29 julho, 2019

A cisterna "Chapéu do Padre Cícero"

No início dos anos 2000, a Articulação no Semiárido Brasileiro desenvolveu o programa "Um Milhão de Cisternas", [1] [2] a ser implantado em todo o Nordeste. Na época, a ideia era atender a uma necessidade básica da população: água para o consumo humano. Com isso, foi criada a cisterna de 16 mil litros para captar água da chuva pelo telhado.
Algum tempo depois, surge o programa "Uma Terra, Duas Águas", com objetivo de implementar a cisterna maior, com capacidade para armazenar 52 mil litros e voltada para produção. Os modelos mais instalados são o do calçadão retangular e o da enxurrada, que ainda hoje são construídos.
Porém, os técnicos enxergavam um problema, sobretudo, na cisterna de calçadão: a tecnologia consumia muito espaço nas terras dos pequenos agricultores, aproximadamente 200 m² de área de cimento, onde a água da chuva é jorrada. Foi aí que os técnicos se debruçaram em busca de outra solução.
Em 2007, teve início as primeiras experiências para criar uma cisterna com calçadão circular em que a água que atingisse seu teto também fosse captada, possuindo a mesma capacidade de estocamento: 52 mil litros. Com 80 m² de área, que escorre para as fendas nas bordas, surge a tecnologia batizada de Chapéu do Padre Cícero, por causa do seu formato (foto). E também para homenagear o Padre que incentivava a construção de uma cisterna em cada casa.


Apesar de ser certificada pela Fundação Banco do Brasil, em 2013, a tecnologia dessa cisterna ainda é pouco difundida no Nordeste e se restringe à região do Cariri, onde foi criada pela Associação Cristã de Base. O custo de cada cisterna "Chapéu do Padre Cícero" é R$ 6 mil,  sendo 40% menor que o custo da convencional, pois utiliza-se de menos material e de menos mão de obra.

Texto e foto de Antonio Rodrigues, publicado em 15/02/2018, no Diário do Nordeste
(condensado por PGCS)

Nenhum comentário: