabalhou como roupeiro, massagista, olheiro e técnico das divisões de base de seu time do coração, o Botafogo. Do jornalista Armando Nogueira, ganhou a alcunha de "O filósofo do futebol". E de Pedro Zamora (pseudônimo literário do escritor cearense Jocelyn Brasil) mereceu o livro chamado "Assim falou Neném Prancha". 

Neném Prancha tornou-se um mito do futebol brasileiro, principalmente por suas  frases de efeito.

"Jogador de futebol tem que ir na bola com a mesma disposição com que vai num prato de comida."

"Chute a bola pra cima; enquanto ela estiver no alto, não há perigo de gol."

"O goleiro deve andar sempre com a bola, mesmo quando vai dormir. Se tiver mulher, dorme abraçado com as duas."

"Se concentração ganhasse jogo, o time do presídio não perdia uma."

"O importante é o principal; o resto é secundário."

"Se macumba ganhasse jogo, o campeonato baiano terminava sempre empatado."

"Quem se desloca, recebe; quem pede, tem preferência."

"Futebol é muito simples: quem tem a bola, ataca; quem não tem, defende."

"Jogador bom é que nem sorveteria: tem várias qualidades."

"Bola tem que ser rasteira, porque o couro vem da vaca e a vaca gosta de grama."

"O pênalti é tão importante que deveria ser cobrado pelo presidente do clube."

07 junho, 2022

Universo paralelo


Relatório científico
Nós fomos bem sucedidos em nossa visita ao universo paralelo. Entretanto, tivemos que voltar antes do tempo. Não encontramos um lugar em que pudéssemos estacionar.

06 junho, 2022

Museu das Falsificações


O pessoal do Museum of Forgeries (Museu das Falsificações) se deu bem ao demonstrar que "más vale maña que engaño" numa operação conjunta com o coletivo de arte MSCHF ( de mischieff, travessura), e na qual obteve bons lucros. A coisa foi assim: eles compraram um original de Andy Warhol por $ 20.000, fizeram 999 cópias indistinguíveis do original e venderam as mil obras (999 falsas e uma autêntica) por $ 250 a unidade.
O contrato de venda incluía a promessa de que alguém ficaria com o original aleatoriamente. Resultado: 250.000 dólares para o cofre, alguém feliz por ter um original de Warhol e 999 outros que acham que podem tê-lo graças ao engenhoso esquema.
O título das obras é "Cópia de 'Fadas', de Andy Warhol, com a possibilidade de que seja real" (2021), assinado pelo MSCHF, de 42 × 32 cm, em tinta sobre papel. Como detalhe curioso, no Museu das Falsificações nem sequer tiveram de se esforçar muito para fazer as cópias, uma vez que o trabalho de copiar foi feito por seus robôs, linha a linha. Ao final, eles destruíram todos os vestígios de qual folha era o original.
"As réplicas que produzimos no Museu seguem este caminho: eliminamos as aberrações das mãos humanas, substituindo-as pelas dos braços robóticos. É o sonho dos industriais de todo o mundo: a obsolescência da humanidade."
Oh, a humanidade!

05 junho, 2022

Revista Brasileira

A Academia Brasileira de Letras (ABL) lançou a nova edição da Revista Brasileira na quarta-feira, 1º de junho, às 19h, na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon. O evento foi aberto ao público e inaugurou a décima fase da Revista Brasileira, com o número 110 sob a direção da Acadêmica Rosiska Darcy de Oliveira. A revista ainda se beneficiou de uma reforma gráfica elaborada pelo designer Felipe Taborda. Os Acadêmicos Carlos Diegues, Zuenir Ventura e Joaquim Falcão compõem o Conselho Editorial.

Segundo a atual diretora da Revista Brasileira, nas páginas da publicação, o "pensamento é convocado a interpretar esse mundo à deriva, tendo como norte a fidelidade ao humanismo e à liberdade”.

"Inauguramos nesse número a fase X da Revista Brasileira. Incontornável e simbólico, o tema das Amazônias se impõe como ilustração do que pretendemos: contemporaneidade, relevância, diversidade de opiniões, respeito pela memória ancestral e anúncio do que está por vir. Poesia e prosa guardam seu lugar de nobreza. As páginas se abrem agora para a fotografia, o cinema, o palco, a música, as artes plásticas, as novas linguagens e os movimentos culturais. A ciência e a tecnologia vêm juntar-se a todas as artes na tessitura de um mundo surpreendente" – destaca a Acadêmica Rosiska Darcy de Oliveira no editorial da revista.

Há também uma seção de poesia cantada, composta por letras de canções, entrevistas e artigos assinados pelos Acadêmicos Gilberto Gil, Antonio Cicero e pela jornalista e escritora Regina Zappa.

Ficcionistas da Casa, os Acadêmicos Paulo Coelho, João Almino, Ignácio de Loyola Brandão e Antônio Torres revelam o seu universo de criação. Encontramos também artigos científicos assinados pelo Acadêmico Paulo Niemeyer e outros cientistas como o médico Dr. J. J. Camargo, o cosmólogo Luiz Alberto Oliveira e o engenheiro José Luiz Alquéres. Os movimentos culturais, com destaque para o legado da Semana de Arte Moderna, são abordados pelo Acadêmico Antonio Carlos Secchin e o prof. José Miguel Wisnik.

Uma sessão dedicada às cerimônias realizadas na ABL neste ano traz o discurso de posse da Acadêmica Fernanda Montenegro e o discurso de recepção da Secretária Geral da ABL, Nélida Piñon. Também a saudação ao escritor Ruy Castro, vencedor do Prêmio Machado de Assis, pelo Acadêmico Cicero Sandroni, assim como o agradecimento do escritor.

Os livros lançados por acadêmicos no ano de 2021 fecham esse número da revista.

O número 110 da Revista Brasileira será brevemente disponibilizado no site da ABL, assim como vem sendo os números anteriores [https://www.academia.org.br/publicacoes/revista-brasileira]. Serão lançados quatro números anuais.

Curiosidade. A Fase III da Revista, a chamada "fase José Veríssimo", circulou de janeiro de 1895 a setembro de 1899. Em seu endereço (Ouvidor, 66) reuniam-se os escritores que fundaram a Academia Brasileira de Letras. E nas páginas da então "Revista Brazileira" foram publicados os discursos proferidos na sessão inaugural pelo Presidente Machado de Assis e pelo Secretário-Geral Joaquim Nabuco, assim como a “Memória histórica” do 1.º Secretário Rodrigo Otávio.

Quanto é 1+1?

Quando o professor resolve complicar ...


O meu sonho era ter, além do conhecimento da matemática, uma lousa dessas.

04 junho, 2022

#HelloTürkiye

03/06/2022 - A Turquia, país de 84 milhões de habitantes no Oriente Médio, não quer mais ser chamada de "Turkey" em inglês, mas sim de "Türkiye". A mudança, que pode parecer pequena mas tem grande significado social e político para Ancara, foi formalizada na ONU.
Essa troca, solicitada por meio de uma carta da chancelaria turca, já passou a valer. "Os países são livres para escolher como querem ser nomeados". A mudança para "Türkiye" integra a agenda do presidente Erdogan já há alguns anos e foi impulsionada pela versão anglicizada do nome do país.
"Turkey", em inglês, designa não apenas a nação do Oriente Médio, como também a ave peru.
"Türkiye" -pronuncia-se "turquiê"- já é a forma que o povo turco usa para se referir ao país desde a formação da nação em 1923, após a desintegração do Império Otomano. "Simboliza e transmite a cultura, a civilização e os valores da nação turca da melhor maneira possível", disse o presidente Endorgan.
Instituições públicas e a imprensa nacional passaram a adotar essa forma. A TRT World, emissora pública, publicou um comunicado explicando a mudança: "Digite 'Turkey' no Google e você vai ver um conjunto de imagens e definições que confundem o país com a Meleagris, também conhecida como peru na América do Norte, famoso por ser servido no Natal e em jantares de ação de graças."
"Ou então folheie os dicionários; 'peru' é definido como 'algo que falha gravemente' ou 'uma pessoa tola'", seguiu no comunicado.
Para o professor de história da Universidade de Georgetown Mustafa Aksakal, introduzir a mudança na ONU é uma forma de Erdogan demonstrar que tem o poder de afirmar suas vontades para além das fronteiras políticas nacionais. "A mudança pode parecer boba para alguns, mas coloca o presidente no papel de protetor do respeito internacional pelo país", disse ele ao jornal The New York Times.

03 junho, 2022

O renascimento da borracha

Em uma das minhas últimas viagens a Olímpia (SP), no final da década de 90, quando os tios ainda estavam vivos, constatei com surpresa a plantação de seringueiras em várias propriedades.
Não sei se progrediram.

~ Jaime Nogueira, ao me enviar este artigo de Lúcio Flávio Pinto:

O renascimento da borracha
Goianésia está se tornando um novo polo de produção de borracha natural no país. Não a Goianésia do Pará, mas a Goianésia do planalto goiano, que já possui 20 mil hectares de seringueiras plantadas. Até algum tempo atrás, essa façanha parecia impossível. A região de cerrado, com um período seco de cinco meses, era um desafio para uma espécie nativa da Amazônia, úmida e seca o ano inteiro.
Pesquisa de duas décadas da Embrapa encontrou uma saída tecnológica para superar essa dificuldade. Não no Brasil, que só usa 15 variedades da planta, mas em dois outros continentes. Da Ásia foram trazidos 63 clones, principalmente da Malásia, da Indonésia e da China. Mais 11 da África, da Costa do Marfim, E só 11 variedades do Brasil. Dos testes, resultaram 14 clones, nenhum deles do nosso próprio país.
O plantio experimental de 3 hectares numa das três propriedades particulares que receberam as mudas deu certo e agora já estão a caminho da produção. Numa delas, de 800 hectares, foram plantadas 386 mil seringueiras. Na expansão, para mais 800 hectares, o plantio será de 400 mil árvores. A produção é de três toneladas por hectare, mais do dobro da média nacional. Goiás será o terceiro maior produtor de borracha, abaixo de São Paulo (com 60% do total) e Minas Gerais.
A Amazônia, berço natural da seringueira, está fora do topo. Nada indica que poderá ter qualquer papel significativo no futuro. Ajustadas para o cerrado, as novas variedades estão consolidando a economia gomífera brasileiro, como mostrou reportagem de 12 minutos do Globo Rural da TV Globo, no domingo passado. O rendimento da borracha supera o da soja e dá um emprego a cada cinco hectares, gerando efeito para trás (na produção de mudas) e para frente (no beneficiamento da borracha bruta).
A natureza puniu a Amazônia neste capítulo, mas o Brasil pode ganhar ainda mais.
~ Publicado em Lúcio Flávio Pinto, em 31/05/2022

02 junho, 2022

Sem tempo para morrer

No time to die: An in-depth analysis of James Bond's exposure to infectious agents
doi.org/10.1016/j.tmaid.2021.102175
Considere onde James Bond, agente 007, esteve. Sua ocupação como agente secreto do MI6 o leva a locais exóticos em todo o mundo, muitas vezes em um piscar de olhos. Nós, plebeus, sabemos que as viagens internacionais exigem um planejamento extenso, muitas vezes incluindo exames de saúde e vacinas para obter vistos e dicas para evitar doenças. Bond não tem tempo para nada disso.
Artigo científico na revista Travel Medicine and Infectious Disease analisa em profundidade os perigos que Bond enfrenta ao viajar pelo mundo, matar pessoas e levar mulheres para a cama. As evidências são recolhidas a partir de 25 filmes produzidos pela Eon de 1962 a 2021, nos quais Bond vai a 47 países identificáveis em 86 viagens. Eles consideram segurança alimentar, saúde sexual, doenças transmitidas pelo ar, doenças transmitidas por artrópodes e doenças tropicais. De sua introdução:
Descobrimos uma atividade sexual acima da média, muitas vezes sem tempo suficiente para um diálogo na história sexual, com uma mortalidade notavelmente alta entre os parceiros sexuais de Bond (27,1; intervalo de confiança de 95% 16,4–40,3). Dado o quão inoportuno um ataque de diarreia seria no meio de uma ação para salvar o mundo, é impressionante que Bond seja visto lavando as mãos apenas em duas ocasiões, apesar das inúmeras exposições a patógenos de origem alimentar. Nossa hipótese é que sua coragem imprudente, às vezes provocando propositadamente situações de risco de vida, pode até ser uma consequência da toxoplasmose (*). A abordagem de Bond em relação às doenças transmitidas por vetores e às doenças tropicais negligenciadas é errática, às vezes seguindo os conselhos de viagem ao pé da letra, mas, na maioria das vezes, permanecendo do lado da completa ignorância. Dado o tempo limitado que Bond recebe para se preparar para as missões, pedimos urgentemente ao seu empregador MI6 que leve a sério a sua responsabilidade. Vive-se apenas uma vez.
(*) Em camundongos, a toxoplasmose foi associada à perda de medo de gatos [20]; uma manipulação inteligente pelo parasita para aumentar a probabilidade de transmissão por ingestão . Embora especulativa, a toxoplasmose pode explicar a coragem muitas vezes temerária de Bond em face do perigo que ameaça a vida.

Os três autores do artigo "perderam suas horas noturnas examinando os filmes", que totalizaram 3113 minutos por autor. Você pode ler o artigo completo em ScienceDirect.

Poderá também gostar de ver:

01 junho, 2022

A "casa da árvore" com naturalidade

Olhe, a gente sempre ouve falar em "casa da árvore". E não foi só quando Trumpinho, 10, com a ajuda de alguns amiguinhos, construiu uma casinha de madeira no terreno da Casa Branca.

Mas foi Hélio Gonzaga, um servidor público de Tucano - BA e podador nas horas vagas, quem tratou o tema com a devida naturalidade.

31 maio, 2022

Austrália é ilha ou continente?

Não me preocupo nem um pouco com o dilema da Austrália e sim com o da Nova Zelândia.

Mapas sem NZ

Ora, se ser uma pessoa invisível aos olhos da sociedade já é algo extremamente ruim, imagine o que é ser um país que vive na mesma situação.

30 maio, 2022

Vislumbres do futuro

Hoje quero falar sobre esses momentos em que o futuro cai em nosso colo, sem avisar ou pensar se estamos prontos para enfrentá-lo. Trabalhando com tecnologia, todos nós temos momentos em que parece que o véu foi levantado e temos um vislumbre do que está por vir. Esses momentos são pessoais, mas tenho certeza de que todos vocês podem pensar em alguns por experiência própria. Um exemplo da minha vida é a primeira vez que experimentei wi-fi. Não parecia grande coisa no início - por que eu não poderia simplesmente usar um cabo Ethernet de dez metros e aproveitar a velocidade de conexão mais rápida?
Mas da primeira vez que verifiquei meu e-mail do sofá, sem fios entrando no computador, entendi. De agora em diante, a Internet não seria algo que eu usasse em algum lugar. Estaria ao nosso redor, como o éter, preenchendo todos os espaços (exceto esta sala). Eu sabia que isso não aconteceria imediatamente, mas iria acontecer. E adorei essa sensação de saber o que aconteceria a seguir. Esses vislumbres podem ser viciantes. Para alguns de nós, a sensação de ter um pé no futuro foi o que primeiro nos atraiu para a tecnologia, ou ficção científica. Vocês, pessoas da Nova Zelândia, são especialmente sortudos por estarem mais perto do amanhã do que qualquer outra pessoa.
Mas esses vislumbres também enganam. Se você não tomar cuidado, você acaba como esse pobre coitado, o profeta digital da AOL. Sempre que tentamos prever como realmente será viver naquele futuro, qual será o sabor do futuro, invariavelmente falhamos, e das maneiras mais ridículas. É como uma estranha lei da natureza. Podemos ver as tecnologias chegando, mas esse conhecimento de alguma forma torna o futuro menos previsível.


Talvez possamos prever o Roomba com cem anos de antecedência, mas o colocamos em um mundo onde as mulheres ainda usam espartilhos de crinolina e osso de baleia. Ou então predizemos corretamente que a Enciclopédia Britânica um dia caberá na cabeça de um alfinete, nunca imaginando que a própria Britannica se tornará uma relíquia, substituída por algo livre, colaborativo e extenso chamado Wikipedia. Essas previsões não estão erradas, "nem mesmo estão erradas", elas erram o ponto básico. O futuro torna todos nós tolos.

OUR COMRADE THE ELECTRON (NOSSO CAMARADA, O ELÉTRON) - 2.ª parte desta palestra, que Maciej Ceglowski proferiu em 14/02/2014, na Webstock, em Wellington, Nova Zelândia.

29 maio, 2022

Hino da Independência

Com sons do trabalho dos operários na reforma do Museu do Ipiranga.

Orquestra Brasil Jazz Sinfônica

A confirmação da Teoria da Relatividade Geral

Em 1919, Sobral, no Estado do Ceará, Brasil, junto com a Ilha do Príncipe, em São Tomé e Príncipe, foram palcos de uma importante confirmação da física. A Expedição Britânica do Eclipse Solar, liderada por Arthur Eddington, se deslocou para os dois lugares a fim de comprovar (graças ao eclipse solar de 29 de maio de 1919) a distorção que a luz sofre para chegar ao planeta Terra. Com tal confirmação, Albert Einstein pôde ver comprovada sua Teoria da Relatividade.
No dia do eclipse, a Ilha do Príncipe apresentou mau tempo, o que prejudicou e muito o trabalho. O céu estava bastante nublado, fazendo com que apenas duas das várias fotografias efetuadas apresentassem imagens de estrelas. Já em Sobral as condições meteorológicas foram muito melhores. Nesta cidade, foram obtidas sete boas imagens do fenômeno.
Como lembrança de tal fato, foi construído na praça da Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio um monumento e, posteriormente, um museu, chamado de Museu do Eclipse, que homenageia a cidade e os físicos e astrônomos que participaram da descoberta.


Após a guerra, Eddington partiu para São Tomé e Príncipe, onde um eclipse solar total seria visível em 29 de maio de 1919. Segundo a relatividade geral, uma estrela visível nas proximidades do Sol deveria aparecer em uma posição ligeiramente mais afastada deste porque sua luz deveria ser ligeiramente desviada pela ação da gravidade do Sol. Esse efeito somente pode ser observado durante um eclipse total do Sol, pois senão a luminosidade do Sol impede a visibilidade da estrela em questão. A relatividade geral predizia um desvio duas vezes maior do que o predito pela gravitação newtoniana.
As condições meteorológicas não eram boas na Ilha do Príncipe, e as placas fotográficas revelaram-se de péssima qualidade e difíceis de medir. Mesmo assim, Eddington anotou em seu caderno:
… uma placa que medi confirmava as predições de Einstein.
Porém, uma outra equipe da expedição que estava na cidade de Sobral, no Brasil, liderada pelo astrônomo britânico Andrew Crommelin, pôde observar o eclipse sob boas condições meteorológicas. As placas fotográficas registradas por essa equipe permitiram a Eddington medir uma deflexão da luz de 1,98".
Esse resultado, cuja exatidão foi discutida posteriormente, foi aclamado como uma prova conclusiva da Relatividade Geral sobre o modelo newtoniano; a notícia foi publicada em jornais em todo o mundo como uma importante descoberta. Ela também é a origem da história de que somente três pessoas entendiam a Relatividade; quando perguntado por um repórter que sugeriu isso, Eddington replicou brincando "Oh, who's the third?" (Oh, quem é a terceira?). Outra história conta que Einstein, ao ser questionado por um repórter sobre o que ele teria feito se as medidas efetuadas por Eddington não estivessem de acordo com as predições da teoria Geral da Relatividade, teria respondido: "Eu diria que o bom Deus está enganado".

