29 outubro, 2009

A preguiça

Tem um bicho que a preguiça chegou ali, parou. A ficha dele: mamífero desdentado, da família dos bradipodídeos e que atende pelo nome de preguiça. Aliás, não atende. Gritar "ei, preguiça" e aguardar que ele dê a mínima... é tempo jogado fora. O bicho, caso um mau movimento o ponha sentado sobre os bagos, vai ter uma enorme dificuldade para se livrar da situação. Mas... conjeturo eu que, em vez de chão (que lhe criaria o problema descrito), a preguiça é parada mesmo numa árvore. Em cujos galhos (onde também encontra as folhas de que se alimenta) deixa-se pender horas e horas, indiferente ao desassossego do mundo.
Um zoológico que se preze tem de ter pelo menos uma preguiça no plantel. E bem tratada, hein, para que nunca bata o prego. Como isso, entretanto, apesar de todos os cuidados nem sempre é possível, então o zoológico tem de ter a alternativa. Um "aspone" (recrute-se da administração pública) que substitua a preguiça até que apareça outra da espécie. Sabem como é, a preguiça é um espetáculo - em slow-motion - que não pode parar. E do "aspone", além de ser um substituto, deve-se ainda exigir que seja um PHD (passe as horas dormindo).
Pois é, a preguiça... vida boa, não quer pressa. Lembro-me agora de alguém que, indagado a respeito de que se ocupava, assim respondeu: "levo algodão nas costas". Esclarecendo, a seguir, de que algodão estava a se referir. Era o algodão de "uma boa rede cearense", na qual ele, um homem pouco afeito ao trabalho, gostava de preguiçar em suas horas de ócio (que não eram poucas).

Acesse aqui.

Um comentário:

Clara Sol disse...

Boa noite Paulo.
Ontem eu estava bem para este bicho preguiça.
Esta é uma crônica qual a gente nunca vai ter preguiça para ler, pois tem conteúdo.
Este caipira tem quase tudo de baiano.
Chegara deseja r um terremoto para arrancar as batatas isso que era preguiçoso.
Ótima crônica adorei ler.
Deixando um abraço afetivo.
Da amiga sempre.
ClaraSol