31 dezembro, 2008

Algumas reflexões para 2009

Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito. Machado de Assis
Jamais haverá ano novo, se continuar a copiar os erros dos anos velhos. Luís de Camões
Quem nunca errou nunca experimentou nada novo. Albert Einstein
Se eu pudesse voltar à juventude, cometeria todos aqueles erros de novo. Só que mais cedo. Tallulah Bankhead
Não há assunto tão velho que não possa ser dito algo novo sobre ele. Fiodor Dostoievski
Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça... Mário Quintana
Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade. Carlos Drummonde de Andrade

UM FELIZ ANO-NOVO PARA TODOS!

Porque é Ano Novo

O POVO dedica a primeira página de sua edição de hoje ao ano de 2009. Com a publicação da letra da canção "Ano Novo", composta por Chico Buarque em 1967.



"O rei chegou 
E já mandou tocar os sinos 
Na cidade inteira. 
É pra cantar os hinos 
Hastear bandeiras. 
E eu que sou menino 
Muito obediente 
Estava indiferente 
Logo me comovo 
Pra ficar contente 
Porque é Ano Novo."

(esta e mais três estrofes)

30 dezembro, 2008

Olhares da Natureza


Animais mortíferos

Eis a lista dos dez animais mais mortíferos para os seres humanos, organizada pelo site AskMen.com:

10º - Medusas (águas-vivas)
> 100 mortes por ano
9º - Hipopótamos
> 200 mortes por ano
8º - Leões
> 250 mortes por ano
7º - Abelhas
> 400 mortes por ano
6º - Búfalos
> 500 mortes por ano
5º - Elefantes
> 600 mortes por ano
4º - Crocodilos
> 2.000 mortes por ano
3º - Escorpiões
> 5.000 mortes por ano
2º - Serpentes
> 100.000 mortes por ano
1º - Mosquitos ------------------>
> 2.000.000 de mortes por ano

29 dezembro, 2008

A dama de vermelho

As mulheres que usam roupas na cor vermelha em um encontro amoroso podem encontrar parceiros dispostos a gastar mais com elas. 
Foi o resultado de uma pesquisa com perguntas e imagens, aplicada em cerca de cem homens na Universidade de Rochester, EUA, e que foi publicada na revista acadêmica Journal of Personality and Social Psychology.
O professor de psicologia Andrew Elliot, que conduziu a pesquisa, declarou-se "fascinado por ter descoberto como uma coisa tão simples pode causar efeitos no comportamento de cada um de nós".

Via Pravda.

28 dezembro, 2008

Tudo azul

Para obter a colaboração dos chefes tribais na luta contra o Taleban, a CIA tem usado os mais diversos incentivos. Utensílios domésticos, brinquedos, material escolar, viagens e tratamentos dentários, dentre outros.
Numa ocasião, para conseguir informações com um patriarca tribal, um agente da CIA apelou para um item... fora do catálogo. Umas pílulas azuis, que foram dadas ao patriarca com este conselho:
"Tome-as. Ficará encantado."
O homem, um sexagenário cheio de obrigações com suas quatro jovens esposas, ficou deveras encantado. E retribuiu o presente recebido, quatro dias após, sob a forma de importantes informações. Além de declarar ao agente que ainda dispunha de outras... a serem reveladas depois de receber mais pílulas do Viagra.

Pela blogosfera - 30

Saiu no blog Política e Negócios, de Robério Carvalho, a postagem "Modificação do corpo" de EntreMentes. 
E esta bitácora  passou também a figurar em "links bacanas" do The second raid, de Rafael Melo.
Os blogs deles podem ser acessados pelo nosso blogroll

27 dezembro, 2008

"Pedacinho do Céu"

Junto com "Brasileirinho" e "Delicado" são as músicas mais conhecidas de Waldir Azevedo.
Com seus improvisos na gaita de boca, Maurício Einhorn mostra neste vídeo a beleza sem limites do choro "Pedacinho do Céu". Tendo aqui o acompanhamento de Edgard Gianulo (violão) e Arismar do Espírito Santo (baixo), duas "feras".


O gaitista Maurício Einhorn, que está entre os maiores do mundo, foi um ativo partipante da Bossa Nova. Compôs sucessos como "Estamos aí" (com Durval Ferreira e Regina Werneck), "Tristeza de nós dois" (com Durval Ferreira e Bebeto) e "Batida diferente" (com Durval Ferreira).

Efeméridas

As efeméridas são insetos de uma ordem à qual pertencem muitas espécies distribuídas por todo o planeta. Em sua fase adulta, esses insetos voam, acasalam-se e morrem - tudo em um único dia! Contrastando com o tempo de vida que levam (2 a 3 anos) enquanto são larvas aquáticas.

cartoon 1 ------------------------------                           cartoon 2







26 dezembro, 2008

Bem bolado

Bolas de soprar, à primeira vista.


Mas, quando se infla uma delas, o que está inscrito na bola torna-se legível. É o cartão de visitas de uma clínica pneumológica.


Via CrookedBrains.

25 dezembro, 2008

A invenção do sanduíche

John Eduard Montague, o Conde de Sandwich, gostava tanto de jogar bridge que não parava nem para comer. Refeições com garfo e faca poderiam tirá-lo da jogatina. Por isso, a sua comida, geralmente salame, presunto ou queijo, vinha à mesa entre dois pedaços de pão.
É como se explica, de forma reduzida, o motivo que levou o conde a criar o sanduíche. No entanto, até que ele chegasse a esse invento, houve necessidade de muita inspiração e transpiração.
Segundo Woody Allen (imagem), foi esta a "verdadeira" história da invenção do Conde de Sandwich (da qual eu reproduzo apenas a parte de 1736 a 1958).

(...)
1736: Entra (o conde) para a Universidade de Cambridge, a pedido dos pais, a fim de estudar retórica e metafísica, mas demonstra pouco interesse por ambas. Constantemente revoltado com as convenções do mundo acadêmico, é acusado de furto de algumas fatias de pão e de realizar experiências imorais com elas. Finalmente taxado como herege, é expulso da universidade.
1738: Renegado por todos, parte para os países escandinavos, onde por três anos dedica-se intensamente a uma pesquisa sobre queijos. Impressiona-se com a enorme variedade de sardinhas que passa a conhecer e anota em seu bloco: "Estou convencido de que há uma perene realidade, além de tudo que o homem já realizou, na simples justaposição de alimentos. Simplificar". De volta à Inglaterra, conhece e casa-se com Nell Smalbore, filha de um verdureiro. Ela lhe ensinará tudo sobre alfaces.
1741: Vai viver no campo, às custas de uma pequena herança, deixando frequentemente de almoçar ou jantar a fim de economizar dinheiro para comprar comida. Sua primeira obra terminada - uma fatia de pão, outra fatia de pão em cima desta e uma fatia de peru em cima de ambas - fracassa miseravelmente. Desapontado, retorna ao laboratório e começa tudo de novo.
1745: Após quatro anos de trabalho insano, convence-se finalmente de que está às vésperas do sucesso. Numa cerimônia de grande solenidade, exibe para seus pares uma nova tentativa: duas fatias de peru com uma fatia de pão no meio. A obra é rejeitada por todos, exceto por David Hume, que pressente naquilo a iminência de algo importante e o encoraja. Estimulado pela amizade do filósofo, retorna ao trabalho com vigor renovado.
1747: Já sem dinheiro, não pode mais se dar ao luxo de pesquisar com peru ou rosbife, e passa a trabalhar com presunto, que é mais barato.
1750: Na primavera, faz a demonstração de três fatias de presunto empilhadas consecutivamente, o que atrai ligeira atenção, principalmente nos meios intelectuais. Mas o grande público continua indiferente. Três fatias de pão, uma em cima da outra, provocam algum comentário e, embora um estilo maduro ainda não esteja à vista, é procurado por Voltaire, que o convida a visitá-lo.
1751: Viaja à França, onde Voltaire lhe informa que também chegou a alguns interessantes resultados usando pão e maionese. Os dois tornam-se amigos e iniciam uma correspondência que terminará abruptamente porque Voltaire ficará sem selos.
1758: A crescente aceitação de suas experiências junto à opinião pública resulta num convite da Rainha para preparar "algo especial" que ela possa beliscar com o embaixador espanhol. Passa a trabalhar, dia e noite, rasgando centenas de rascunhos, mas finalmente - às 4:17 da madrugada de 27 de abril de 1758 - cria uma obra que consiste de várias fatias de presunto guarnecidas por duas fatias de pão, uma em cima e outra embaixo.
(...)
In: Cuca Fundida

24 dezembro, 2008

Um rock de Natal

Gravada por Bobby Helms poucos dias antes do Natal de 1957, a canção "Jingle bell rock" foi um sucesso imediato. Reemergindo nos períodos natalinos dos anos seguintes e se tornando, com o passar do tempo, num dos clássicos do Natal.
Permanece sob controvérsias quem foi o autor da canção. Não é certo que tenha sido o próprio Bobby Helms e muitos outros nomes, de acordo com a ASCAP e a All Music Guide, já tem sido apontados como sendo autores.
Como música, "Jingle bell rock" é assumidamente um rock, gênero pouco usual para uma canção natalina. Nela, há inclusive uma referência a "Rock around the clock", um sucesso de "Bill Haley and his comets" na década de 1950.
E, sobre o tema, é evidente que sofreu a influência de "Jingle bells", outro grande clássico do Natal, cuja melodia é por sinal evocada no início de "Jingle bell rock".
Num áudio do Mixwit, coloquei duas gravações desta música: 1) com Bobby Helms e 2) com Billy Idol.

PS datado de 08/01/09 >
Desinseri esse áudio hoje por não mais funcionar. A propósito, ler nota adiante sobre a saída do site Mixwit da internet.

23 dezembro, 2008

Os cartões de Natal de Roy Doty

Por mais de 60 anos, o cartunista e ilustrador Roy Doty fez seus próprios cartões de Natal. Que eram admirados por seus destinatários, principalmente pela riqueza de detalhes que esses cartões apresentavam.
Este, por exemplo, foi o modelo daqueles que o cartunista enviou aos amigos no Natal de 1971. Nele, vê-se um Papai Noel a acionar uma intricada máquina de desejar votos. De paz, amor, fé etc.

Professor Abreu Matos

Faleceu ontem, aos 84 anos, o professor Francisco José de Abreu Matos, o criador do "Projeto Farmácias Vivas". Uma referência por seus estudos sobre plantas medicinais, Abreu Matos foi professor da Universidade Federal do Ceará, nas disciplinas de Farmacognosia e Química Orgânica, e um de seus destacados pesquisadores. Nas áreas de sua atuação científica, com ênfase para a Química dos Produtos Naturais, ele deixou vários livros e dezenas de artigos publicados.
Era também irmão do meu dileto amigo Jorge Matos, médico pneumologista e ex-diretor do Hospital de Messejana, a quem expresso as minhas condolências.

22 dezembro, 2008

Penso, logo cito - 12

Pedro Bloch, médico e dramaturgo:

"Mesmo um relógio parado consegue estar certo em algum momento do dia."

Nota bene - Uma frase de teor semelhante tem a sua autoria atribuída a Paulo Coelho.

21 dezembro, 2008

A dureza e a beleza

O diamante é o material mais duro que existe na Natureza. Ele representa o número 10 na Escala de Mohrs, o grau máximo para a dureza de materiais.
No entanto, não é o material mais duro conhecido pelo homem. Pois, nos últimos anos, o diamante tem sido destronado de seu "posto de dureza" por novos materiais sintetizados em laboratórios.
Eis dois exemplos:
Em 2005, físicos alemães (Natalia Dubrovinskaia e seus colegas da Universidade de Bayreuth) criaram um material 11% mais duro do que o diamante, submetendo moléculas de carbono-60 a um aquecimento sob pressões imensas. Com a obtenção de uma nova forma de carbono, que é conhecida como nanobarras agregadas de diamante ou ADNR (da expressão em inglês Aggregated Diamond NanoRods), uma espécie de "hiperdiamante" (ver a figura).
Em 2007, outros grupos de cientistas, nos Estados Unidos da América e na Alemanha, produziram um novo material que é também mais duro do que o diamante, misturando partículas do mineral titanato de bário com o estanho fundido.
Até aqui falei de dureza. Já que, em questão de beleza, esses novos materiais produzidos pelo homem não "riscam" o diamante.
A sério, Confúcio realmente disse:

"Melhor um diamante com uma imperfeição do que um cascalho perfeito."

"Samba de verão"

Aqui numa interpretração bilingue (que inclui a versão inglesa "So nice") a cargo da cantora Sitti Navarro. Admiradora declarada de Astrud Gilberto, a filipina Sitti é uma grande divulgadora das canções da Bossa Nova.


"Samba de verão" foi composto pelos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle. Gravado em 1966 nos Estados Unidos por Walter Wanderley, alcançou o segundo lugar nas paradas de sucesso norte-americanas. E, desde então, recebeu mais de 80 regravações somente nesse país.
Outros grandes sucessos dessa dupla são: "Preciso aprender a ser só"(que inspirou Gilberto Gil a compor "Preciso aprender a só ser"), "Deus brasileiro", "Viola enluarada" e "Mustang cor de sangue".

20 dezembro, 2008

É verão!

Inicia-se hoje no hemisfério sul da Terra (e no Brasil) o verão - estação a findar em 20 de março de 2009. E cujos dias são mais longos (daí a mudança no horário) e... mais quentes.
Não faltando quem queira se aproveitar da situação para conseguir tatuagens com a exposição da pele à irradiação solar, a qual incide com maior intensidade sobre a superfície terrestre durante os dias de verão.


Atenção
Não tente fazer isto no terraço de casa (nem na praia). Essas tatuagens feitas pelo sol não passam de queimaduras e aumentam os riscos para os cânceres de pele.

Cartum enigmático

A piece of cake. Uma verdadeira moleza para quem era acostumado a resolver as cartas enigmáticas do Sesinho. Apenas um pouco de acurácia e... o enigma abaixo será resolvido.


Informação
Sesinho foi um revista que circulou mensalmente no Brasil, no período de 1947 a 1960, trazendo estórias, fábulas, passatempos (como as cartas enigmáticas), dicas sobre trabalhos manuais, reportagens e também divulgando as atividades desenvolvidas pelo SESI.

19 dezembro, 2008

Sugadores de espíritos

No passado, a fotografia chegou a ser vista como algo demoníaco por pessoas pouco esclarecidas. Havia inclusive quem achasse que a máquina fotográfica tinha o poder de sugar o espírito das pessoas.
Imagine agora o portador de uma crendice dessas, caso tivesse de enfrentar este aguerrido batalhão?

18 dezembro, 2008

A fábula da formiga filósofa

Não há nada de novo sob o sol?
Incomodada por esta questão, a formiga subiu a um cipó em busca da resposta. A um cipó, já meio ressequido, que ela considerou ideal para instalar o seu posto de observação.
De lá, a formiga podia ver o mundo em que vivia. Mas, como constatou a seguir, havia um problema com o observatório que escolhera. Ficava muito abaixo do sol. E este, com o passar das horas, elevou-se cada vez mais até que ficou... a pino.
Depois disto, o sol passou a declinar no sentido do poente. Para o contentamento da formiga, que tomou esta decisão: "espero até o crepúsculo".
E o crepúsculo chegou. Foi quando, ao apurar a vista, a formiga viu... aliás, não viu nada. Pois todas as coisas já haviam mergulhado muito rapidamente na escuridão.
Então, ficou de retornar no dia seguinte (PGCS).

Ironias

Com os homens
Todos os homens são extremamente ocupados.
Embora estejam tão ocupados, eles ainda dispõem de tempo para as mulheres.
Embora tenham tempo para as mulheres, eles não gostam delas com sinceridade.
Embora não sejam sinceros com elas, um homem tem sempre uma mulher por perto.
Embora sempre tenham uma mulher, eles tentam a sorte com as outras.
Com as mulheres
Uma coisa importante para uma mulher é a segurança financeira.
Embora isto seja tão importante, elas ainda compram vestidos caros.
Embora comprem vestidos caros, elas nunca têm algo para vestir.
Embora nunca tenham algo para vestir, elas sempre se vestem divinamente.
Embora se vistam divinamente, acham sempre suas roupas "uns trapos velhos".
Embora suas roupas sejam "uns trapos velhos", elas ainda esperam que os homens as elogiem.
Embora aguardem que os homens as elogiem, quando isso acontece elas não acreditam.


Traduzido de Mangkok, no Scribd (PGCS).

17 dezembro, 2008

Estantes interessantes

Em seu weblog, Pedro Dória mantém uma seção intitulada Uma estante às quintas. Na qual ele mostra, nesse dia da semana, um exemplo de estante que foge aos padrões usuais.
Um ano atrás, registrei o fato. E, como não há quinta-feira em que ele faça forfait na tarefa a que se atribuiu, constato que a sua coleção virtual de estantes tem aumentado muito.
Diante de tantas opções, chega a ser um despropósito o exemplo de estante que escolhi para ilustrar a atual postagem. Não teve um design arrojado, parece feita à base de pó de serragem com cola, há poucos livros pelas prateleiras... Em compensação, veja só o que aparece - em primeiro plano - na fotografia da estante.
Simplesmente, o "acessório" que me abalançou a escolhê-la.

16 dezembro, 2008

Cúmulos

Acham-se a rodo pela internet os famosos cúmulos. Do tipo: Qual é o cúmulo da organização? Tomar sopa de letrinhas em ordem alfabética.
Entrementes, seria o cúmulo do pedantismo se este blog recusasse a tomar parte de tão popular brincadeira. Ainda que o faça com imagens.

Vírus x Antivírus

Os dois cenários - inicial e atual - dessa luta que vem sendo travada no terreno da informática, segundo a visão de um cartunista.
1
2

Itapiúna - CE

15 dezembro, 2008

Sapatos para Bush

Na última "visita" ao Iraque, se Bush não tivesse se agachado (com agilidade, reconheço), atrás da tribuna em que dava uma entrevista coletiva, teria levado no frontispício uma ou duas sapatadas. Com os sapatos arremessados por um jornalista iraquiano, irado com as mazelas que a Guerra do Petróleo tem trazido para a sua terra natal.
No mundo árabe, jogar os sapatos em alguém é uma forma de expressar o mais profundo desprezo. Facilmente compreensível por quem desconheça os costumes da região. E, no meio de uma claque montada para aplaudir o presidente norte-americano, foi exatamente o que o patriota iraquiano fez. Jogou os seus sapatos, enquanto proferia - em inglês - umas palavras a Bush nada agradáveis.
O jornalista foi detido pelos seguranças, obviamente. A depender do humor do presidente, talvez venha a passar uma temporada em Guantânamo onde Bush mantém um "resort".

Nos Estados Unidos da América, há outro contencioso à espera de Bush. A respeito de como se livrar de um grande número de sapatos e botas que pertenceram a militares norte-americanos mortos no Iraque. Estão com os familiares deles e, frequentemente, são colocados em exposições de natureza pacifista (ver foto).

Para ser exato - 2

:-)

14 dezembro, 2008

Para ser exato - 1

A viagem anual da Terra em torno do Sol não corresponde exatamente a 365 dias, pois leva de fato 365,2422 dias. Sendo, por isso, que se acrescenta um dia ao ano, a cada quatro anos, originando os chamados anos bissextos.
Além disso, para compensar as irregularidades na rotação do planeta, em intervalos variáveis surge outra necessidade. Acrescentar ou subtrair um segundo ao ano para sincronizar os relógios (atômicos, os comuns carecem dessa precisão) com essas alterações na duração dos dias.
O órgão International Earth Rotation and Reference System Service, que monitora o "comportamento" da Terra, costuma usar o último dia do ano para realizar a atualização dos relógios atômicos. No próximo 31 de dezembro, haverá mais um destes ajustes - com o acréscimo de um segundo ao dia.

13 dezembro, 2008

O eclético Bob Hope

"Faço shows para todas as religiões. Detestaria prejudicar minha ida para o Céu por um simples detalhe técnico."
Depois de ler, no site Frases Ilustradas (neste blogroll), a declaração acima feita por Bob Hope, achei que ele merecia uma "pesquisada" na Wikipédia.
Bob Hope (1903 - 2003), o nome artístico de Leslie Townes Hope, foi um comediante dos Estados Unidos da América. Formou nos anos 40, ao lado do cantor/ator Bing Crosby, uma das mais famosas e influentes duplas cômicas do cinema. Embora nunca tenha ganho um Oscar por suas representações no cinema (mais de 60 longa-metragens e 25 curta-metragens), o comediante Bob Hope foi, em vários anos, o apresentador da festa de entrega desse prêmio.
E que ele merecia uma "pesquisada" também no YouTube, onde encontrei este vídeo de "Paleface" (filme de 1948) em que Bob Hope aparece cantando "Buttons and Bows". E tocando, pelo que parece, uma sanfoninha cenográfica.

"Cansei!"

É o nome de um movimento que pretendo dar início a partir do Ceará. Malgrado o nome, este movimento não tem conexão com o outro "Cansei!" que, num passado recente, três ou quatro ratos pingados tentaram impingir ao país.
O novo "Cansei!", cuja missão vai ser abaixo informada, só tem boas intenções.
Destina-se a congregar os blogueiros que já tenham sido prejudicados por imagens em formato GIF com movimento. Pois eu não acredito que esse engodo aconteça só comigo. Publicar no Blog uma dessas imagens (a partir de sua URL) e, pouco tempo depois, verificar que a sua animação parou. Ou, o que é pior, constatar que a imagem publicada foi substituída por uma quadrícula com um xis. Com a postagem em que a mesma foi adicionada ficando: 1) sem graça ou 2) sem sentido.
Nesse EntreMentes, começarei por boicotar as tais imagens em formato GIF com movimento. Sem dó nem comiseração, pois este é um movimento contra a falta de movimento delas, ora bolas.
Começou a Inconfidência Blogueira.

12 dezembro, 2008

Ao topo da cadeia alimentar

-
O peixe unido


jamais será comido.

Palestra no Pulmocenter

Ontem à noite, pneumologistas e cirurgiões torácicos lotaram o auditório do Pulmocenter em nossa cidade. Em virtude de um evento, organizado pela Dra. Márcia Alcântara Holanda (diretora do Pulmocenter), o qual teve como destaque a palestra do Professor Carlos Alberto de Castro Pereira sobre o tema "Importância da Espirometria no Dia-a-Dia do Pneumologista".
O Professor Pereira, Doutor em Pneumologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é um dos principais pesquisadores do Brasil, quiçá do mundo, na área da Função Pulmonar. E a sua presença em Fortaleza, a par da brilhante palestra que nos deu, serviu para dissipar muitas das dúvidas que os pneumologistas locais tínhamos sobre o assunto.
De parabéns, a direção do Pulmocenter pelo evento científico que realizou com amplo sucesso.

11 dezembro, 2008

A arca dos dinos

Diz a mitologia judaica que um homem chamado Noé construiu uma grande arca, na qual conseguiu salvar as espécies animais que ainda vivem na Terra da extinção pelo Dilúvio Universal.
Dessa fonte não há o relato, mas o patriarca fez também uma segunda arca, cujas dimensões eram todas em dobro. Com a idéia de salvar também os dinossauros. Mas, por não ter o dom da ubiquidade, entregou o comando do Gigantic (o nome da segunda arca) a Néo.
Néo, que era primo de Noé, gostava de criar dinos e anagramas. E considerou que recebia a missão de Deus, ainda que ela tivesse vindo de forma indireta. E se preparou com os seus lagartões para enfrentar o anunciado Dilúvio.
Infelizmente, foi mal sucedido em sua missão. E a sua arca naufragou, causando a morte de todos os dinossauros. Escapando apenas o Dragão de Komodo, porque os representantes da espécie haviam embarcado por engano na arca de Noé. Embora o Dragão, macho e fêmea constassem da lista de passageiros do Gigantic.
Um dia, os paleontólogos encontrarão os restos dessa arca no fundo do Mar Morto. De Néo, porém, não esperem encontrar vestígios no lugar. Conseguiu salvar-se do aguaceiro que o céu despejou, usando a única bóia que havia a bordo.
Depois disso, gerou Léo que foi morar na península itálica e deu origem à conhecida família DiCaprio (PGCS).

Silêncio, hospital


Uma post/imagem dedicada a 14 formandos de medicina, em Londrina - Paraná, meus futuros colegas de profissão, que, prestes a concluírem o curso de graduação, ainda precisam passar por um ajuste de conduta.

10 dezembro, 2008

O Clube dos ENTA

Digna de elogios a atual campanha contra a AIDS do Ministério da Saúde, focando a população heterossexual com mais de 50 anos de idade - as pessoas do "Clube dos ENTA". Assim consideradas porque pertencem às faixas etárias dos cinquenta, sessenta e setenta anos de idade.
A escolha desse público-alvo se deu, principalmente, porque a incidência de AIDS dobrou nessa população nos últimos dez anos, Ao contrário do que muitos pensam, os homens maduros têm uma vida sexualmente ativa e os últimos estudos em nosso país mostram que eles, nas comparações feitas com os homens jovens, vêm usando menos os preservativos nas relações sexuais.
É um público que ainda não tinha sido alvo das campanhas contra a AIDS. E que, agora, diante do que os números da AIDS estão a mostrar, torna-se importante ser conscientizado sobre as práticas de sexo seguras.

Natal econômico


O dinheiro anda curto para adquirir uma árvore de Natal?
Aqui tem uma sugestão para se fazer uma delas. É do gênero do it yourself, em que basta apenas que se passe um lápis num apontador (do tipo estrela, preferivelmente).
Itens que podem ser comprados - e com direito a algum troco - numa loja de 1,99.

08 dezembro, 2008

Em missão de paz

:-)Para não decepcionar os recém-chegados à Terra, EntreMentes reservou-lhes um slideshow especial. A seguir.

07 dezembro, 2008

O mundo é uma bola

As primeiras bolas de futebol usadas no Brasil eram importadas da Europa. Custavam caro e demoravam a chegar a nosso país. Até que, em 1901, alguém mostrou uma bola inutilizada a um sapateiro chamado Caetano, que possuía uma lojinha no bairro de Ipiranga, em São Paulo. Com o desafio para que fabricasse uma igual; o que Caetano fez com perfeição, em poucos dias. E, logo, outros sapateiros passaram também a fabricá-las, fazendo com que o Brasil passasse de importador a exportador de bolas.
Caetano morreria na miséria, sem o devido reconhecimento da contribuição que deu ao futebol pátrio.

Fonte:Bola de Meia

Bola, como é em outros idiomas:
Ball (inglês, alemão, norueguês)
Pelota (castelhano)
Ballon (francês)
Palla (italiano)
Bal (holandês)
Pilka (polaco)
Boll (sueco)
Pallo (finlandês)
Top (turco)
Топка (russo)
توپ (árábe)

A bola, assim como o próprio futebol, tem sido uma fonte inspiradora para muitos escritores brasileiros. Como foi ao poeta e diplomata João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999), a quem devemos esta preciosidade literária:

"Bola de futebol...é um utensílio semivivo
de reações próprias como bicho
e que, como bicho, é mister
(mais que bicho, como mulher)
usar com malícia e atenção
dando aos pés astúcias de mãos."

No Preblog

Dois textos que escrevi em 1980, e revisados recentemente, foram inseridos no Preblog.
"Zé Brasil", uma peça em 1/2 ato, e "O 'sonho' da Mezalândia", um diálogo imaginário sobre o golpe militar que colocou na presidência da Bolívia o general Luis Garcia Meza (*).
Aos interessados.

(*) Acusado de envolvimento com o narcotráfico pelos EUA, Meza foi deposto em 1981.

06 dezembro, 2008

Funeral blues

O filme "Quatro casamentos e um funeral" contribuiu para tornar mundialmente conhecido este poema de W. H. Auden. Quando o incluiu na cena (assista ao vídeo) em que foi declamado pelo ator escocês John Hannah.
No Brasil, o poeta e jornalista Nelson Ascher realizou uma primorosa tradução do "Funeral blues" para:

BLUES FÚNEBRE

Detenham-se os relógios, cale o telefone,
jogue-se um osso para o cão não ladrar mais,
façam silêncio os pianos e o tambor sancione
o féretro que sai com seu cortejo atrás.

Aviões acima, circulando em alvoroço,
escrevam contra o céu o anúncio: ele morreu.
Pombas de luto ostentem crepe no pescoço
e os guardas ponham luvas negras como breu.

Ele era norte, sul, leste, oeste meus e tanto
meus dias úteis quanto o meu fim-de-semana,
meu meio-dia, meia-noite, fala e canto.
Julguei o amor eterno: quem o faz se engana.

Apaguem as estrelas: já nenhuma presta.
Guardem a lua; e o sol também foi o bastante.
Recolham logo o oceano e varram a floresta.
Pois tudo mais acabará mal de hoje em diante.

P. S. >
Na tradução do filme para o português o poema foi legendado de uma outra forma.

O que rola na Turquia...

Que o designer turco Fatih Baltas criou um tipo especial de dado. Apenas para ser usado no jogo "pedra, papel e tesoura".


Comentário
Caso o proprietário de um desses dados venha a perdê-lo, não tem problema. É só continuar jogando como nos velhos tempos.
Dado que ainda tem a mão.

Leia mais sobre o jogo "pedra, papel e tesoura", aqui.

05 dezembro, 2008

Esqueleto paga meia

É só aprovar o projeto de lei que esta cena vai se tornar comum em Fortaleza.


Imagem de Nick Veasey, via Obvious.

04 dezembro, 2008

A título de...

Vez por outra me surpreendo desempoeirando velhos papéis guardados. Entre notas fiscais, cartas, recibos, cartões de visitas, um que sempro encontro pegando aquele ranço é o meu título de eleitor.
Arranjo tempo para levar dois dedos de prosa com ele:
- Oi, bicho.
- Até que enfim... você me aparece. No mínimo, está de saída para votar.
- Desinformado... Então, as traças não lhe contaram? Que não vai haver eleição no ano de 1980.
- Mas... não estava tudo certo?
- E você... é como o cartão de crédito que acredita em tudo aquilo que ouve?

Se você se interessa pela história política menos recente do Brasil leia o conto todo no Preblog.

03 dezembro, 2008

"Bombinhas" sem CFC

A partir de 2011, as "bombinhas" para doenças pulmonares que usam os CFC como gás propelente terão o uso proibido em todo o território nacional. É o que estabelece a Resolução Nº. 88, de 25 de novembro de 2008, aprovada pela Direção Colegiada da Anvisa.
CFC é a sigla que identifica os clorofluorcarbonos, um grupo de gases ainda utilizados (mas que estão sendo gradativamente abolidos em escala mundial) para "dar impulso" a medicamentos encontrados nessas "bombinhas". E estas, por sua vez, constituem um recurso prático e quase indispensável para a administração desses medicamentos, por via inalatória, em casos de asma e de outras pneumopatias.
No Brasil, 12 medicamentos que usam CFC como gás propelente encontram-se registrados na Anvisa. Seus fabricantes, porém, vão dispor de um prazo (até 01/01/2011) para se adequarem à proibição, substituindo-o por outro gás (o hidrofluoralcano - HFA, por exemplo).
O motivo da proibição dos CFC nas "bombinhas" é que a emissão destas substâncias contribui para destruir a camada de ozônio da atmosfera, de modo a resultar em efeitos adversos à saúde humana (câncer de pele, danos à visão, supressão do sistema imunológico) e ao meio ambiente.

Sem piscar!

Um animado grupo de mulheres muçulmanas posa para uma fotografia de recordação.
Enquanto o fotógrafo capricha para registrar a nudez de seus olhares.

01 dezembro, 2008

Os cem olhos de Argus

Segundo a mitologia grega, Argus (ou Argos) era dotado de cem olhos. E, por isso, fora encarregado por Juno de vigiar Io (de quem Juno tinha ciúmes). Entretanto, Mercúrio, com seus poderes, fez Argus mergulhar no sono, aproveitando-se dessa situação para matá-lo. Juno, porém, restituiu-lhe a vida, sob a forma de um pavão.
Daí os "olhos" que existem na cauda colorida dessa ave.
Apesar dos pesares, é de Argos que deriva a palavra argúcia.