31 julho, 2008

À prova de trotes

A nova secretária da Receita Federal, que é uma funcionária de carreira deste órgão, chama-se Lina Maria Vieira.
Formou-se em Direito pela Universidade Mackenzie, em São Paulo, fez pós-graduação em direito tributário pela Escola de Administração Fazendária (Esaf), coordenou o Conselho de Política Fazendária (Confaz) e já foi secretária de Fazenda do Rio Grande do Norte.

E, por último mas não menos importante,

é a mãe do humorista Mução.

"Trovadilho"



Eu queria tanto amá-la,

Amá-la como a ninguém.

Porém, houve um problema:

A mala esqueci no trem.

30 julho, 2008

Prosecco

-
Ninguém se faça de desentendido.

O nome da Lei é... S-E-C-A.


Que é o Prosecco?
- É um tipo de espumante, isto é, um vinho aprisionado na garrafa ainda em sua fase de fermentação; com muito gás carbônico, portanto.
- Por causa do grau de efervescência, as garrafas desta bebida são mais espessas.
- Dentro delas, a pressão atinge níveis de 5 a 6 atmosferas (comparáveis à de um pneu de caminhão).
- É feito de um único tipo de uva, ao contrário dos demais espumantes que podem ser fabricados com um blend de até três tipos de uvas.
- É consumido na Itália há mais de 100 anos. No Brasil, onde também é produzido, tem crescido muito o seu consumo nos últimos 10 anos. E isto se atribui aos preços competitivos do produto.

28 julho, 2008

Homônimos

Que se passa nesta área?
Luís Fernando Veríssimo observou que o ator Richard Burton havia morrido sem interpretar, na tela, o explorador e escritor Richard Burton. E, também, que nunca haviam pensado na atriz Elizabeth Taylor para o papel da escritora Elizabeth Taylor. No entanto, via a possibilidade de que o ator global Daniel Dantas, com uma boa maquiagem, pudesse ser no cinema o banqueiro Daniel Dantas, o qual foi recentemente hóspede do Departamento de Polícia Federal.
Agora é comigo. Não tendo a tarimba necessária à arte da representação, desde já recuso eventuais convites para atuar no papel do paranaense Paulo Gurgel, cuja vida e obra musical muito admiro, aliás.

Leituras recomendadas em silicose

Para os profissionais e estudantes da área de saúde que pretendem fazer monografias sobre a silicose, ou que apenas desejam conhecer melhor esta enfermidade, recomendo ler sobre o assunto nas seguintes fontes:
No livro de René Mendes, "Patologia do Trabalho" (pela Editora Atheneu), que é uma espécie de bíblia da medicina do trabalho no Brasil.
Nos livros de textos de pneumologia como o de Affonso Tarantino, o de Newton Bethlem e o de Luiz Carlos Corrêa.
No site Sílica e Silicose, do Portal da Fundacentro que, em sua seção Publicações, disponibiliza vários artigos e livros sobre o tema. Dentre estes últimos, o "Sílica - Manual do Trabalhador" e o "Pneumoconioses", do Ministério da Saúde.
Na página web da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), em sua seção Publicações, o consenso de "Doenças Respiratórias Ambientais Ocupacionais", de 2006. Também no "Jornal de Pneumologia", editado pela SBPT nos formatos impresso e eletrônico, alguns números que trazem artigos assinados por Ana Paula Scalia, Antonio de Deus, Eduardo Algranti, Eduardo Capitani, Márcia Alcântara e outros.
No site Pneumoatual, em sua seção Temas, o artigo de Ericson Bagatin intitulado "Doenças Pulmonares Ocupacionais", que é apresentado sob a forma de perguntas e respostas e com uma prova de auto-avaliação final. Todavia, o acesso deste site é restrito a médicos e estudantes de medicina.
E, ainda, nos grandes motores de busca na internet: Bireme, Lilacs, Scielo Brasil, PubMed, Colaboração Cochrane (para ensaios clínicos e revisões sistemáticas) e no onipresente Google.

Links >
www.fundacentro.gov.br
www.sbpt.org.br
www.jornaldepneumologia.com.br
www.pneumoatual.com.br

P.S. >
Neste modesto blog (sem a intenção de compará-lo com as fontes acima citadas na abordagem do tema da silicose) já existem dez notas a respeito. Para vê-las, o interessado deve preencher o"pesquisar blog" com a palavra "silicose" e a seguir teclar "enter".
Bom proveito!

27 julho, 2008

O som da internet discada

Há quem deteste este som, talvez por associá-lo com as dificuldades da conexão discada. E há quem o aprecie, como este internauta, mas sem o exagero de considerá-lo tão belo como o canto do uirapuru.
Divergências à parte, não fossem o Monkey Dust e o YouTube permaneceríamos todos no silêncio obsequioso de uma ignorância. A respeito de como é produzido o tal som da internet discada.


"I'll tell you what, the way this internet's expanding, I think we're gonna have to take someone else on."

26 julho, 2008

Micropoemas do infortúnio - 7

-
Tinha tudo para dar certo

-----a bênção dos pais

-----o alvará de localização

-----o Guia 4 Rodas.

Tinha tudo para dar certo

-----o torpedo de oxigênio

-----o isopor com o gelo

-----os portulanos...

mas aí choveu.

Ler sentado

Já existe quem faça cadeira de palhetas de guitarra, com milhares delas, como a que você vê na imagem ao lado.
No AllexInCasa você lê a notícia completa.


E não demora para alguém fazer um tamborete de... palhetas de cavaquinho.

25 julho, 2008

Que é a espirometria?

Material de apresentação de uma aula que ministrei hoje para os alunos da disciplina de Clínica Médica II do Curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará:

24 julho, 2008

Três velhos

Três velhos foram a um doutor para um teste de memória. O doutor perguntou ao primeiro:
"Quantos são três vezes três?"
"274", foi a resposta.
O doutor dirigiu-se ao segundo:
"É sua vez. Quantos são três vezes três?"
"Terça-feira".
Então, já impaciente, o doutor perguntou ao terceiro:
"Quantos são três vezes três?"
"Nove".
Depois de concordar com a exatidão da resposta do terceiro velho, o doutor quis saber o macete por ele utilizado:
"Como o senhor chegou a este número?"
"Foi fácil, doutor. Eu vi que os meus companheiros haviam errado. Aí, o que eu fiz foi subtrair a terça-feira do 274..."

Original: "Three old men" por Mangkok Ayun, Scribd.
Versão para o português por PGCS.

23 julho, 2008

O Bate-mãe

O ator britânico Christian Bale, 34, esteve detido hoje numa delegacia de Londres sob a acusação de ter agredido pessoas da família, uma das quais a própria mãe.

O ator vive atualmente o Batman no cinema.

Penso, logo cito - 9

Ruben Darío, poeta nicaraguense

"Dichoso el árbol que es apenas sensitivo,

y más la piedra dura porque ésa ya no siente,

pues no hay dolor más grande que el dolor de ser vivo,

ni mayor pesadumbre que la vida consciente."

(versos iniciais de "Lo fatal")

22 julho, 2008

Andruchak

A ilustração da postagem de ontem é uma reprodução do quadro "Pipas", de 2004, do artista plástico Andruchak, que é professor de arte e arte digital na UMC e na UNIP.
Por suas formas e cores, as pinturas deste criativo artista brasileiro inserem-se num estilo neocubista tropical. E elas, por vezes, são complementadas por textos poéticos de autoria do próprio Andruchak.

Visite sua exposição virtual em www.andruchak.com.br.

21 julho, 2008

Arraias, paquetões e bolachinhas

O mês em curso me faz lembrar os julhos da minha infância. Quando o céu de Fortaleza ficava povoado de vistosas arraias fazendo as suas belas evoluções aéreas. Um fenômeno explicado pelas férias escolares que incidiam, ontem como hoje, num mês de muitos ventos.
As arraias (ou "raias" como pronunciavam os moleques), as quais, em outras partes do Brasil, seriam chamadas de pipas, pandorgas ou papagaios.
Para a confecção de uma delas, não se necessitava de muita coisa. Palitos secos de coqueiro, linha, papel-seda e um pouco de grude. Com os palitos secos, em número de três, amarrados nos cruzamentos por pedaços de linha (e com um destes pedaços utilizado para delimitar o perímetro) fazia-se o esqueleto da arraia. A seguir, nesta armação se colavam os retalhos do papel-seda por meio de um grude preparado na cozinha de casa.
Os complementos do brinquedo eram o cabresto e o rabo da arraia. Para o cabresto, que servia para prender a arraia, bastava um pequeno pedaço de linha. E, para o rabo da arraia, além de uma maior porção de linha, à qual se atavam pequenas tiras de pano (molambo era o ideal), a intervalos regulares, ficando uma tira maior, a ponteira, para ser colocada no final da linha. O rabo (ou rabiola) era então preso na extremidade da arraia para lhe conferir estabilidade. Sem ele, ao ser posta no ar, a arraia ficaria a girar loucamente e sem ganhar altura.
Havia uma versão gigante da arraia, o paquetão, cujo esqueleto era feito de taboca. O qual era colocado no ar apenas por quem tinha a robustez suficiente para controlá-lo. E existiam também as bolachinhas, umas imitações baratas das arraias, que serviam de divertimento para as crianças menores. Feitas de algum papel grosso, cortado na forma redonda, e a seguir perfurado por palitos de coqueiro que funcionavam como armação, eram feias e não ganhavam grande altura.
Empinava-se a arraia com a ajuda de um companheiro que a elevava bem acima da cabeça. Até que, a um sopro mais forte do vento, a arraia era largada enquanto o outro a puxava. O outro era o dono da arraia que, muitas vezes, tinha de correr contra o vento para que ela subisse. Não havendo o auxílio de um companheiro para empiná-la, a alternativa era o "soltador" de arraia se posicionar num local elevado como um muro ou o terraço de casa.
E a arraia subia em movimentos coleantes sob o incentivo de repetidos puxões aplicados em sua linha. Com esta, a cada instante, sendo liberada de um carretel que rolava entre os dedos do "soltador". Até que a arraia se encontrasse na altura desejada (ou a linha chegasse ao fim). Neste ponto, começava o bonito espetáculo da arraia a movimentar-se no espaço em resposta aos "lanceios" feitos no chão.
Uns contentavam-se com esse aspecto "pacífico" da brincadeira. Outros, porém, preferiam praticar o "corte" de arraias. Uma peleja entre arraias em que, ao cruzamento das linhas, uma delas (às vezes, ambas) sofria o "corte". E, ficando sem o controle da linha que a prendia, passava a ser arrastada pelo vento até terminar enganchada num fio elétrico, árvore ou telhado. Sendo, nessa "agonia", acompanhada pelos moleques em louca correria como se fora um troféu.
A muitos frustrava a arraia "cortada" ser também "aparada". Quando essa arraia "derrotada" não caía em domínio público, por haver sido em pleno ar capturada e recolhida pela arraia "vencedora", graças à habilidade do dono desta.
Não seria possível o "corte" de arraias sem a participação do cerol. Preparado com vidro moído e cola derretida, assim que secava na linha em que era aplicado, o cerol a transformava num instrumento verdadeiramente cortante. Capaz de causar acidentes nos brincantes e em terceiros, aliás, como acontece até hoje. E, o que é pior, com alguns destes acidentes a se mostrarem terrivelmente letais.

20 julho, 2008

Dona Solange

Dona Solange, do município de Ilhéus - Bahia, estava uma "arara" com o prefeito de sua cidade quando deu esta entrevista. O que certamente contribuiu para que, na ocasião, ela também desse um show de gaguez explícita.
E o áudio de sua entrevista com a montagem de "imagens relacionadas" virou um vídeo de sucesso no YouTube. Que vem registrando mais de 330 mil acessos em menos de um mês de exposição (o vídeo da nutricionista Ruth Lemos, a mulher do "sanduíche-íche-íche", já obteve mais de 1 milhão de acessos... em 2 anos).
Nesta "entrevista ilustrada" de Dona Solange são impagáveis os momentos em que aparecem:
- Rambo com a metralhadora no tá-tá-tá...
- Renato Aragão no di-di-di...
- Vává, do "Sai de Baixo", no vá-vá-varrer.
- E a nadadora Rebeca Gusmão no... rebombada.
Mas, Dona Solange de Ilhéus, dificuldades de comunicação à parte, tem o mérito de saber botar a boca no trombone quando é para exercer a sua cidadania.


P.S.> De Nivaldo Ribeiro, em seu Coió Online (no blogroll), veio a dica sobre a existência deste vídeo.

19 julho, 2008

Recordando Vladimir

Com Vladimir Morais (cuja morte prematura se deu há três dias) e sua esposa Lúcia tivemos muitos momentos agradáveis. Quando Elba, minha mulher, e eu nos encontrávamos com eles "casualmente" em algum point de nossa cidade. E, aproveitando essas horas boêmias, batíamos os mais inesquecíveis papos.
Ao som da boa música, podia-se apostar, pois que não a dispensávamos.
Alguma vez, acompanhados de nossos filhos, chegamos a passar o fim de semana fora de Fortaleza. Como um deles que passamos na Praia de Icaraí, Caucaia, hospedados num apartamento de meus pais. Estimando que tenha sido aí pelo final dos anos 80, consideradas as idades aparentes de Vladimir Filho e Érico, nossos filhos primogênitos, numas fotografias da ocasião.
Pois bem, são essas fotos que agora tratei de digitalizá-las e pôr no Flickr. Escolhendo duas delas para publicar também no Blog. Uma, que mostra Vladimir comigo numa mesa do Ugarte, o restaurante de Lúcio Brasileiro no Cumbuco. E outra, que mostra Lúcia e Elba (esta com Érico a dormir em seus braços) numa barraca de praia, possivelmente em Tabuba.


Promessa é promessa

Pela 38ª vez, o indiano Shiv "Pappu" Charan, 74, não conseguiu passar de ano em sua escola.
O seu último boletim veio com as seguintes notas: 2,5 em Sânscrito, 1,7 em Ciências, 1,4 em Inglês e 0,5 em Matemática (disciplina que Pappu reconhece ter alguma dificuldade no aprendizado). Em compensação, o indiano simplesmente "fechou" em Hindi, ao conseguir nesta matéria um alentado 3,4.
O pior é que Pappu, com essas "bombas" anuais, está a prejudicar as expectativas da namorada. Já que ele não casa enquanto não obtiver o seu diploma escolar.
Não existe na Índia essa medida (aplicável aos dois) chamada jubilação ?

A propósito:
Aqui comentei, em 15 de março de 2007, a notícia do indiano Jabbar Hussein, 65, que tentava o vestibular pela 37ª vez.

18 julho, 2008

Provas de função pulmonar

Material de apresentação de uma aula que ministrei hoje para os alunos da disciplina de Clínica Médica II do Curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará:

17 julho, 2008

O "bebê" de Faraday

Há momentos burlescos na história das grandes invenções. Michael Faraday, o genial físico inglês, mostrava à rainha Vitória I um artefato magnético que ele recém-criara, quando Sua Majestade, a Rainha da Grã-Bretanha e da Irlanda, a Imperatriz das Índias, que não sabia ficar calada, perguntou:
"Para que serve a gerigonça?"
Ora, Faraday tinha a consciência da importância de seu rebento no mundo do porvir, e foi com esse ânimo que ele devolveu a inquirição:
"Senhora, para que servem os bebês?"
Agastada com tal episódio, a Rainha da Grã-Bretanha e da Irlanda, a Imperatriz das Índias só conseguiu reinar durante 64 anos. E ficou conhecida como Vitória I, a Breve.

16 julho, 2008

Vladimir Morais

As pessoas não morrem,
ficam encantadas (Guimarães Rosa).

Faleceu ontem o colega Manoel Vladimir Cabral de Morais, 56, uma pessoa queridíssima na cidade de Fortaleza. Médico cardiologista da Unidade de Saúde do Meireles, do Hospital SOS e da Santa Casa da Misericórdia.
Conheci-o nos meados dos anos 70, durante o período em que fomos oficiais médicos do Hospital Geral de Fortaleza (do Exército). Tornando-nos amigos, solidificamos esta amizade nos muitos anos em que depois trabalhamos no Hospital de Messejana.
Era um médico de elevados conhecimentos técnicos e de sólida formação humanística.
Formava com a esposa Lúcia, nascida Bessa, um casal estimado e harmonioso. Cujos três filhos, o Vladimir Filho (que abraçou a profissão do pai), a Lívia e o Eduardo saberão conduzir-se na vida à altura do grande exemplo paterno.
É tomado por uma imensa tristeza que, vindo de suas exéquias, estou a escrever esta nota. Manoel Vladimir foi um dos meus maiores amigos.

Epônimos médicos

O whonamedit.com é um site em inglês que dicionariza os epônimos médicos. Já descrevendo 8.141 deles, relacionados com os nomes de 3.223 pessoas, pode-se dizer que o site é o mais completo no gênero. Inclusive por trazer as biografias das pessoas associadas aos epônimos que registra.
Epônimo, para quem não sabe, é uma expressão formada com a incorporação do nome de uma ou mais pessoas.
Eis alguns exemplos de epônimos (em português) com as categorias a que pertencem:
- Reflexo de Babinski (semiologia)
- Espaço de Traube (anatomia)
- Manobra de Valsalva (fisiologia)
- Paralisia de Bell (clínica)
- Bacilo de Koch (microbiologia)
- Ciclo de Krebs (bioquímica)
- Incisão de McBurney (cirurgia)
- Cateter de Swan-Ganz (equipamento)
Muitos dos epônimos colocados no site apresentam-se em desuso, mas é inegável que o registro mesmo destes tem importância histórica.

15 julho, 2008

Neoblogueiros

É "menas" verdade que os blogueiros disputam acirradamente aquelas informações da internet que podem resultar em boas postagens.
Isto só acontece com os novatos.

14 julho, 2008

Adereços pessoais

Não uso tiara, colar, pulseira, brincos e piercings.
Escapulário, nem pensar. Pendrive? Já pendurei um deles (de 1 giga) no pescoço, mas só foi um dia.
Diante desta minha barriga de prosperidade, a bolsa pochette também fica fora. Mas não descarto alguma adesão futura aos suspensórios.
Aliança? Permaneceu no dedo o tempo em que durou a festa de casamento. Fiz questão de perdê-la sem dó, mesmo sabendo o risco de ficar depois desinteressante aos olhos das mulheres.
E... tirei o meu anel de doutor para não dar o que falar.
Contudo, uso um par de óculos, por razões próximas e longínquas, e um relógio que atrasa (adianta?).
E só por estes últimos acessórios é que eu não tiro zero no quesito adereços (PGCS).

13 julho, 2008

Besame mucho

Aos 15 anos de idade, a mexicana Consuelo Velázquez compôs este bolero (1940). Desde então, famosos intérpretes das mais diversas tendências musicais já gravaram o "Besame mucho". Como Frank Sinatra, Elvis Presley, Placido Domingo, Liza Minelli e o conjunto The Beatles, entre outros. Contribuindo assim, com seus registros fonográficos, para a imensa popularidade deste bolero em todo o mundo.
No Blog, um solo ao piano de "Besame Mucho" a cargo da própria Consuelo Velázquez. Que ela (também uma estupenda pianista) gravou para a televisão mexicana em 1968.

12 julho, 2008

Contra o terrorismo

O site Neatorama traz as dez mais bizarras invenções contra o terrorismo.
A última delas é para quando todas as demais não funcionaram a contento. E torna-se necessário dar um destino aos corpos das infelizes vítimas de um atentado terrorista em grande escala.
Trata-se do crematório móvel, uma câmara de combustão sobre rodas, que inclusive evita o surgimento do problema dos zumbis.


Foi patenteado sob o nº. 6729247 nos Estados Unidos.

E por falar em roda...

Olha aí mais uma das aplicações para ela: tornar móvel o seu banco de jardim.

11 julho, 2008

Como surgiu a roda?

Conta-se que das mãos (e dos cérebros) de Og e Ug, dois cientistas das cavernas que, partindo de uma roda-protótipo de quatro lados, percorreram caminhos opostos. Og, optando pela diminuição dos lados e, com isso, obtendo uma roda de três lados, cuja grande vantagem era dar um solavanco a menos por giro, mas aí estacionou. Já Ug, pensando de modo contrário, foi progressivamente aumentando os lados da roda-protótipo, até chegar a uma roda de centenas de lados com contornos arredondados.
Na prova decisiva de descer a ribanceira, ganhou a roda de Ug - com a diferença de uma ribanceira sobre a roda de Og.
Este resultado só não foi devidamente comemorado porque, ao dar o salto da vitória, Ug foi infeliz e bateu com a cabeça no porrete de Og.

Na blogosfera - 26

Agradeço ao colega Emanuel Melo e a Rafael, seu filho, pela generosidade de seus comentários a respeito do Blog do PG.
Depois disso, descubro que Rafael, que é advogado em Fortaleza, desenvolve com inteligência crítica um blog, o R.t.M - The Second Raid, o qual recomendo que visitem.

10 julho, 2008

O preto no branco

Que é isto?


É o Blog do PG em QR-Code (se o QR-Code Generator que fez a imagem converteu corretamente a URL do blog).
O QR (iniciais de Quick Response, isto é, Resposta Rápida) é um código de barras bidimensional que tem a capacidade de armazenar 7089 números (ou 4296 letras e números), contra a que apresenta o código de barras tradicional que é de 20 números (e somente números). E faz isso com uma área de impressão dez vezes menor.

A oração de Hutchison

“Da incapacidade de não interferir; do entusiasmo exagerado pelo que é recente e desdém pelo que é tradicional; de valorizar mais o conhecimento do que a sabedoria, a ciência mais do que a arte, e o talento mais do que o bom senso; de tratar os pacientes como casos, de fazer a cura da doença mais penosa do que a tolerância da mesma... livrai-nos, Senhor.”

British Medical Journal, 1953; 1: 671

Ler sobre quem escreveu isto, o médico Dr. Robert Hutchison em www.whonamedit.com.

09 julho, 2008

Guernica revisitada

Em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil Espanhola, os nazistas devastaram a cidade basca de Guernica com bombardeios aéreos feitos pela Luftwaffe. Com o apoio de Franco, a Luftwaffe de Hitler testava naquele dia uma nova tática de guerra. Cujos resultados, traduzidos em perdas humanas, foram 1654 mortos e 889 feridos numa cidade que apresentava cerca de 7 mil habitantes.
Expressando o repúdio à tragédia, Picasso pintou o quadro "Guernica". E muitos outros artistas fizeram posteriormente suas versões para o célebre quadro de Picasso, algumas das quais podem ser vistas no slideshow abaixo.

07 julho, 2008

Bombons, antissépticos bucais e a nova lei

A lei federal 11.705, de 16 de junho deste ano, que tornou mais severas as penas aplicáveis aos motoristas brasileiros que são flagrados dirigindo sob o efeito do álcool, passou também a ser mais exigente quanto aos níveis de álcool no sangue que são tolerados. Para efeito de sanção penal, tiveram os seus limites reduzidos de 6 para 2 decigramas de álcool, o que coloca o Brasil entre os países de legislação rígida sobre o assunto.
O equipamento que mede - de forma indireta - esses níveis de álcool no sangue é o etilômetro, popularmente chamado de bafômetro. E o aparelho faz isto a partir do ar exalado, cuja concentração em álcool guarda uma relação fixa com a que esteja presente no sangue, já que seria impraticável puncionar as veias de tantos motoristas nas ruas e estradas para realizar a medição direta.
Com a intensificação do emprego deste tipo de equipamento, nas blitzes de trânsito em nosso país, passou a ser divulgado que atos inocentes como ingerir algum bombom recheado de licor ou usar anti-sépticos bucais (não são todos), caso tenham ocorrido um pouco antes do teste do bafômetro, poderiam ocasionar resultados comprometedores.
É que esses bombons e anti-sépticos bucais, ao impregnarem de álcool por algum tempo a boca de quem os consome, levam a uma leitura de valores elevados de álcool pelo bafômetro.
A defesa, para quem se envolva com tão desconfortável situação, é pedir a repetição do teste uns dez minutos após. Quando esses valores anormais terão certamente retornados ao patamar da normalidade, ao contrário do que se verificará com eles se a pessoa de fato estiver alcoolizada.

06 julho, 2008

Autorretratos de Van Gogh

Ao longo de sua vida, Vincent Van Gogh pintou muitos autorretratos. Entre 1885 e 1889, em diferentes estados de humor, o pintor holandês criou mais de quarenta deles. Inclusive os famosos autorretratos em que ele aparece enfaixado, por terem sido pintados após a crise nervosa em que decepou uma das orelhas.
Philip Scott Johnson, o eggman913 do Youtube, reuniu os auto-retratos de Van Gogh num bem elaborado vídeo. Já com um fantástico número de acessos, a caminho de repetir os resultados obtidos por "Women In Art" e "Women In Film", outros vídeos de sua autoria.

05 julho, 2008

Micropoemas do infortúnio - 6

-
- Diz-me, florzinha silvestre, de onde provém a tua paz-sabedoria?

- Ah, depois... Deixaste ligado o motor do teu carro.

Pais "protetores" - 3

Não falei que este assunto ia acabar virando uma seção do Blog do PG?
Para confirmar a minha previsão, aparece aqui mais um destes pais "protetores". Em verdade, ele não chega a mostrar a cara no blog, pois estava do outro lado da máquina fotográfica a registrar a imagem.


Mas... este pai fotógrafo não estava alheio aos eventuais desdobramentos da cena. Ele já foi criança e sabe muito bem o quanto uma delas pode ser traquinas. Uma escova de banho nas mãos de um pimpolho, por exemplo, é objeto suficiente para matar uma cobra de engasgo.
Assim, enquanto durou a tomada desta fotografia, o pai esteve atentíssimo a tudo que pudesse ameaçar a integridade física de seu coleante animal de estimação.

04 julho, 2008

Heteróclito, suas casas de pasto

Heteróclito, a namorada a reboque, fez um ar de desânimo. Todas as mesas do restaurante Half Star estavam ocupadas. A não ser que o maître... Lembrou-se de que o maître do Half Star tinha para com ele uma dívida eterna. Certa vez, Heteróclito lhe tirara um espinho da mão e o maître reconhecido lhe dissera: "Por você sou capaz de matar ou morrer, de preferência a primeira hipótese.
"Não é só o chef que faz das tripas coração, em se tratando de amigos o maître também faz:
- Senhor Heteróclito, há uma mesa por enquanto desocupada.
- Qual?
- Aquela da tábua verde.
- A mesa da tábua verde? Mas... por que tem ela uma redinha estendida no meio?
- Dois chineses, logo mais, vão jogar uma final de tênis de mesa. Se o senhor não se incomoda...
- Não me incomodo. A mesa é bastante espaçosa.
Fizeram os pedidos. Petúnia, a namorada, um prato de dois dígitos, e Clitinho, outro de um (para evitar que, no final, surgisse uma conta de três dígitos). Para beber, ambos concordaram com uma mineral. Uma mineral com gás "porque tem gosto de pé dormente".
Estavam sendo servidos quando, senão quando, os dois chineses chegaram. Estabeleceu-se um clima de tensão. Com os dois "chinas" considerando Heteróclito e a namorada intrujões. Pingue-pongueia, não pingue-pongueia, quando Clitinho teve a idéia de bancar o brasileiro cordial. Levantou-se e, em posição de sentido, cantou o Hino Nacional de Hong Kong. Na voz dele tão irreconhecível que a confusão não aumentou. Pelo contrário, acalmou os chineses que eles, recém-pacificados, resolveram desembainhar as raquetes.
Deu-se a partida, com a bolinha quicando por entre pratos, taças e saleiro. Pensando bem, Clitinho e a namorada jantavam, mas com sobressaltos.
Pelas tantas, Petúnia não se conteve:
- Diacho! Por que não fomos ao restaurante vegetariano Ruminant Is Beautiful?...
Ele sorriu amarelo (sorriso desta cor fica melhor na cara dos orientais, sei disso).
Sem dar mostras de fádiga do plástico, a bolinha prosseguia em sua estratégia de mesa arrasada. Nos 3 a 2, fez salpicar o salpicão de galinha, nos 4 a 3, quebrou o pires das azeitonas, nos 5 a 4, tirou a milanesa de um trecho do filé, nos 6 a 5, fez subir uma cortina de farofa até que, nos 7 a 6, a bolinha foi sustada... para ser devidamente trichada por Clitinho.
Ah, a lição de uma tia de Heteróclito quando, nos tempos de antanho, a bola de couro dos moleques caía no canteiro de gerânios!...

03 julho, 2008

O contador Luiz Carlos da Silva

Nosso falecido pai, além de professor e advogado, exerceu de forma complementar a profissão de contador.
É o que relata o escritor Marcelo Gurgel, meu irmão, neste artigo que acabo de inserir no blog Família Gurgel Carlos.
Aqui.

Simpatia é quase amor

-
FLUMINENSE

VICE-CAMPEÃO DA COPA LIBERTADORES DE 2008

Alguns torcedores famosos do FLU:
Artur da Távola, Arthur Moreira Lima, Carlos Heitor Cony, Cartola, Chico Buarque (foto), Coelho Neto, Evandro Mesquita, Francis Hime, Gilberto Gil, Hugo Carvana, Ivan Lins, Jô Soares, João Havelange, Mario Lago, Nelson Mota, Nelson Rodrigues, Raimundo Fagner, Tom Jobim...

Para inglês ver

A spice girl Victoria confidenciou que o marido, o jogador de futebol David Beckham, gostava de usar suas calcinhas. Um costume que, conforme revela uma pesquisa, é assumido por 1 em cada 7 ingleses.
Corta agora (epa!) para Beckham em cuecas, depois de assinar com a Emporio Armani um contrato milionário para uma mudança de hábito.

02 julho, 2008

Achado não é uma roubada

Recebo acompanhado de um pedido de divulgação o seguinte comunicado:

A conhecida empresa The Puma's Friend acaba de incluir a cidade de Fortaleza entre as localidades em que presta os seus acreditados serviços.
Atuando na área dos motéis, especialmente em parceria com as unidades que não dispõem de sistemas operacionais para a devolução aos usuários dos objetos esquecidos em suas dependências, The Puma's Friend com os seus serviços nesta modalidade chega para preencher uma grande lacuna.
Mediante um contrato de terceirização com o motel, a empresa The Puma's Friend, cujo lema é ACHADO NÃO É UMA ROUBADA, assume - sem ônus para os usuários do motel contratante - a realização das seguintes atividades:
- investigação do nome e do endereço do usuário que houver esquecido algum objeto no interior do motel;
- entrega desse objeto na residência do usuário, mesmo que este se mostre desinteressado em reavê-lo, com a pompa e a circunstância que a situação exige, e no melhor estilo "loucuras de amor".

A divulgação está feita.

01 julho, 2008

A genética funciona

Como bem documenta esta fotografia em que os caracteres dos pais aparecem transmitidos por cruzamento no garoto.

Imagem via blog.uncovering.org.

Fissura

É o nome que se dá a isto...

quando o fumante já não escolhe mais...

o local em que vai fumar.