30 novembro, 2007

Minha luta com Popó

Não sei onde andava com o meu juízo quando resolvi desafiar o grande pugilista baiano para uma luta. Detentor de um cartel inigualável, Popó era (ainda é) um nome respeitadíssimo no mundo do boxe. Uma fortaleza humana com punhos que a tornavam inexpugnável. E, para dificultar as coisas, com um abdome protegido com cinturões de ouro.
Quanto a mim, algumas baratas nocauteadas em meu apartamento (com o chinelo) eram em que se resumia o meu currículo de lutador. E, aí já fora do currículo oficial, algumas “pernas pra que vos quero” de penosa recordação. Porém, por haver feito o tal desafio, resolvi não retroceder mais. As boas idéias não morrem nunca, a menos que estejam em cérebros de gladiadores.
Antes do encontro, numa tentativa de intimidá-lo (os lutadores sempre fazem isso!), deixei escapar algumas informações a meu respeito: idade (59) e os dados antropométricos (160 cm de altura, 70 kg de peso, 150 cm de envergadura). No entanto, astuciosamente, fiz sigilo de algumas morbidades pessoais, como a artrose nos dedos. Um aperto de mãos, antes da luta, poderia já acabar com ela. A luta, claro, já que essa artrose nunca teve jeito.
Acho que não funcionou esse ensaio de intimidação. Pois soube que Popó riu muito, muitíssimo ao receber dos segundos essas informações. E, a seguir, deu férias ao sparring e foi espairecer na Ilha de Comandatuba. Não sem antes comentar para o seu saco de pancadas como já vislumbrava a luta. “Não vai dar tempo para esse cara dizer soteropolitano”.
Devolvi-lhe a gentileza através de uma correspondência. Nela deixando claro que uma lutazinha qualquer não me afetaria nas propriedades silábicas. Eu diria, no calor da futura refrega, palavras até bem maiores. Após essa jactância toda, por via das dúvidas, interrompi o preparo físico para passar mais horas com o Aurélio e o Houaiss.
No íntimo, sabia que teríamos um enfrentamento rápido. Algo do tipo round único com perspectiva de acabar em morte súbita. Popó viria com os seus jabs, uppercuts e hooks. Era assim que ele demolia os adversários. Isso quando não incluía em seu repertório de pugilato alguns humilhantes cascudos. E todo um YouTube com vídeos do Popó passou a freqüentar a minha mente.
Por isso, eu decidi montar uma estratégia bem diferente. Não deixaria o Popó ter o controle da situação. Não deixaria o Popó chegar perto de mim. Pensando bem, não deixaria nenhum soteropolitano (pelo trauma psíquico que esta palavra já me causava) aproximar-se de minha frágil aura. E, o tempo todo, eu buscaria uma luta de resultados.
Pois foi exatamente o que eu fiz, quando levei essa luta para o Googlefight.

28 novembro, 2007

Usuário x Suporte Técnico

-
A RECLAMAÇÃO

Senhor Técnico:

Há um ano e meio troquei o programa [Noiva 1.0] pelo [Esposa 1.0] e verifiquei que o novo programa gerou um aplicativo inesperado chamado [Bebê.exe] que ocupa muito espaço no HD. Por outro lado, o [Esposa 1.0] se auto-instala em todos os outros programas e é carregado automaticamente assim que eu abro qualquer aplicativo. Aplicativos como [Cerveja_Com_A_Turma 0.3], [Noite_De_Farra 2.5] ou [Domingo_De_Futebol 2.8] não funcionam mais e o sistema trava assim que eu tento carregá-los novamente. Além disso, de tempos em tempos, um executável oculto (vírus) chamado [Sogra 1.0] aparece, encerrando abruptamente a execução de algum comando. Não consigo desinstalar este programa. Também não consigo diminuir o espaço ocupado pelo [Esposa 1.0] quando estou rodando meus aplicativos preferidos. Eu gostaria de voltar ao programa que eu usava antes, o [Noiva 1.0], mas o comando [Uninstall.exe] não funciona adequadamente. Poderia ajudar-me? Por favor!

A RESPOSTA

Prezado Usuário:

Sua queixa é muito comum entre os usuários, mas se deve, na maioria das vezes, a um erro básico de conceito: muitos usuários migram de qualquer versão [Noiva x.0] para [Esposa 1.0] com a falsa idéia de que se trata de um aplicativo utilitário e de entretenimento. Entretanto, o [Esposa 1.0] é muito mais do que isso: é um sistema operacional completo, criado para controlar todo o sistema. É quase impossível desinstalar [Esposa 1.0] e voltar para uma versão [Noiva x.0], porque há aplicativos criados pelo [Esposa 1.0], como o [Filhos.dll], que não podem ser deletados, os quais também ocupam muito espaço e não rodam sem o [Esposa 1.0]. É impossível desinstalar, deletar ou esvaziar os arquivos dos programas depois de instalados. Você não pode voltar ao [Noiva x.0] porque [Esposa 1.0] não foi programado para isso. Alguns usuários tentaram formatar todo o sistema para em seguida instalar o [Noiva Plus] ou o [Esposa 2.0], mas passaram a ter mais problemas do que antes. A propósito, leia os capítulos "Cuidados Gerais" (sobre Pensões Alimentícias) e "Guarda das Crianças" do software [CASAMENTO]. Uma das soluções é o comando [DESCULPAR.EXE/flores/all] assim que aparecer o menor problema ou travar o micro. Evite o uso excessivo da tecla [ESC] (escapar). Para melhorar a rentabilidade do [Esposa 1.0], aconselho o uso de [Flores 5.1], [Férias_No_Caribe 3.2] ou [Jóias 3.3]. Os resultados são bem interessantes. Mas nunca instale [Secretária_De_Minissaia 3.3], [Antiga_Namorada 2.6] ou [Turma_Do_Chopp 4.6], pois não funcionam depois de haver sido instalado o [Esposa 1.0] e podem causar problemas irreparáveis no sistema. Se você tivesse procurado o suporte técnico antes de instalar o [Esposa1.0] a orientação teria sido: NUNCA INSTALE O [Esposa 1.0] SEM TER A CERTEZA DE QUE VAI SABER USÁ-LO. Agora..... Boa sorte!

Fonte: Web

27 novembro, 2007

Como se fosse fotografia

Este cartum é um achado. Possivelmente, deve ser do tempo em que a radiologia médica dava os seus primeiros passos, esquadrinhando o corpo humano com o aparelho criado por Roentgen.
Neste desenho, o cartunista deu a sua versão, de uma forma bem divertida, a respeito de como seria a realização de uma radiografia de alguém no campo.
Nem o sol escapou.

26 novembro, 2007

Descubram seus rostos

-
Que anjos são esses
Que me protegem - com dedais - das agulhadas
Mas que não trazem os escudos
Quando me ameaçam as lanças?

Que anjos são esses
Que ungüentam as minhas cicatrizadas feridas
Mas que nada fazem
Co'as rugas daninhas do meu rosto?

Que anjos são esses
Que espantam de mim os mosquitos do verão
Mas que não se importam
Quando me rondam os abutres?

Que anjos são esses
Que me agasalham ao primeiro sereno
Mas que me deixam
Ao relento durante a borrasca?

Que anjos são esses
Que me nutrem com a celestial ambrósia
Mas que não diligenciam
Quando mastigo cogumelos venenosos?

PS - também no Preblog.

25 novembro, 2007

Surge o Preblog

É um blog irmão deste. Nele, eu pretendo colocar os textos que produzi nos anos 80 e 90. Os meus escritos do tempo em que não havia a tal blogosfera (que surgiu em 1997). Muitos dos quais já foram publicados em coletâneas (e que serão os primeiros do Preblog); enquanto outros, que saíram em revistas, jornais e suplementos, virão na seqüência. Até chegar a vez dos textos que, rascunhados naquele período, ainda permanecem inconclusos e/ou inéditos.
Não se encontrando em formato digital, editá-los na internet será uma longa empreitada. Ao lado do trabalho que já realizo (em notas como esta) para manter o Blog do PG atualizado. Para tanto, eu espero contar com a paciência do leitor.
Clique aqui para visitar o canteiro de obras do Preblog.

Aquecimento global - 1

O problema do aquecimento global está na ordem do dia.
Uma das dicas para o seu controle é:

NÃO TOCAR PIANO COM TANTA ÊNFASE ASSIM.

24 novembro, 2007

Filhos da Lua

Nordestinos, músicos e multi-instrumentistas. E os dois também albinos, por isso, chamados de filhos da Lua.
Falo de Sivuca (aqui ao acordeão) e de Hermeto (ao piano), que estão juntos neste vídeo, gravado em 2001 (Brasília), tocando a belíssima “Homenagem à Velha Guarda”, uma música de autoria do primeiro.

Bon mot

Comerás a baguette com o suor de tua axila.

23 novembro, 2007

Após alisar o peru

O Presidente George W. Bush renovou a sua promessa de todos os anos poupar a vida dos iraquianos que, no Dia da Ação de Graças, comparecerem na Casa Branca usando este tipo de disfarce (foto).
“Um ou dois deles serão poupados. Mais que isso impossibilitará o nosso parque bélico de cumprir a sua meta anual de consumo”, acrescentou com preocupação o presidente norte-americano.

Ver também a nota “Thanksgiving”, datada de 23 de novembro de 2006, no Blog.

22 novembro, 2007

Processos bizarros

O Timesonline traz um artigo (em inglês) do Professor Gary Slapper com o resumo dos vinte processos mais bizarros da história. O autor do artigo, que dirige o Centre for Law at The Open University, é um meticuloso colecionador de fatos curiosos e anedóticos do mundo da lei.
O Brasil, na relação do Professor Slapper, comparece com o caso número 2. O de uma mulher brasileira que, em 2005, processou o seu acompanhante por este não lhe provocar orgasmos. A mulher, de 31 anos, residente em Jundiaí, alegou na questão que o seu companheiro, de 38 anos, costumava terminar o intercurso sexual sem que ela houvesse alcançado o orgasmo. E a ação, que teve um início promissor para a reclamante, acabou numa espécie de anticlímax quando foi rejeitada pela Justiça.

Referência: business.timesonline.co.uk

21 novembro, 2007

Os sonetos de William

Entre 1592 e 1594, quando os teatros londrinos foram obrigados a permanecer fechados, em razão da peste que grassava na cidade, isso não ofuscou a fama em ascensão de William Shakespeare que, durante o período, continuou sendo aclamado por seus belos sonetos.
Enviando-me o que publico, Selênia Granja, responsável pelo Blog Incidental, me faz refletir sobre este aspecto. O maior nome da dramaturgia ocidental haver sido também um extraordinário poeta, cujo legado nesta área abrange um conjunto de 154 sonetos.
Este é o de número XIX, traduzido por Ivo Barroso:

"Tempo voraz, ao leão cegas as garras
E à terra fazes devorar seus genes;
Ao tigre as presas hórridas desgarras
E ardes no próprio sangue a eterna fênix.
Pelo caminho vão teus pés ligeiros
Alegres, tristes estações deixando;
Impões-te ao mundo e aos gozos passageiros,
Mas proíbo-te um crime mais nefando:
De meu amor não vinques o semblante
Nem nele imprimas o teu traço duro.
Oh! permite que intacto siga avante
Como padrão do belo no futuro.
-------Ou antes, velho Tempo, sê perverso:
-------Pois jovem sempre há-de o manter meu verso.

Na blogosfera – 18

Reservo este espaço para fazer meus agradecimentos a:
Airton Soares, por haver replantado em seu Li por Aí “As plantinhas do consultório”.
Nivaldo Ribeiro, do Coió Online, e Mário Aragão, do Desopilando, pelos votos de parabéns que ambos fizeram ao blog aniversariante.
Maristane Fernandes, amiga e leitora assídua, pela agradável mensagem que me enviou.
Nonato Albuquerque, por haver presenteado o Blog do PG com a inserção deste no seleto blogroll de sua Antena Paranóica. E pela forma gentil com que Nonato, ao registrar o acontecimento, se referiu a Márcia e a Mirna, minhas irmãs jornalistas.

20 novembro, 2007

Perguntar não ofende

Dentre os equipamentos de uso médico, abaixo relacionados, qual deles foi inventado há mais tempo?

1) Espirômetro (para o teste do sopro)
2) Termômetro clínico
3) Tensiômetro (para medir a pressão arterial)
4) Aparelho de raios X
5) Eletrocardiógrafo

Após haver respondido a questão, conferir as datas e os nomes dos inventores na caixa de comentários.

19 novembro, 2007

Procura-se trabalho

O Blog foi contatado pelo Sr. Mário Valadão, o qual pediu que divulgasse se encontrar disponível para trabalhar em assuntos de cobrança. Com experiência prévia em atividades na área da extorsão, este cidadão se considera habilitado para trabalhar em empresas que enfrentem problemas com clientes em estado de inadimplência.
Enquanto aguarda o esperado contrato, o Sr. Valadão vem matando o seu tempo no aprimoramento da capacidade muscular. O que será garantia de que, quando o seu trabalho se fizer necessário, ele vai ser o mais efetivo possível na abordagem dos clientes considerados arredios pela empresa contratante.

Abaixo, o seu currículo completo.

18 novembro, 2007

Aniversário do Blog

Hoje o Blog do PG comemora um ano de existência. Como o tempo passou...
Desde o dia 18 de novembro do ano anterior, quando eu, timidamente, dei os três passos (crie uma conta, crie um nome para o blog, escolha um modelo) que me fizeram ingressar no Blogger.
Foi uma decisão da qual me orgulho. Reanimou-me a escrever, o que eu quase não fazia há uma década. E a escrever, dentro destas incríveis regras da Web em que “tabelo” os meus textos com imagens, sons e os textos de outros autores. Com tudo, a seguir, podendo ser difundido em grande velocidade, sem fronteiras geográficas e com interatividade.
Digamos que isto agora seja uma pequena prestação de contas do período, feita pelo editor do Blog:

556 postagens (com cerca de duas dezenas delas sendo republicadas em outros blogs);
89 comentários;
9050 acessos;
7 inserções em outros blogrolls.

Por estas últimas honras sou grato aos blogueiros que as fizeram. E aqui faço questão de citá-los:
Airton Soares, do Li por Aí (Fortaleza)
Adeodato, do Blog do Adeodato (Fortaleza)
Nivaldo Ribeiro, do Coió Online (Fortaleza)
Mário Aragão, do Desopilando (Fortaleza)
Selênia Granja, do Blog Incidental (Salvador)
Luis Enrique, do Barca da Chuva (Venezuela)
O grupo do Obvious (Portugal).
Acrescentando que estão todos em meu coração e no frontispício do Blog do PG.
Finalmente, agradeço a todos os leitores a paciência demonstrada e ao Blogger a criação desta genial plataforma de comunicação.

17 novembro, 2007

Troféu Hipocrisia

O deste ano vai para as autoridades japoneses que, sob o pretexto das “pesquisas científicas”, permitem as sistemáticas matanças das baleias.

Protesto
Na praia de Bondi, Austrália, duas mil pessoas do movimento “Save the Whales” formaram com seus corpos o desenho de uma baleia sob a palavra SALVE, em inglês.

“Último Desejo”

Uma espécie de samba-testamento do grande compositor Noel de Medeiros Rosa. Em seu leito de morte, Noel Rosa cantarolou a composição, dedicada a Ceci (uma das mulheres que ele amou), para que Vadico a anotasse na pauta. Depois, a pedido de Noel Rosa, o parceiro Vadico entregou uma das cópias da letra à musa. O que Vadico fez, comentando: “Acho que ele te castigou um pouco neste samba, Ceci.”
O samba-canção foi gravado em disco por Aracy de Almeida com os Boêmios da Cidade, em 1938, pela RCA. No Blog, um vídeo de “Último Desejo”, gravado em 1975, para um especial da TV Globo sobre o compositor. Com Maysa (voz) e Rildo Hora (gaita).


Thiago Mello, que inseriu o vídeo no YouTube, edita em Florianópolis o blog Bossa Brasileira.

16 novembro, 2007

Inventos brasileiros

O que deveria ser o maior de todos os nossos inventos, o avião, encontra-se sub judice. Devido a uma torpe ação movida pelos norte-americanos que, com a sua máquina publicitária invencível, “vendem” ao mundo a pipa dos Wright Bros. Anunciando-a como “o primeiro avião do mundo”.
Ah, é? Mas, no relógio de pulso, eles não tascam. Foi este relógio uma ideia que Santos Dumont, em boa hora, deu a Louis Cartier. E que coube ao relojoeiro francês a tarefa de transformá-la num objeto (dos mais úteis).
Sobre essa tradição brasileira de voar: não começou com o Pai da Aviação. Remonta a Bartolomeu de Gusmão, um padre jesuíta nascido em Santos, que projetou a Passarola. Um aeróstato aquecido a ar quente, com o qual o "padre voador" antecedeu os Montgolfier com seus balões.
Já a invenção do radio é creditada ao padre Landell de Moura, com as suas experiências de transmissão da voz humana a distância, feitas no final do século 19. Embora obtivesse as patentes, no Brasil e nos Estados Unidos, o padre não conseguiu o reconhecimento que merecia. Nem o financiamento necessário para produzir em escala industrial os seus equipamentos. Aliás, acusado de pacto com o diabo, o padre teve o dissabor de vê-los destruídos.
E esta nossa lista, recheada de padres-cientistas, ainda prossegue. Com o padre Azevedo, que inventou a máquina de escrever. É verdade que, com o surgimento das impressoras domésticas, a máquina de escrever foi mais adiante desinventada. Como também desinventado foi o aparelho de abreugrafia, do médico Manuel de Abreu, após décadas de grande sucesso do invento.
Na área da moda, contribuímos com várias peças. O fio dental, por exemplo. Só que algumas delas aumentamos, mas não inventamos. Como os tais sapatos-plataforma, que a pequena Carmen Miranda criou para se tornar, sobre eles, ainda mais notável.
E, no futebol, registremos a folha seca do Didi, os múltiplos disfarces para o jogador fugir da concentração, as placas luminosas (que anunciam as substituições dos atletas nas partidas) e o Hino Nacional cantado a cappella, digo, a stadium. Pois bem, até quando metemos as mãos pelos pés somos criativos, como fomos ao criar o futevôlei.
Além de tudo, quantos gadgets foram inventados aqui no Brasil! Aí estão o bina, o walkman e a urna eletrônica que não nos deixam mentir. O escorredor de arroz, o orelhão do telefone e o lacre de segurança de plástico. Também aí estão a caipirinha que, segundo o historiador português Alexandre Borges, foi a única contribuição positiva de Dona Carlota Joaquina ao Brasil, e o trio elétrico, atrás do qual "só não vai quem já morreu".
E, last but not least, o cheque pré-datado.

15 novembro, 2007

Casamento ou bicicleta?


O britânico Robert Stewart, 51 anos, foi condenado a três anos de prisão em regime aberto, depois de ser flagrado fazendo sexo com uma bicicleta no abrigo onde mora, em Ayr, na Escócia.
Fonte: www.bbc.co.uk

Comentários
Agora caiu a ficha. A respeito de eu ter ouvido com frequência esta afirmação:
“Não sei se caso ou se compro uma bicicleta.”
Quanto à fotografia (ao lado), é apenas ilustrativa. Mas é possível que algum tarado veja uma mulher onde é só uma bicicleta.

“Última flor do Fascio”

Quando o jornalista Paulo Henrique Amorim, fazendo alusão a uma expressão (“última flor do Lácio”) que existe no início do soneto “Língua Portuguesa”, de Olavo Bilac, chamou a revista VEJA de “última flor do Fascio”, achei que estava dado o sinal para que alguém fizesse a paródia.
Aconteceu. Um leitor de Recife, Pedro Ney S. Pereira, fez e enviou a Paulo Amorim uma paródia do soneto.

"Última flor do Fascio, estulta e banguela,
Que a qualquer um se entrega por dinheiro,
Que se oferece lasciva ao estrangeiro,
De uma mídia ruim és a pior mazela.

VEJA pela verdade que nunca zela,
Seus leitores empulha o tempo inteiro,
Num estilo crapuloso, bem rasteiro,
Contra o que é certo está de sentinela.

Um tal "Mainanta", que é seu colunista,
Do Paulo Francis malfeita paródia
Não consegue esconder que é fascista

E outros defeitos, de uma enorme lista.
Que se interne, num hospício, em vil custódia
Para sempre longe de nossa vista.


PS - O soneto "Língua Portuguesa" está na caixa de comentários da postagem.

14 novembro, 2007

"Não é brinquedo, não!"

Em vários países, está sendo recolhido das lojas o Bindeez, um brinquedo fabricado na China, o qual é capaz de liberar o GHB (ácido gama-hidroxibutírico).
O GHB, também apelidado de “ecstasy líquido”, pode causar problemas respiratórios, confusão mental, desmaio e até a morte de quem inadvertidamente o ingere.
Nos Estados Unidos e Austrália, já é suspeito de haver intoxicado doze crianças.

Os projetistas do brinquedo

13 novembro, 2007

Revérberos de Norman Mailer

Falecido há alguns dias, deixou Norman Mailer (ver uma nota do dia 11, no Blog), em escritos e entrevistas, muitas provas de seu humor cáustico.

"Demônios ou santos? – dão forma a um corte de cabelo que visto de trás, assemelha-se, mais do que qualquer outra coisa, a um cogumelo atômico (sobre os Beatles).
Parecia um homem a quem tivessem espancado nos rins com o próprio fígado.
Subscrevem o princípio de que os carrascos também têm seus direitos (sobre a Direita norte-americana).
Quando um presidiário proclama estar próximo de Jesus é para conseguir a liberdade condicional.
As células cancerosas são bizarras mas belas, sob um microscópio – parecem um shopping center durante a noite.
Busquem a morte dentro da morte.
Ou estaremos aguardando, sentados na privada, o grande estrondo das águas, quando o mundo for pelo cano abaixo?

Quando o jogo acaba...

rei e peão voltam para a mesma caixa,
(provérbio italiano)

porém o rei protesta muito, como seria de esperar.
(desenho de John Tenniel)

P.S. Link para o leitor ver outros desenhos feitos por John Tenniel, para a ilustração do livro Através do Espelho (1872), de Lewis Carrol.

12 novembro, 2007

Uma data especial

Elba, minha mulher, completa anos hoje.
Filhos, neto e eu lhe damos os merecidos parabéns, com votos de saúde, paz e sucesso profissional.
Elba: Dedico-lhe este slideshow em que alguns momentos importantes de nossas vidas estão sendo relembrados. Beijos.
Aviso
Com o encerramento das atividades do slide.com na web, este slideshow não está mais na disponível. Contudo, as imagens referentes a ele ainda podem ser vistas em álbum no Google+.

11 novembro, 2007

Norman Mailer (1923 - 2007)

Morreu neste sábado (10), aos 84 anos, o jornalista Norman Mailer. Também ensaísta, biógrafo e ficionista, Mailer tratava os fatos sob a visão do chamado “policulturalismo expressionista”. Considerado um dos pais do “novo jornalismo”, que ajudou a divulgar nos Estados Unidos (anos 60), foi duas vezes vencedor do Prêmio Pulitzer.
Do seu livro “Canibais e Cristais”, Editora Civilização Brasileira, 1967, selecionei:

DIAMANTES
Não são poesia
nunca deprimem.
Penso que são
maus para os débeis,
os esbulhados, os ricos.
São bons para os rochedos
que esperam um clarão
que penetre sua fendas.


Duro como eles, assim foi Norman Mailer.

"Será que vai chover hoje?”

Dizer “não sei” tem lá o seu valor. No entanto, as pessoas costumam fazer piruetas oracionais para não dar este tipo de resposta.
Num texto, o empresário Antonio Ermírio de Moraes mostra, com uma boa dose de ironia, algumas respostas que as pessoas dão ao serem colocadas diante desta prosaica pergunta:
“Será que vai chover hoje?”
Para concluir que “não sei” é uma das coisas mais difíceis de se aprender numa vida corporativa.
Leia aqui.

E, depois, assista ao vídeo “Ignorância Socrática” do filósofo Paulo Ghiraldelli Jr. A respeito do sábio grego que, no século V a.C., radicalizou geral com esta máxima:
“Eu só sei que nada sei.”

10 novembro, 2007

Rato sem medo

O Google News em português traz hoje oito links para o assunto do rato que, após ter sido geneticamente modificado por cientistas da Universidade de Tóquio, ficou sem medo do gato.


Será que é o caso?

Como é possível?

-
Um automóvel se prestar a este papel?

09 novembro, 2007

As plantinhas do consultório

Há tempos me diverti bastante com a leitura do livro “A Grama Sempre Cresce Mais Verde em Cima da Fossa”, de Erma Louise Bombeck (1927 – 1996). Uma divertida sátira à vida moderna norte-americana, escrita por esta dona-de-casa e antiga redatora de obituário que se transformou numa autora de bestsellers.
Erma também escreveu isto:
“Nunca vá a um médico que deixa as plantas morrerem no consultório.”
Irretorquível. E que nos revela mais um pouco do que foi a acurada capacidade de observação desta humorista norte-americana.

Um profissional desleixado com as plantinhas do consultório passa a seus clientes a idéia de eles que vão também receber um tratamento do tipo.

Acesso ao www.ermamuseum.org.

08 novembro, 2007

Mais provérbios traduzidos

It’s no use pumping a dry well. = Não se gasta vela boa com defunto ruim.
It’s one thing to flourish and another to fight. = Treino é treino, jogo é jogo.
Let bygones be bygones. = Águas passadas não movem moinhos.
One scabby sheep will mar a whole flock. = Uma laranja estragada torna ruim o suco.
They are hand and glove. = São carne e unha.
To get out of bed on the wrong side. = Começar o dia com o pé esquerdo.
To kill two birds with one stone. = Matar dois coelhos com uma só cajadada.
What is lost is lost. = Achado não é roubado.
You cannot teach old dogs new tricks. = Papagaio velho não aprende a falar.

Continuo a usar o pequeno dicionário Collins, com este na mesma. Isto é, sem dar a última palavra.

07 novembro, 2007

06 novembro, 2007

Magreza constitucional

Existem pessoas em que a magreza não tem causa patológica. Elas se mostram com o peso corporal abaixo do limite inferior da normalidade e, mesmo que se alimentem em excesso, não conseguem aumentá-lo. Tais pessoas, não obstante as possíveis frustrações com a auto-imagem, são organicamente saudáveis. Apresentam a chamada magreza constitucional.
Uma situação que se supõe ser geneticamente determinada. Há inclusive uma teoria que atribui o fato à ação das proteínas desacopladoras (uncoupled proteins). Nos indivíduos magros essas proteínas se apresentam em maior quantidade, o que faz acelerar a transformação dos alimentos ingeridos em energia e calor. Mas, por outro lado, elas contribuem para que diminua o armazenamento dos alimentos sob a forma de músculos e gorduras.

05 novembro, 2007

04 novembro, 2007

Na blogosfera - 17

A postagem Reunião da Juventude “Transviagra” repercutiu no Desabafo País, de Daniel Pearl. É este um combativo jornalista que, em seu blog, não dá tréguas às vilanias da mídia golpista.
Uma dica que li em Antena Paranóica, de Nonato Albuquerque, e que passo adiante. Um site, www.iqtest.dk, no qual o leitor pode se submeter a um "Teste de QI" constituído de 39 questões, que devem ser respondidas em 40 minutos. Baseado apenas em figuras, o teste dispensa o conhecimento de língua estrangeira.

03 novembro, 2007

“Singin' in the Rain”

Na cena famosa em que Gene Kelly interpretou a canção-título deste filme, dançando (e ensopando-se todo) na chuva, registraram-se algumas curiosidades:
O ator estava febril durante a gravação.
A água da chuva foi “batizada com leite” para se obter um melhor resultado cênico.


I'm singing in the rain
Just singing in the rain
What a glorious feelin'
I'm happy again
I'm laughing at clouds
So dark up above
The sun's in my heart
And I'm ready for love
Let the stormy clouds chase
Everyone from the place
Come on with the rain
I've a smile on my face
I walk down the lane
With a happy refrain
Just singin'
Singin' in the rain
Dancin' in the rain
Dee-ah dee-ah dee-ah
Dee-ah dee-ah dee-ah
I'm happy again!

Uma cadela espacial

Aqui a lembrança de uma data passou em branco. Não comentei os 50 anos do lançamento do Sputinik 1, o primeiro satélite artificial da Terra, construído pelos russos no auge da Guerra Fria. Mas registro agora os 50 anos do envio ao espaço do primeiro ser vivo da Terra, a cadela Laika, lançada de Baikonur na URSS, a bordo do Sputinik 2, em 3 de novembro de 1957. Um fato que ocorreu há meio século, exatamente.
Laika morreu no espaço depois de alguns dias em órbita. Não havia ainda conhecimentos técnicos para trazê-la de volta à Terra. Com o seu sacrifício, Laika provou aos cientistas que era possível um organismo vivo tolerar a gravidade zero.
A partir de 1958, os animais passaram a retornar vivos das viagens espaciais.

13/10/2017 - No Tuinto
Lá vai um conhecimento inútil:
O nome da cadela astronauta não era Laika, Laika era a raça. O nome era Kudryavka, que é Crespinha em português.
A conferir.

“A Praia”

Depois de quase morrer nela em 2000, Leonardo embarcou num projeto cinematográfico mais bem sucedido:

“Prenda-me se for capaz”

(2002)

02 novembro, 2007

Pensamentos mortais

Não temo a morte, apenas não quero estar lá quando acontecer. Woody Allen, cineasta norte-americano.
A morte só vem uma vez, mas se faz sentir em todos os momentos da vida. Jean de la Bruyere, escritor francês.
A morte de qualquer homem me diminui, porque eu faço parte da humanidade; portanto, nunca perguntes por quem os sinos dobram: eles dobram por ti. John Donne, poeta inglês.

A morte é o remédio para todos os males, mas só devemos utilizá-lo na última hora. Molière, comediógrafo francês.
Não há nada tão certo no mundo quanto a morte e os impostos. Benjamin Franklin, político norte-americano.
A morte é mais universal do que a vida; todos morrem, mas nem todos vivem. A. Sachs.
Eu nunca matei ninguém, mas já li alguns obituários com grande prazer. Clarence Darrow.

01 novembro, 2007

O senhor das corridas

Cooper é sinônimo de corrida em diversos países, inclusive no Brasil. Trata-se do sobrenome do médico norte-americano Kenneth H. Cooper, que preconizou o emprego da atividade física como um eficaz método de prevenção para diversas doenças.
Com a experiência adquirida como médico da Air Force, avaliando e desenvolvendo o condicionamento físico de militares, Kenneth Cooper escreveu Aerobics. Publicado em 1968, o livro despertou as pessoas em todo o mundo para a necessidade de se manterem fisicamente condicionadas, através da prática regular de exercícios físicos.
É mundialmente conhecido o seu “teste de 12 minutos”. Dele também se originou o “teste de caminhada de 6 minutos”, de grande uso na pneumologia e na cardiologia.
Kenneth Cooper já tem 18 títulos publicados, traduzidos para 41 idiomas e com versões em Braille, que somam acima de 30 milhões de exemplares vendidos. O último de seus livros, Start Strong, Stay Strong, lançado em 2007, foi escrito em parceria com seu filho Tyler Cooper.Além disso, Cooper já esteve em mais de 50 países para ministrar conferências sobre o assunto, o que o transforma num autêntico “missionário da saúde”.
Em Dallas, Texas, fundado por ele funciona o Cooper Aerobics Center, um complexo empresarial dedicado à saúde e à forma física.

Tradução: “É mais fácil manter a saúde através de exercícios, dieta e equilíbrio emocional do que recuperá-la depois que é perdida.”