11 novembro, 2010

"Pílulas do mato"

Minha avó Almerinda costumava fazer referências a elas. Eram muito populares e, nos meus tempos de menino em Otávio Bonfim, podiam facilmente ser compradas nas mercearias do bairro. Mas não tinha a menor ideia para que as tais "pílulas do mato" serviam. E se persisti nessa ignorância foi porque jamais perguntei isso à minha avó.
Muitos anos depois, ao trabalhar como médico no Hospital de Messejana, vim a conhecer Dr. Jorge Matos. Uma grande figura humana que chefiava o serviço médico-assistencial da instituição. Corrigiu-me ele o nome do medicamento: de "pílulas do mato" para... "Pílulas do Cirurgião Dr. Matos", explicando-me ter sido esse cirurgião um bisavô dele.
Foi em 1846 que Dr. Mattos desenvolveu as pílulas que levam o seu nome, ao fazer uma associação da "cabacinha" com a "batata-de-purga", plantas que ele colhera no Sítio Alagadiço Novo de propriedade do Senador Martiniano de Alencar. E elas foram, por muitos anos, o fitoterápico de maior preferência no meio rural do Norte e Nordeste do Brasil. O filho do cirurgião Mattos, Joaquim de Alencar Mattos tornou-se farmacêutico e revestiu as pílulas inventadas pelo pai com prata, para evitar falsificações e fez o registro no Ministério da Saúde em 1908 (reg. N º 5).


A imagem do fruto da Luffa operculata, 
planta vulgarmente conhecida por "cabacinha", 
que entra na composição das "Pílulas do Dr. Mattos"

Ler no blog a respeito do Prof. Abreu Matos (irmão de Dr. Jorge Matos), que foi uma referência nacional no estudo das plantas medicinais.

8 comentários:

Aida Matos Montenegro disse...

A FIEC está montando o museu da indústria. As Pílulas de Mattos tiveram sua indústria e acho que sua memória deveria, estar neste museu.

Estas pílulas receberam premios em algumas exposições em Paris, se não me engano, ainda no século XIX.

Sou filha do Prof Abreu Matos e tenho alguns documentos sobre as famosas pilulas.

No arquivo central existem uma série de documentos que fazem alusão à elas, inclusive porque o filho do cirurgião Mattos tinha criado o Almanaque Mattos.

Gostaria de unir força e conhecimento no sentido de manter viva esta memória.

Trabalho na Secretaria da Saúde do Estado do Ceará e meu nome é Aida Matos Montenegro - 3101 5154

Paulo Gurgel disse...

Minha cara Aída,
Você conta com o meu apoio pessoal e com os espaços de meus blogs "EntreMentes" e "Linha do Tempo" em seus esforços para preservar a memória das "Pílulas do Dr. Mattos", nisto se incluindo a exposição sobre a indústria deste fitoterápico no Museu da Indústria da FIEC (em fase de organização).

JúnioR Alencar disse...

mauricio disse...

Pra que serve?

Paulo Gurgel disse...

Servia como analgésico, anti-inflamatório, diurético, laxante etc.
Essas pílulas foram muito populares no passado quando não havia o rigor científico como o que se exige para os atuais fármacos.
A Anvisa já proibiu o comércio deste produto.

Lucio alencar disse...

Adorei saber que tem alguem ainda vivo desta grande pessoa nao sei como contribuir. Para esta tese ou nao sei o que mas se presizar de mim estou sempre a dis posiçao. Desculpe os erros ortograficos. D t a

Lucio alencar disse...

Mais se encontra no mercado pararelo iiiii e muito bom pois 9o pessoas que. As usam e pela fe i deus esta a toda prova...... Ou nao ?

Rita de Cássia Pinto dos Santos disse...

Muito valor para a medicina fitoterapica, devem sim trabalhar para que todos conheçam.
Parabéns à família Matos, pelo orgulho de seu antepassado.
Não conheço o produto, não sou do noroeste, gostaria muito de mais informações.