31 maio, 2008

Uma embolada líder de audiência

Nos últimos meses tenho colocado uns arquivos de música no 4shared. São 40 desses arquivos, quase todos da MPB, e que foram por mim obtidos na internet. Poderiam ser muito mais, não fosse a minha preguiça para realizar os passos necessários a esta tarefa.
O 4shared é um site que permite o compartilhamento dos arquivos. Alguém que pesquise uma determinada música pode, a seguir, baixá-la para o computador pessoal. E o usuário que tornou a música disponível no site consegue também saber o número de downloads que ela obteve.
Assim é que as minhas poucas músicas já formam um ranking:
Em primeiro lugar, acha-se a canção "Embolada", do piauiense-cearense Jorge Mello, que até agora obteve 68 downloads.
Em segunda e terceiro lugar, as canções "Adeus", de Toquinho e Vinicius, e "Berimbau", de Baden e Vinicius, que já receberam 61 e 57 downloads, respectivamente.
Em quarto lugar, a "Canta Brasil", de Alcir Pires Vermelho e David Nasser, na interpretação de Gal Costa, com 51 downloads.
Em quinto lugar, a "Espumas ao Vento", da trilha musical do extraordinário filme "Lisbela e o Prisioneiro", na voz de Elza Soares, com 44 downloads. E que poderia estar em primeiro, caso eu considerasse a soma destes downloads com os 29 que a música recebeu para uma outra versão, com o Trio Forrozão.

"O Soldado"

Ilustrei a postagem de ontem com "O Soldado", uma gravura de Hans Holbein.
Acrescentada à série "A Dança da Morte de Holbein", em sua edição de 1547 , esta gravura apresenta a Morte de uma forma diferente. Como não sendo mais a personagem que meramente aparece para anunciar o seu ofício. Mas a que se dispõe travar uma luta feroz contra quem pode enfrentá-la.
(A que quase aconteceu contra Dr. Asdrúbal.)
Abaixo, um slideshow (que me serve também para testar os recursos do Google Docs), com as versões feitas por outros artistas para a mencionada gravura de Holbein.

30 maio, 2008

Dr. Asdrúbal e a Morte

Se todo médico fosse como Dr. Asdrúbal a Morte teria bem menos o que fazer. Talvez até perdesse a razão de existir, envenenando-se a seguir com a própria saliva. Porque o bom doutor, com a dedicação de um legítimo filho de Hipócrates, de um modo tão eficaz assiste os seus pacientes que eles logo estão sarados. Para o desespero da Morte que, em cada enfrentamento perdido, vê desmilingüir o seu poder mortífero. Não sendo impensado dizer que, a persistir esse quadro adverso, dia haverá em que ela vai estar relegada aos casos declarados de iatrogenia.

Já virou cena comum Dr. Asdrúbal e a Morte se encontrarem, à beira de um leito, para travarem a titânica luta. Cujo término se dá, na maioria das vezes, com o facultativo "arran-cando a vitória das garras da derrota". E, por conseguinte, com a Morte batendo em retirada sem conseguir realizar o seu terrível capricho. Nada mais nada menos o de fazer as pessoas, no fim da vida, comerem capim pela raiz. Com suas liquidações a varejo, naturalmente - enquanto não chega o prometido Apocalipse.

Por sua atuação humanitária, o reto doutor é visto pela Morte como inimigo. Assim é que, numa vez, achando-se ela descontrolada, bateu com as luvas (não esterilizadas) no rosto do médico. Desafiando-o para um duelo, já que este agressivo gesto outra coisa significar não costuma. Bem, como Asdrúbal covarde não é, o desafio foi aceito. E dia, hora e local foram combinados, assim como quais as armas que seriam por ambos utilizadas. Com a Morte escolhendo a foice e o Dr. Asdrúbal, o bisturi. Embora pudesse de última hora mudar para a serra cirúrgica.

Termine a leitura do conto no Preblog.

29 maio, 2008

Penso, logo cito - 8

Aldous Huxley, escritor inglês:



"Os oráculos são sensíveis aos anseios de seus consulentes."



Porque é um pensamento que está outra vez atualíssimo com o retorno do velho Dr. Sanguinetti às respectivas atividades na Mídia Legal.

28 maio, 2008

Paulin da Flauta Nasal

Um cara que desperdiçou suas aulas de flauta no nariz, eis como Paulin se apresenta.

Considerando que...
- o buraco é mais embaixo para a flauta que tu usas;
- o nível de tua concorrência no YouTube nem sequer te ameaça.
Eu afirmo que, nesta modalidade, tu és o melhor, ó Paulin. Pena é que estejas a desperdiçar as aulas de Português ("flalta", Paulin?).

27 maio, 2008

Nado livre

-

Itapiúna - CE

Na blogosfera - 25

"Hi, Paulo Gurgel.
I bumped into your blog "Paulo Gurgel" and found it quite interesting.
I thought I should introduce you to my new blog link: http://cool-slideshows.blogspot.com.

It has some amazing collection of slideshows which fall in 12 different categories like games,celebrity,arts,food,travel....
I would love to get your thoughts on it and yes, if you like any slideshow, please feel free to embed it in your blog."

anuj agarwal.
É o teor da mensagem eletrônica que recebi deste norte-americano que edita blogs de slideshows.
Uma de suas apresentações (before and after pics) foi inserida na presente postagem. E, para o que o leitor possa apreciar outras, disponibilizei link no corpo de sua mensagem.

26 maio, 2008

O acendedor de lampiões - 2

No quinto planeta de "O Pequeno Príncipe", de Saint-Exupéry, em seu diálogo com o principezinho.

"Quando abordou o planeta, (o principezinho) saudou respeitosamente o acendedor:
- Bom dia. Por que acabas de apagar teu lampião?
- É o regulamento, respondeu o acendedor. Bom dia.
- Que é o regulamento?
- É apagar meu lampião. Boa noite.
E tornou a acender.
- Mas por que acabas de o acender de novo?
- É o regulamento, respondeu o acendedor.
- Eu não compreendo, disse o principezinho.
- Não é para compreender, disse o acendedor. Regulamento é regulamento. Bom dia.
E apagou o lampião.
Em seguida enxugou a fronte num lenço de quadrinhos vermelhos.
- Eu executo uma tarefa terrível. Antigamente era razoável. Apagava de manhã e acendia à noite. Tinha o resto do dia para descansar e o resto da noite para dormir...
- E depois disso, mudou o regulamento?
- O regulamento não mudou, disse o acendedor. Aí é que está o drama! O planeta de ano em ano gira mais depressa, e o regulamento não muda!
- E então? disse o principezinho.
- Agora, que ele dá uma volta por minuto, não tenho mais um segundo de repouso. Acendo e apago uma vez por minuto!
- Ah! que engraçado! Os dias aqui duram um minuto!
- Não é nada engraçado, disse o acendedor. Já faz um mês que estamos conversando.
- Um mês?
- Sim. Trinta minutos. Trinta dias. Boa noite.
E acendeu o lampião."

O acendedor de lampiões - 1

No célebre poema de Jorge Mateus de Lima (1895 - 1953), alagoano de União dos Palmares, que foi médico, poeta e romancista.
Jorge de Lima tinha 14 anos de idade quando escreveu este soneto.

"Lá vem o acendedor de lampiões da rua!
Este mesmo que vem, infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!

Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender, imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.

Triste ironia atroz que o senso humano irrita:
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.

Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!"

25 maio, 2008

Uma dupla hilária

Aleksey Igudesman (violinista) e Hyung-ki Joo (pianista) tocam juntos desde que, aos doze anos de idade, os dois se conheceram na Escola Yehudi Menuhin. Inspirados em Menuhin, decidiram compartilhar os sonhos de levar a música erudita para grandes platéias. Agora, muitos anos após, e seguindo os passos de Victor Borge, Dudley Moore e Glen Gould, apresentam shows em que combinam música com humor.
Neste vídeo, com "I will survive", o grande sucesso de Gloria Gaynor, uma amostra da fórmula que Igudesman e Joo utilizam.

24 maio, 2008

Com mel é melhor

Mel, se o achaste come o que baste.
A ventre farto o mel amarga.
Não comas figo nem mel onde água não houver.
Quem come fel, não pode cuspir mel.
Quem com mel lida, tem chance de uma lambida.
Azeite de cima, mel do fundo e vinho do meio.
Não provar do mel que é servido na ponta de uma faca (imagem).
Apanham-se mais moscas com mel do que com fel.
Quem nunca comeu melado, quando come se lambuza.

Gurgel, Gurgel, não tens abelhas mas vendes mel.

O pesadelo do datiloscopista

-

PGCS

23 maio, 2008

A bomba

Isto aqui é Drummond: "A bomba / não sabe quando, onde e porque vai explodir, mas preliba o instante inefável." É, prelibar pode. Mas que nunca dêem à bomba as coordenadas da explosão, acrescento eu. Que ela continue sendo a mesma besta de sempre, sem saber quando, onde e porquê. Mas, para tanto, é preciso não bestar o bicho-homem. Nunca apertar o botão do disparo. Só músculos, a bomba é capaz de não deixar uma xicrinha sobre pires nesta loja de louças chamada Terra.
Melhor ainda é que ela vá à Lua, assovie... mas não volte. O leitor não queira assistir na Terra a um espetáculo (bomba!), que lhe pode custar muito. As meninges assadas. E não bastassem a dor, a morte, os danos materiais, a metuenda, a ferotriste é capaz de muito estrago mais. A subversão da onomatopéia, por exemplo. Os sobreviventes da catástrofe atômica ver-se-ão afligidos, no após-bomba, pela total desorganização da onomatopéia. E isto não promete ser pouca coisa, senão ouçamos:
Por afetado no maquinismo do tempo, o relógio nos acordará a desoras com um persuasivo cocoricó. E se ainda houver galos e quintais, os primeiros subirão aos alambrados dos segundos, e tilintarão anunciando o Sol. Mas que Sol, meu Deus? Se a Terra toda estará num tenebroso inverno nuclear, com as chuvas caindo por todas as partes. Sim, as chuvas caindo fazendo frufru, para a alegria das rãs que estarão zunindo nos charcos. Pobres batráquios, não vãos ignorar as terríveis serpes ribombantes, seus inimigos naturais.

Complete a leitura da crônica no Preblog.

22 maio, 2008

Churchill responde

Convite de Bernard Shaw a Winston Churchill:
"Tenho o prazer e a honra de convidar Sua Excelência Primeiro-Ministro para a apresentação da minha peça "Pigmaleão". Venha e traga um amigo, se o tiver." Bernard Shaw
Resposta de Winston Churchill a Bernard Shaw:
"Agradeço ao ilustre escritor o honroso convite. Infelizmente não poderei comparecer à primeira apresentação. Irei à segunda, se houver." Winston Churchill

Conheça outras respostas divertidas de Churchill, aqui.

21 maio, 2008

Medicina Baseada em Etiqueta

O New England Journal of Medicine, em recente edição, traz um artigo do Dr. Michael W. Kahn, professor de psiquiatria da Harvard Medical School, em Boston, com o título Etiquette-Based-Medicine. No qual ele discorre sobre a importância de o médico, durante as relações médico-paciente, não negligenciar as regras de boas maneiras.
No artigo do Dr. Kahn, há inclusive um check list a ser seguido pelo médico em seu atendimento inicial de um paciente hospitalizado:

1. Peça permissão antes de entrar no quarto; aguarde a resposta.
2. Apresente-se, mostrando o crachá de identificação.
3. Estenda a mão para o cumprimento.
4. Sente-se; sorria (se isto for apropriado).
5. Explique de forma sucinta qual é o seu papel na equipe.
6. Pergunte como ele(a) se sente estando internado(a) no hospital.

Parece um rol de obviedades, não é? No entanto, são regras de etiqueta indispensáveis a todo profissional que se interesse em praticar uma medicina realmente humanizada.

20 maio, 2008

Chamando a atenção

Que as flores usam os mais variados recursos para atrair os insetos, não há dúvida sobre isso. Assim é que apresentam cores vivas, formatos instigantes, fragrâncias agradáveis e, last but not the least, o néctar. O saboroso néctar, este regalo com que as flores costumam dar o definitivo "chega para cá" nos insetos.
E, como se não bastassem os citados recursos para chamar a atenção, as flores ainda usam mais um: o movimento. Considerando-se agora o que foi descoberto por experimentos recentes feitos no País de Gales. A conclusão científica de que as flores, quando são balançadas pelos ventos, também estariam a "acenar" para os insetos.
Mas, para que a artimanha do movimento funcione, é preciso que as flores tenham os caules no tamanho apropriado. Nem muito curto e grosso, que deixe a flor "meio paradona"; nem muito longo e fino, que a faça balançar em excesso. Pois "as flores que se movem demais acabam espantando os insetos, já que estes não conseguem pousar nelas", como afirmam Warren e Penn James, os autores dos experimentos.
Digamos que este último detalhe seja uma espécie de acerto de contas das flores com a Natureza.

Referência: BBC

19 maio, 2008

Sexador de pintos

Este termo se refere à pessoa que faz a seleção de pintos por sexo. Na Classificação Brasileira de Ocupações, a CBO, do Ministério do Trabalho e Emprego, encontra-se sob o código 6235-25, e deste profissional se requer que tenha: 1) nível médio de escolaridade; 2) prática de um a dois anos no local de trabalho.
Que faz o sexador de pintos? Poucas horas após o nascimento destes, examina as características da cloaca, a tonalidade da penugem e a forma da asa para fazer a separação dos pintos por sexo. Com este trabalho, o sexador antecipa as utilizações específicas para essas aves.
A CBO não registra, mas descobri que existe também o sexador de cochinilhas: o profissional que separa estes insetos conforme o sexo. Mas que faz isto exclusivamente com as espécies de cochinilhas que apresentam interesse comercial. Como, por exemplo, com as espécies das quais se extrai o corante carmim. E, como este corante é encontrado somente no corpo das fêmeas, daí a necessidade de serem elas previamente identificadas.

Para ler no trabalho: Sexador de cochinillas: Un oficio con futuro (em espanhol). Aqui.

18 maio, 2008

Voz e genialidade

Vídeo de um encontro de Frank "The Voice" Sinatra com Tom "The Genius" Jobim, num show da televisão norte-americana.
Gravado em 1967, os dois apresentam uma medley (tradução: pot-pourri) de quatro belíssimas canções:
"Quiet nights of quiet stars" ("Corcovado") - Tom Jobim
"Change partners" - Irving Berlin
"I concentrate on you" - Cole Porter
"The girl from Ipanema" ("Garota de Ipanema") - Tom Jobim e Vinicius de Morais


A propósito dos 10 anos da morte de Frank Sinatra e dos 50 anos da Bossa Nova.

16 maio, 2008

Com a cara e a covardia

Lourenço era o tipo do sujeito frouxo. Desses de levar desaforo para a casa porque, na "hora R" (de reagir), já se via... Lourenço se punha a tremer que nem palma de coqueiro-babão. E... pernas para que vos quero, não está mais aí quem falou, Deus é grande mas o mato é maior, enquanto eu correr meu pai tem filho, para os mortos sepultura e para os vivos... escapula! Boi é pouco, Lourenço dava logo a boiada inteira para não entrar em briga, discussão ou entrevero (com o magarefe do bairro, então avaliem).
Poltronaria à parte, havia um projeto por que Lourenço se babava de um modo torrencial. Ir, pelo menos uma vez, ao Forró do Arnaldo que existia e dava função nas proximidades de sua residência. Principalmente quando, ao portão de casa, ele via o desfilar do mulherio a caminho do forró. Cada mulher de deixar Lourenço entre embevecido e assanhado. Numa de imaginar-se em plena sessão bate-coxa com uma delas, depois com outra e outra, botando para fora (epa!) a própria timidez.
Mas... cadê coragem para adentrar aqueles domínios de cabra-macho? Sim, porque outra coisa não era o Forró do Arnaldo. A dar crédito a umas tantas histórias que circulavam pelo bairro, e que causavam frio na espinha de quem as ouvia, era bem perigoso o arrasta-pé. Havia acontecidos em profusão que patenteavam a macheza de seus freqüentadores - uns homens capazes de, a uma minúscula provocação, logo estripar quem na frente estivesse! De fato, assim não dava para Lourenço, o Frouxo. Que sentia contorção intestinal só ao pensar em tal ambiente metido.
Ah, não estando sob forte coação, naquele local ele jamais poria os pés!... Coragem não é dor-de-dente que dá em todo mundo!
Um dia, porém, Lourenço se viu obrigado a fazer das tripas (epa!) coração. Por haver aceitado um convite da parte de Ermelinda - mulher de fechar o shopping center - para ir ter com ela, sabem onde? No Forró do Arnaldo, acreditem, e não podendo faltar! Pois Ermelinda era a personagem mais habitual em seus devaneios de rapaz solito. Mas que agora, graças a Deus, começaria a perder a diafanidade, para se tornar um ente de carne e osso (mais o primeiro item) a entrar em sua vida. Desde que ele, claro, não perdesse bestamente a oportunidade ali surgida.

Leia o conto todo no Preblog.

15 maio, 2008

Fernanda Paiva de Aguiar

Conhecemos Fernanda em 1978, o ano em que iniciou a sua residência médica em Cardiologia no Hospital de Messejana. E estreitamos a nossa amizade em anos mais recentes, depois que ela passou a integrar o quadro clínico do hospital.
Era também muito amiga de minha esposa Elba, colegas que foram no curso de especialização em Medicina do Trabalho pela Universidade Gama Filho.
Dentre as suas muitas qualidades, ressaltem-se a competência profissional, a dedicação aos pacientes e o trato afável com que atendia a todos.
Não desfrutaremos mais de sua convivência, pois Fernanda partiu hoje de nosso mundo.
Aqui renovamos os votos de condolências que manifestamos ao neurocirurgião Dr. Rodrigo, seu esposo, e aos demais familiares de Fernanda por ocasião de suas exéquias.

Distúrbios do sono e habilitação para conduzir veículos

Em 25 de fevereiro de 2008, foi publicada e entrou em vigor a Resolução 267, do Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN, que, entre outras providências, estabeleceu a exigência da avaliação para distúrbios do sono nos candidatos a condutores de veículos das categorias C (caminhão), D (ônibus) e E (carreta). Isto porque os portadores de distúrbios do sono costumam ter as capacidades de atenção e de reação reduzidas, principalmente aqueles que passam mais tempo ao volante como os motoristas de transportes de passageiros e de cargas.
Pela Resolução 267, os candidatos a essas categorias devem ser avaliados por parâmetros objetivos, como pressão arterial sistêmica, índice de massa corporal (IMC), circunferência do pescoço e Classificação de Mallampati (usada para prever o grau de dificuldade para a intubação orotraqueal), e por parâmetros subjetivos como os que figuram na Escala de Sonolência de Epworth.
Na avaliação por esses parâmetros, são considerados como tendo indícios de distúrbios do sono os candidatos à habilitação que apresentem os seguintes resultados:

Pressão arterial sistólica > 130mmHg e diastólica > 85mmHg;
Índice de massa corporal > 30kg/m2;
Perímetro Cervical > 45cm em homens e > 38cm em mulheres;
Classificação de Mallampati nas classes 3 ou 4;
Escala de Sonolência de Epworth > ou = 12.

Aqueles candidatos com este último resultado e/ou com dois ou mais indícios objetivos de distúrbios do sono, a critério médico, poderão ser:
1) aprovados temporariamente;
2) encaminhados para avaliação médica específica com realização de polissonografia.

14 maio, 2008

O jogo da bola de fogo

Todos os anos, em abril, no estado de Oaxaca, México, grupos de homens que residem no vilarejo de Tamazulapam del Progreso se reúnem para jogar La Batalla. Com isso, eles mantêm acesa a chama de uma tradição índia de inspiração religiosa. E que já esteve, por muito tempo, proibida pelos colonizadores espanhóis (que a consideravam uma bruxaria).
Como jogo lembra o hóquei. La Batalla, porém, é jogada com uma bola tosca, untada por gordura animal e essências, enquanto ela arde em chamas. É um espetáculo obrigatoriamente noturno.

12 maio, 2008

Medicina da UFC - 60 anos

-

A Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará comemora hoje os seus 60 anos de existência. Fundada em 1948, já graduou 6656 médicos que traçaram os caminhos da medicina no Ceará, no Brasil e no Exterior.
Tenho a honra de ser um deles.
Há uma ampla e diversificada programação a ser desenvolvida, no período de 12 a 17 de maio, para comemorar estes 60 anos da entidade.

Informações: 3366 8001

"Telepatia Virtual"

É o nome de um jogo que o meu filho Érico, aluno da Engenharia Mecânica da UFC, encontrou na internet. Disponível no site do mágico Kardini, o "Telepatia Virtual" desafia o internauta a pensar em um número de dois algarismos (85, por exemplo). A seguir, solicita-lhe que subtraia desse número cada um de seus algarismos (85 - 8 - 5). Resultando, assim, em outro número (72, no exemplo dado) o qual, na lista dos números do jogo, corresponde a um determinado símbolo. Concentrando-se neste e clicando numa tecla vermelha, o internauta então se surpreende com a "adivinhação" de qual é o símbolo.

Para conferir, aqui.

O jogo acerta sempre, mas não deve os seus acertos à telepatia. E sim a uma propriedade matemática relacionada com as operações feitas, cujo resultado final é o nove (ou um de seus múliplos) conforme me explicou Érico. Como, em cada rodada, os símbolos mudam de posição na lista, há um mascaramento da percepção de tal fato.
No site Matemática Divertida a explicação (ver abaixo) é dada com mais detalhes.

11 maio, 2008

A árvore calipígia

Aparece aqui exatamente um ano depois da árvore dançarina (inserida como imagem menor), que também foi notícia no Blog.
Em outros sítios (eletrônicos, geográficos) esta árvore foi adjetivada de "popozuda" e "melancia". Neste, deu-se preferência a um termo mais clássico.

Especial do Dia

VÍDEO


E ALGUNS PENSAMENTOS TRADUZIDOS BOTANDO A MÃE NO MEIO
Deus não podia estar em todos os lugares e, por isso, fez as mães. Provérbio judeu
Decidir ter um filho é também decidir para sempre pôr o coração fora do próprio corpo. Elizabeth Stone
Uma mãe nunca está só em seus pensamentos. Ela tem de pensar em dobro: uma vez, para ela; outra, para seu filho. Sophia Loren
O trabalho do homem é de sol a sol; o da mulher-mãe não acaba jamais. Desconhecido
Se a Natureza houvesse estabelecido que as mulheres e seus maridos teriam filhos, alternadamente, estes não seriam mais de três em nenhuma família. Lawrence Housman

10 maio, 2008

Numa farmácia...

-
Cliente:
"Mas aqui diz que é... a satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta!"
Gerente:
"Sim, mas não há nada de errado com o seu dinheiro. Estamos satisfeitos."

Para atrair o homem amado

"PELAS FORÇAS DO TROVÃO QUE A MINHA IMAGEM ENTRE EM SEU CORAÇÃO PARA QUE NUNCA MAIS ESTE DIGA NÃO. FAZEI COM QUE (DIZER O NOME) SINTA UMA REAÇÃO POR MIM. Ó GRANDE UNIVERSO. TRAZEI-O PARA MIM (DIZER O NOME), ASSIM COMO O GALO CANTA, O BURRO RINCHA, O SINO TOCA E A CABRA BERRA. ASSIM ELE, (DIZER O NOME), HÁ DE ANDAR ATRÁS DE MIM. ASSIM COMO O SOL APARECE, A CHUVA CAI, FAZEI COM QUE (DIZER O NOME) SEJA DOMINADO POR MIM, PRESO DEBAIXO DO MEU PÉ ESQUERDO, COM DOIS OLHOS O VEJA E COM TRÊS O PRENDA. COM MEU ANJO DA GUARDA PEÇO QUE (DIZER O NOME) SINTA MINHA FALTA, ANDE ATRAS DE MIM COMO UMA COBRA RASTEJANTE, QUE ME AME LOUCAMENTE E QUE SINTA DESEJOS SÓ POR MIM, QUE NAO CONSIGA OLHAR COM DESEJOS PARA NENHUMA OUTRA MULHER QUE NAO SEJA EU, QUE ATENDA TODAS AS MINHAS VONTADES, QUE NUNCA ME FAÇA SOFRER, QUE DURMA E ACORDE PENSANDO EM MIM E QUE SEMPRE ME TENHA EM SEUS PENSAMENTOS E QUE NAO CONSIGA VIVER SEM MIM E QUE SEUS PENSAMENTOS E DESEJOS SEJAM SEMPRE VOLTADOS PARA MIM , QUE ELE SEJA CARINHOSO E ROMÂNTICO COMIGO.QUE ASSIM SEJA PARA QUE (DIZER O NOME) VENHA ATRÁS DE MIM, RASTEJANDO HUMILDE E MANSO PARA QUE POSSAMOS TER BOM CONVÍVIO E ASSIM SERMOS FELIZES. PEÇO AO INFINITO PODER DO UNIVERSO QUE O MEU AMOR ME PROCURE AINDA HOJE, PEÇO ISTO AO PODER DO TROVÃO QUE LEVE AGORA A MINHA IMAGEM PARA DENTRO DO SEU CORAÇÃO, PARA QUE O MEU AMOR SINTA UMA ENORME EMOÇÃO AO SE LEMBRAR DE MIM E PASSE POR UMA TRANSFORMAÇÃO A FIM DE QUE POSSAMOS JUNTOS TER UMA COMUNHÃO E QUE O MEU AMOR SINTA UM DESEJO POR MIM TÃO FORTE COMO UM LEÃO. "

Fonte: Web

09 maio, 2008

O loteamento humano

Encontrava-me no diário jardinar, entre muitas flexões e reflexões, quando o carteiro chegou e o meu nome gritou com uma carta na mão. Ante surpresa tão rude, não sei como pude chegar ao portão. Mas, cheguei e ... Ah, como eu já conhecia aquela letrinha gótica! Pois lendo o envelope bonito, em seu sobrescrito eu reconheci: Dr. Carta Pácio, o missivista-filósofo da mirabolância!
Eis a sua última carta:

"Prezado senhor,
O assunto ao qual chamo a sua atenção é da mais alta importância, uma vez que se relaciona com algo que nos é muito precioso: o corpo. Alicerçado em que consultei, à exaustão, os compêndios de anatomia de minha privada biblioteca (privada enquanto adjetivo, bem entendido). E que, após a tal consulta, acabo de chegar a uma irrefutável constatação. O homem tem - pasme o senhor! - o domínio útil do seu corpo, mas em verdade não é dele proprietário. Quer dizer, ele ganhou o corpo do qual deve tirar proveito (antes de o dar aos vermes); no entanto, ele chegou tarde, muito tarde.
Isto porque os homens da ciência - anatomistas, na maioria - estabeleceram o loteamento da carcaça humana. Nada deixando a que não se reportassem através de um de - partícula que confere relação de posse. A começar por Adão, não propriamente um anatomista (apenas um nomeador dos seres vivos em geral). Quando deu o nome a este belo pomo que o senhor carrega no pescoço, integrando os seus caracteres sexuais masculinos. O que é, aliás, aceitável, Adão, o super Adão, foi o pai primordial. Em nenhuma hipótese, porém, eu coonesto o que aconteceu depois.
Por exemplo, um guerreiro grego, naquilo que ele tinha de mais frágil, emprestar o nome ao mais robusto tendão do corpo humano. O guerreiro Aquiles, e chega a ser irônico o fato. Como também não coonesto o loteamento do homem pelos anatomistas de todos os tempos e lugares, só porque o dissecaram com o fim de estudo. E aproveito aqui para nobilitar os precursores da ciência que trata da forma e da estrutura do ser humano. Demócrito, Anaxágoras, Alcméon, Empédocles... mas esses homens eram uns filósofos!

Leia a carta inteira no Preblog.

08 maio, 2008

Do velório ao sonho de Cipião

É o título do artigo (aqui) em que o Prof. Marcelo Gurgel faz a réplica a um outro (aqui), do Prof. Dalgimar Beserra, por este haver escrito que não desejaria, entre aqueles que o irão velar, estivesse o meu irmão presente.
Escritos com erudição e humor, são textos dignos de serem lidos pelos apreciadores da arte literária.
Acabo de postá-los no blog Família Gurgel Carlos.

Com sete mulheres nuas

O fotógrafo judeu Philippe Halsman realizou, em 1951, esta fotografia que sugere a imagem de um crânio humano. Além das mulheres fotografadas, Halsman contou com a colaboração do pintor catalão Salvador Dali (na cena), cuja obra foi fonte de inspiração para a Voluptas Mors, o nome que tem esta imagem.
Esta modalidade de arte fotográfica é chamado de tableau vivant.

Fonte: Wikipedia

07 maio, 2008

A ponte que caiu

Esta ponte que fica em Avignon, uma cidade do sul da França, foi construída entre 1177 e 1185. Uma forte enchente do rio Ródano a destruiu em 1660 e, desde então, a ponte assim permanece. Com o nome de Pont St-Bénézet, é um dos marcos turísticos de Avignon, a cidade dos papados.

Comentário
Uma ponte que vai até o meio do rio e volta é perfeita para as pessoas que mudam muito de idéia.

06 maio, 2008

Física aplicada

Como salvar um gato afogado


Pegue o animal pelas patas traseiras e o sacuda em movimentos circulares para que a força centrífuga expulse a água que bloqueia as suas vias aéreas.

Faça isto sete vezes para que o bichano recupere todas as vidas (PGCS).

05 maio, 2008

Penso, logo cito - 7

Sérgio "Stanislau Ponte Preta" Porto, escritor brasileiro de humor:
"A galinha pouco se lhe dá o aumento do preço do ovo. Para ela, o aumento do ovo só tem importância em relação ao diâmetro."

Alguns recordes com o ovo da galinha:
- tamanho: 22,5 centímetros
- peso: 454 gramas
- número de gemas: 5
- lançamento à distância sem quebrar: 98,51 metros (Texas, 1978)
Fonte: BBC

04 maio, 2008

O Bando dos Tangarás

Existiu no Brasil, de 1929 a 1933, constituindo-se esta filmagem com o "Bando..." numa autêntica relíquia.
Do grupo musical faziam parte Noel Rosa, João de Barro e Almirante, dentre outros. Noel Rosa é o de chapéu que toca violão (dizem que esta é a única imagem em movimento do Poeta da Vila); João de Barro, o Braguinha, é o que toca pandeiro (ler nota anterior sobre ele no Blog, clicando aqui); e Almirante é o que canta e "rege" esta deliciosa embolada.

03 maio, 2008

Brigas na cozinha

PGCS
1
Na mesa posta, o frango desossado
(lembra o tempo? Ah, o tempo
em que eu era mais amado!)
o arroz à grega
para troiano nenhum botar defeito
que eu comia até dizer "chega!"
com aqueles anéis de cebola a dorê
tão supimpas (que a Deus eu pedia tivessem
o tamanho do bambolê);
e também a salada russa - uma tese
de gastronomia, porquanto não carregavas tu
a mão na maionese.
Depois de tudo, o arremate
sem o qual não fazíamos amor:
a mousse de chocolate.
2
Éramos pessoas de raro brilho
e nos amávamos
lambuzados em mel de milho
no piso frio da cozinha
enfrentando Deus, o mundo, o enxamear das moscas
de uma estrebaria vizinha.
Mas havia tamanho zelo
entrega, confiança mútua, que um do outro não escondia
o picador de gelo
tampouco a chave do freezer
como se à natureza humana de todo impossível fosse
cair em deslize.
Raras, as nossas animosidades
eram sempre trituradas num super-liquidificador
de seis velocidades.
3
Um dia, porém, deu-se o disparate
(quando eu, com a paciência de um preto velho
tirava a pele dos tomates).
Ai que me disseste: "melão com presunto
é o que existe de mais opíparo."
O que me fez rir te ti, do teu bestunto
outrora conhecedor sem igual da arte
gastronômica, coisa e tal...
E fiz um aparte
no qual, do cimo de um traquejo
mil vezes vencedor na prova de encher a terrina
com pequeninos cubos de queijo,
eu defendi ser o quibe
mesmo feito de véspera, a mais fina iguaria existente
(na verdade, a minha diatribe).


O poema inteiro (6 estrofes) com a reconciliação final está no Preblog.

02 maio, 2008

Resposta a um jateador

A atividade de jateamento com areia é proibida em todo o território nacional, desde janeiro de 2005, por força da Portaria 99/2004 do Ministério do Trabalho e Emprego.
Para a aprovação desta portaria, o MTE considerou que as medidas existentes para o controle da exposição à sílica (no que se refere à atividade de jateamento com areia) são inadequadas ou insuficientes.
Assim, deve o senhor deixar esta atividade (a menos que, em seu atual trabalho, possa substituir a areia por granalha, gelo seco etc) e procurar um especialista para ser avaliado, clínica e radiologicamente, quanto à possibilidade de estar apresentando lesões pulmonares compatíveis com silicose.
Para afastar a possibilidade desta doença não se pode guiar exclusivamente pela ocorrência de sintomas. Estes costumam ser precedidos, até por vários anos, por lesões pulmonares que podem ser já detectadas em radiografias do tórax.




Na blogosfera - 24

Alfredo Nagel é médico em Indaial, uma cidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina. A ele agradeço haver inserido o Blog do PG entre os favoritos do Alfredo Nagel, como é também chamado o seu blog. E, sendo a sua página eletrônica de boa qualidade, é com prazer que faço a retribuição colocando-a em meu blogroll.
Um leitor do Paraná, jateador profissional, após tomar conhecimento de notas anteriores sobre os problemas de saúde relacionados com a prática do jateamento com areia (publicadas no Blog em 1º e 6 de fevereiro de 2007), enviou-me mensagem eletrônica em que relata a sua situação e pede uma opinião a respeito. Está sendo emitida a seguir sem a identificação do interessado.

01 maio, 2008

Pais "protetores" - 2

Em 6 de maio de 2007 coloquei no Blog a postagem Pais "protetores". Clique aqui para ver os pais com os respectivos pimpolhos.
Não é que agora temos mais um deles (desconfio que o assunto acabe virando uma seção aqui), cujo passatempo é o banho radical.
A posar o pai para uma fotografia ao lado do filho. Nas bordas de uma cachoeira que não tem somente cara de paisagem.