06 dezembro, 2008

Funeral blues

O filme "Quatro casamentos e um funeral" contribuiu para tornar mundialmente conhecido este poema de W. H. Auden. Quando o incluiu na cena (assista ao vídeo) em que foi declamado pelo ator escocês John Hannah.
No Brasil, o poeta e jornalista Nelson Ascher realizou uma primorosa tradução do "Funeral blues" para:

BLUES FÚNEBRE

Detenham-se os relógios, cale o telefone,
jogue-se um osso para o cão não ladrar mais,
façam silêncio os pianos e o tambor sancione
o féretro que sai com seu cortejo atrás.

Aviões acima, circulando em alvoroço,
escrevam contra o céu o anúncio: ele morreu.
Pombas de luto ostentem crepe no pescoço
e os guardas ponham luvas negras como breu.

Ele era norte, sul, leste, oeste meus e tanto
meus dias úteis quanto o meu fim-de-semana,
meu meio-dia, meia-noite, fala e canto.
Julguei o amor eterno: quem o faz se engana.

Apaguem as estrelas: já nenhuma presta.
Guardem a lua; e o sol também foi o bastante.
Recolham logo o oceano e varram a floresta.
Pois tudo mais acabará mal de hoje em diante.

P. S. >
Na tradução do filme para o português o poema foi legendado de uma outra forma.

Um comentário:

Paulo Gurgel disse...

I hope you like it.

W. H. AUDEN — FUNERAL BLUES
Stop all the clocks, cut off the telephone,
prevent the dog from barking with a juicy bone,
silence the pianos and, with muffled drums,
bring out the coffin, let the mourners come.
Let airplanes circle moaning overhead
scribbling on the sky the message: he’s dead.
Put crepe-bows round the white necks of the public doves,
let the traffic policemen wear black cotton gloves.
He was my North, my South, my East and West,
my working week, my Sunday rest,
my noon, my midnight, my talk, my song.
I thought that love would last forever; I was wrong.
The stars are not wanted now, put out every one.
Pack up the moon, dismantle the sun.
Pull away the ocean and sweep up the wood.
For nothing now can ever come to any good.