28 fevereiro, 2019

Os cinco dedos do método científico

Nos anos vinte, Dr. Glenn Frank, um eminente cientista social, desenvolveu uma nova declaração do código científico, que tem sido referida como os "Cinco Dedos do Método Científico". Pode ser descrita da seguinte maneira:
  • FIND - encontre os fatos;
  • FILTER - filtre os fatos;
  • FOCUS - foque os fatos;
  • FACE - enfrente os fatos;
  • FOLLOW - siga os fatos.
Os fatos ou verdades são encontrados pela experimentação; a motivação é material. Os fatos são filtrados pela pesquisa na literatura; a motivação é material. Os fatos são focados pela publicação de resultados; novamente a motivação é material. Assim, os primeiros três quintos do método científico têm uma motivação material.
Já é hora de os cientistas reconhecerem que há mais na convenção científica do que no aspecto material. Voltando ao quarto e quinto dedos da concepção do método científico do Dr. Frank, os fatos devem ser encarados pela interpretação adequada deles para a sociedade. Em outras palavras, um cientista deve assumir responsabilidade social por suas descobertas, o que significa que ele deve ter uma motivação moral. Finalmente, na quinta definição do método científico, os fatos devem ser seguidos por sua aplicação adequada à vida cotidiana da sociedade, o que significa motivação moral através da responsabilidade perante a sociedade.
Na prática, o Dr. Frank foi pioneiro e promoveu uma fundação de pesquisa dos ex-alunos de sua instituição (Experimental College) para enfrentar e seguir os fatos da descoberta das vitaminas, protegendo a sociedade da exploração através da má prática dos fatos científicos ou do conhecimento.

(como delineado em "Scientists and Society" (1954) por EM Hildebrand)

O ímã mais forte do mundo

A força do campo magnético da Terra é de cerca de 30 microtesla (30 mT). Os ímãs em uma máquina de ressonância magnética é de cerca de 3 tesla (3 T), e o campo magnético aproximado de uma estrela anã branca é de 100 tesla (100 T).
Então, pense em como um poderoso imã de 1.200 tesla, que foi criado por Shojiro Takeyama e seus colegas do Instituto de Física do Estado Sólido da Universidade de Tóquio, se comportou.
Rafi Letzter, da Live Science, escreve:
Para atingir essa intensidade, Takeyama e sua equipe bombeiam megajoules de energia em uma bobina eletromagnética pequena, precisamente projetada, cujo revestimento interno se desmorona a 15 Mach - mais de 5 quilômetros por segundo. Ao entrar em colapso, o campo magnético no interior é espremido em um espaço progressivamente apertado, até que sua força atinge o pico em uma leitura de tesla inimaginável em ímãs convencionais. Frações de segundo depois, a bobina colapsa completamente, autodestruindo-se.
A última vez que Takeyama ligou seu imã super forte, ele estourou a pesada porta do laboratório em que estava a maquinaria!

Ordens de magnitude do campo magnético
31 mT - intensidade do campo magnético da Terra a 0 ° de latitude, 0 ° de longitude
5 mT - a força de um imã de geladeira típico
1,5 T a 3 T - força dos sistemas médicos de ressonância magnética na prática, experimentalmente até 17 T
8 T - a força dos ímãs do LHC
16 T - intensidade do campo magnético necessária para levitar uma rã (por levitação diamagnética da água em seus tecidos corporais), de acordo com o Prêmio Ig Nobel de Física 2000 (imagem)
100 T - intensidade aproximada do campo magnético de uma típica estrela anã branca

27 fevereiro, 2019

Temas cearenses no carnaval carioca de 2019

Das 14 escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro que desfilarão nos dias 3 e 4 de março de 2019 na Marquês de Sapucaí, duas vão se apresentar com temas cearenses.
União da Ilha, que levará para a Sapucaí "A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu", tendo como enredo um encontro (ficcional) entre dois ícones da literatura cearense: Raquel de Queirós (1910-2003) [1] [2] e José de Alencar (1829-1877).
Paraíso do Tuiuti, a escola vice-campeã do carnaval do ano passado, que levará para a Avenida o enredo "O salvador da pátria", sobre a história do bode Ioiô.
Figura folclórica da cultura popular cearense, Ioiô costumava perambular pelas ruas centrais da cidade, na companhia de boêmios e escritores que frequentavam os bares e cafés ao redor da Praça do Ferreira, antigo centro cultural da capital, e que lhe davam cachaça para beber. Em 1922, o bode foi eleito "vereador" como forma de protesto à política local. Segundo conta a história popular, recebeu o nome de "Ioiô" por percorrer sempre o mesmo trajeto, definido entre a Praça do Ferreira e a Praia de Iracema.
Imagem: Foto do bode Ioiô empalhado e exposto no Museu do Ceará (Rua São Paulo, 51 - Centro de Fortaleza).
Ler mais: http://www.ceara.com.br/cepg/h40.htm
04/03/2018 - Atualizando ...
Num trecho do enredo, o carnavalesco Jack Vasconcelos explica:
"Vocês que fazem parte dessa massa irão conhecer um mito de verdade: nordestino, barbudo, baixinho, de origem pobre, amado pelos humildes e por intelectuais, incomodou a elite e foi condenado a virar símbolo da identidade de um povo. Um herói da resistência!".
O texto que explica o enredo também cutuca a Lava Jato de Sergio Moro, ao tratar da forma como Lula foi condenado: "Não posso provar, mas tenho total convicção da autenticidade de tudo o que a ele atribuíram…".
Quem ler a sentença de Sergio Moro não encontrará a descrição de conduta criminosa nem a apresentação de provas de crime.
Fatos indeterminados…
Desta vez, Jack Vasconcelos foi buscar a história de um bode popular para, metaforicamente, passar a mensagem que o Brasil precisa entender.
Leia a íntegra deste artigo no DCM.

O mistério solucionado de uma composição

A matemática prova que John Lennon escreveu "In My Life".
John Lennon e Paul McCartney fizeram letras e músicas para quase 200 canções e os Beatles venderam centenas de milhões de álbuns. A história conta que os dois adolescentes Beatles concordaram quanto ao crédito conjunto de todas as canções que criaram, não importando a divisão no trabalho.
Ao longo dos anos, Lennon e McCartney revelaram quem realmente escreveu o quê, mas algumas músicas ainda estão em debate. Os dois até debatem entre si - suas memórias parecem diferir quando se trata de identificar quem compôs a música para "In My Life", de 1965.
Se as memórias dos compositores falharam, como esse mistério poderia ser resolvido?
Bem, podemos contar com uma pequena ajuda da matemática.
O professor de matemática Jason Brown passou 10 anos trabalhando com estatísticas para resolver o mistério. As descobertas de Brown foram apresentadas em 1.º de agosto, no Joint Statistical Meeting, em uma apresentação chamada "Avaliando a autoria de músicas dos Beatles a partir de conteúdo musical: modelagem de classificação bayesiana a partir de representações de sacos-de-palavras".
"Sacos de palavras"? O que eles são?
Na verdade, remonta aos anos 50. O que você faz é pegar um pedaço de texto, ignorar a gramática, ignorar a ordem das palavras e apenas considerá-la como uma coleção de palavras. E uma vez feito isso, você pode contar as frequências das diferentes palavras no saco de palavras. Para fazer isso para a música, você tinha que conseguir pequenos trechos, e a maneira que eles fizeram foi a equipe analisada, eu acho, sobre 70 músicas de Lennon e McCartney, e eles descobriram que havia 149 transições muito distintas entre notas e acordes que são presente em quase todas as músicas dos Beatles. E essas transições serão exclusivas para uma pessoa ou para a outra pessoa.
Sacos de notas e acordes. Esses são os pequenos itens, e você apenas os conta.
Parte da confusão é que Paul McCartney disse que ele escreveu a música. John Lennon disse que Paul McCartney escreveu uma seção de música.
Chegando ao ponto, Lennon escreveu a coisa toda. Quando você faz as contas contando os pequenos pedaços que são únicos para as pessoas, a probabilidade de que McCartney tenha escrito a música é O,018 - isso é essencialmente zero. Em outras palavras, isso é bem definitivo. Lennon escreveu a música. E em situações como essa, é melhor acreditar na matemática, que é muito mais confiável do que as lembranças das pessoas, especialmente daquelas que quando compunham estavam com um estado mental alterado por coisas que ingeriam.

https://www.npr.org/2018/08/11/637468053/a-songwriting-mystery-solved-math-proves-john-lennon-wrote-in-my-life


26 fevereiro, 2019

Chamadas silenciosas

A Dra. Claire Simeone é veterinária e diretora do Marine Mammal Center Ke Kai Ola, um Centro de Mamíferos Marinhos no Havaí. Certo dia, ela e algumas outras pessoas ligadas à instalação começaram a receber chamadas silenciosas, repetidas vezes. oriundas do hospital veterinário.
A empresa de telefonia Hawaiian Telecom confirmou que "um zilhão de chamadas" tiveram origem em uma linha do Centro e pediu que Claire encontrasse o telefone com o problema.
Quando ela finalmente encontrou o telefone, viu que a questão não era o hardware ou o software. Era uma pequena lagartixa. Ao caminhar sobre um telefone do Centro, especificamente sobre a tela sensível ao toque, o réptil dera origem a "um zilhão de chamadas".
A lagartixa não era uma colaboradora regular do Marine Mammal Center, mas ficou como suspeita de ter operado temporariamente um serviço de telemarketing para atrair clientes para o Centro.

O tempo presente

Você tinha uma noção do tempo diferente das outras pessoas. As idéias comuns do passado, presente e futuro pareciam banais sob o seu olhar. Você gostava de dizer que cada momento contém o passado e o futuro, e citar (como eu me lembro) o poeta Browning, que escreveu algo como "o presente é o instante em que o futuro desmorona no passado", fez parte da sua modéstia: o seu gosto em encontrar as suas ideias nas ideias de outros escritores.
Trecho da "Carta a Borges", escrita por Susan Sontag, no décimo aniversário de morte de Jorge Luís Borges, o bruxo de "entortar o tempo".


O tempo é precioso. Ele passa rápido como a areia em uma ampulheta. Não desperdice o tempo! Use-o sabiamente.

O tempo voa [cada vez mais]
O tempo de cada um
O tempo e o espaço
tempo tempo tempo tempo

25 fevereiro, 2019

Um asteroide misterioso

Em 19 de outubro de 2017, um estranho corpo celeste em forma de charuto foi descoberto pelo Observatório de Haleakala, no Havaí. Inicialmente classificado como um cometa, foi reclassificado como um asteroide, uma semana depois. É a primeiro de uma nova classe chamada asteroides hiperbólicos.
Tem cerca de 400 metros de comprimento e 40 metros de largura.
Devido a sua alta velocidade de entrada, acredita-se que este asteroide tenha "origem interestelar", ou seja, originou-se fora do nosso sistema solar.
Foi nomeado Oumuamua, uma palavra havaiana que significa "um mensageiro de longe que chega primeiro".
Astrônomos da Universidade de Harvard cogitaram na possibilidade de o objeto ser artificial, tendo origem alienígena e sendo usado para investigar sinais de vida na Terra. Todavia, a maioria dos cientistas da área rechaça essa hipótese.

Imagem: veio daqui

Um físico interessante

Quando tinha sete anos, ele tentou esfaquear um soldado espanhol com uma lança.
Aos dezoito anos, ele falou com um amigo para assassinar Napoleão. Certa vez, ele irritou tanto um arcebispo que o santo homem lhe deu um soco na cara. Ele negociou com bandidos, foram perseguidos por uma turba, saíram da prisão...
Ele é:
François Arago, o físico mais interessante do mundo!
Se você pedisse a alguém para descrever como um físico "típico" parece e age, o que aconteceria? A imagem que a maioria das pessoas pintaria não seria muito lisonjeira e estaria de acordo com estereótipos bastante negativos. Estudos têm sido feitos em que as crianças são convidadas a desenhar um cientista, e os resultados são bastante consistentes com a variedade "cientista louco". Shows como "The Big Bang Theory" na televisão tipicamente retratam os físicos como indivíduos socialmente inaptos, não atléticos, genuinamente não-mundanos, em conformidade com estereótipos com os quais eu pessoalmente tenho me familiarizado desde que eu era muito jovem.
Físicos reais, no entanto, são muito mais variados e interessantes do que a imagem popular sugere. Por exemplo, eu salto de aviões como um passatempo regular, e meus amigos e colegas têm um espectro incrivelmente diversificado de origens, personalidades e interesses.
Um físico sai dos estereótipos mais do que qualquer outro que eu tenha encontrado. Como o preâmbulo acima sugere, o físico francês François Arago (1786-1853) viveu uma vida de perigos, aventuras e intrigas, fez descobertas cruciais na ciência óptica, além de ter-se tornado um importante político de seu tempo.

Extraído de: François Arago: the most interesting physicist in the world! SKULLS IN THE STARS

24 fevereiro, 2019

Roosevelt e o Canal do Panamá

O presidente americano Theodore Roosevelt gostava de se gabar "eu tomei o Panamá". Ele estava se referindo a seu papel nas negociações internacionais e no tráfico duplo que trouxeram a construção do Canal através do istmo centro-americano nos primeiros anos do século XX.
O fim pelo qual o presidente justificou os meios duvidosos que adotou era assegurar que a poderosa marinha que ele estava criando pudesse se posicionar tão rapidamente contra uma potência asiática (provavelmente o Japão) quanto européia (provavelmente a Alemanha). A colossal tarefa de engenharia foi o primeiro golpe da diplomacia "big-stick" que ele pregou. Também gerou bastante engano e bravata cômica para o enredo de uma opereta.
Um canal interoceânico através da faixa de dezesseis quilômetros abrangendo a largura de 40 milhas do Panamá, então uma província da República da Colômbia, tornou-se um imperativo americano em 1898. O navio de guerra mais poderoso da época, o USS Oregon, que se encontrava na Costa Oeste, foi ordenado para se deslocar para a Costa Leste, como preparação para uma guerra contra a Espanha (pela questão relacionada com Cuba). Partindo de San Francisco e viajando 26 mil quilômetros, o USS Oregon chegou à Flórida 66 dias depois. Essa jornada popularizou o navio com o público americano e demonstrou a necessidade de criar uma rota marítima mais curta (grifos nossos). 
O Congresso estava pronto para autorizar um projeto, mas não conseguiu chegar a um acordo sobre o local. Uma tentativa francesa de cavar através do Panamá entrou em colapso em 1889 a um custo assustador em vidas e dinheiro. O ex-diretor geral da empresa falida, Phillipe Bunua-Varilla, queria que os Estados Unidos comprassem a concessão que a Colômbia concedeu aos franceses, juntamente com as obras e equipamentos abandonados, avaliados em US $ 109 milhões. Se os eventos tivessem sido musicados, Bunua-Varilla, com seu bigode encerado e riqueza misteriosa, teria sido o tenor principal. A parte do barítono teria ido para William Nelson Cromwell, um advogado de Nova York contratado pelos franceses como lobista.
A selva pestilenta e o terreno proibitivo do Panamá levaram uma forte facção no Congresso a favorecer uma rota mais longa, mas aparentemente mais segura, através da Nicarágua. Em 1902, um projeto de lei que designa a Nicarágua foi elaborado na Câmara dos Deputados. O Senado, mais poderoso nas relações exteriores, inclinou-se para o Panamá. Roosevelt sempre favoreceu o Panamá também, mas ele deixou para o senador John Spooner efetivamente superar o projeto da Câmara com um que exigia que o presidente abordasse a Nicarágua apenas se os franceses, "sem atrasos indevidos", aceitassem "não mais do que US $ 40 milhões" . Acontece que esse era o valor que uma comissão independente de especialistas subordinada ao presidente havia colocado nos ativos franceses.
Outro companheiro de Roosevelt, o correspondente de Washington do Chicago Record-Herald , Walter Wellman, avisou os franceses. “Mova-se rapidamente”, ele telegrafou a Bunua-Varilla em Paris. Mesmo com US $ 40 milhões, seria o maior negócio imobiliário da história; tanto Bunua-Varilla quanto Cromwell estavam para fazer milhões, um de sua propriedade moribunda, o outro de taxas e comissões.
No início do século XX, Bogotá, a capital da Colômbia, era uma das cidades mais inacessíveis da América Latina. Conexões de telégrafo não eram confiáveis ​​e o correio podia levar semanas. No entanto, o governo e os cidadãos acompanharam avidamente as negociações sobre o canal, cientes de algo que as outras partes envolvidas pareciam ter ignorado: sob o seu acordo com a Colômbia, os franceses foram proibidos de vender a concessão do Panamá a uma potência estrangeira. Se a Colômbia deixasse o acordo, queria uma parte do preço. Washington estava disposto a pagar-lhes US $ 10 milhões e US $ 250 mil por ano de aluguel, mas os colombianos procrastinaram. Com medo de ser forçado a voltar para a Nicarágua, Roosevelt explodiu:
"Essas pequenas criaturas desprezíveis em Bogotá devem entender o quanto estão prejudicando as coisas e pondo em perigo seu próprio futuro."
Continue lendo este artigo de Anthony Delano, publicado em 9 de novembro de 2016, no site History Extra.

Presidente Theodore Roosevelt operando uma pá a vapor americana no Culebra Cut,
Canal do Panamá, Panamá, por volta de 1906 (Foto: Fotosearch / Getty Images).

I TOOK PANAMA
Assisti a essa peça de teatro em Bogotá, Colômbia, no ano de 1975. Tinha como enredo a intervenção militar de Roosevelt no Panamá, em apoio aos rebeldes locais numa revolta contra o governo  colombiano. Por haver ajudado o Panamá a tornar-se independente da Colômbia, os EUA receberam concessões financeiras e jurídicas importantes em suas negociações para a construção, a manutenção e a exploração comercial do Canal. [PGCS]

Elegia

Letra: John Donne, pensador inglês do século 16
Tradução: Augusto de Campos
Música: Péricles Cavalcanti
Voz e violão: Caetano Veloso



Deixa que minha mão errante adentre
atrás, na frente, em cima, em baixo, entre

Minha América, minha terra à vista
Reino de paz se um homem só a conquista

Minha mina preciosa, meu império
Feliz de quem penetre o teu mistério

Liberto-me ficando teu escravo
Onde cai minha mão, meu selo gravo

Nudez total! Todo o prazer provém
De um corpo (como a alma sem corpo) sem

Vestes. Como encadernação vistosa feita
Para iletrados, a mulher se enfeita

Mas ela é um livro místico e somente
A alguns (a que tal graça se consente)
É dado lê-la. Eu sou um que sabe.

Aqui, o poema inteiro (Elegia: indo para o leito) traduzido, ou melhor, transcriado por Augusto de Campos. Publicado em Sempre um Papo c/ áudio.

23 fevereiro, 2019

Tem Babyanno aí

Foi numa casca de laranja
Que eu pisei, pisei
Escorreguei
Quase caí
Mas a turma lá de trás gritou: xi...
Tem Babyanno aí
Tem Babyanno aí.

Carluxo não gosta de Babyanno.

Pouco, mas maduro

Karl Friedrich Gauss (30 de abril de 1777 em Brunswick, Alemanha — 23 de fevereiro de 1855, aos 77 anos).
Sua mãe, pouco instruída, não conseguia se lembrar de sua data de nascimento, mas podia relacioná-la a uma festa religiosa móvel. Para confirmá-la, Gauss desenvolveu uma fórmula para a data da Páscoa.
Gauss transformou quase todas as áreas da matemática, para as quais ele mostrou seu talento desde uma idade muito precoce.
Ele limitava suas publicações para o trabalho que considerava completo e perfeito.
Seu lema: Pauca sed matura (Pouco, mas maduro).
Seu coat-of-arms: Uma árvore em um terraço, com sete frutos.


Curvas de distribuição: 1 e 2

22 fevereiro, 2019

A divisão da Lua

Uma das vezes em que Deus realizou milagres pelas mãos do Profeta foi quando os habitantes de Meca exigiram ver um milagre de Maomé para mostrar sua autenticidade. Deus dividiu a Lua em duas metades separadas e depois as reuniu. O Alcorão registrou o evento:
"A Hora (do Juízo) se aproxima, e a lua se fendeu." (Alcorão 54:1)
Se o evento nunca tivesse acontecido, os próprios muçulmanos teriam duvidado de sua religião e muitos a teriam abandonado! Os habitantes de Meca teriam dito, "Hei, seu profeta é um mentiroso, a lua nunca se dividiu e nós nunca a vimos dividida!" Ao contrário, os crentes ficaram mais fortes em sua fé e a única explicação que os habitantes de Meca puderam arranjar foi que era "um passe de mágica!"


Fotografias de uma missão Apolo revelaram uma linha rachada de 300 km de comprimento na superfície da lua. Ao ser perguntado em 2010 sobre sugestões da internet de que esta era a prova da história do Alcorão, o cientista da NASA Brad Bailey disse: "Minha recomendação é não acreditar em tudo que você lê na internet. Os artigos revisados ​​por pares são as únicas fontes cientificamente válidas. Nenhuma informação científica atual relata que a Lua foi dividida em duas (ou mais) partes e depois remontada em qualquer momento do passado".

A arqueologia de uma bolsa

Tradução: PGCS

Da bolsa
Luís Fernando Veríssimo

Por dentro, mulher não é muito diferente de homem. Fora nas partes óbvias, em que somos convexos e elas são côncavas, e em um ou outro detalhe, somos iguais. Anatomicamente, portanto, a mulher não tem mistério para o homem. Ali fica o coração, ali o fígado, ali (onde mesmo?) o pâncreas... Igualzinho a nós. Não é verdade que elas têm glândulas secretas que a medicina ainda não se animou a examinar a fundo, como as que determinam o seu comportamento na direção de veículos automotores e no shopping. Temos (mais ou menos) as mesmas glândulas.
Só duas partes da mulher continuam a desafiar a compreensão dos homens: sua mente e sua bolsa. Sabemos muito pouco do conteúdo de ambas e estamos constantemente nos surpreendendo com o que sai lá de dentro. E quando pedimos explicações, elas despistam.
O cérebro feminino não é biologicamente diferente, que eu saiba, do cérebro masculino e uma bolsa de mulher não deveria ser diferente de qualquer outro meio de guardar e transportar coisas, mas as surpresas se repetem. Tanto a mente quanto a bolsa femininas parecem ter acessos a mundos, mananciais, veios, supridores inacessíveis ao pensamento ou à mão do homem. De onde é que elas tiram aquilo tudo?!
É uma pergunta que nos atormenta desde aquele momento em que a Eva não só teve a idéia de comer a fruta proibida como produziu - de onde, meu Deus? - o canivete para descascá-la e uma toalha para estender na grama, e nunca mais fomos os mesmos.[...]

21 fevereiro, 2019

A menor tabela periódica do mundo

Vídeo que mostra o desenho da tabela periódica dos elementos químicos em escala "nano" em um fio de cabelo (17/06/2016). O centro de Nanotecnologia da Universidade de Nottingham resolveu presentear o Professor Martyn Poliakoff com a menor tabela periódica do mundo, gravada em um dos fios do seu cabelo.
Martyn é uma das presenças constantes nos vídeos da série "Periodic Videos", e seu cabelo "estilo Einstein" chama a atenção daqueles que lhe assistem pela primeira vez. Por isso, nada mais criativo do que usar um dos fios do seu cabelo para uma arte com nanotecnologia.
A gravação foi feita com um microscópio de feixe de íons localizados. Sobre um fio colocado em uma câmara a vácuo incidiram íons de gálio a uma enorme velocidade. Removendo minúsculos pedaços da superfície do fio, foi então possível gravar todos os símbolos dos elementos da tabela periódica, em uma área de 89,67 micra de largura por 46,39 micra de altura.


Asas da vida

A polinização é o ato da transferência de células reprodutivas masculina através dos grãos de pólen que estão localizados nas anteras de uma flor para o receptor feminino de outra flor da mesma espécie, ou para o seu próprio estigma. Pode-se dizer que a polinização é o ato sexual das plantas que é através deste processo que o gameta masculino pode alcançar o gameta feminino e fecundá-lo.
A transferência de pólen pode ser através de fatores bióticos, ou seja, com o auxílio de seres vivos, ou abióticos através de fatores ambientais.
A polinização é fundamental para a produção de alimentos. Estima-se que aproximadamente 73% das espécies cultivadas no mundo sejam polinizadas por alguma espécie de abelha, 19% por moscas, 6,5% por morcegos, 5% por vespas, 5% por besouros, 4% por pássaros e 4% por borboletas e mariposas. [Mr. Natural]
A ameaça aos polinizadores essenciais que produzem uma grande parte dos alimentos que ingerimos é também uma ameaça à humanidade. A sedutora dança de amor entre flores e polinizadores sustenta o tecido da vida e é o evento místico fundamental em que os mundos animal e vegetal se cruzam e fazem o mundo prosseguir.
Arquivo
Morcego e flor
Aula de Floricultura
O segredo que os figos escondem
A ameaça de extinção das abelhas
Água com açúcar
A beleza da polinização

20 fevereiro, 2019

Autorresolução do cubo de Rubik

Em setembro de 2018, Takashi Kaburagi inventou o primeiro cubo de Rubik autorresolutivo.


GIF versus JIF

GIF é acrônimo de Graphics Interchange Format (Formato de Intercâmbio de Gráficos), que é um arquivo compactado de imagem para reduzir o tempo de transferência. Os criadores deste formato de imagem sempre reclamaram de que o chamassem "JIF".
Only idiots say "JIF" for GIF.
Observem a presença do G na expressão de origem. Portanto, GIF deve ser pronunciado como o G do sobrenome Gurgel. O primeiro G, bem entendido.
JIF, além de gíria para "idiota" (no Reino Unido), é abreviação de "jiffy", algo que é feito muito rápido e sem atraso. Está presente na expressão "in a jif", que se traduz como "um curto período de tempo". Em sci/tech é o tique (0,01 segundo) de um relógio de computador.
É também uma marca de manteiga de amendoim!
Apesar do parcialismo, a imagem abaixo foi uma escolha feliz para ilustrar a nota.

19 fevereiro, 2019

NOTA DO CORECON-CE EM DEFESA DO BANCO DO NORDESTE

As últimas notícias veiculadas nos periódicos regionais, deixam senões acerca do futuro de um dos maiores bancos de desenvolvimento da América Latina, o BANCO DO NORDESTE DO BRASIL (BNB).
O BNB foi criado pela Lei nº1.640 DE 19.07.1952, sediado em Fortaleza, com missão diferenciada das demais instituições financeiras que desde sua fundação a cumpre - "Atuar como Banco de Desenvolvimento da Região Nordeste".
Para efetivar seu papel de agente indutor do desenvolvimento regional conta com a capilaridade de 280 Agências, localizadas nas cidades nordestinas, norte de Minas e parte do Espírito Santo, das quais algumas situadas nos mais distantes rincões do semi-árido nordestino. O Banco conta ainda em sua estrutura com o ETENE cuja missão é “ Elaborar, promover e difundir estudos, pesquisas e informações socioeconômicas e avaliar políticas e programas do Banco do Nordeste, subsidiando a ação do BNB e da sociedade na busca do desenvolvimento regional sustentável.
Concordamos com posição espelhada em artigo publicado em janeiro de 2019 pela AFBNB-Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste, "O BNB exerce um protagonismo econômico junto a diferentes setores da economia – agricultura, indústria, comércio, serviços, turismo, infraestrutura etc. – sendo o principal braço do Estado, enquanto instituição de fomento na região em que atua. Sua expertise, de quase 67 anos, promovendo o desenvolvimento regional o credencia, enquanto empresa séria que, ao contrário de ser ignorada deve ser reconhecida.
Os resultados positivos apresentados pelo Banco ao longo dos anos, seriam ainda mais eficazes se houvesse uma política macroeconômica de desenvolvimento nacional, com o suporte de um arcabouço institucional pensado para de fato superar as desigualdades entre as regiões e estimular as potencialidades locais. Não custa lembrar que órgãos que poderiam construir essa rede foram sucateados e/ou esvaziados de sua missão ao longo do tempo, a exemplo da Sudene, do DNOCs e da Codevasf."
Ainda segundo artigo da AFBNB, "os números mostram a força do BNB e a sua relevância para a política de desenvolvimento do País. Isto confirma ser a Instituição uma das mais relevantes para a superação das desigualdades regionais, devendo, portanto, ser fortalecida e reconhecida como tal, desconstruindo qualquer equívoco de privatização, incorporação, fusão ou qualquer outra medida que implique em seu desmonte."
Vale registrar que o BNB em 2018 atingiu a marca histórica de R$ 41,4 bilhões emprestados com recursos do FNE – sendo R$ 30 bilhões do próprio FNE e o restante do CrediAmigo e AgroAmigo – microcrédito urbano e rural, respectivamente.
O Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste-FNE, foi criado em 1988 (artigo 159, inciso I, alínea "c" da Constituição da República Federativa do Brasil e artigo 34 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias) e regulamentado em 1989 (Lei nº 7.827, de 27/09/1989). O FNE é um instrumento de políticas públicas no âmbito federal viabilizado pelos diversos programas de financiamento aos setores produtivos, cujos recursos não são contingenciados em orçamento da União,
Os que representam o CORECON-CE entendem que todos os segmentos da sociedade precisam se imbuir de uma causa comum, “Defender a Valorização e Manutenção do BNB”, enquanto braço do Governo Federal na efetivação, dentre outras missões, a constitucional, via operacionalização dos recursos do FNE. FNE.

Fones de ouvido - 10

(entreouvido) "Sempre uso fones de ouvido para ouvir música. Jamais para evitar conversa."

LISTENING TO ROCK = OUVINDO ROCHA

(... como uma música parada sobre uma montanha em movimento) Dois Irmãos

+ fones de ouvido
1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9

18 fevereiro, 2019

Beijo no espelho






Only for your information, 
Mr. Ringo Starr:
Em um espelho, você só pode 
se beijar nos lábios.

Foto: Richard Avedon, 1965

O libertino, o romântico e o enamorado por Teresa

1} Teresa - Manuel Bandeira (Recife, 1930)

A primeira vez que vi Teresa
Achei que ela tinha pernas estúpidas
Achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)

Da terceira vez não vi mais nada
Os céus se misturaram com a terra
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

2} O "Adeus" de Teresa - Castro Alves (São Paulo, 1868)

Notável poema que apresenta uma imagem feminina pouco usual no romantismo: a da mulher que faz prevalecer o seu desejo. Nas primeiras estrofes o predomínio é do homem, e Teresa aparece como simples objeto do desejo masculino. No final, os papéis se alteram, e cabe à mulher, com alguma ironia, decretar o término da antiga relação.

3} Poema feito para chegar aos ouvidos de Santa Teresa - Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro, 2004)

Arquivo: A beleza em Tereza

17 fevereiro, 2019

Polo Magnético. Do Canadá para a Rússia

O polo Norte magnético está se movimentando mais rápido do que o esperado – e do Canadá para a Rússia. O polo Norte magnético, que não deve ser confundido com o polo Norte geográfico, é o ponto em direção ao qual a agulha de uma bússola aponta e, em 1831, foi precisamente posicionado no Canadá, em uma das ilhas do arquipélago do país no Ártico. Hoje, no entanto, os estudiosos estão registrando uma mudança extraordinária: o ponto, que sempre se moveu com velocidade e direção difíceis de prever, começou a girar em direção à Sibéria a uma taxa bem acima da média registrada até então. Enquanto, no século passado o movimento foi de cerca de 15 quilômetros por ano, no ano passado chegou aos 55 km. Para se ter ideia, desde o início do século 19, o polo Norte magnético movimentou mais de 1.100 km.
Esta aceleração não deve ser motivo de preocupação, já que faz parte da variabilidade normal do campo magnético da Terra. Embora inofensiva, provoca mudanças nos pontos de referência para bússolas.

E a inversão dos polos magnéticos?
Sim, a cada 200-300 mil anos, em média, a Terra inverte os polos magnéticos. Atrasos acontecem, e já faz 800 mil anos desde que ocorreu a última inversão.

— Sobreviventes em um planeta em mutação, esta é a nossa sina. (leitor Aluísio Monteiro)

Acalmai-vos, irmãos, é o que tenho a dizer.

Viagem à Lua

"Le Voyage dans la Lune" (no Brasil, "Viagem à Lua") é um filme francês do ano de 1902. Foi baseado em dois romances populares de seu tempo: "Da Terra à Lua", de Julio Verne, e "Os Primeiros Homens na Lua", de H. G. Wells.
O filme teve roteiro e direção de Georges Méliès, com assistência de seu irmão Gaston Méliès. Foi extremamente popular em sua época e o mais conhecido das centenas de produções de Méliès. É considerado o primeiro filme de ficção científica e o primeiro a tratar de seres alienígenas, usando recursos inovadores de animação e efeitos especiais, incluindo a famosa cena da nave pousando no olho da "Homem da Lua".
Méliès tinha a intenção de lançar seu filme nos Estados Unidos com a ideia de lucrar com isso. Entretanto, técnicos dos filmes de Thomas Edison secretamente fizeram cópias e as distribuíram por todo o país.
"Le Voyage dans la Lune" (nos EUA, "A trip to the Moon") foi escolhido um dos cem melhores filmes do século XX no ranking de "The Village Voice", ocupando a posição de número 84. É o filme mais velho presente na lista do livro "1001 Filmes para Ver antes de Morrer", de Steven Jay Schneider. Hoje, possui domínio público, pois seus direitos autorais já expiraram.
Sinopse
A história começa com uma reunião de cientistas em que o professor Barbenfouillis (interpretado por Georges Méliès) tenta convencer seus colegas a participar de uma viagem para explorar a Lua. Depois de especificar o plano e formar o grupo que realizará a expedição, os detalhes da viagem são finalizados e os cientistas embarcam num foguete espacial que é disparado por um canhão. A nave pousa no olho do "Homem da Lua" (uma imagem famosa) e os cientistas começam a explorar o ambiente lunar. Eles não demoram a encontrar os habitantes da Lua, os selenitas, que os capturam e os trazem diante de seu rei. Depois de descobrir a maneira pela qual os selenitas podem ser derrotados (eles viram fumaça com o simples toque de um guarda-chuva), os cientistas conseguem escapar e retornar à Terra. Aqui, depois de cair no mar e ser resgatado, eles são recebidos em Paris como heróis.


16 fevereiro, 2019

A morte de Brandon Lee

A realização do filme "The Crow" (no Brasil: "O Corvo"), de 1994, foi marcada pela morte de Brandon Lee, filho de Bruce Lee. Uma das cenas rodadas para o filme requeria que uma arma fosse carregada, engatilhada e apontada para a câmera mas, por causa da curta distância de tomada da cena, a bala era de verdade (mas sem pólvora). Após a realização desta cena, o assistente do armeiro (não o armeiro, que já havia deixado o set) limpou a arma para retirar os cartuchos, derrubando um dos projéteis no cano. A cena seguinte a ser filmada envolvendo aquela arma era o estupro de Shelly, sendo que a arma foi carregada com festim (que normalmente tem duas ou três vezes mais pólvora do que um projétil normal, para fazer um barulho alto). Lee entrou no set carregando uma sacola de supermercado contendo um saco de sangue explosivo. No roteiro constava que Funboy deveria atirar em Eric Draven (na imagem), o personagem de Brandon Lee, quando ele entrasse na sala, estourando o saco de sangue. O projétil que estava preso no cano foi disparado em Lee através da sacola que ele carregava, matando-o.

Museu da Pessoa no Arquivo Ártico Mundial

Um extrato de 100 horas da coleção "Memória de Brasileiros e Brasileiras", que reúne mais de 2000 fotos digitalizadas e 300 histórias de vida registradas pelo Museu da Pessoa entre 2006 e 2016, será depositado no Arquivo Ártico Mundial. A fundadora e diretora do Museu da Pessoa, Karen Worcman, será a portadora do material a ser incorporado ao arquivo na quinta-feira (21/02), na ilha de Svalbard, na Noruega.
Criado a partir da associação entre a PIQL, uma empresa de ponta em preservação de arquivos, e a mineradora estatal norueguesa Store Norske, o Arquivo Ártico Mundial é um cofre à prova de desastres situado numa montanha ártica, num dos lugares geológica e geopoliticamente mais estáveis do mundo. Seu objetivo é garantir que a memória digital mundial seja preservada e disponível para as gerações futuras.
Assista ao vídeo da inauguração do Arquivo Ártico Mundial, em 27/03/2017:

15 fevereiro, 2019

Chuck Norris descalço

Quando Chuck Norris pisa descalço num Lego, eis o resultado:


E para o Capacete de Batman (a pior peça para se pisar), a consequência é ainda mais devastadora.

Subtexto

Para criar seu romance de 1970, A Humument, o artista britânico Tom Phillips começou com o "A Human Document" (Um Documento Humano), esquecido romance de 1892, de WH Mallock, e desenhou, pintou e colou as páginas, preservando algumas palavras para contar uma nova história até então não revelada.
Por exemplo, o título surge da deleção por Phillips de cinco letras centrais no título de Mallock.
Até esse novo texto está evoluindo. Phillips publicou cinco edições do livro, em cada uma das quais ele substitui certas páginas; Eventualmente, ele espera substituir todas as páginas, criando um trabalho totalmente novo (ou uma versão totalmente nova do mesmo trabalho).
"Podemos chamar o que Phillips está fazendo 'escrita', ou algum outro termo seria melhor?", pergunta Adam Smyth em "London Review of Books". "Qual versão de autoria ou criatividade está em ação aqui? A Humument é um lembrete de que os livros são inevitavelmente intertextuais - eles crescem de textos mais antigos - e que toda escrita envolve a seleção de palavras de um conjunto finito: o que parece ser uma restrição, ter que trabalhar dentro das paredes de um romance preexistente, de fato dramatiza uma condição da literatura".

O texto completo da edição de 1970 está AQUI.

Subtext, Futility Closet

Criar é subtrair, blog EM

14 fevereiro, 2019

Não se meta em briga de polvo com foca

👩 O que causou esse arranhão em você?
👨 Acredite. Foi uma foca que me bateu no rosto com um polvo,
👩 Ora, conte outra...



Australiano estava remando em um caiaque, quando foi atingido pelos tentáculos de um molusco. O episódio ocorreu na Nova Zelândia.
Ele estava remando perto de uma ilha da Nova Zelândia quando notou uma movimentação estranha nas águas. Era uma briga feroz entre uma foca e um polvo. Ao perceber o conflito entre os animais, levou um susto maior ainda: foi atingido, no rosto, pelos tentáculos do molusco.
O passeio de caiaque estava sendo registrado por uma câmera - mal sabia o surfista que aquele dispositivo registraria imagens tão inusitadas. "Vi o polvo se debater no meio da luta, mas meu rosto estava no lugar errado, na hora errada", comentou Masuda ao site Yahoo News.
Ele contou que, apesar de o polvo ter quase sido engolido pela foca, ele (o polvo, bem entendido) conseguiu se agarrar ao caiaque no fim da luta e se salvar.

Comendo o inimigo

Reid Venable Moran, que serviu como curador de Botânica de 1957 a 1982, morreu em 2010 aos 93 anos. Ele não era apenas um pesquisador proeminente e respeitado, mas também colocou o Museu de História Natural de San Diego na liderança em Florística da península da Baixa Califórnia (Baja California, México).
Moran era a autoridade mundial sobre as Crassulaceae, uma família de plantas suculentas e, em particular, o gênero Dudleya, objeto de sua tese de doutorado. Ele nomeou pelo menos 18 plantas novas para a ciência - algumas dessa família e outras não - e publicou muitos artigos elucidando as relações dentro das Crassulaceae. E, como uma marca do respeito que ele ganhou entre seus pares, mais de uma dúzia de plantas foram nomeadas para ele.
Sua longa e produtiva carreira continuou muito tempo depois de sua aposentadoria oficial. Sua "Flora of Guadalupe Island, Mexico", foi publicada em 1996, quando ele tinha 80 anos, e seu texto sobre as Crassulaceae para a "Flora of North America" foi apresentado alguns anos depois. Este apareceu no volume 8 da FNA, publicado apenas alguns meses antes de sua morte.
Aqueles que o conheceram e viajaram com ele durante a última metade do século passado lembram-se dele como um homem grande e vigoroso, igualmente disposto a subir ao pico mais alto ou a cantar para o grupo cansado ao redor da fogueira. De acordo com Dick Schwenkmeyer, que às vezes coordenava viagens a museus com Reid, ele "conhecia cada palavra de cada canção popular australiana e queria que todos cantassem juntos".
Ele era famoso como um explorador da Baixa Califórnia, onde seguia todos as trilhas de terra - que nos velhos tempos era tudo o que havia - em todos os cantos remotos e montanhas. Mulas serviam-lhe onde caminhões não podiam ir. Uma quase desastrada caminhada de três meses pelas montanhas da península central em 1964 resultou na morte de vários animais: um para um leão da montanha e dois para a sede. As pessoas felizmente sobreviveram.
A Ilha de Guadalupe, uma ilha oceânica vulcânica a 260 km a oeste da península da Baixa Califórnia, foi a paixão de Reid ao longo da vida e sua contribuição direta mais visível para a conservação. Sua primeira visita à ilha ocorreu em abril de 1948, pouco antes de seu retorno a Berkeley, para retomar sua carreira de pós-graduação interrompida pela guerra. Suas notas de coleta registram catorze visitas à ilha desde aquela data até 1981, o ano anterior à sua aposentadoria.
Ele documentou a quase completa destruição da vida vegetal naquela ilha devido à presença de cabras selvagens. Em suas conversas sobre a ilha, algo sempre lhe fazia dar risada: uma foto de seus companheiros assando um bode no espeto sobre a fogueira, com seu comentário irônico: "Nós encontramos o inimigo ... e o comemos". O declínio da vida vegetal na ilha foi, pelo menos em parte, responsável por convencer o governo mexicano a remover as cabras de lá. Este esforço resultou em um notável recuperação da vegetação, incluindo o reaparecimento em mais de um século dos ciprestes e pinheiros endêmicos.

Extraído de: Remembering Reid Moran: Legacy of a Botanist, San Diego Natural History Museum

13 fevereiro, 2019

Lacônicas - 3

Lacônico: do grego lakonikós, pelo latim laconicus. Sinônimos: conciso, breve, curto, resumido, à maneira dos habitantes da Lacônia.

Idealmente, o que entra mudo e sai calado.

Sinais de fumaça (vídeo):



- Duas Penas, você sinalizou a nossos vizinhos sobre a companhia de guerra se aproximando como eu pedi?
- (silêncio)
- E também... porque seu pinto está de fora?

Só digo uma coisa: não digo nada.
E digo mais.

Lacônicas 1 e 2

O fim da Mars One

Mars One, a ambiciosa missão que pretendia fundar a primeira colônia humana em Marte, deixou de existir. O Tribunal Civil da cidade de Basel, na Suíça, declarou a falência da Mars One Ventures, dissolvendo-a em 15 de janeiro.
O sonho de uma viagem a Marte sem retorno desapareceu para os 100 finalistas que foram selecionados (uma delas foi a professora Sandra Maria Feliciana, de Rondônia) há quase quatro anos. A Mars One era uma missão privada de Bas Lansdorp, um empreendedor holandês que achava que poderia financiar com um reality show a complexa tarefa de colocar humanos no Planeta Vermelho.
Os planos iniciais indicavam que 2023 seria o ano em que o primeiro ser humano seria enviado a Marte para a colonização. Apesar de ser uma missão suicida, o processo de seleção recebeu mais de 200.000 pedidos de todo o mundo, dos quais apenas cem foram aprovados.

O projeto da Mars One
Os planos para colonizar Marte agora estão nas mãos de Elon Musk, o fundador da SpaceX que tem esse objetivo em mente. ~ Hipertextual

12 fevereiro, 2019

"O mundo é dos loucos", o filme recontado

por Fernando Gurgel Filho
NAQUELES DIAS andava Jesus - o motorista comunista que tinha contas em comuns com toda a gente - pela floresta no deserto do mar da Galileia, quando se deparou com um pé de goiaba, na beira da estrada em que os jerimuns eram levados aos romanos de Jerusalém. Depois de andar por riba das águas, ressuscitar mortos e fazer vinho em festa de casamento, não tendo mais nada o que fazer, resolveu sentar-se no pau da goiabeira e comer umas goiabas, sem saber se o pé era da branca ou da vermelha, e achou aquilo muito bom. Mas as goiabas pertenciam ao sítio de um ímpio, miliciano das comunidades carentes de Cafarnaum, e logo os cachorros começaram a acuá-lo. Ao jogar umas delas nos animais, notou que aquilo era um imenso laranjal, e havia muitos marimbondos grandes e gordos rondando ao redor. Sem nenhuma fogueirinha para aquecê-lo, resolveu ir embora pra Pasárgada, pra lá de Bagdá, onde havia pedras no meio do caminho, mas era amigo do Rei. Depois de se desviar de um mar de lamas que descia das barragens cheias de ganância e morte, Caminhando e Cantando chegou a um lugar, chamado de Paubrasilia echinata, de madeira vermelha comunista, e que não havia como subir no tronco. Ao sentar à beira da estrada, no Monte Pascoal, para fazer um Sermão da Montanha que o deixasse famoso, informaram-lhe que os chamados de "sãos" foram chamados para guerrear e os chamados de "loucos" tinham fugido do asilo e passaram a dominar a cidade. O lugar estava vibrante de alegria e vida, onde os lunáticos se mostravam em toda a sua inteireza de humanidade. Mas, como não há bem que sempre dure, nem mal que venha nos salvar, para acabar com a alegria dos lunáticos boas praças chegaram praças muito mais que lunáticos, que passaram a destruir tudo. Até destruírem todo o futuro dos papagaios, tucanos, periquitos e periquitas, dentro de um barraco incendiado no Rio Eufrates. E foi todo mundo parar no pau da goiaba para todo o sempre, depois de extinguirem o futuro promissor de todo o Paubrasilia echinata da Mata Atlântica.

Gatos e religião - 2


Gatos e religião - 1

11 fevereiro, 2019

42: A resposta para a vida, o universo e tudo

Quando Douglas Adams escreveu "O Guia do Mochileiro das Galáxias", ele acrescentou uma piada central que se tornou mais famosa ao longo dos anos do que o próprio romance: "A resposta para a questão final da vida, o universo e tudo é 42". Geeks, desde então, desperdiçaram anos de esforço massivo tentando atribuir um significado simbólico profundo ao número e às suas ocorrências.
Ao longo da história, vários números tiveram significados especiais atribuídos a eles. Platão chamou o estudo do simbolismo numérico de "o mais alto nível de conhecimento", enquanto Pitágoras acreditava que os números tinham almas e poderes mágicos.
"A resposta para isso é muito simples", disse Adams. "Era uma piada. Tinha que ser um número, um número pequeno e comum, e eu escolhi aquele. Representações binárias, base 13, monges tibetanos são um absurdo completo. Eu sentei à minha mesa, olhei para o jardim e pensei: 42, vai acontecer, e digitei. Fim da história".
Enquanto isso, milhões de fãs do Mochileiro até hoje persistem em tentar decifrar o que imaginam ser as motivações secretas de Adams. Aqui estão algumas coisas para alimentar o fascínio pelo número 42.
  • O primeiro livro do mundo impresso com o tipo móvel é a Bíblia de Gutenberg, que tem 42 linhas por página.
  • O Titanic viajava a uma velocidade equivalente a 42 km / hora quando colidiu com um iceberg.
  • Elvis Presley morreu aos 42 anos.
  • Um percurso de maratona é de 42 km e 195 m.
  • O elemento molibdênio tem o número atômico 42 e é também o 42º elemento mais comum no universo.
  • No livro do Apocalipse, é profetizado que a besta manterá o domínio sobre a terra por 42 meses.
  • Existem 42 galões americanos em um barril de petróleo.
  • - - -
(Arquivado para publicar hoje, 11 de fevereiro, o 42º dia do ano.)

A vida, o universo e tudo

Observações cometárias no século 16

Nascido em 16 de abril de 1495, em Leisnig, na Saxônia, Peter Bienewitz foi educado na escola de latim em Rochlitz e, depois, de 1516 a 1519, na Universidade de Leipzig. Foi aqui que ele adquiriu o nome humanista Apianus, de Apis, o nome latino para abelha, uma tradução direta do alemão Biene. A partir de então, ele se tornou Petrus Apianus, ou simplesmente Peter Apian.
Na década de 1530, Apian fazia parte de um grupo de astrônomos europeus, que incluíam Schöner, Copérnico, Fracastoro e Pena, que observaram de perto os cometas daquela década e começaram a questionar a teoria aristotélica de que os cometas são fenômenos meteorológicos sublunares.
Ele foi o primeiro europeu a observar e publicar que a cauda do cometa sempre aponta para longe do sol, fato já conhecido dos astrônomos chineses. Fracastoro fez a mesma observação, o que levou ele e Pena a suporem que a cauda do cometa era um fenômeno óptico, a luz do sol focada através da lente como o corpo translúcido do cometa.
Essas observações. na década de 1530; levaram a um aumento do interesse pela observação cometária e à determinação. na década de 1570. por Mästlin, Tycho e outros de que os cometas são, de fato, objetos supralunares.


Diagrama de Peter Apian de seu livro Astronomicum Caesareum (1540) demonstrando que a cauda de um cometa aponta para longe do sol. O cometa que ele descreveu foi o de 1531, que agora conhecemos como Cometa de Halley. Imagem do acervo da Royal Astronomical Society.

Extraído de: The Bees of Ingolstadt, The Renaissance Mathematicus

10 fevereiro, 2019

Kokigami, o origami do sexo

O kokigami é um jogo erótico de origem japonesa que consiste em envolver o pênis com uma fantasia de papel para surpreender a parceira.
O termo kokigami vem das palavras koki: lenço usado por atores japoneses ao redor da cintura, cobrindo a área genital; e gami: que significa papel.
Esta diversão de alcova era praticada pela aristocracia japonesa no sétimo século. Nas noites de paixão, o marido envolvia o membro com lenços de seda e fitas formando imagens curiosas. Então, esse "pacote" erótico era oferecido à amante que o desembrulhava mui sensualmente.


Ao longo dos séculos, os tecidos foram substituídos por figuras feitas com papel de seda.

culturizando.com

Neste clipe se improvisa

Alma Deutscher começou a tocar piano aos dois anos de idade. Aos seis anos, Deutscher compôs sua primeira sonata. E aos sete anos, sua primeira peça operística.
Então ela é boa.
O quão talentosa Deutscher é pode ser visto neste clipe da 60 Minutes, onde a criança prodígio  improvisou uma música com quatro notas sorteadas.


09 fevereiro, 2019

Fonte Einstein


Ulm, na Alemanha, erigiu monumentos em homenagem a seu filho mais famoso, Albert Einstein, que nasceu na cidade em 1879. Mas nenhum é tão bizarro quanto essa fonte. Um foguete dispara água ao fundo, formando a base da fonte. É coroado por uma grande concha de caracol coberta pelo que parece ser um mapa cósmico e terrestre. A cabeça de Einstein sai da concha, de olhos arregalados e, como era do estilo do cientista, mostrando a língua.

O carro Robocop

Você pode pensar que o trabalho da polícia seria um dos poucos trabalhos que não correm o risco de ser automatizado. Pense novamente. No mês passado, uma patente foi concedida à Motorola Solutions Inc. para um sistema automatizado de detenção e registro, chamado de sistema de comunicação e método de aplicação da lei móvel.
É basicamente um carro autônomo equipado com vários tipos de comunicação. O veículo serve como meio de transporte e centro de detenção unipessoal.
Um policial prende um suspeito, coloca-o no carro e, a partir daí, ele pode ser testado para intoxicação, examinado para armas e informado de seus direitos. Do veículo, ele pode consultar um advogado e ser inquirido por um juiz, tudo por vídeo. Ele pode então ser levado para casa, para a cadeia, ou para outro lugar, mas ele terá que providenciar a fiança ou a multa, pagando-a eletronicamente antes de deixar o veículo. Tudo isso sem nenhuma autoridade se aproximar do suspeito.
Oh, que mundo novo e corajoso!

08 fevereiro, 2019

Somos espaços vazios

Alan Lightman, um dos escritores científicos mais poéticos do nosso tempo, molda a concepção antiga da matéria como um vaso para a ilusão do absoluto:
Os átomos eram a unidade final do mundo material. Perfeitos em sua indivisibilidade, perfeitos em sua integridade e indestrutibilidade. Os átomos eram a personificação da verdade absoluta. Átomos, junto com estrelas, eram os ícones materiais dos Absolutos.
O "núcleo duro" no centro de cada átomo, o núcleo atômico, é cem mil vezes menor que o átomo como um todo. Para usar uma analogia, se um átomo tivesse o tamanho do Fenway Park, o estádio do Boston Red Sox, seu denso núcleo central seria do tamanho de um grão de mostarda, com os elétrons graciosamente orbitando nas arquibancadas externas.
De fato, 99,9999999999999 por cento do volume de um átomo é um espaço vazio, exceto pela névoa de elétrons quase sem peso. Já que nós e tudo o mais somos feitos de átomos, somos principalmente espaços vazios. Esse vasto vazio é talvez a consequência mais inquietante de dividir o indivisível.
(https://www.brainpickings.org/2018/09/19/alan-lightman-searching-for-stars/)

A poeira das estrelas

As histórias narradas sob a forma de cartas

- - - Os livros epistolares não são atraentes para todos (embora figurem entre meus favoritos), mas as histórias narradas sob a forma de cartas constituem uma tradição antiga desde os tempos de São Paulo. A não ficção epistolar incorpora a virtude adicional de uma vida real, tal como narrada (seja qual for sua veracidade e o que quer que seja ocultado) por seu protagonista.
Muitos historiadores têm lamentado o declínio das cartas escritas em papel passível de ser preservado como uma terrível perda para seu ofício. A tecnologia moderna colocou-se numa situação paradoxal. Costuma-se presumir que as informações tornam-se mais ricas à medida que nos aproximamos dos tempos atuais, pois um número maior de tipos de registros deve passar a existir, daí resultando menor perda e deterioração.
Agora, entretanto, a maioria de nossos comunicados é remetida de uma vez por todas para o esquecimento permanente, através de um fio de telefone, e muitas de nossas cartas (senão sua maioria) existem apenas no espaço cibernético do correio eletrônico e noutros dispositivos similares (nos quais, é claro, podem ser transferidas para o papel, mas podem, com igual probabilidade, ser atiradas num reino perdido, juntamente com nossos telefonemas).

Extraído de: "Prefácio" de Stephen Jay Gould (do Museu de Zoologia Comparada da Universidade Havard) para "As Cartas de Charles Darwin: Uma Seleta, 1825 - 1859", editadas por Frederick Burkhardt (com tradução de Vera Ribeiro)

07 fevereiro, 2019

Estádio na Noruega

Pode soar exagerado chamar este campo de estádio, já que não existem arquibancadas e ele só é usado para jogos amadores. Mas é assim que os moradores de Henningsvær, uma vila pesqueira no arquipélago de Lofoten, na Noruega, chamam este local que pode ser considerado um dos mais surpreendentes da Terra dedicados ao futebol.
A vista para o mar deste campo de futebol é de tirar o fôlego. E a organização do futebol europeu, a UEFA, incluiu o campo na filmagem do vídeo We Play Strong com Liv Cooke.


Estádio na Eslováquia

Emoji do Professor Raimundo

A lista final de novos emojis para 2019 foi aprovada pelo Unicode Consortium.
O Emoji 12.0, que é composto por 59 novos emojis distintos; 75 quando as variações de gênero são levadas em conta; e 230 novos emojis quando todas as opções de tons de pele também estão incluídas.
Um deles é o Pinching Hand, o "Mão Beliscando", a ser usado para sugerir que algo é pequeno.
No título desta nota, há uma denominação mais conveniente para ele no Brasil.
"E o salário, ó!"

06 fevereiro, 2019

Por que mentiras óbvias fazem boa propaganda

"Firehose of falsehood" – que aqui traduzimos como "enxurrada de falsidade".
Trata-se de um modelo de propaganda que consiste em "soterrar" o público com um fluxo constante e infindável de desinformação e mentiras. Essas mentiras nem precisam ser críveis, mesmo mentiras óbvias, repetidas com amplitude e frequência suficientes, podem ser eficazes em distorcer a opinião pública em favor de quem as propaga.
Sabem aquela história de uma mentira mil vezes repetida se tornar verdade? Pois então. Não se trata de persuasão, e sim de poder. Faz parte do jogo – o objetivo dessa estratégia nem é passar mentiras como verdades, e sim reduzir a verdade a uma posição, a uma opinião, a um "fato alternativo". Nesse jogo perverso, a realidade se resume a escolher um lado, e quem se posiciona melhor, quem objetivamente tem mais poder, é dono da realidade.
As 4 principais características do "firehosing":
1. Grande volume
2. Rápido, contínuo e repetitivo
3. Nenhum compromisso com a realidade objetiva
4. Nenhum compromisso com consistência
Fonte: Blue Bus

A longa jornada de automóvel de Bertha Benz

Em agosto de 1888, Bertha Benz, 39 anos, dirigiu de Mannheim para Pforzheim com seus filhos Richard e Eugen, de treze e quinze anos, em um Modelo III, sem contar ao marido e sem permissão das autoridades, tornando-se a primeira pessoa a dirigir um automóvel a uma distância real. Antes desta viagem histórica, os veículos motorizados eram apenas unidades de testes muito curtos, retornando ao ponto de origem, feitos por assistentes mecânicos. Seguindo os trilhos do trem, esta excursão pioneira percorreu uma distância de cerca de 106 km em sentido único.
Embora o objetivo ostensivo da viagem fosse visitar sua mãe, Bertha Benz tinha outros motivos: provar a seu marido - que não havia considerado ser adequado divulgar sua invenção - que o automóvel em que ambos investiram seria um sucesso financeiro. uma vez que se mostrasse útil para o público em geral; e assim dar ao marido a confiança de que seus produtos tinham futuro.
Ela deixou Mannheim por volta do amanhecer e foi resolvendo inúmeros problemas ao longo do caminho. Bertha demonstrou suas capacidades técnicas nessa jornada. Sem tanque de combustível e com apenas 4,5 litros de gasolina no carburador, ela teve que encontrar ligroína, o solvente de petróleo necessário para o carro funcionar. Este só estava disponível em boticas, então ela parou em Wiesloch, na farmácia da cidade, para comprar o combustível. Na época, gasolina e outros combustíveis só podiam ser comprados de químicos, e foi assim que em Wiesloch funcionou o primeiro posto de combustíveis do mundo.
Ela limpou um ducto de combustível bloqueado com um alfinete de chapéu e usou sua liga como material de isolamento. Um ferreiro teve que ajudá-la a consertar uma corrente em determinado ponto. Quando os freios de madeira começaram a falhar, Benz visitou um sapateiro para instalar couro, fazendo o primeiro par de pastilhas de freio do mundo. Um sistema de resfriamento por evaporação foi empregado para resfriar o motor, tornando o abastecimento de água uma grande preocupação durante a viagem. O trio adicionou água ao veículo a cada vez que parava. As duas engrenagens do carro não foram suficientes para superar as subidas íngremes e, muitas vezes, Eugen e Richard tiveram que empurrar o veículo. Benz chegou a Pforzheim um pouco depois do anoitecer, notificando o marido de sua viagem de sucesso por telegrama. Ela voltou para Mannheim vários dias depois.
Ao longo do caminho, várias pessoas ficaram assustadas com o automóvel. Alguns até pensaram que dois rapazes e uma mulher numa carruagem sem cavalos, chiando e batendo, só podiam ser uma coisa do próprio Diabo. A viagem recebeu uma grande publicidade, como ela havia pensado, e o Modelo III foi um evento-chave no desenvolvimento técnico do automóvel. O casal pioneiro introduziu várias melhorias após as experiências de Bertha. Ela relatou tudo o que tinha acontecido ao longo do caminho e fez sugestões importantes, como a introdução de uma engrenagem adicional para subir colinas e lonas de freio para melhorar a frenagem. E sua viagem provou para a nascente indústria automotiva que os test drives eram essenciais para seus negócios.

Karl Benz é frequentemente creditado por inventar o automóvel.
Bem, ninguém inventou o automóvel. Veículos movidos a combustão interna precederam Benz. Mas boa parte da razão pela qual ele recebe o crédito foi sua esposa Bertha.
Uma heroína da indústria automobilística, Bertha Benz, morreu em 1944, aos 95 anos.

05 fevereiro, 2019

Brigas de cidades pequenas

Se você gosta de limites de velocidade incomuns, o limite de velocidade no centro de Trenton, uma pequena cidade no noroeste do Tennessee, EUA, é de 31 milhas por hora.
E o pequeno bule na placa?
Bem, Trenton também fatura como a capital do bule. E, na cidade, existe um museu em que há "a maior coleção de bules do mundo".
O sinal de estrada de 31 mph parece vir de um conflito entre Trenton e uma cidade vizinha, Kenton, que se considera a capital do esquilo branco.

Não uma, mas cinco cidades usam esquilos albinos como suas reivindicações à fama, e nenhuma está particularmente feliz com as outras.
Kenton, Tennessee, acomoda cerca de 200 destes roedores peludos. Os residentes insistem que os esquilos "estão aqui mais por muito mais tempo" e que eles foram deixados por uma "caravana aciganada", em 1869.
Em Kenton, quando se pergunta onde as outras cidades conseguiram seus esquilos brancos, respondem: "Bem, eles tinham que vir de algum lugar."

2 de 10

Não usarás o Santo Nome de Deus em van.

Referência: Deus ou Morgan Freeman, o que for mais antigo.

A Cadeia de Comando de Morgan Freeman

04 fevereiro, 2019

Em alguns casos não há o que problematizar

1
"Às vezes, um charuto é apenas um charuto."
Foi a resposta que Sigmund Freud (na foto) deu a um psicanalista. Ao ser questionado se o charuto que ele fumava,  segundo a própria teoria freudiana, não seria também um símbolo fálico.
Freud consumia uma média de vinte charutos por dia e raramente era fotografado sem estar fumando.
 2
Churchill era um desordeiro talentoso. Sir William Joynson-Hicks estava fazendo um discurso na House of Commons e notou Churchill balançando a cabeça tão vigorosamente que distraía a atenção de todos.
"Vejo o meu honrado amigo a abanar a cabeça", exclamou Joynson-Hicks, exasperado. "Gostaria de lembrá-lo de que estou apenas expressando minha opinião!"
"E quero lembrar ao palestrante que estou apenas balançando a cabeça", respondeu Churchill.

Celebridades que amavam charutos

Boto fé

Seria esta a expressão mais versátil da língua portuguesa?
"Boto fé" pode significar:
— sim, concordo;
— discordo, mas não quero discutir;
— não prestei atenção no que você falou;
— não entendi bulhufas nem quero que você repita.
Em caso de monotonia, esta expressão pode ser substituída por "podes crer". Há uma teoria de que qualquer conversa pode ser levada a bom termo quando um dos participantes somente diz "podes crer".
Certifico e dou fé.

Bom para o Dicionário Brasileiro de Frases, o DBF.

03 fevereiro, 2019

Trauma

Me lembro daquele dia triste. Enquanto meu pai brincava tranquilamente com seu revólver na sala, repetindo umas cenas que ele tinha visto em Roy Rogers, mamãe se dedicava a, pacientemente, preparar o jantar. Tia Cotinha havia dito a ela que era possível fazer maionese no liquidificador, era só cuidar bem das quantidades e do ponto ao bater.
Meu pai, com toda a segurança, passou, então a outro jogo com a arma: colocou uma bala só no tambor, aí ficava girando-o rapidamente, várias vezes. Parava e atirava, às vezes mirando nele mesmo, às vezes em mim. Sempre dava "clic", sem nenhum disparo. Claro, a probabilidade era de 1 pra 6 a favor do clic!
Enquanto isso, mamãe seguia na cozinha, agora com o liquidificador ligado, colocando o azeite para completar a maionese, segundo a receita de tia Cotinha. Papai rodou o tambor e… mais um clic, divertido, relaxado.
Mas, naquele momento, a tensão com o fio de azeite e o movimento da hélice do liquidificador desconcentraram mamãe; mais do que isso, a desorientaram e a fizeram perder o equilíbrio. A tragédia foi inevitável. Ela caiu dentro do liquidificador e se liquefez.
Nem deu tempo de papai puxar o gatilho uma última vez. Uma tragédia perder mamãe assim.
Desde então, eu prometi a mim mesmo: "Ou denuncio o perigo dos liquidificadores ou não me chamo Onyx Lorenzoni!"
Texto de Jayme Serva, Blue Bus

HAVE GUN



No Preblog: ARMA QUENTE - 1 e ARMA QUENTE - 2

Cabeça de índio com fone de ouvido

Aqui está outra descoberta estranha (2006) no Google Earth.
Em Cypress County, Alberta, no Canadá, existe este relevo montanhoso que se parece com a cabeça de um índio. Parece muito real, ainda mais realista do que o rosto em Cidônia, Marte.


Você pode ver que ele usa um fone de ouvido (o fio do fone de ouvido é uma via de acesso).

Violão de aço (steel guitar)

O termo "violão de aço" (steel guitar) não deve ser confundido com "violão de cordas de aço". Refere-se a um instrumento e a uma técnica a de tocar o violão horizontalmente, com as cordas sendo percutidas com os dedos da mão direita, enquanto a mão esquerda desliza uma barra ou lâmina de aço sobre o braço do instrumento.
Isso pode ser tentado em qualquer violão elétrico ou guitarra, mas é mais factível em instrumentos projetados e produzidos para esse estilo de tocar, normalmente com linhas pintadas em vez de trastes, a fim de que as cordas não permaneçam muito altas para serem pressionadas.
A barra (ou lâmina) chamada de aço, que dá à técnica seu nome, provavelmente foi feito originalmente de aço, ou o nome pode vir da lenda de que o primeiro deles veio de uma ferrovia.
Muitos materiais são usados, mas níquel - banhado a bronze é o material de preferência para as lâminas de alta qualidade. Elas são moldadas para caber na mão e, como resultado, apresentam uma secção transversal não muito diferente da seção de um trilho de ferrovia.
A técnica foi inventada e popularizada no Havaí, daí ser a guitarra horizontal também chamada de guitarra de aço havaiana. No entanto, a guitarra havaiana é aquela geralmente tocada na posição convencional ou espanhola.
Fontes: https://en.wikipedia.org/wiki/Steel_guitar e outras.


"Sleep Walk" (Caminhada do Sono), por Doug Beaumier
www.playsteelguitar.com

Absolutamente belo, Doug!
Áudios disponíveis no site dele:
Christmas Island, Sleep Walk, Ghost Riders In The Sky, Let It Be Me, How D’Ya Do e The Enchanted Sea
Sleep Walk foi o hit pop # 1 para Santo e Johnny, em 1959.

Aqui está o grande Kayton Roberts no Hawaiian Room, na Convenção de 2005 da Steel Guitar. A esposa dele está ao teclado e a música é "Little Brown Gal".


02 fevereiro, 2019

De Fortaleza a Anchorage

A qualquer lugar dá para ir a pé se você tiver tempo.


Sorry, we could not calculate walking directions from "Fortaleza, State of Ceará" to "Anchorage, Alaska, USA".

Rodapost
Uma vez eu já quis estar tão longe de tudo que, literalmente, não poderia estar mais longe. Comecei a planejar uma viagem até o polo continental da inacessibilidade, que fica no Deserto de Dzoosoton Elisen, no noroeste da China, a 2.648 km do mar.
Um polo de inacessibilidade é definido como um lugar sobre a superfície da Terra cuja distância à linha de costa é localmente máxima. Como linha de costa deve entender-se a dos oceanos ou de mares ligados com o oceano aberto. Também por definição, um polo de inacessibilidade deve ser perfeitamente equidistante de três pontos sobre a linha de costa.
Usando o Google Maps, o Wikimapia e o OpenStreetMap, não consegui encontrar referências de hotéis e restaurantes no local de destino. Aliás, não consegui encontrar nem esse lugar.

Big Data

Em tecnologia da informação, o termo Big Data refere-se a um grande conjunto de dados armazenados. Diz-se que o Big Data se baseia em 5 V's :
  • velocidade 
  • volume 
  • variedade 
  • veracidade 
  • valor.
Até o ano passado, a marmota Phil vinha acertando suas previsões meteorológicas em 37%. Fiquem atentos: hoje é dia de Phil fazer prognóstico. Ela precisa aumentar sua acurácia para 50%.

01 fevereiro, 2019

Se, no início...

... você não conseguir, destrua todas as provas de que você tentou.
... parece que tudo está indo bem é que você obviamente negligenciou algo.
... você não tiver sucesso, o pára-quedismo não é para você.
    Steven Wright

    Resolução de mês-novo

    "É mesmis?"




    Este mês vou ficar três dias sem beber:
    29, 30 e 31.