06 dezembro, 2010

O piloto voltou...

Antes de 1918, os pilotos não dispunham de paraquedas nos aviões de combate e muitos perdiam a vida por isso.
Melhor sorte teve Grahame Donald, um piloto escocês da Royal Air Force (RAF). Numa tarde de verão, em 1917, quando ele pilotava (A), a uma altura de 6.000 pés, o seu Sopwith Camel, o cinto de segurança se rompeu durante uma manobra. E, por estar o avião virado para baixo (B), Grahame despencou para o vazio.
Enquanto ele caía, o avião também descia fazendo um loop (C).

blogdopg
Numa entrevista concedida 55 anos após, Grahame explicou:
"Os primeiros 2.000 pés passam muito rápido. Enquanto caía, eu comecei a ouvir meu pequeno e fiel Sopwith Camel como se ele estivesse cada vez mais próximo. De repente, caí nele."
De fato, o piloto caiu sobre uma das asas do avião, mas conseguiu retornar para a cabine e reassumir o seu controle.
Como comandante da RAF, Grahame Donald ainda combateria na Segunda Guerra Mundial.

Comentário
Cenas deste tipo são frequentemente exibidas em filmes de aventuras. E custa a crer que este fato, relatado por Joshua Levine em seu livro On a Wing and a Prayer, tenha realmente acontecido. Rudolf Erich Raspe (1737-1794), que criou as "Aventuras do Barão de Münchhausen", a partir de incidentes compilados em várias fontes, adoraria ter conhecido o nosso escocês voador. PGCS

Um comentário:

Clara Sol disse...

Bom dia amigo.
Paulo que viagem alucinante que fez esse piloto.
E o melhor qual deu de se foi ter conseguido retornar a cabine por cima da asa.
Acredito por que estar escrito, mas se estivesse só desenhado seria impossível de crer, que tenha saído com vida desta ação mirabolante qual sucedeu.
Vendo por esses ângulos é de admirar esta façanha.
Agradeço por partilhar.
Abraços sempre.
ClaraSol