30 junho, 2021

A caneta Parker

Professor de uma pequena escola na cidade de Janesville, no Estado de Winconsin, EUA, George Safford Parker complementava sua renda mensal com a venda de canetas-tinteiro a seus alunos. No entanto, essas canetas apresentavam defeitos frequentes e ele sentia-se na obrigação de consertá-las.

Tendo em mente a necessidade de produzir um instrumento de escrita ideal, George Parker criou sua primeira caneta em 1888. No ano seguinte, o projeto foi patenteado e ele se tornou responsável por uma grande revolução na escrita moderna.

A função de toda caneta é escrever, mas algumas fizeram muito mais que isso. Escreveram a história e se transformaram em personagens quase tão célebres quanto às personalidades que as usaram para decretar, com sua assinatura, um fato importante para seu país, e para o mundo.

• Segunda Guerra Mundial. Em 7 de maio de 1945, duas canetas Parker 51 pertencentes ao General Eisenhower foram usadas para assinar o fim da Segunda Guerra Mundial.

• Rendição dos Japoneses. Em 2 de outubro de 1945, o General MacArthur assinou a rendição dos japoneses em Pearl Harbor utilizando sua Parker Duofold vermelha.

• Acordo de Paz com o Vietnã. O secretário do Estado William P. Rogers assinou o Acordo de Paz do Vietnã usando uma Parker 75.

• Acordo de Desarmamento Nuclear. Os presidentes Bush e Gorbatchev trocaram canetas Parker ao assinarem os Acordos de Desarmamento Nuclear de 1990 e 1991. As canetas utilizadas foram uma série limitada que tinha emblemas gravados com o logo em forma de apito, no topo da tampa, um símbolo do Fundo de Assistência às Vítimas de Calamidades Públicas, feito de metal utilizado em mísseis desarmados.

Fonte: A caneta que fez história

Ilustração: Normal Rockwell. Eles deram um ao outro uma Parker 61 (troca justa). Catálogo da Sotheby's

(post não patrocinado)

Nenhum comentário: