10 março, 2017

O roedor gigante que tem gosto de peixe e outras obscuras delícias da Quaresma

por Mary Rezac, da CNA
Quando se trata de jejum, nós, católicos não temos muito a reclamar. Nós jejuamos, mas ainda podendo ter uma refeição maior e duas refeições menores. Nós não podemos comer carne às sextas-feiras, mas podemos comer peixe.
A Igreja, por sua vez, tem sido muito complacente para decidir entre o que é o peixe e o que é não-peixe.
Aqui estão alguns alimentos obscuros que talvez você não saiba que foram autorizados para o seu menu das sexta-feiras da Quaresma:
Capivara
Este roedor gigante sul-americano (o maior roedor do mundo) ainda é considerado um "peixe" para fim de Quaresma. Quando os colonizadores espanhóis começaram a catequizar os sul-americanos, eles não tinham certeza se podiam permitir que comessem este roedor gigante durante a Quaresma. Eles escreveram a Roma (ou, possivelmente, até mesmo enviaram o Padre Sojo, um sacerdote venezuelano famoso), descrevendo o roedor que gastava uma quantidade significativa de tempo na água e ainda tinha um sabor salgado que nem peixe. A bula papal foi emitida, permitindo o consumo da capivara em toda a Quaresma, juma permissão que ainda continua em vigor na Venezuela e em outros países da América do Sul.
"É delicioso", disse um dono de restaurante ao New York Sun, em 2005. "Eu sei que é um rato, mas o gosto é muito bom."
Iguana
Na Nicarágua, a sopa da cauda de iguana é um prato popular na Quaresma.
"É realmente saboroso. É um prato tradicional ", disse Manuel Zamora, ao Huffington Post, em 2013, entrevistado quando comprava duas iguanas em um mercado. A popular sopa de iguana é feita com carne de iguana, ovos, farinha de milho torrada e legumes. Outra sopa chamada Levanta Muerto, que pode ser traduzido como "Levanta-Defunto", consiste de carne da iguana preta espinhosa, cérebro, medula óssea, testículos de touro e, em alguns casos, mariscos.
Embora muitas pessoas não incluam os répteis em suas refeições da Quaresma, elas são permitidas, porque são animais "de sangue frio".
Castor
A América do Norte aparentemente foi o lar dos castores - com os 400 milhões de castores que nadavam em seus córregos e rios. Quando os colonos europeus aqui  chegaram, os cintos e a gordura de castor logo viraram, digamos, uma hot commodity, e a população de castores diminuiu rapidamente. A carne de castor também era especialmente popular entre os nativos norte-americanos. Em um dilema semelhante ao dos seus homólogos da Venezuela, o Bispo de Quebec, no século 17, perguntou a seus superiores se o castor poderia ser considerado um peixe para a Quaresma, uma vez que passava tanto tempo na água. Apesar de não estar claro se essa tolerância vale para hoje, o castor ainda é um prato popular em algumas áreas da América do Norte, mesmo durante a Quaresma.
Rato-almiscarado
Como seu parente roedor semi-aquático, o castor, o rato-almiscarado também tem sido uma carne quaresmal popular em certas partes da América do Norte. Em particular, nas cidades ao sul de Detroit em que é o prato preferido para as sextas-feiras da Quaresma. A origem da dispensação do rato almiscarado é amplamente debatida - alguns dizem que veio do papa durante a guerra de 1812, outros acreditam que um arcebispo a concedeu durante a Grande Depressão, na década de 1930. Seja qual for a história, sua popularidade tem-se mantido forte.
"É uma tradição oral de muitas gerações", diz Yvonne Lockwood, um pesquisador da Universidade de Michigan, ao New York Times. " E mesmo que não haja qualquer documento para provar, as pessoas continuam a acreditar e, por isso, o costume se mantém."
Em 2002, a Arquidiocese de Detroit reiterou oficialmente a dispensa da obrigação, dizendo que "Há uma antiga permissão, que remonta às nossas origens missionárias em 1700, para permitir o consumo de rato almiscarado em dias de abstinência, incluindo as sextas-feiras da Quaresma".
O bispo Kenneth Povish, de Lansing, descreveu a prática como "um costume imemorial", dizendo que "qualquer um que coma o rato almiscarado estaria fazendo uma penitência digna dos maiores santos".
Jacaré
A carne de jacaré é especialmente popular em Nova Orleans, Louisiana. É por isso que Jim Piculas, um criador de jacaré, escreveu ao Arcebispo de Nova Orleans em 2010, para perguntar se era permitido comer jacaré nas sextas-feiras da Quaresma. A resposta (que, no caso, foi afirmativa) se tornou viral em 2013, quando Piculas postou uma foto da carta na internet.
"Em relação à pergunta se seria aceitável comer jacaré  durante o tempo da Quaresma... Sim, o jacaré é considerada da família dos peixes", escreveu na carta o arcebispo Gregory M. Aymond. Aproveitando ainda para concordar com o paroquiano sobre "a importância dessa magnífica criatura para o estado da Louisiana".
Arau
Este adorável pequeno pássaro do mar foi uma vez centro de muito debate no norte da França. De acordo com o livro "Food and Faith in Christian Culture", um padre local informou ao arcebispo de Rouen que os monges de um mosteiro beneditino nas proximidades tinham consumido carne-do-mar durante a Quaresma, em 1698. O arcebispo emitiu uma resposta "rápida e inequívoca", para ser lida em todas as paróquias, enquadrando o papagaio-do-mar como um prato sujeito a jejum. Mas os monges não ficaram satisfeitos e recrutaram médicos de uma faculdade local para ajudá-los a compilar evidências de que o papagaio-do-mar era de fato mais peixe do que ave. As conclusões da investigação, apresentadas ao arcebispo em uma reunião de clérigos, convenceram-no a reverter sua decisão. Não está claro, porém, se esta dispensa de obrigação ainda continua de pé.

The giant Venezuelan rodent that tastes like fish, and other obscure Lenten delicacies, Catholic News Agency. Tradução: PGCS

Nenhum comentário: