31 janeiro, 2018

A Superlua Azul de Sangue

Uma raridade que aconteceu pela última vez há 152 anos!


A Lua Azul é só um nome e não gera um efeito visível.
A Superlua se refere à Lua cheia no ponto mais próximo em sua órbita ao redor da Terra. Essa proximidade faz com que a Lua aparente ter um tamanho maior e ser mais brilhante. Quando a Lua está de 10 a 15% maior, a mudança é considerável e visível a olho nu.
E o eclipse é o resultado do alinhamento entre o Sol, a Terra e a Lua.  Os observadores do eclipse veem uma grande Lua de cor avermelhada, chamada de "Lua de Sangue". Isso, explicam os especialistas, se deve ao efeito da atmosfera terrestre. O Brasil não esteve na parte da Terra em que este eclipse foi visto.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
P.S. Deus, imaginei que éramos Júpiter com seus 67 satélites naturais. No Twitter, 99,99% das postagens falavam de luas.

Seu bebê chora muito durante a noite?

Tenha paciência.
Não faça como Jor-El e Lara que colocaram seu bebê em uma pequena nave rumo a um planeta distante. Junto com a gravação daquela história fantasiosa de que Krypton estava prestes a explodir.


O escoteiro nuclear

David Charles Hahn (1976-2016), nascido em Michigan, EUA, e mais tarde chamado de "escoteiro nuclear", atraiu a atenção da polícia local quando, ao ser parado por um assunto qualquer, encontraram em seu veículo um material que incomodou a polícia.
Hahn advertiu os policiais que era radioativo.
O presente de um conjunto de química aos 12 anos havia despertado seu interesse pela Química. Inicialmente, para produzir nitroglicerina e depois, aos 17 anos de idade, para construir um reator nuclear caseiro.
Um escoteiro dos Boy Scouts of América, Hahn conduziu suas experiências em segredo em um galpão no quintal da casa de sua mãe em Commerce Township, Michigan.
Seu reator caseiro nunca chegou perto de atingir a massa crítica - mas acabou por emitir níveis perigosos de radiação, provavelmente mais de mil vezes a radiação de fundo normal.
Dez meses após a apreensão do material, funcionários da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos desmantelaram o galpão e seus conteúdos, enterrando-os como resíduos radioativos de baixo nível em Utah.
Um fato desconhecido para os funcionários: a mãe de Hahn, com medo de perder a casa se a extensão total da radiação fosse conhecida, já havia coletado a maioria do material radioativo e jogado fora no lixo convencional.
Hahn recusou a avaliação médica para a exposição à radiação. Ele morreu por intoxicação pelo álcool aos 39 anos.
Crédito da foto: www.findagrave.com
Os experimentos de Hahn inspiraram outros a tentar feitos semelhantes, particularmente Taylor Wilson, que se tornou aos 14 anos a pessoa mais jovem a produzir fusão nuclear.

30 janeiro, 2018

Romeu e Julieta



É uma bela história de amor entre adolescentes. Durou três dias e causou três assassinatos e dois suicídios.
Shakespeare matou bem mais que Nelson Rodrigues: 41 x 20.
Fonte: VIP

Imagem: Romeu e Julieta na cena do terraço, por Frank Dicksee, 1884.

De fatia em fatia...



O tempo todo o plano da galinha era ficar com dois colares? Ou ela é só um pouco estúpida?
Talvez ela só quisesse fazer o CHICKEN BREADING.

CAT BREADING

29 janeiro, 2018

Mensagens de texto - 2

1
— Me escuta.
— Você está digitando, não tem como escutar.
— É uma forma de falar.
— Forma de escrever.
— Cala a boca!
— Não tô falando, tô escrevendo.

2
Um casal idoso aprendeu a enviar mensagens de texto em seus celulares.
A esposa, uma professora de literatura inglesa, com ênfase nos clássicos, era uma romântica. Seu marido, um oficial da marinha aposentado, um cara chato em tempo integral.
Uma tarde, a esposa foi ao Starbuck local para encontrar uma amiga para o café. Enquanto aguardava a chegada da amiga, ela passou a exercitar sua nova habilidade no telefone celular, enviando ao marido uma mensagem de texto romântica: "Se você está dormindo, envie-me seus sonhos. Se você estiver rindo, envie-me seu sorriso. Se você está comendo, envie-me uma mordida. Se você estiver bebendo, envie-me um gole. Se você está chorando, envie-me suas lágrimas. Amo-o."
O marido respondeu: "Estou pegando o lixo."

3
O dinheiro não nasce em árvore

A mulher e seu cão: quem recebe mais mensagens?

O papel do ponto final nas mensagens

Desenhos da Lua

Thomas Harriot (Oxford, 1560 — Londres, 2 de julho de 1621) foi um matemático e astrônomo inglês, fundador da escola inglesa de álgebra e introdutor de vários símbolos e notações empregados em álgebra ainda hoje, como os sinais de maior que e menor que.
(Aqui o HTML se encarrega de modificar estes sinais algébricos para ">" e "<", respectivamente.)
Harriot foi a primeira pessoa a fazer um desenho da Lua vista pelo telescópio, em 26 de julho de 1609 — quatro meses antes de Galileu.


Em seu blog, Thony Christie ressalta que "os desenhos de Harriot são muito primitivos, meros esboços, e não podem ser comparados com os desenhos da Lua justificadamente famosos publicados por Galileo Galilei em Sidereus Nuncius a partir de 1610. Galileo ao contrário de Harriot era um artista treinado e percebeu que o que ele estava vendo através de seu telescópio eram recursos paisagísticos tridimensionais: montanhas, vales etc.".

Selenografia
Geografia é uma palavra de origem grega que significa "escrita da Terra", a partir de geo (Terra) e grafos (escrever). Selenografia é a "escrita da Lua", de Selene, a deusa grega da Lua, e grafos.

Poderá também lhe interessar: As primeiras fotografias da Lua e do Sol.

28 janeiro, 2018

A Delação Premiada Cautelar (2)

  1. Cometa um crime
  2. Arrume alguém para delatar
  3. Saia livre, leve e solto

"Quando nós temos muitos delatores, nós não precisamos de culpados."
Malhesherbe, advogado de Luís XVI

A Delação Premiada Cautelar (1)

Helô Pinheiro, a eterna Garota de Ipanema

Garota de Ipanema estava recém-composta e Tom Jobim continuava encantado com a moça cujo balançado era mais que um poema. O maestro estava apaixonado pra valer por Helô Pinheiro, a musa inspiradora de um dos maiores sucessos da música mundial. Mas a menina de 20 anos – filha de militar e 16 anos mais jovem que Tom – não dava mole. Ainda mais porque o pretendente era casado.
O músico chegou a se declarar, mas o máximo que conseguiu foi arrancar-lhe um breve beijo. Tom apelou até para um convite-poema com o intuito de que se encontrassem novamente:
Oh, minha eterna Heloísa
Sou teu constante Abelardo
Tu és a musa perfeita
E eu teu constante bardo
Venha depressa Heloisinha
Quem te chama é o Tom Jobim
Te espero na mesma esquina
Já comprei o amendoim.
Helô não apareceu ao encontro. E, um ano depois, para desalento de Tom, convidou-o para ser padrinho de seu casamento com um empresário que não entrou para a história.

Música e poema de Tom Jobim não conquistaram Helô Pinheiro, por Bruno Hoffmann. In: AS HISTÓRIAS DO ÚNICO PAÍS POSSÍVEL, publicado em 01/06/2011 e acessado em 28/01/2018.

Ler também: A verdadeira Garota de Ipanema, por Vinicius de Moraes, 1965

No programa Raul Gil, Helô Pinheiro relembra uma entrevista dada a Oprah Winfrey:

27 janeiro, 2018

O quebra-cabeça Jackson Pollock

Este deve ser o quebra-cabeça mais difícil do mundo.


Sobre Pollock
[1] [2] [3] [4] [5]

Foi Cristóvão Colombo um nobre português?

Um explorador italiano, Cristóvão Colombo, tornou-se famoso por sua descoberta do Novo Mundo. Mas uma teoria histórica recente sugere que Colombo não nasceu em Gênova, na Itália, e sim que era um nobre português que adotou o nome quando se mudou para a Espanha  e o DNA de um esqueleto poderá provar isso.
A teoria de sua ascendência portuguesa foi apresentada pela primeira vez por Fernando Branco, professor de engenharia civil da Universidade de Lisboa, em um livro publicado em 2012. Branco observa que a história pessoal de Colombo nunca foi completamente compreendida, e afirma que seu nome e vida podem ter sido uma capa. Existem numerosas semelhanças entre a vida de Colombo e a de um Pedro Ataíde, este último supostamente morto em 1476 em uma batalha naval no Cabo de São Vicente. Mas Ataíde, que teria sobrevivido nadando até a costa do Algarve, pode ter-se renomeado com o nome de um soldado francês chamado Culon, um companheiro de luta naquela batalha, porque com o nome de Ataíde seria perseguido.
Branco diz, ainda, que as menções históricas a Colombo envolvem seu nado depois de um naufrágio; outros detalhes entre as vidas de Ataíde e Columbo também se correlacionam, e o próprio Colombo nunca assinou seu nome como tal.
Em 2006, pesquisadores espanhóis sequenciaram o DNA de Hernando Colón (ou Fernando Colombo), filho e biógrafo de Cristóvão Colombo. Os restos de Fernando são os únicos que até agora foram autenticados como um parente próximo do famoso explorador, e o DNA extraído dos ossos tem sido usado como uma forma de identificar onde o próprio Colombo foi enterrado.
Os antropólogos portugueses, liderados pela professora Eugenia Cunha, da Universidade de Coimbra, removeram o esqueleto de Ataíde do seu lugar de descanso na igreja da Quinta de Santo António da Castanheira, perto de Lisboa. Se a teoria de Branco estiver correta  e ela tem o apoio de alguns historiadores da Academia Portuguesa de História  a próxima análise de DNA deverá fornecer dados sólidos para respaldá-la. Mas se os ossos de António de Ataíde não estiverem bem conservados, ou se os resultados do DNA não forem conclusivos, os pesquisadores podem ter que voltar ao campo da hipótese para recompor a vida pregressa de Cristóvão Colombo.

Extraído de: DNA Testing Of Skeleton May Prove Christopher Columbus Was Really Portuguese, por Kristina Killgrove. In: Forbes

26 janeiro, 2018

Por que não há um eclipse mensal?

Arraste o mouse com o botão direito clicado sobre o texto
Você não deve olhar diretamente para um texto sobre eclipse por causa dos danos que podem ser causados pelo alinhamento indevido do plano orbital solar/ lunar com os seus ossos orbitais.


Notas do editor
Os corpos celestes não estão na escala.
Pode conter ciência falsa.
O diagrama é do divertido  xkcd.

Do prefácio ao posfácio

"Prefácio é aquilo que se escreve depois, se imprime primeiro, e não se lê nem antes nem depois." ~ Dino Segrè

- Putzgrila, Pitigrilli!
Putzgrila (ou putsgrila) é uma abreviação de "puta que pariu, isso grila". Muito usado pela juventude, nas décadas de 1960 e 70, para expressar susto ou admiração quando um assunto complexo era comentado numa roda.
Esta palavra foi provavelmente inventada por algum colaborador de "O Pasquim".
Já Dino Segrè, também conhecido pelo pseudônimo Pitigrilli, foi um jornalista e escritor italiano. Ele trabalhou nos principais jornais de sua época, tecendo comentários ácidos e humorísticos sobre a sociedade e os costumes. Exemplos:
  • Agradecidos são aqueles que ainda têm algo a pedir.
  • Para compreender os paradoxos é preciso ser inteligente, mas para segui-los é preciso ser estúpido.
  • Tudo deve ser discutido. Sobre isso não há discussão.
Ele afirmava que adotou este pseudônimo porque gostava de "colocar os pingos nos ii".

Sem crise. Isto aqui é um posfácio.

25 janeiro, 2018

Caminhões de mineração

Estes são os cinco maiores brutamontes em operação na mineração em todo o mundo.
Curioso é que sua cabine, em geral com dois assentos, proporciona uma condição de conforto ao operador (um técnico de mineração) dificilmente encontrada num automóvel convencional. Afinal, está sob sua responsabilidade um veículo de carga de 8/9 milhões de dólares.
Jaime Nogueira



Perfil do colaborador JN

Ver também: O "treminhão"

Máquinas de viver

Tardígrado. Tamanho real: 0,5 mm
Crédito: Katexic Publications
Os tardígrados (também conhecido como  ursos d'água) são as criaturas mais interessantes que podemos encontrar na Terra. São capazes de sobreviver nas condições mais extremas.
Todas as criaturas têm uma vida natural. Elas nascem, crescem, reproduzem e morrem. Com as estrelas também se passa algo semelhante. Uma vez que elas acumulem hidrogênio suficiente, começam a convertê-lo em hélio. É um processo lento, inevitável e que levará à morte da estrela quando se esgotar o seu combustível para a fusão. No caso do Sol, calculamos que levará 5 bilhões de anos até o seu esgotamento.
Mas, quando essa hora chegar, ele vai se tornar uma gigante vermelha. Em cerca de 5, 4 bilhões de anos,  o aumento em seu tamanho fará com que ocupe as órbitas de Mercúrio, Vênus e, talvez, da Terra. Não temos certeza se a Terra será destruída ou se sobreviverá, a uma pouca distância, de um Sol moribundo. Mas, muito antes que chegue esse tempo, talvez em 1,5 bilhão de anos, a Terra será um lugar inabitável para muitas formas de vida.
No entanto, um novo estudo sugere que há uma espécie que poderá sobreviver à elevação de temperatura dentro de 1,5 bilhão de anos - e à fase de gigante vermelha do Sol. Na verdade, eles ainda sobreviverão além do tempo em que a nossa estrela se torne uma anã branca, a última etapa da evolução estelar para astros como o nosso Sol. Quando a vida na Terra estará extinta há muito tempo... exceto para eles.
A pergunta básica deste estudo: existe alguma forma de vida na Terra que pode sobreviver a um evento de extinção em massa que termine todo o resto? Os ursos d'água parecem ser os claros vencedores. E a humanidade se, dentro de um bilhão de anos, os nossos descendentes encontrarem um novo lar no Universo.
Os pesquisadores descobriram que os tardígrados poderiam sobreviver a todas as possíveis catástrofes que devastem a Terra. Eles são as criaturas mais duráveis ​​e resistentes do planeta. Podem sobreviver 30 anos sem água e comida. Ou seja, metade de sua vida. Eles também suportam temperaturas entre 150 e -200. E temos observado que podem resistir a pressões de 6.000 vezes a da Terra e no vácuo do espaço.
O mais surpreendente é que os ursos d'água têm a capacidade de ressuscitar. Apenas é necessário que as circunstâncias o justifiquem. Como grande parte dos organismos na Terra, eles precisam de água para sobreviver. Mas podem sobreviver a anos sem água. Há experiências neste sentido em que tardígrados foram deixados sem água a ponto de matá-los. Mas, assim que eles reincorporaram a água, voltaram à vida.
Estas pequenas criaturas são extremamente resistentes. O estudo conclui que nem os impactos dos meteoros, nem as supernovas ou os raios gama, representam um risco existencial para os ursos d'água. Apesar de todos esses cataclismos terem a capacidade de matar os seres humanos muito rapidamente.
O segredo parece estar no DNA. Entender como funciona o mecanismo de reparo do DNA dos tardígrados é muito interessante, não apenas do ponto de vista da curiosidade. Poderia nos ajudar a combater as doenças que nos afetam e a melhorar nossas próprias condições de vida.
Compreendamos como eles conseguem sobreviver.  Afinal, esses seres minúsculos são os verdadeiros herdeiros da Terra, do Sistema Solar e do...

Los osos de agua sobrevivirán a todos, incluso al Sol, Astrobitácora
O estudo é "The Resilience of Life to Astrophysical Events", de David Sloan, Rafael Alves Batista e Abraham Loeb. Publicado na revista Scientific Reports, em 14 de julho de 2017, ele pode ser visto neste link.

24 janeiro, 2018

Aprenda a virgular

Com quatro regras simples
A vírgula é um dos elementos que causam mais confusão na língua portuguesa. Nem toda a gente sabe ao certo onde deve e onde não deve usá-la. O motivo disso é simples: ensinaram-nos de forma errada; Dizer coisas como "a vírgula é usada para indicar pausa"; ou "preste atenção em como você fala, quando tiver pausa, use vírgula"... isso é asneira, pois cada um de nós fala de maneira diferente, usa pausas diferentes e, basicamente, decide como quer falar. (Apesar disso, devemos ter cuidado, pois somos julgados pelo modo de falar.) Mas não podemos simplesmente decidir onde tem e onde não tem vírgula. Ela tem poder demais para ser arbitrária. Para saber o enorme poder da vírgula, vamos ver este pequeno vídeo:



Viu como a vírgula é importante? Pois bem, existem algumas regras para o uso da vírgula e elas são baseadas na gramática. Calma, não se assuste! O objetivo aqui é "triturar" a gramática para que não estrague os seus dentes.
Veja estas regras em PORTUGAL GLORIOSO.

Pausa

Exercício: O poder da pontuação

Uma definição geofísica de planeta

E se alguém dissesse que a Lua é um planeta? Soa um pouco absurdo? Pois é justamente o que defende um manifesto recém-publicado a favor da alteração da definição oficial do termo, em vigor desde 2006 na União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês). Você já ouviu falar nessa mudança de 11 anos atrás: foi aquela que rebaixou Plutão à categoria de planeta anão. E agora, uma equipe de cientistas da NASA quer alçá-lo novamente à primeira divisão planetária, junto com a Lua e mais de 100 outros corpos do Sistema Solar.
Em 2006, a resolução 5A da IAU estabeleceu os seguintes critérios:
(1) Um "planeta" é um corpo celeste que (a) está em órbita ao redor do sol, (b) tem massa suficiente para sua auto-gravidade superar as forças rígidas do corpo, de modo a assumir uma forma de equilíbrio hidrostático (quase redonda), e (c) e haver limpado sua órbita.
(2) Um "planeta anão" é um corpo celeste que (a) está em órbita ao redor do sol, (b) tem massa suficiente para sua auto-gravidade superar as forças rígidas do corpo, de modo a assumir uma forma de equilíbrio hidrostático (quase redonda), (c) não haver limpado sua órbita, e (d) não é um satélite.
(3) Todos os outros objetos, exceto os satélites, orbitando o sol, serão referidos coletivamente como "pequenos corpos do sistema solar".
Em entrevista ao Business Insider, Alan Stern (o famoso "defensor de Plutão") explica porque considera isso tudo uma grande bobagem. Ele argumenta que, por estudarem uma miríade de fenômenos e objetos cósmicos, os astrônomos não têm condições de definir o que é um planeta. Diz que essa tarefa deve ficar a cargo dos cientistas planetários, os verdadeiros especialistas em questões intrínsecas aos planetas, às luas e aos sistemas que eles compõem.
Quem está por trás da nova definição, que foi enviada à IAU para análise, é Alan Stern, cientista planetário investigador principal da missão New Horizons. Em um primeiro momento, a manobra parece tendenciosa: o sobrevoo de 2015 da sonda sobre Plutão mexeu com Stern. E com o mundo todo, é claro. Mas um olhar mais cuidadoso mostra que a argumentação do grupo faz sentido: basicamente, o que eles pedem é que a definição de planeta seja mais "personalizada", levando em conta as propriedades geofísicas de cada astro ao invés de se basear apenas nas órbitas e interações com corpos externos.
O que ele e seus colegas propõem é uma mudança de paradigma. A nova definição diz o seguinte:
"Um planeta é um corpo de massa sub-estelar que nunca passou por fusão nuclear e que tenha auto-gravitação suficiente para assumir uma forma esferoidal adequadamente descrita por um elipsoide triaxial, independente de seus parâmetros orbitais". Ou seja: planeta é todo e qualquer objeto celeste redondo que não seja uma estrela, e pouco importa as características de sua órbita. O debate continua até que a IAU emita um parecer oficial sobre a questão.
Se o novo verbete emplacar, elevará à categoria de planeta não apenas Plutão e a nossa Lua, mas também outras luas notáveis do Sistema Solar como Titã, Encélado, Europa e Ganímedes — todas tão complexas que podem até abrigar vida. O único problema é que os livros didáticos terão que virar enciclopédias se forem detalhar cada um dos novos planetas criados a partir da nova definição.


Extraída de: revistagalileu.globo.com. Acrescida de um tópico e imagem de: phys.org/news.

Plutão versus Plutocracia
Por que Plutão deixou de ser um planeta?
Plutão é bom de lua
Plutão é bom de lua - Conclusão
Novos horizontes para Plutão
O coração de Plutão
Tyson, Obama e Plutão
De passagem por Plutão
Júpiter, Terra e Plutão
A dança de Plutão e Caronte

23 janeiro, 2018

Comparações em urologia

Num consultório:
– Doutora, a senhora promete que não vai rir? – perguntou o paciente.
– Claro que não! – respondeu a médica, já se exaltando. – Em mais de vinte anos de profissão, eu nunca ri de um paciente.
– Tudo bem, então... – disse o paciente.
E arriou as calças, mostrando-lhe o menor órgão sexual masculino que a doutora já tinha visto na vida. Considerados o comprimento e o diâmetro, não era maior do que uma bateria AAA (pilha palito).
Incapaz de se controlar, a médica começou a dar risadas e não conseguia parar o ataque de riso.
Passados alguns minutos, recuperou a compostura.
– Desculpe-me – disse ela. – Não sei o que aconteceu comigo. Dou-lhe minha palavra de que isso não acontecerá mais. Agora, diga-me: qual é o seu problema?
– Tá inchado!…
(enviada por Fernando Gurgel)

A diferença entre o tamanco e o homem quando velhos:
O tamanco acaba o couro e fica o pau. O homem acaba o pau e fica o couro.

Penis Growth

Da ciência ao tricô

"Na ciência tentamos informar as pessoas, de um modo que seja entendido por todos, alguma coisa que ninguém sabia até então. Na poesia fazemos exatamente o oposto."
Paul Dirac (1902 - 1984), físico inglês conhecido por seus trabalhos em mecânica quântica. Em 1933, ele compartilhou o Prêmio Nobel de Física com o físico austríaco Erwin Schrödinger. Ele é o autor da frase que transcrevi acima.
Uma das anedotas com Dirac (das quais há muitas):
Paul Dirac falava de física com Peter Kapitza enquanto Anya, a esposa do amigo, entretinha-se com tricotar. Algumas horas depois que deixou a casa dos Kapitza, ele retornou, muito animado. "Você sabe, Anya", disse ele, "vendo a maneira como você estava fazendo aquele suéter, eu me interessei no aspecto topológico do problema. Então descobri que há outra maneira de fazê-lo, e que existem apenas duas maneiras possíveis. Uma é a que você estava usando, a outra é assim..." E passou a demonstrá-la, usando os seus longos dedos. "Ora, a sua maneira 'recém-descoberta' já é bem conhecida das mulheres", discordou Anya,  "e não é outra senão o "purling".
Gravura: Beeton's Book of Needlework (de Isabella Beeton). Instrução nº. 291 - Purling
Ver também:
Cu de pinto, instrução citada em A RENDA DE BILROS, postagem de "Linha do Tempo". Fonte original: "A Praia da Pipa do tempo dos meus avós" (ISBN 978-85-908458-1-2), de Ormuz Simonetti.

=====================================================================

Paul Dirac é também o citador disto:
"O matemático joga um jogo no qual ele mesmo inventa as regras enquanto o físico joga um jogo no qual as regras são fornecidas pela natureza, mas à medida que o tempo passa torna-se cada vez mais evidente que as regras que o matemático acha interessantes são as mesmas que a natureza escolheu."

22 janeiro, 2018

Dupla canina dinâmica

Batcão e Cachorrobin:

Amor com matemática

Amormetria

Dê-me um apoio (centro)
Num piscar de olhos me transformo em um compasso
Giro 90º, 180º, 270º, 360º graus
Volta completa na circunferência chamada vida.

Dê-me uma régua ou uma trena
Com ela conseguirei medir ou não nossa distância
Que parece infinita.

Dê-me um transferidor para medirmos os graus do nosso amor.
Um esquadro
Quem sabe ele possa nos enquadrar.

Dê-me um ponto
Por ele passarei infinitos segmentos de sentimentos
Paixão, amor, raiva, ressentimento, gratidão...

Só não me limite com dois pontos
Pois, não saberia que segmento de sentimento
Passaria por eles.

Edi Santana Barbosa
Professor da rede estadual e municipal de Juazeiro BA
Pós-graduado em Metodologia e Didática do Ensino Superior

Portal recomendado: Só matemática

21 janeiro, 2018

O redirecionamento permanente

Há uma página estranha flutuando na web.
Seu criador descreve-a como "um projeto de arte", e toda vez que alguém tenta visitá-la, a página foi substituída por um aviso de redirecionamento, o qual, por sua vez, leva o internauta a outro aviso de redirecionamento, e assim por diante.
Gostaríamos de conectá-lo a este site, mas é impossível.
É um site com a URL em constante mudança. Foi criada pelo artista eletrônico Donald Hanson, conhecido por explorar as questões da superestrada da informação.

Comido vivo

Fonte: Mundo Estranho
O que aconteceria a alguém engolido por uma baleia-azul?
Essa infeliz pessoa provavelmente morreria de politraumatismo ainda na boca do animal, e não passaria daí. Pinóquio e o Jonas da Bíblia que nos perdoem, mas pessoas sendo engolidas por baleias é ficção balela. Esses gigantes do mar são muito criteriosos na escolha do que vão digerir, preferindo ficar em uma dieta composta de pequenos peixes e crustáceos.
Apesar do tamanho da baleia–azul, sua boca não é ampla o suficiente para um ser humano caber ali dentro sem ser esmagado quando fechada, e seu esôfago tem apenas 10 centímetros de diâmetro, impedindo a ingestão de qualquer coisa muito maior do que uma laranja. E, antes que você pergunte, confira abaixo se outros grandes bocudos do reino animal conseguiriam esse feito.
Cachalote
Prima distante da baleia–azul, já que pertence a outro grupo de cetáceos (Odontoceti), essa gigante costuma devorar lulas-gigantes inteiras, que chegam a 18 metros de comprimento. Então, teoricamente, sim, uma cachalote poderia engolir um ser humano. Se tudo desse "certo", essa pessoa morreria asfixiada dentro da primeira das quatro câmaras do estômago do bicho. Depois, seria digerida pelas enzimas do animal.
Crocodilo
Nos maiores exemplares conhecidos, a cabeça desse réptil não passa de 45 centímetros de largura externa, portanto sua abertura de garganta é muito menor e dificilmente permitiria a passagem de uma pessoa inteira. Esse é o motivo que leva esses animais a dilacerar suas presas antes de ingerir o alimento. Ou seja: dilacerado, sim, inteiro, não.
Sucuri
A sucuri, bem como sua prima píton, já foram vistas devorando grandes animais de uma só vez, como bezerros, antílopes, jacarés e capivaras de até 55 quilos. Então a resposta é sim. É possível que ela engula um ser humano inteiro, desde que seja uma pessoa magra e baixa. O lanche em questão já estaria morto na hora de ser engolido, já que essas cobras matam suas presas asfixiando-as por esmagamento.
Em 2014, o ambientalista Paul Rosolie vestiu uma armadura de carbono e tentou ser engolido por uma cobra. Deu meio certo, meio errado. Veja no Discovery Channel:
https://youtu.be/QGy9RJLsiW4
Finalmente, Paul Rosolie responde à reação de não ser "comido vivo".
https://youtu.be/R3jUNVJAW8A
https://youtu.be/qZ-pV8R7y8c

Um coral que faz chover e trovoar

Muito criativo: o som da chuva e dos trovões interpretado por este coral.
Jaime Nogueira


20 janeiro, 2018

O buscador inteligente de peixes

Não dê o peixe a um homem, ensine-o a usar o PowerSeeker. (*)

(postagem não patrocinada)

O buscador inteligente de peixes do PowerSeeker não só possui uma poderosa capacidade de detecção de sonar, como também é compatível com o PowerEye, o PowerRay e o PowerDolphin da PowerVision. Ele pode detectar com precisão a distribuição de peixes até 40 metros debaixo d'água, bem como a temperatura e a profundidade da água, a topografia subaquática e outras informações. Ele pode transmitir estas informações em tempo real para o aplicativo Vision +, oferecendo aos entusiastas da pesca uma experiência eficiente e inteligente.

(*) Eu não havia pensado nunca nissoDr. Caco Phato

Como pesar a Terra

Atlas saberia a resposta. Esforçando-se em sua tarefa de segurar o mundo, este deus Titã provavelmente tinha uma boa ideia de quanto a Terra pesava. Mas nenhum de nós está tão convenientemente situado. Como poderia um simples mortal, uma pessoa minúscula que reside na superfície da Terra, realizar sua própria estimativa do peso da Terra? Onde, para começar, poderia colocar a balança?
Uma resposta firme não chegou até que o inglês John Michell descobriu um caminho. Pouco lembrado hoje, ele era na verdade um dos clérigos mais inteligentes do século XVIII. Como geólogo, astrônomo e matemático admirado por seus companheiros na Royal Society, de Londres, ele foi o primeiro em muitas coisas: o primeiro a sugerir que os terremotos se propagam como ondas elásticas através da crosta terrestre (ganhando o título de "O pai da sismologia moderna"), o primeiro a sugerir que muitas estrelas eram provavelmente emparelhadas como binários e o primeiro a imaginar uma estrela tão grande e maciça que nenhuma luz poderia escapar de seu intenso campo gravitacional - um sol negro, a versão "T" de um buraco negro.
Este pároco de West Yorkshire era um devoto da lei de gravitação de Isaac Newton, introduzida em 1687. Embora a lei tivesse encontrado grande sucesso na previsão dos movimentos de cometas e balas de canhão, em 1780 a atração gravitacional entre dois pequenos corpos em um laboratório não tinha sido demonstrado, de acordo com Russell McCormmach, autor do livro "Weighing the World" (Pesando o Mundo), de 2011. Em seu trabalho de longa data em geologia, Michell queria saber há décadas a densidade do nosso planeta - e, portanto, o seu peso. Assim, ele inventou um esquema para medir as forças gravitacionais de curto alcance e, neste processo, o peso da Terra. O aparelho projetado por Michell não era complexo, mas elegante (imagem). Na verdade, envolvia apenas quatro bolas de chumbo, uma haste móvel e um conjunto de fios, tudo enclausurado para evitar a interferência das correntes de ar.

Um modelo em escala 1:48 da balança de torção 
construída por Henry Cavendish, em 1798.

Siga lendo este artigo, How to Weigh the World, de Marcia Bartusiak, no site NAUTIL.US.
Data da publicação: 06/03/2017. Data do acesso: 09/03/2017

PESANDO A TERRA (em slideshow)

19 janeiro, 2018

Passar cerol. Aparar pela rabiola

Passar cerol é se preparar para o sexo. Como se faz isto? Alguns moleques que não possuem experiência sexual sentem a necessidade de "bater uma" antes da transar (para que o ato sexual dure um pouco mais). E, como o movimento que fazem na masturbação imita o de passar o cerol na linha de uma pipa (conhecida por arraia, no Nordeste), surgiu daí a expressão.
Já a frase "passar cerol na mão" é para dar ênfase que a menina não vai ter escapatória, que o moleque vai pegar sem dó mesmo ("cortar você na mão"), que não vai dar moleza (mostrar que é tigrão), essas coisas próprias de gente que não tem nenhum bom gosto para a música.
In: "Cerol na mão" - c/ Bonde do Tigrão, www.letras.mus.br
br.answers.yahoo.com
emilinson @neocormier
Aparar pela rabiola, considerando a situação da rabiola com relação ao corpo da pipa, é provavelmente um convite amigável do "tigrão" para a "funkeira" praticar o sexo nasal.
A ilustração escolhida para este verbete do Dicionário Brasileiro de Frases (DBF) tem uma bela história:
  1. O tiozinho tatuou no ombro o nome da namorada Fabíola.
  2. O namoro michou.
  3. Ele teve que cobrir depois o nome dela com um pequeno trecho da letra do Bonde do Tigrão.
Histórico do DBF
05/10/2007 - "Bebel que a cidade comeu" e "Deite-se na cama e crie fama" AQUI
13/03/2014 - "Imagine se pega no olho?" AQUI
18/02/2015 - "Impitimam é meuzovo" AQUI
02/02/2016 - "Vá correndo fazendo vento" AQUI
09/07/2016 - "Boas cercas,bons vizinhos" AQUI
08/11/2016 - "Besta elevada ao quadrado" AQUI
25/01/2017 - "Não sou má, é que me desenharam assim" AQUI
16/03/2017 - "Chore um rio por mim" AQUI
18/06/2017 - "Vá direto ao assunto" AQUI
15/12/2017 - "Botar suspensório em cobra" AQUI


25/07/2018 - Atualizando ...
Masturbar-se uma hora ou duas antes do "evento principal", também pode fazer o homem durar mais na relação sexual. Essa técnica foi explorada no filme de comédia "Quem Vai Ficar Com Mary?", embora o experimento de Ben Stiller tenha terminado com resultados cômicos.

O bloqueio do escritor - 3

Se você tem algo para terminar: um ensaio, uma carta, esta novela - e você não consegue terminá-lo no devido tempo, você pode acabar no Writers' Block.
Em uma prisão para escritores criminosos pobres, este curta-metragem de animação da Wonky Films mostra os infortúnios de uma gangue interna que, controlando o roteiro de suas próprias vidas, tenta reescrevê-lo para fugir.

O bloqueio do escritor - 1
O bloqueio do escritor - 2

18 janeiro, 2018

A represa de Proserpina

É uma barragem que existe em Extremadura, Espanha, construída 2.000 anos atrás pelos romanos, como parte da infraestrutura para fornecer água à cidade de Emerita Augusta (atual Mérida).
Após a queda do Império Romano, o aqueduto que conduzia a água para a cidade entrou em decadência. Mas Proserpina (imagem) ainda está em uso com a água da represa sendo usada na irrigação das terras locais.
Foi declarada Bem de Interesse Cultural em 1912.

As corujas da Indonésia em perigo

Na série de Harry Potter de JK Rowling, publicada pela primeira vez entre 1997 e 2007, diferentes espécies de corujas superam o mundo mágico e muggle ("humano"), carregando mensagens, pacotes e até mesmo varas de vassoura para humanos e feiticeiros. O próprio Harry Potter recebe uma coruja nevada Bubo scandiacus, chamada Hedwig, no primeiro romance, e ela permanece com ele ao longo da série. Outros personagens principais também têm corujas como companheiras de estimação ao longo da série (por exemplo, Ron Weasley tem uma coruja muito pequena chamada Pigwidgeon, mais tarde retratada na série de filmes como uma coruja comum, Otus scops; Draco Malfoy tem uma coruja Bubo spp e Percy Weasley, uma coruja Megascops spp).
Existe o efeito Harry Potter?
O sucesso de Harry Potter, tanto na literatura como no cinema, já quebrou inúmeros recordes de vendas e bilheteira, mas, infelizmente, toda esta popularidade está também a quebrar um recorde bem menos desejado.
Em 2001, quando saiu o primeiro filme, as vendas (anuais) de corujas na Indonésia não ultrapassavam as poucas centenas de animais, mas em 2016 o valor ultrapassou as 13 mil, informam Vincent Nijman e Anna Nekaris, da Universidade de Oxford Brookes, no Reino Unido. O relatório foi publicado na revista Global Ecology and Conservation, no qual se conclui também que a maior parte das aves são retiradas do seu ambiente natural e vendidas em comércio ilegal.
Com preços entre 10 e 30 dólares, as aves são acessíveis a um grande números de famílias, pelo que as populações selvagens destes predadores estão efetivamente em perigo: "a popularidade das corujas como animais de estimação subiu de tal forma, na Indonésia, que pode colocar em perigo a conservação das espécies menos abundantes", dizem os dois cientistas ao The Guardian, pedindo também que as espécies “sejam colocadas na lista de animais protegidos”.
E a Indonésia não é um caso isolado. Passa-se o mesmo tanto na Tailândia como na Índia, onde um membro do parlamento indiano já falou num "estranho fascínio, entre as classes médias urbanas, em oferecer mochos aos filhos fãs de Harry Potter".
(extraído de https://greensavers.sapo.pt/2017/08/fas-de-harry-potter-sao-um-perigo-para-corujas/)

Existem os efeitos correlacionados?
Um aumento da popularidade de certos animais após a aparição na tela grande ou em séries de televisão é um fenômeno bem conhecido, mas raramente é quantificado e, como sempre, a correlação não indica causalidade. Além disso, um aumento na popularidade raramente é imediato e os aumentos discerníveis podem ser adiados por vários anos. Herzog et al. (2004) compararam a popularidade de cães de raça pura nos EUA, após o lançamento do filme da Disney "101 Dalmatians" (101 Dálmatas), em 1985, e descobriram que demorou sete anos até os novos registros de dálmatas aumentarem 6,2 vezes, o que foi significativamente maior que o de outras raças durante esse período de tempo. O lançamento do primeiro filme do "Jurassic Park" em 1993 levou a um aumento de um a três anos no comércio global de iguanas verdes, a Iguana iguana ( Christy, 2008, Nijman and Shepherd, 2011 ). Finalmente, após o lançamento de outro filme da Disney, "Finding Nemo" (Procurando Nemo), em 2003, foi relatado que as vendas de peixe palhaço aumentaram ( Prosek, 2010 ), na medida em que, em 2005, quatro espécies de peixe palhaço (Amphiprion ocellaris , Amphiprion percula , Amphiprion frenatus e Premnas biaculeatus) foram incluídos nos vinte peixes aquários marinhos mais importados para os EUA (Rhyne et al., 2012; Militz e Foale, 2017).  No entanto, note-se que, após o aumento na importação de peixe palhaço, na sequência da libertação de Nemo, com destaque dois anos mais tarde, este aumento foi menor do que o aumento global da importação de peixes de aquário marinho. Na comparação, eles não encontraram um efeito "Finding Nemo".
(extraído de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2351989417300525)

Ver também: O ciclo vicioso das Tartarugas Ninjas

Bônus: Owling, um comportamento que não deve ser esquecido.

17 janeiro, 2018

O pai, o filho e a namorada


A carta de uma senhorita alemã sobre um assunto científico

1891 - A revista Nature publicou o que deve ter sido um dos artigos mais incomuns. Era uma carta de uma mulher alemã, Agnes Pockels, para John William Strutt, também conhecido como Lord Rayleigh.
A Srta. Pockels escreveu:
Meu senhor,
Por favor, desculpe por me aventurar a perturbá-lo com uma carta alemã sobre um assunto científico. Tendo ouvido falar das frutíferas pesquisas realizadas por você, no ano passado, sobre as propriedades superficiais da água, até agora pouco compreendidas, pensei que poderia lhe interessar o relato das minhas próprias observações sobre o assunto. Por várias razões, não estou em posição de publicá-las em periódicos científicos e, por isso, adoto este meio de comunicar-lhe a mais importante delas. Primeiro, vou descrever um método simples, que tenho empregado por vários anos, para aumentar ou diminuir a superfície de um líquido, em qualquer proporção, visto que sua pureza pode ser alterada ao bel-prazer. [...]
E a carta passava a descrever muitos dos resultados dos experimentos de John Strutt, acrescidos de conjecturas inéditas, e tudo a partir de observações feitas numa cozinha.
Felizmente para Pockels, Rayleigh era um cavalheiro no verdadeiro sentido da palavra, e enviou uma tradução inglesa da carta para a revista Nature, Juntamente com uma carta de apresentação em que pedia para publicá-la literalmente:
Ficarei muito grato se você puder encontrar espaço para a tradução que acompanha uma carta interessante que recebi de uma senhorita alemã que, com aparelhos caseiros, chegou a resultados valiosos quanto ao comportamento da superfície da água com impureza. A parte anterior da carta da Srta. Pockel cobre quase o mesmo fundamento de alguns dos meus recentes trabalhos e, em geral, harmoniza-se com eles. As seções posteriores me parecem muito sugestivas, levantando, se não respondendo plenamente, muitas questões importantes.
A história, com alguns detalhes adicionais sobre a curiosidade da Srta. Pockel com o fluxo da urina, e sua relação com a descoberta da técnica de impressão a jato de tinta, podem ser lida no blog do Dr. Len Fisher, aqui.

Poderá também gostar de ver
Marjorie Rice e seus pentágonos

16 janeiro, 2018

STOP por 45 MPH

O pesquisador em segurança de computadores Yoshi Kohno descreveu um algoritmo de ataques que usa imagens impressas afixadas em sinais de trânsito. Essas imagens aplicadas em sinais podem confundir as câmeras dos veículos autodirigidos. Em um exemplo, pequenos adesivos acrescentados a um sinal de parada padrão (STOP) levaram o sistema de visão do veículo a identificá-lo erroneamente como um sinal de limite de velocidade (45 MPH).
Os sistemas de visão dos carros autônomos tipicamente dispõem de um detector de objetos e um classificador: o primeiro detecta pedestres, luzes, sinais e outros veículos, e o segundo decide o que é o objeto e o que os sinais estão dizendo. Os ataques descritos por Kohno supõem que os hackers consigam acessar esse classificador e, usando seu algoritmo e uma foto do sinal de trânsito alvo, venham a gerar uma imagem personalizada.
Esses sistemas de visão podem ser sensíveis a perturbações mal-intencionadas - mudanças pequenas e precisamente criadas em suas entradas - que podem fazer com que os veículos autônomos se comportem de maneira inesperada e potencialmente perigosas.

Researchers Find a Malicious Way to Meddle with Autonomous Cars, Car and Driver

As receitas de Matrix

Mayukh Sen, Munchies

Os primeiros minutos de The Matrix (1999) são ameaçadores e desorientadores. Aqueles em que se vê uma torrente de caracteres verdes gotejando na tela.
De longe, parece um código totalmente indecifrável.



No entanto, se você olhar de perto, poderá discernir que é uma mistura de caracteres japoneses: hiragana, katakana e kanji.
Os Wachowskis, que dirigiram o filme, abriram todos os filmes subsequentes da franquia Matrix com esta sequência. Você poderia até considerar esta green techno-rain como o atributo definidor da série.
Para aqueles que acham impossível saber o que, exatamente, está a jorrar na tela, eu tenho notícias a respeito.
O homem por trás do código é Simon Whiteley, que trabalhou como designer de produção no filme. Em uma entrevista para a CNet, Whiteley revelou que a fonte desse código mistificador não era outro senão um lote de livros de receitas de sua esposa japonesa - e as receitas de sushi que ele encontrou dentro deles.
Mistério resolvido!
Então, para recapitular:
Este código vexante, que muitos nerds certamente gastaram seu precioso tempo tentando decifrá-lo, não passa de um monte de receitas de sushi. Selvagem! Isso, sem dúvida, levará alguns fãs atormentados da franquia a tentar extrair as receitas de cada quadro. Desejo-lhes boa sorte.

15 janeiro, 2018

O início, o fim e o pós-fim



Alfa e ômega são, respectivamente, a primeira e a última letra do alfabeto grego clássico.
Alfa é o início, ômega é o fim. Mas... o que vem depois do fim?
Achados arqueológicos indicam que, depois de ômega, os números tornam a aparecer. Porém contados de três em três.
(post não patrocinado)

O pedido de socorro CQD

O primeiro chamado de emergência por rádio parece ter sido o CQD, adotado pela Marconi International Marine Communication Company. Foi anunciado em 7 de janeiro de 1904, pela "Circular 57", para as estações de bordo operadas pela companhia, que "... em e após 1º de fevereiro de 1904, a chamada a ser dada por navios em perigo ou que, de qualquer forma, exijam assistência deve ser o CQD".
Ass duas primeiras letras – C e Q – já eram usadas na telegrafia terrestre para anunciar uma "chamada geral" (broadcast) para todas as estações de rádio, ao passo que a letra D foi adicionada como uma referência à palavra inglesa "distress", que significa algo como "perigo", "agonia" ou "aflição". Foi inclusive por esta razão que, em 15 de abril de 1912, um grande navio transmitiu, em modo broadcast, o sinal CQD-MGY: o grupo de letras "MGY" era o código de identificação do Titanic.
O sinal "SOS" surgiu nos regulamentos de rádiocomunicações da Alemanha, em 1905, e foi adotado internacionalmente pela conferência de Berlim, em 1906. Na realidade, a conferência decidira apenas que:
"Embarcações em "distress" deverão usar o seguinte sinal: . . . _ _ _ . . . repetido a breves intervalos."
— Conferência Radiotelegráfica Internacional (Berlim, 1906).
Ou seja: ao invés de letras, na verdade, esse sinal é apenas um grupo de pontos e traços em formato de código Morse, e ele foi escolhido por ser um padrão gráfico bastante simples e inconfundível. No entanto, pelo fato de este sinal codificado poder ser descodificado e lido como "SOS", esta palavra passou a ser tratada como um mnemônico para aquele sinal.
A partir de 1 de julho de 1908, o sinal CQD foi definitivamente substituído pelo SOS.
https://pt.wikipedia.org/wiki/SOS

Leia também: O pedido de socorro SOS

Anote este LINK: Morse Code Translator

14 janeiro, 2018

Artefato de rápido recolhimento

Aqui temos um exemplo (foto) de um artefato de rápido recolhimento para vendedor ambulante. Trata-se da adequação de um recurso material do cotidiano com a finalidade de solucionar uma necessidade específica.
É uma manifestação não exclusiva, porém típica e muito presente na cultura popular brasileira. (Boufleur, 2006)


"Olha o rapa!"

Discos copiados em radiografias

Na União Soviética havia muitas coisas proibidas, entre elas uma boa parte da música ocidental. O rock 'n' roll (era óbvio), o jazz e outros gêneros musicais da América e do Reino Unido. E os ritmos latinos – o mambo, o tango – também foram proibidos na União Soviética por serem considerados excessivamente sensuais.
Mas a proibição não foi empecilho, ao contrário foi um incentivo, para que por lá circulassem, nas décadas de 1950 e 60, cópias desses discos em películas de RX.
O processo de produção era um tanto artesanal, já que incluía o recorte da radiografia – geralmente a mão –, a perfuração do orifício central – geralmente com um cigarro aceso – e a gravação dos sulcos da música usando um dispositivo que lia o disco original.
Conhecidos como «costelas», «música em costelas», «discos de ossos» ou roentgenizdat, não apresentavam um som satisfatório e não duravam muito, porém são hoje uma curiosa relíquia de uma época passada assim como de suas circunstâncias. Conforme o recorte da radiografia, os tais discos piratas até pareciam bonitos.

Em X-RAY AUDIO, há mais informações sobre estos «discos», inclusive uma seção na qual se podem ver e ouvir alguns deles.
Fontes
http://www.microsiervos.com/archivo/musica/roentgenizdat-discos-pirata-sovieticos-hechos-radiografias.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Ribs_(recordings)
http://www.npr.org/2016/01/09/462289635/bones-and-grooves-weird-secret-history-of-soviet-x-ray-music

13 janeiro, 2018

Gambiarra de computador

Gambiarra, um termo que é utilizado em diversas áreas profissionais como informática, programação, eletrônica, engenharia civil, cinema, teatro, artes plásticas, arquitetura e design, geralmente se referindo a soluções improvisadas, adaptações, ajustes, muitas vezes como uma solução que não se utiliza de métodos, plano ou projeto. A gambiarra é muitas vezes entendida de forma pejorativa como algo em condições precárias, provisório, transitório, mal-acabado ou rústico.
Aqui, o "cooler" parou de funcionar:


Não liguem para a questão da precariedade. O importante é que esta gambiarra deve ter resolvido o problema que aconteceu no computador do @rafaaraujjo.

Notas relacionadas: O ventilador de bunda de bebêA origem dos ventos.

Diagramas de Voronoi

Do alto de um edifício, Rod Bogart fez esta fotografia à qual acrescentou um diagrama de Voronoi das pessoas que aproveitavam o sol no Bryant Park. (*)

18 de maio de 2017, Twitter


Estes diagramas são a repartição de um plano segundo a distância euclidiana entre os pontos que existem nele. No caso de um diagrama de Voronoi de gente, a repartição maximiza o espaço ao redor de cada pessoa (ou de cada grupo de pessoas). Mais exatamente: os perímetros dos polígonos são equidistantes dos pontos vizinhos e designam suas áreas de influência.
Os diagramas de Voronoi podem ser encontrados em diversos campos da ciência e da tecnologia, até mesmo na arte, tendo inúmeras aplicações práticas e teóricas.
(*) Uma das características deste parque em Nova Iorque é o seu extenso gramado. Além de servir como "refeitório" para os trabalhadores dos escritórios da região e de lugar de descanso para os pedestres cansados, o gramado também serve como área de estar para alguns dos principais eventos do parque. O diagrama de Voronoi é assim denominado em lembrança do matemático ucraniano Georgy Voronoi que descreveu este tipo de decomposição de um espaço.

15/12/2017 - Atualizando ...
Um diagrama de Voronoi em função das estacões do Metrô de Madri, por Microsiervos.

12 janeiro, 2018

As contorcionistas - 2

Apenas um olhar não é o suficiente...


As contorcionistas - 1

Testes para pérolas

Como saber se uma pérola é verdadeira?
Imergindo-a em vinagre de vinho branco! O vinagre tem de 5 a 7% de ácido acético, uma concentração suficiente para corroer o carbonato de cálcio, mas não o plástico. Então, se ela é uma pérola verdadeira vai se dissolver. Mas se é falsa, ela permanecerá intacta.

Pergunto-me se a acetona dissolveria uma pérola de verdade.

É altamente duvidoso que isto possa acontecer. O carbonato de cálcio é pouco solúvel em água e ainda menos solúvel em acetona.

Eu trabalho com pérolas e acetona. É uma regra de ouro que você não deve usar acetona em uma pérola porque tende a corroer o brilho. Pérolas são a última coisa que você deve pôr antes de sair de casa (depois do perfume, maquiagem, spray de cabelo etc.) e a primeira coisa que você deve tirar quando voltar para casa.

Você pode facilmente determinar se um ovo Fabergé é verdadeiro por esmagamento. Os falsos não se quebram como o legítimo Fabergé.

Quando eu era criança, minha mãe gostava de me enganar. Estávamos comendo peixes, e ela me mostrou uma pequena bola branca dizendo "Olha, eu encontrei um pérola em meu peixe". Só mais tarde eu descobri que era apenas um olho de peixe. Gostaria de saber se existe uma dica a respeito disto.

Em 1969, a atriz Elizabeth Taylor ganhou de seu então marido, o ator Richard Burton, uma pérola de 37 mil dólares que veio a perder. A pérola foi depois encontrada no estômago de seu cachorro.

Como recuperar a pérola após o seu teste destrutivo?
Se você deixar que o vinagre se evapore naturalmente a pérola ressurgirá, assim penso.

Bon mot
"A arte nasce da dor como a pérola." ~ Monteiro Lobato

O roubo da pérola e Quanto custa uma pérola de sururu?

11 janeiro, 2018

Amor nos tempos da publicidade

Uma história de amor animada e musicada de um jovem que vive dentro de um outdoor, encarregado de atualizar os anúncios. Quando ele, apaixonado por uma moça que viu atravessando uma rodovia, tem de usar o único método que ele conhece para transmitir seu sentimento.

"I love you like a ham."

Você consegue ver LOVE neste quadro?

WORD ART de John Langdon

Controle do peso - 4


Controle do peso: 1, 2 e 3

10 janeiro, 2018

Gonçalo do Amarante

Luiz Antonio Simas, no Face
Diz a hagiografia que Gonçalo nasceu em Tagilde, Portugal, por volta de 1187. Foi nomeado pároco de São Paulo de Vizela. Visitando Roma e Jerusalém, caiu em angústia por achar que Cristo não devia ser celebrado com pompas.
Gonçalo finalmente encontrou na cultura popular a maneira de falar de Jesus Cristo. Reza a tradição que, quando pregava para as putas, Gonçalo se vestia de mulher, com muitas fitas coloridas, tocava viola e dançava. Usava pregos nos sapato, para mostrar que a alegria da dança curava a dor e era divina e, ao mesmo tempo, para que a mortificação não o desviasse do caminho da fé. Gostava de organizar bailes para as mulheres da zona. Como vigário, celebrou matrimônios de mulheres que não eram mais virgens, o que irritou os mais tradicionais.
São Gonçalo (na realidade, é considerado beato pela Igreja Católica) morreu no dia 10 de janeiro de 1259, em Amarante, no Douro. É considerado o protetor dos violeiros, do "piru" (tem que manter isso, viu?) e das vítimas de enchentes (fato provavelmente relacionado a uma ponte que ele construiu em mutirão sobre o rio Tâmega, para ajudar os mais necessitados que precisavam cruzar o rio para trabalhar).
Em virtude da tradição de celebrador dos matrimônios que a Igreja condenava, São Gonçalo do Amarante tem fama de casamenteiro. Por conta disso, ainda, em seu louvor são oferecidos as tíbias em forma de "caralhinhos", patrimônios da cultura portuguesa, como pedido e pagamento de promessa pela alegria nos sortilégios da paixão. É dos mais simpáticos santos do cristianismo popular das gentes miúdas e o seu exemplo serve pra que parem de dizer que estamos retrocedendo ao mundo medieval; interessantíssimo e bem distante do puritanismo de quinta categoria que grassa nos nossos dias.
(matéria compartilhada por Jaime Nogueira)

N. do E.
A sua data no calendário litúrgico é 10 de janeiro.
No Brasil é patrono das cidades homônimas de São Gonçalo do Amarante no estados do Rio Grande do Norte e do Ceará, São Gonçalo (Rio de Janeiro), Itapissuma (Pernambuco), Cajari, Matinha e Viana, (Maranhão) e Cuiabá (Mato Grosso).
"Caralhos de São Gonçalo": doces portugueses preparados com açúcar - grosso e fino -, farinha, manteiga, e os indispensáveis ovos.

Homenagem de Linhas do Horizonte a Chico

Tua colcha, feita do mais puro e formoso linho bordado nas Gerais, te servirá de bandeira. Com tuas canções tecidas pelos lavores de gentis bordadeiras.


retalho com retalho num desenho mágico 

"Chico é a história salutar do Brasil."

Conheça o grupo Linhas do Horizonte.

09 janeiro, 2018

A lápide de Diofanto

Diofanto de Alexandria (nascido entre 201 e 214 — falecido entre 284 e 298) foi um matemático grego. É considerado por muitos como "o pai da álgebra".
Como foi sua vida pouco se sabe, exceto por estes enigmáticos versos que foram escritos em sua tumba:
"Aqui jaz Diofanto. Quão maravilhoso ele foi! Pela arte da álgebra a lápide nos diz sua idade: Deus deu um sexto da vida como infante, um duodécimo mais como jovem, de barba abundante; e ainda uma sétima parte antes do casamento; em cinco anos nasce-lhe o rebento. Lastima! O filho do mestre e sábio do mundo se vai. Morreu quando da metade da idade final do pai. Quatro anos a mais de estudos consolaram-no do pesar; Para então, deixando a terra, ele também alívio encontrar."
Dai podermos representar como uma equação algébrica e descobrirmos sua idade:

x = x/6 + x/12 + x/7 + 5 + x/12 + 4

Como "x" representa sua idade, resolvendo a equação temos 84 anos.

Hey, James (2)

— Alô, James. Você tem como fechar os olhos da minha namorada nesta foto?
— Espero que goste.


James Fridman ajuda a realizar seus sonhos por meio do Photoshop.

Hey, James: (1)

08 janeiro, 2018

O perfil de um bumerangue na rede social

NÃO ME SIGA
EU O SIGO DE VOLTA

O astrônomo mais estranho da história

Tycho Brahe (14 de dezembro de 1546 - 24 de outubro 1601)
Em 1901, no tricentésimo aniversário da sua morte, os corpos de Tycho Brahe e sua esposa Kirstine foram exumados em Praga. Eles haviam sido embalsamados e estavam em boas condições, mas o nariz artificial do astrônomo estava faltando, aparentemente surrupiado por um ladrão de túmulos. O nariz tinha sido feito para ele depois que o nariz original foi cortado em um duelo. Em sua juventude, Tycho Brahe lutou com um nobre dinamarquês, na Universidade de Rostock, após um desacordo sobre uma ponto matemático obscuro. Ele sempre carregava uma pequena caixa de cola no bolso para usá-la, quando o nariz artificial tornava-se instável. Tycho Brahe era famoso por suas observações dos corpos celestes - mais precisas do que por qualquer astrônomo antes da invenção do telescópio. Nascido em uma família aristocrática na Dinamarca em 1546, ainda criança Tycho foi roubado de seus pais por um tio rico, sem filhos, que pagou por sua educação e enviou-o para a Universidade de Leipzig para estudar direito. Um eclipse solar em 1560 inspirou Brahe a se tornar um astrônomo, e ele logo percebeu que a astronomia só poderia progredir se as observações fossem sistemáticas, precisas e, acima de tudo, realizadas todas as noites . Para esse fim, ele refinou instrumentos antigos e construiu novos, e passou o resto de sua vida na montagem de um dos maiores corpos de dados astronômicos na história da humanidade. Kepler, que herdou sua vasta coleção de dados astronômicos, utilizou-se dela para criar suas leis do movimento planetário.

A Invenção da Ciência, blog EM
The crazy life and crazier death of Tycho Brahe, history's strangest astronomer, io9.gizmodo

07 janeiro, 2018

Robocop com defeito

Jake Likes Onions

Numa banheira

A matemática pura é o melhor jogo do mundo.
É mais absorvente do que o xadrez, do que uma aposta no pôquer...
E dura mais do que Monopoly.
É grátis. Pode ser jogado em qualquer lugar.
Arquimedes fez ISSO... numa banheira.
— Richard J. Trudeau

Vinícius de Moraes em sua banheira — o seu local de trabalho —, concedia entrevistas, recebia amigos e criava poemas e canções. No dia 9 de julho de 1980, depois de passar a madrugada compondo com o seu parceiro Toquinho, ele sentiu-se mal em sua banheira. Toquinho e Gilda Matoso, esposa de Vinicius, tentaram socorrê-lo mas em vão.


Ler também:
Vinicius e sua banheira: juntos até o fim
A foto do joelho de Vinicius, blog EM

Que tal nós dois numa banheira de espuma?
— Rita Lee e Roberto de Carvalho


Rita Lee na televisão italiana

06 janeiro, 2018

Os perigosos playgrounds do passado

Foto de um playground nos EUA, em 1912:


Só os mais fortes sobreviviam ao recreio.

Ver também: Como a infância mudou.

Quem inventou o telefone?

O escocês Alexander Graham Bell patenteou o telefone nos Estados Unidos, no início de 1876. Por uma estranha coincidência, Elisha Gray requereu no mesmo dia uma outra patente do gênero. O transmissor de Gray, que se supõe ter sido inspirado num dispositivo muito antigo conhecido como "telefone dos amantes", no qual dois diafragmas são unidos por um fio esticado, e a voz é transmitida unicamente pela vibração mecânica do fio.
A patente de Bell foi contestada repetidamente e apareceu mais de um reivindicador para a honra e recompensa de ser o inventor original do telefone. O caso mais importante foi o de Antonio Meucci, um emigrante italiano, que demonstrou com forte evidência que, em 1849, em Havana, Cuba, tinha experimentado a transmissão de voz pela corrente elétrica. Continuando a sua pesquisa em 1852 e 1853, e subsequentemente nos Estados Unidos, em 1856 Meucci construiu um telefone eletromagnético para conectar o seu escritório ao quarto de dormir, localizado no segundo andar de sua casa, para socorrer a esposa que sofria de reumatismo.
Em 1860, ele delegou a um amigo que visitava a Europa que procurasse pessoas interessadas em sua invenção. Em 1871, Meucci entrou com um requerimento no Gabinete de Patentes dos Estados Unidos, e tentou convencer o Sr. Grant, presidente da Companhia Telegráfica de Nova Iorque, a experimentar o instrumento.
A doença, a pobreza e as consequências de um ferimento devido a uma explosão a bordo de um barco, retardaram suas experiências, e impediram que terminasse a sua patente. O instrumento experimental de Meucci foi exibido no exposição de Filadélfia de 1884 e atraiu muita atenção, mas o modelo demonstrado não estava completo. No pedido de patente de 1871, ele escreveu: "Eu me utilizo do bem conhecido efeito condutor dos condutores metálicos contínuos como meio para o som e aumento o efeito eletricamente, isolando o condutor e as partes que estão em comunicação. Isto dá forma a um telégrafo falador sem a necessidade de qualquer tubo oco". E, para iniciar a conexão telefônica, ele usou um alarme elétrico.
Com dificuldades financeiras, Meucci apenas conseguiu pagar a patente provisória de sua invenção. Acabou vendendo o protótipo do telefone a Alexander Graham Bell que, em 1876, patenteou a sua invenção. Meucci o processou, mas acabou falecendo no curso do julgamento e o caso foi encerrado. Assim, Graham Bell foi considerado durante muitos anos como o inventor do telefone.
O trabalho de Meucci foi reconhecido postumamente em 11 de junho de 2002, quando o Congresso dos Estados Unidos aprovou a resolução N°. 269, estabelecendo que o inventor do telefone fora, na realidade, Antonio Meucci e não Alexander Graham Bell.

05 janeiro, 2018

Excessos de Z

SABIA QUE...
... Zzyzx (pronunciado "zei-zix" em língua inglesa) é o último lugar do mundo pela ordem no alfabeto latino?
É um local no Condado de San Bernardino, Califórnia, EUA, acessível a partir da Interstate-15 pela Zzyzx Road (placa indicando), que tem 7,2 quilômetros de comprimento.
... Zyzzyx Road é o nome de um filme independente de 2006?
Realizado com um orçamento de 2 milhões de dólares, após o lançamento Zyzzyx Road arrecadou apenas 30 dólares, tornando-se o filme de menor bilheteria de todos os tempos.

Ver também: A Saga Z

Ernest Malley

Foi um poeta fictício e a figura central na farsa literária mais famosa da Austrália. Ele e todo o seu corpo de trabalho foram criados em 1943 por dois escritores conservadores, James McAuley e Harold Stewart, que estavam fartos da poesia modernista.
Os poemas, em número de dezesseis, foram escritos em um só dia, imitando o estilo da poesia modernista (que os dois fraudadores tanto desprezavam).
Uma mulher sob o disfarce de "Ethel, a irmã sobrevivente do autor", encarregou-se de apresentar os poemas a Max Harris que editava uma revista modernista, a "Melbourne". Extasiado com a poesia apresentada, Harris caiu no embuste e dedicou a próxima edição da revista aos dezesseis poemas de "Ern".
Crédito: aCOMMENT
Foi a edição da revista "Angry Penguins", que teve como destaque na capa (imagem) uma pintura de Sidney Nolan, inspirada num poema de "Ern". Com o suposto autor dos versos inspiradores sendo saudado como "uma das figuras poéticas mais notáveis ​​e importantes deste país".
Revelada a fraude logo após, resultou em uma causa célebre e a humilhação de Harris, que foi levado a julgamento, condenado e multado por publicar os poemas, alegando que eles continham conteúdo obsceno.
Nas décadas que se seguiram, a farsa provou ser um revés significativo para a poesia modernista na Austrália. Desde os anos 1970, no entanto, a obra poética de Ern Malley, embora conhecida por ser uma farsa, tornou-se célebre como um exemplo bem sucedido de poesia surrealista por direito próprio, sendo elogiada por poetas e críticos e tendo servido de inspiração a vários artistas australianos (como Sidney Nolan).
Quanto a Harris, recuperou-se de sua humilhação pelo hoax. E, de 1951 a 1955, publicou outra revista literária, que ele chamou de "Jornal de Ern Malley". Em 1961, como um gesto de desafio, ele republicou os poemas de Ern Malley, sustentando que o que quer que McAuley e Stewart tivessem a intenção de fazer, eles tinham, de fato, produzido alguns poemas memoráveis. E Max Harris ainda se tornou um bem sucedido livreiro e colunista de jornal.

https://en.wikipedia.org/wiki/Ern_Malley

04 janeiro, 2018

Pode esperar

Uma campanha impactante do governo da Cidade do Cabo, na África do Sul, contra o uso indevido do telefone celular.



Outra campanha, em Lisboa: Não envie SMS enquanto dirige.

Na praia

Um alívio luminoso

Em 1987, o italiano Stronzo Bestiale apareceu como coautor em um trabalho de física complexo (redundância) que conectam a geometria fractal, a irreversibilidade e a segunda lei da termodinâmica, ("Diffusion in a periodic Lorentz gas"), junto com os cientistas americanos Bill Moran e William G. Hoover.
Até que Bestiale se juntasse a eles, os originais do trabalho haviam sido rejeitados. Mas Moran e Hoover simplesmente inventaram esta terceira pessoa, depois de ouvirem duas mulheres italianas, em um avião, constantemente se referindo a alguém chamado "stronzo bestiale". Que eles, mais tarde, descobriram não ser realmente o nome de uma pessoa, e sim uma expressão que significa "total asshole" (idiota, bundão etc.).
N. do E.
— Cite este artigo como:
Moran, B., Hoover, W.G. & Bestiale, S. J Stat Phys (1987) 48: 709.
https://doi.org/10.1007/BF01019693
— Qual é a forma correta: coautor ou co-autor?
Tire sua dúvida em Gramaticalhas
— Você pode inclusive adquirir a camisa "Eu sou amigo de Stronzo Bestiale".
Fonte: Dr Len Fisher