28 maio, 2022

Uma noite no Beco das Garrafas

14/05/2021 - Tendo morado em 1972 na rua Prado Júnior (Ed. Corumbá), em Copacabana, é quase injustificável que eu não tenha conhecido à época o Beco das Garrafas.
Amante amantíssimo da bossa nova que eu era.
Fui algumas vezes à boate "Plaza", onde me lembro de ter sido sorteado com um relógio "roscofe", e frequentei os bailões do "Jaboatão", na avenida Princesa Isabel, no Leme. E até mesmo cheguei a aboletar-me num dos bancos do Beco da Fome para pegar um rango.
Dizem que o Beco das Garrafas ganhou esse nome por causa das garrafas atiradas por moradores de um prédio vizinho que se sentiam incomodados pelas jam sessions e/ou pelas discussões entre os frequentadores de suas boates (Little Club, Bottle's e Bacarat). Enquanto isso, a bossa nova rolava solta no apartamento da Nara Leão, sem que alguém fosse lá para avisar que já era madrugada.
Agora descubro que o Beco das Garrafas continua impávido em seu lugar de sempre na Duvivier, 37. Fiel à sua antiga missão, que é a de congregar os brasileiros aficionados em bossa e jazz.
Estava eu hospedado no Copa Sul, quando liguei para o "Bottle's Bar" (968008683 e 25432962). Atendeu-me o Sr. Alberto que, me confirmou para a noite, às 21 horas, o show de Dan Sebastian, e reservou-me uma mesa.
Elba e eu no Bottle's Bar
Um bar ao melhor estilo para um "pocket show" - com palco, sistema de som e iluminação. Com as paredes cobertas de fotos históricas que testemunham a importância da casa para a música brasileira (Elis Regina, sexteto Sérgio Mendes, Wilson Simonal, Dóris Monteiro, Tamba Trio, Bossa 3 e Jorge Ben, entre outros, apresentaram-se por lá). E com suas mesas e cadeiras que remontam ao ano de 1953, segundo acrescenta o prestativo Sr. Alberto.
Como chegamos cedo flagramos os músicos e cantor executando a passagem de som no palco. Um quarteto constituído por um tecladista, um baixista (baixo acústico), um baterista e o saxofonista Dan Sebastian, que é também cantor.
O show
O que se ouviu a seguir foi uma grande apresentação de músicos virtuosos e criativos. Dan Sebastian, um claro admirador do cool jazz do trumpetista Cheat Baker, é exímio em seu saxofone e nas vocalizações. Inclusive quando ele incursiona no repertório nacional (que ali esteve representado por canções de Billy Blanco, Carlos Lyra, Djavan e Geraldo Pereira).
Ao final de um show que durou duas horas, Dan Sebastian circulou entre as mesas para cumprimentar os clientes.
Atrás de um vistoso balcão, o Sr. Sergio de Martino comandava o movimento do "Bottle's Bar". Ele é o proprietário dessa casa desde 1972 e se prepara para abrir um segundo espaço no Beco.
Em nossa permanência no bar, consumimos: Cuba libre, taças de espumante, queijo provolone à milanesa e pasteis. E pagamos dois couverts artísticos de R$ 40,00, ficando toda a despesa muito aquém do deleite que nos foi proporcionado.
Paulo Gurgel, blog EM
Site: http://becodasgarrafas.mus.br/

27 maio, 2022

Sem escolha

Nascemos sem escolher, de pais que não escolhemos, em corpos e fronteiras que não escolhemos, para existirmos em uma região do espaço-tempo que não escolhemos por um período que não escolhemos.
Como os físicos sabem, não escolhemos os átomos particulares que constelam nosso eu particular ou as configurações neurais que acionam nossa consciência.
Em consequência, como James Baldwin sabia, nem mesmo escolhemos quem amamos.

Without choosing, The Marginalian

26 maio, 2022

A ciência funcionando como deve funcionar (2)

Gretchen (para Fausto):
(cantando) Minha massa em repouso é zero.
Minha carga é a mesma.
Você é meu herói.
Neutrino é meu nome.
A paródia de Fausto em Copenhague
Os neutrinos no Cassino da Urca

Um empate é possível para os neutrinos. Desde que os fótons lhes ofereçam alguma vantagem (handicap quântico).
Por que é impossível ultrapassar a velocidade da luz?

A equação famosa de Einstein tem uma parte "menos lembrada", que descreve como a massa de um objeto muda em função do movimento. Na verdade, a equação completa é E² = (mc²)² + (pc)². A parte final é a que descreve como a massa do objeto muda quando há movimento envolvido. Se até os links e os provérbios podem ser encurtados.
Vídeo:



A ciência funcionando como deve funcionar (1)

25 maio, 2022

Mãos ao alto

Durante um assalto, os ladrões de banco ordenam aos caixas que mantenham as mãos levantadas para que não possam reagir.
Em 1921, o inventor de San Francisco, Harry McGrath, ofereceu esta solução: o caixa usa uma pistola carregada debaixo do braço, com um fio passando pela manga do casaco até a palma da mão. Assim, quando seus braços estão levantados, ele ainda pode disparar a arma.
A patente não diz nada sobre mirar, mas "para tornar a arma perfeitamente segura, um cartucho vazio pode ser colocado no carregador para ser disparado primeiro, seguido por um cartucho de verdade".
Não sei se o próprio McGrath era caixa de banco. Espero que não.