17 abril, 2016

A dialética de lavar a louça

Tese
Estudantes e professores pesquisadores da Florida State University descobriram que lavar a louça conscientemente acalma a mente e diminui o estresse.
Após a realização de um estudo com 51 estudantes, os pesquisadores constataram que aqueles que que lavaram os pratos conscientemente, concentrando-se na temperatura da água, no aroma do sabão, na produção da espuma  e nos movimentos que estavam fazendo etc. relataram sentimentos de um estado positivo 25% maiores e níveis de nervosismo 27% menores, com relação aos sentimentos e níveis apresentados antes de lavar a louça. Já aqueles do grupo-controle, que apenas lavaram os pratos mecanicamente não experimentaram quaisquer benefícios mentais.
http://news.fsu.edu/More-FSU-News/Chore-or-stress-reliever-Study-suggests-that-washing-dishes-decreases-stress

Antítese


Síntese
Al Bernstein dizia que o problema de morar sozinho é que é sempre a sua vez de lavar a louça. Morar sozinho não é o meu caso, ir para a pia da cozinha, sim. Em meu lar, desde que a empregada doméstica foi declarada extinta, lavar a louça passou a ser uma atribuição minha. Que faço com a atenção plena, concentrando-me em todos os detalhes da tarefa. Nem sequer tinha a noção (que hoje tenho) de que isso traria benefícios para a minha saúde psíquica. Ao lavar a louça da minha sinhá, ajudando a afastar os pensamentos cinzentos da minha mente, estou sempre a  cantarolar uma música que foi tema da novela Escrava Isaura:
Vida de negro é difícil - Lerê lerê
É que essa música, além de me deixar muito zen, também irrita o meu grupo-controle (leia-se: a minha mulher). Paulo Gurgel

Nenhum comentário: