28 fevereiro, 2009

A síndrome de Pickwick

O Sr. Pickwick, personagem central do livro "As Aventuras do Senhor Pickwick", não era portador dessa síndrome. Constitui um equívoco relacioná-la com ele.
Na obra de Charles Dickens, era o gordo e sonolento Joe (imagem) o personagem caracteristicamente pickwickiano. 
Quais os sintomas e sinais incluídos nesta síndrome médica?
Obesidade, sonolência excessiva, dispnéia, policitemia e cianose. Também nela pode estar presente a insuficiência cardíaca direita.
Na atualidade, é preferivelmente chamada de síndrome obesidade-hipoventilação alveolar.

Link para um artigo especializado da Dra. Geruza A. Silva

27 fevereiro, 2009

A vez da voz

"E disse: minha voz, se vós não sereis minha
Vós não sereis de ninguém." (Chico Buarque)

Mãe Natureza equipou grande parte de sua criação animal com um órgão fonador, o qual, como o nome indica, se destina à emissão de sons. A esses sons, intencionalmente emitidos pelo animais, dá-se o nome genérico de voz. Possuem-na, por exemplo, o Falsete, o Polichinelo, o Veludo, o Trovão, o Ventríloquo e a Taquara Rachada.
No princípio, a voz de um animal era compreendida apenas por outro de sua espécie. Mas, aí surgiu o homem que, muito à vontade, tratou de inventar a pesquisa. A pesquisa, pela palavra em si, foi um achado. Servia para o homem disfarçar o incomensurável bedelhismo e, ainda, de quebra, para ele conseguir algum ($$$) com alguma fundação. Crítica à parte, foi através da pesquisa que o homem chegou a resultados animadores na decodificação da voz dos macacos, dos golfinhos e das cantoras de fado.
É na hora de ouvir a voz da própria consciência que o homem sente grande dificuldade. E botem dificuldade nisso, agora que ele deu para andar com os ouvidos calafetados pelos fones de um "Aiko-man". O ser humano, ao nascer, tem o direito inalienável a duas caixas de som e a um microfone apenas. Os leitores podem indagar: e nós com isso? É que 1º) devemos ouvir, 2º) devemos falar. Fiquem na oitiva, portanto.

Prossiga a leitura desta crônica (que escrevi em 1982) no Preblog.

Drummond revisitado

Tinha uma pedra no meio do caminho
comi-a e fiz dama (PGCS).

Aproveitando o tema
Segundo o blog Portugal é Porreiro, Pá, o verdadeiro jogo de damas é este:

26 fevereiro, 2009

O estande do centauro

Em 1908, uma grande exposição nacional na Praia Vermelha, Rio de Janeiro, comemorou o centenário da abertura dos portos. E a cidade do Rio se mostrou ao Brasil e ao mundo em sua feição moderna de cidade "européia". Muitos estados exibiram imponentes pavilhões, sobretudo os de São Paulo e Minas, monumentais.

Naquela época, deu para avaliar a credulidade das pessoas pelo alvoroço criado pela revista "Fon-Fon!". Após haver publicado, em página inteira, uma falsa imagem fotográfica que "mostrava um centauro na exposição". Assim fazendo com que que muitas pessoas caíssem no engodo e com que gastassem tempo a procurar, nos diversos pavilhões, pelo estande onde estaria o centauro...

25 fevereiro, 2009

Você é o que você come

É uma frase para destacar a influência que a alimentação exerce sobre a qualidade de vida de uma pessoa. Não significa que um determinado tipo de alimento possa promover modificações morfológicas numa pessoa, tão profundas a ponto de ela ser confundida com o alimento que ingere. Como aquelas que a gente vê em imagens postadas no Worth1000. 
Mas que essas imagens ficaram interessantes, ficaram. E foi, por isso, que eu fiz uma seleção delas para este slideshow.

Exceção
A medicina registra uma entidade nosológica chamada carotenodermia. Na qual a pele assume uma cor amarelada, sendo essa coloração mais intensa nas palmas das mãos e plantas do pé. E que não se apresenta nas escleróticas (branco dos olhos) como acontece na icterícia, uma síndrome que é causada por diversas doenças (a hepatite, por exemplo). 
No caso da carotenodermia, esta é uma situação inteiramente benigna para o portador. O que a ocasiona é a ingestão, em geral em quantidades aumentadas, de alimentos que são ricos em caroteno. Um pigmento que confere a cor amarela a certos alimentos, tais como cenoura, mamão, manga, abóbora etc.

O que rola na rede



Amanhã deve começar um novo ano de trabalho para Macunaíma.
Se não chover, é claro.

24 fevereiro, 2009

No fim de um arco-íris

Usando o seu iPod, Jason Erdkamp registrou esta rara imagem do fim de um arco-íris. Um privilégio para aqueles que, no momento certo, trafegavam por uma estrada de Orange County, Califórnia, EUA.



Não havia, como reza a lenda, um pote de ouro onde o arco-íris terminava. Mas Jason não se decepcionaria totalmente com essa constatação. Além de haver contemplado e registrado a cena, ele ganharia à noite um prêmio de $25 numa loteria.

Via Telegraph.co.uk

01/08/2013 - Atualizando...
Um arco-íris é um fenômeno óptico e meteorológico causado pela reflexão da luz em gotículas de água na atmosfera da Terra, do qual resulta em um espectro de luz que aparece no céu.
Quanto a atingir fisicamente o "fim" de um arco-íris, é claro que não é possível, pois o ângulo em que você o vê muda conforme você se move em direção a ele, como é explicado aqui.

23 fevereiro, 2009

Revistas digitais

O portal The Read Green Initiative reúne 14 revistas digitais. Subscrevendo a uma delas, o internauta acessará gratuitamente os números dessa revista pelo prazo de 1 ano.

Dica de Nelson José Cunha

"Te amo, Cristina"

Cada um destes papelotes, que foram afixados na fachada de uma casa (imagem ao lado), em Antigua, Guatemala, contém a frase: "Te amo, Cristina."
Não se sabe se o apaixonado, por conta de tanto empenho em demonstrar os seus sentimentos, chegou a ganhar o amor da tal Cristina. Mas a fotografia, sim,  esta ganhou... uma menção honrosa no National Geographic International Photo Contest 2008, na categoria Lugares.

22 fevereiro, 2009

Após o dentista

O vídeo feito com David, um garotinho que, ainda grogue pelo efeito de uma anestesia dentária, foi entrevistado em seu retorno para a casa, tem feito um estrondoso sucesso na internet. E, por conta de haver se tornado um hit, já deu ensejo a que criassem diversas paródias.
Uma destas, produzida pelo brasileiro Maurício Ricardo, coloca o diálogo (traduzido) da entrevista com David numa das cenas de "Star Wars", na qual aparece o vilão Darth Vader. 
O vídeo de Maurício é uma obra-prima de montagem.

Brasil x Suíça

"Se a guerra for declarada
Em pleno domingo de carnaval
Verás que uma filha não foge à luta
Brasil, recruta 
O teu pessoal."
Mutatis mutandis, é uma estrofe da canção "Rio 42", de Chico Buarque, e não resisti (por conta de fatos recentes) em associá-la com a imagem abaixo. 


Uma chance à paz
Nossas mitômanas não mais "invadirão sua praia", mas fiquem de olho em seus xenófobos.

21 fevereiro, 2009

A cruel Doralice

"Chamava atenção o volume que carregava entre pernas. Caminhava com desenvoltura como se nada tivesse a lhe atrapalhar o passo. Simpático, falante, abordava quem passava com algo bem-humorado a dizer. Alguns riam, outros paravam para comprar seus bilhetes de loteria. Aquele escroto gigantesco não lhe tirava o sorriso e a desinibição.
- Oi Saquinho! Era a saudação de todos que o conheciam. Levava na esportiva o apelido sarcástico.
Morava nas Cinzas(1) e fazia ponto na esquina da Santa Casa, que era meu caminho quando vinha do Colégio Castelo Branco na Avenida Dom Manuel. O tempo passou e só tive notícias dele numa aula de urologia naquele mesmo hospital. O professor contou, para deleite geral, a história do vendedor de loteria. Recém-formado, comprava bilhete das mãos do Saquinho e aproveitava para convencê-lo a se deixar operar da hidrocele(2). Depois de muita insistência conseguiu levá-lo à mesa de operação. O pós-operatório correu bem, mas depois da alta, Saquinho desapareceu do hospital e da esquina. Meses passados, num encontro fortuito, o cirurgião o encontrou na praça da estação. Estava alquebrado, sujo e bêbado. Quis saber as razões do seu sumiço.
- Doutor! Aquela operação acabou comigo. Depois dela minha Doralice(3) fugiu com outro e comecei a beber de paixão. Então fui saber com a amiga dela as razões da traição e pra minha surpresa soube que minha mulher não gostava de mim.
- O que ela gostava mesmo era da pancadinha."   


Quando jovem, o médico oftalmologista Nelson José Cunha morou na região central de Fortaleza. Algumas reminiscências desse período, passadas para o papel, tomaram o nome de "Um hino às mulheres". Uma de suas cenas, "A cruel Doralice", foi a que o internauta acabou de ler.
Notas explicativas: 
(1) Área do baixo meretrício em Fortaleza, antes da demolição de suas casas, em 1974, para a construção da avenida Leste-Oeste, atual avenida Presidente Castello Branco. 
(2) Grande aumento dos testículos pelo acúmulo anormal de líquidos no saco escrotal. 
(3) Não é a mesma Doralice, que ressurgiu na canção de Caymmi, eternizada pela voz de João Gilberto.

Porque é Carnaval...

O Google resolveu facilitar a difícil vida do folião pesquisador.

20 fevereiro, 2009

Violência urbana

Uma abordagem epidérmica do problema
Em nosso país, quem nunca foi vítima de um ato de violência urbana que atire a primeira pedra! Atire, com violência inclusive. O sujeito, hoje em dia, não consegue andar pelas ruas de uma cidade...  sem ser molestado. Por qualquer (ou nenhum) motivo pode se colocar no centro de uma agressão física - uma dolorosa experiência que vai do chega-pra-lá ao nocaute-pra-sempre.
Significando este último: ser mandado para a cidade-dos-pés-juntos. Uma cidade tão superlotada que, se todos, ao mesmo tempo, espreguiçassem as pernas, a situação ficaria de morte. Sim, de morte para todos, sem distinção de raça, sexo, credo ou seguro-funerário.
Tome cinco, Paulinho Rangel! Você estava mesmo com o santo nos couros ao escrever que, na "República do 1º de Abril", se vive sob o império de quatro leis:
1ª - Lei do Mais Forte
2ª - Lei da Selva
3ª - Lei do Cão
4ª - Lei do Murici ( que cada um cuide de si).
Se a "República" de Platão foi utópica; a de Rangel, não. Existe verdadeiramente e, por ter como cenário uma nação perita em futebol, vive chutando por aí. Porém, não vou me deter nas raízes do problema da violência urbana, outros que ralem a mandioca. O assunto é por demais complexo, mistura-se com política, e desta somente me interessa a política do corpo: como mantê-lo vivo?

Uma crônica de 1982 para ser lida integralmente no Preblog.

19 fevereiro, 2009

A cidade dos livros

Os habitantes de Kansas City, EUA,  encontraram uma maneira bem interessante de promover a biblioteca da cidade. Aproveitando o estacionamento da própria biblioteca para realizar uma exposição de... "livros", ora vejam só!
Na realidade, uma exposição de imitações - em tamanho gigante - daqueles livros que foram considerados pelos habitantes de Kansas City como representativos da cultura da cidade.

Altura x envergadura

O comprimento total dos braços humanos abertos corresponde à altura da pessoa (Wikipédia).

Comentário
Aproximadamente. Medida a envergadura, isto é, o comprimento total dos braços abertos, há necessidade de dividir o número obtido por outros números para se ter, com precisão, a altura da pessoa:  por 1,06, se homem, e por 1,03, se mulher. 
Em espirometria, medimos a envergadura e realizamos esses pequenos cálculos quando a altura:
1) não pode ser medida (o paciente é cadeirante, por exemplo);
2) sofre influência significativa de alguma deformidade da coluna (cifoscoliose).
PGCS

17 fevereiro, 2009

Questão de gosto...

Não pode ir a nenhum lugar sem a companhia de seu ursinho de pelúcia?


Sebastian Errazuriz criou uma opção para as pessoas que não conseguem se separar deles.
Um modelo de casaco totalmente feito de ursinhos de pelúcia.


Via designers block

Itapiúna - CE

Churchill a nu

Na II Guerra Mundial, Winston Churchill costumava ser hóspede de Franklin Roosevelt na Casa Branca. Uma noite, Roosevelt acordou excitado com a idéia de conversar sobre a guerra com o seu aliado britânico. Mas, ao entrar no quarto deste, encontrou-o completamente nu por haver saído de um banho. Roosevelt ficou sem graça e fez menção de que ia se retirar do quarto, quando Churchill lhe disse:
"O Primeiro Ministro da Grã-Bretanha não tem nada a esconder do Presidente dos Estados Unidos."

Relatado por Paulo Henrique Amorim, em Conversa Afiada.



Um cartoon inglês de 1945: 
o mundo enfermo 
sob os cuidados "médicos" 
de Churchill, Roosevelt e Stalin

16 fevereiro, 2009

Penso, logo cito - 13

Gabriele d'Annunzio, poeta e dramaturgo italiano:

"Tutto fu ambito
E tutto fu tentato
Quel che non fu fatto
Io lo sognai
E tanto era l'ardore
Che il sogno eguagliò l'atto."

(Tudo foi cogitado
Tudo foi tentado
O que não foi feito
Eu sonhei
E com tanto ardor
Que o sonho foi como ação.)

Novas frentes

A bestialidade entrou em baixa no mundo. Foi sendo substituída por outras formas de relações sexuais ainda mais bizarras. 
É o que deduzo após ler algumas manchetes do site G1:
Homem invade sex shop na Austrália para fazer sexo com bonecas infláveis
Autor de livro prevê sexo entre humanos e robôs
Homem fica preso ao fazer sexo com um banco de parque
Escocês pelado tenta fazer sexo com carro
Homem é detido por fazer sexo com aspirador em lava-rápido
Inglês é condenado por fazer sexo com caixa de correio
Homem é condenado por simular relação sexual com uma bicicleta

15 fevereiro, 2009

Pela blogosfera - 31

A postagem "Cigarros medicinais" (do dia 5) foi também "Leituras dos outros" em Antena Paranóica, o prestigioso blog de Nonato Albuquerque.

Czardas

Czardas é uma dança tradicional húngara, viva e alegre, de origem cigana. O termo também é usado para designar apenas o gênero musical. 
A mais famosa das czardas foi composta por um italiano, Vittorio Monti (1868-1922).
Neste vídeo, a peça musical de Monti está sendo executada por József Lendvay (violino) com acompanhamento de orquestra.

14 fevereiro, 2009

Calos

Se alguém pisa 
nos meus calos...
daí para frente
eu danço separado.
PGCS

Marcelo e Ronaldo na ACM

Os médicos Marcelo Gurgel Carlos da Silva e José Ronaldo Mont'Alverne são os mais novos membros da Academia Cearense de Medicina (ACM). 
Os atos de posse dos novos acadêmicos aconteceram ontem à noite, no Auditório Castello Branco da Reitoria da UFC, em sessão solene presidida pelo Dr. Paulo Eduardo Garcia Picanço, o atual presidente do sodalício. A saudação de boas-vindas coube ao Acadêmico Dr. João Martins de Sousa Torres, o qual discorreu sobre os méritos dos colegas empossados. A seguir, na qualidade de membros titulares das cadeiras 18 e 53 da ACM, Marcelo Gurgel e Ronaldo Mont'Alverne fizeram seus discursos de posse.
Após o término da sessão, os convidados ao evento se reuniram em torno de um serviço de buffet nos jardins da Reitoria.

13 fevereiro, 2009

A semana de um caloteiro

Num antigo almanaque foi divulgada esta desculpa de um caloteiro a seu credor judeu:
"Na segunda não te pago, 
Para mal não me estrear;
A terça é dia aziago,
Também não posso pagar;
Na quarta, Cristo acusaste;
Foi na quinta que o prendeste
E na sexta que o crucificaste;
O sábado, guarda-o tu;
O domingo, guardo eu;
Busca outro dia, judeu,
Que não seja desta conta,
Para me livrar da afronta
De te pagar o que é teu."

Carta de um náufrago

Gosto de ficar horas e horas numa praia deserta. Sou meio Padre Anchieta e, à maneira dele, passo o meu tempo a escrever versos na areia. Uns haicais, quase sempre dedicados à Maria Madalena (o que me diferencia do bom padre).
Deu que, na última das minhas andanças praianas, encontrei uma carta. Carta de náufrago, a qual logo reconheci por causa do envelope, tipo casco-escuro, que eu tive de abrir com a ajuda de um saca-rolhas. 
De dentro, espumando - só podia ser de raiva! - saiu esta mensagem:

Acesse o Preblog para ler a mensagem que um náufrago escreveu em 1982.

12 fevereiro, 2009

Uma receita de felicidade



"Enlaçado aos meus dois gentis pirralhos, deliro! Dissolvo-me em um fluido mágico e faço-me artista de colorir palavras. Delas extraio um mundo à nossa vontade, sem cinzas, ruídos ou maus odores, só cores, perfumes e sinfonias. Invento uma realidade própria na qual manipulo o tempo, deformo o espaço, subverto a lógica e as leis que governam os corpos. As aventuras engravidam, engordam e parem epopéias. A pequena platéia não pisca, aproveito para afundar-me nos olhos dela e emergir nos mares da alma infantil, onde tudo é possível. Navegamos nas aventuras do espírito durante o lapso desejado, longo ou breve. Seguimos fabricando alegrias simples com gargalhadas, tensão e sustos; tudo improvisado, feito à mão. O meu propósito é encantar e açucarar os minutos até que os vapores das panelas lembrem-nos da hora de almoçar. Acreditem! A felicidade existe e não tem mãe definida, pode brotar do sonho e até da ferida."
Extraída do conto "O galo falante", do médico Nelson José Cunha.

11 fevereiro, 2009

Cisternas no Semiárido

O gasto médio de água de um cidadão norte-americano é de 575 litros por dia (deste total 50 litros são gastos dando descargas nos aparelhos sanitários). A média européia de consumo de água por pessoa é menor, fica entre 200 e 300 litros por dia. Aqui no Brasil, gastamos em média por pessoa 180 litros de água por dia.
A Organização Mundial de Saúde estabelece um mínimo de 20 litros por pessoa. É essa a quota diária de água que o ser humano precisa para preservar o seu bem-estar físico e a sua dignidade em questão de higiene pessoal.
Contudo, há milhões de pessoas no mundo, muitas delas no Nordeste brasileiro, que não conseguem ter acesso a essas quotas mínimas de água.

jornal ambiente brasil, de 08/01/2009
Comentário


Uma experiência interessante, em curso no Semiárido brasileiro, está sendo o Programa 1 Milhão de Cisternas. Dele participam setores da sociedade civil (que constroem e operam as cisternas), organizações não governamentais (que articulam os meios necessários) e o governo federal (que banca a maior parte dos recursos financeiros do programa). E, como resultado dessa junção de esforços, é que dezenas de milhares de cisternas já se espalham pelo Nordeste brasileiro, beneficiando habitantes de regiões com dificuldades hídricas.
Cada cisterna (imagem) custa cerca de R$ 1.600, incluindo todas as capacitações necessárias para a construção e o uso. O equipamento tem capacidade de armazenar 16 mil litros de água captada das chuvas. E essa reserva, acumulada nos quatro meses de chuva, é suficiente para atender, nos oito meses restantes do ano, as necessidade em água potável de uma pequena família (PGCS).

10 fevereiro, 2009

Bridezilla

Sabendo ou não o que é uma bridezilla, assista a este slideshow.

Poça de sangue

Não é uma cena de uma moça assassinada. Ela está viva e descansa a cabeça sobre um travesseiro modelo "poça de sangue" - uma irreverente combinação de conforto e pavor.
Além deste, há muitos outros travesseiros e almofadas com formatos de... livro, sanduíche, ovo frito, revólver, hidrante, pizza, guitarra, sushi etc.
Onde vê-los? No blog canadense Popped Culture.

08 fevereiro, 2009

O valioso milho

Em 15 de novembro de 1492, dois mensageiros de Colombo, que regressaram de uma exploração em Cuba, declararam haver visto "una clase de grano que llamam maíz de buen sabor cocinado, seco y en harina". Tinham visto o milho, o qual foi sendo encontrado sucessivamente em toda América - do Chile ao Canadá. 
Ainda que os conquistadores não chegassem a dar conta disso, este grão dourado nativo da América se tornaria mais importante para o mundo do que todo o ouro e toda a prata do México e do Peru.

Traduzido de "El maíz, más valioso que el oro", texto e imagem publicados no blog Continente Llamado America.

07 fevereiro, 2009

A canção-cidade

Em 1932, gravada por Gastão Formenti, foi lançada com êxito a canção "Maringá". Composta pelo médico Joubert de Carvalho, em parceria com Olegário Mariano, essa canção marcou época no Brasil. Em seu processo de criação, imaginaram os autores uma cabocla, Maria, retirante de Ingá (PB), uma cidade nordestina assolada pela seca. A fictícia Maria do Ingá, que se tornaria a Maringá da canção.
É comum nome de cidades inspirarem canções, mas, neste caso, surpreendentemente, o nome da canção é que deu origem ao nome da cidade. Muito cantada pelos trabalhadores que construiam uma nova cidade no Paraná, "Maringá" acabou sendo o nome escolhido para designar essa cidade pela direção da companhia construtora. 
Adiante, Joubert de Carvalho ainda comporia outra música para Maringá: "A cidade que nasceu de uma canção". E a cidade de Maringá, por sua vez, o homenageria em vida com o nome de uma rua e um busto em praça pública.
Abaixo, garimpados no Metacafe, dois vídeos com "Maringá":
1) Com o violonista Fernando Deghi, no programa "Viola, minha viola", em execução precedida pela segunda parte do "Prelúdio nº 3", de Villa-Lobos.
2) Com o cantor Leo Marini, numa versão de "Maringá" para o espanhol (em ritmo de bolero).
 

O maior açude

Fica em Fortaleza o maior açude do mundo - o açude do Boris, que é o próprio mar.
Boris foi um francês que, durante muitos anos, negociou em Fortaleza como exportador, importador e agente de companhias estrangeiras de navegação. E seus armazéns (numa fotografia de 1910), por razões estratégicas, ficavam nas proximidades da praia. Devido a isso e ao fato de ser um comerciante muito conhecido na cidade, ligou-se a seu nome a anedota de um fortalezense que, ao mostrar o mar a um matuto, referiu-se a ele como sendo o "açude do Boris". Aproveitando-se da circunstância de que o matuto, até então, não fazia a mínima idéia de como seria o oceano. 

Blog do Borjão (imagem)

06 fevereiro, 2009

Work-of-art

Antes de ler a resposta, aventure-se a dizer o que representa a figura abaixo.

Resposta
Trata-se de uma caixa de ferramentas (aberta) de um afinador de pianos. Foi criada e aperfeiçoado ao curso de 30 anos por Henry Studley, um profissional que trabalhou para o Smith Organ Co, em Massachusetts.
Reunindo mais de 300 ferramentas, com todas elas cuidadosamente arrumadas na caixa, esses aspectos mostram bem o work-of-art que Studley praticava.

05 fevereiro, 2009

O beijo

O beijo: taí um tema que anda nas bocas. Descrito como o ato de pousar os lábios em alguém, vá lá, o beijo é um ato de superfície não necessariamente superficial. Ah, a profundidade que ele tem quando o coração está na jogada! (E reparem que eu não estou falando apenas do beijo de uma mulher que pinta os lábios em coração.)
Além do beijo pessoa-pessoa há o pessoa-coisa, não esqueçamos. Quando se beija, por exemplo, um amuleto, uma carta de baralho ou um bilhete de loteria - de olho na sorte grande. O beijo que o pugilista dá na lona, de olho roxo, bem... deve ser uma exceção à regra.
Como surgiu o beijo? Dan Carlinsky, um estudioso do assunto, viu o começo de tudo nas aves que, bico a bico, alimentam seus filhotes. Depois, com um simples aperto na tecla de fast forward, Dan avançou milhões de anos e chegou aos homens das cavernas. Não é que os cavernícolas lambiam, uns aos outros, nas faces, como forma de compensar a carência orgânica de sal?
A civilização nos legou benefícios. Um deles, o de que, com a invenção do saleiro, ficamos todos mais elegantes à mesa da refeição; outro, o de que atrelamos novas razões e emoções ao ato de beijar. Há uma classificação que faço para o beijo: 1) caloroso, 2) afetuoso, 3) religioso e 4) voluptuoso.

Prossiga a leitura desta crônica de 1982 no Preblog.

Cigarros "medicinais"

Um grande absurdo para os conhecimentos atuais. A crença que aqui existiu de que o tabaco, através de seus fumos, pudesse apresentar propriedades terapêuticas para as doenças respiratórias.
Mauro Motta, em seu livro “História em Rótulos de Cigarros”, registrou a ocorrência desses cigarros pretensamente medicinais, no Brasil oitocentista. Que eram apregoados como benéficos para “as doenças do peito”, havendo inclusive uma marca de nome “Peitoraes”.

A Fundação Joaquim Nabuco mantém um acervo digital de 1157 documentos, referentes a rótulos de cigarros impressos em técnica litográfica, que, em 1964, foram doados ao então Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais pela família pernambucana Brito Alves. Constitui-se em um raro e valioso patrimônio cultural e artístico, registrando fatos históricos, usos, costumes e aspectos da vida cultural da sociedade brasileira e particularmente da pernambucana, no final do século XIX até as primeiras décadas do século XX.

04 fevereiro, 2009

Todas por uma

Alguém já disse: "A borboleta é uma flor que voa; a flor é uma borboleta imóvel."
E a vida está difícil para ambas, não é?


Concorrendo com o desenho acima, o romeno Constantin Ceasu obteve o segundo lugar num concurso de cartoons sobre mudanças climáticas que foi promovido pelo www.guardian.co.uk.

03 fevereiro, 2009

Papéis trocados

:-)

Falando com o coração

Ilhas, lagos e florestas em forma de coração (*). São provas do imenso amor que a Mãe Natureza tem para seus (ingratos) filhos.
Uma delas é esta ilha cardiforme em Fiji, a paradisíaca Tavarua, cujos detalhes podem ser conferidos através do Google Maps.



(*) estilizada, já que a forma verdadeira do órgão cardíaco lembra a de uma mão fechada.
Itapiúna - CE

02 fevereiro, 2009

O garoto galanteador

O garoto furta dinheiro em casa para dar à namorada em troca de favores especiais.

A seguir, o garoto oferece à namorada uma flor que colheu no jardim.

Zoster sine herpete

Pergunta
Gostaria de saber se o herpes zoster pode ocorrer sem erupção cutânea? 
A propósito de um caso de dor torácica com a hipótese de ter essa causa em pessoa da família. 

Resposta
Cara ******, olá.
Em minha vida profissional (sou pneumologista), ainda não me deparei com a situação de um paciente com dor torácica, a qual eu desse como causa o herpes zoster SEM erupção cutânea. É justamente essa erupção, de natureza vesicular e que acompanha o trajeto de um nervo (um intercostal, por exemplo), que permite fazer o diagnóstico clínico da enfermidade.
No entanto, a possibilidade de o paciente apresentar exclusivamente a nevralgia sem a exteriorização cutânea do herpes zoster parece ocorrer. Há relatos a respeito dessa situação que, na literatura médica, toma o nome de zoster sine herpete.
Coloco link para a leitura de um desses relatos. Que foi publicado em novembro de 2005, na revista da Sociedade Portuguesa de Neurologia, a "Sinapse" (página 26), tendo como seus autores Rita Simões, Elsa Parreira e Vasco Salgado.
Cordialmente, PGCS.

01 fevereiro, 2009

O galo falante de Nelson

Meu colega Nelson Cunha, oftalmologista em João Monlevade - MG, enviou-me alguns trabalhos literários de sua lavra. Fiquei encantado com a excelência de seus textos. De um deles, "O galo falante", reproduzo esta passagem:

"Quando chego a casa, ponho-me roupa de quintal e vou conversar com o galo. Ele larga o pastoreio e vem ao pé de mim relatar o dia.
Falamos de tudo: poesia, política e até filosofia. Semana passada, contou que o gambá foi ao galinheiro e comeu três ovos do ninho.
- E você deixou? Provoquei.
E ele em tom professoral:
1 - Reservo meu alvoroço somente para ocasiões limites quando ser prudente é ser suicida.
2 - Não há bicos valentes se a natureza deu ao gambá, dentes.
3 - Que me importam os ovos - uma vez botados serão para o prato ou para o pinto.
- E se o gambá avançar nas galinhas? Retruquei.
Dando-se asas, saiu-se assim:
- Não acontecerá! Enquanto o gambá tiver ovos terei galinhas.


Com Thaís e Mateus, netos de Nelson, o tal galo falante