09 junho, 2014

As tiradas filosóficas do Seu Madruga

Seu Madruga por Fabrício Pontes
“Não há nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar.”
“A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena.”
“Não existe trabalho ruim. O ruim é ter que trabalhar.”
“Sou um cidadão consciente, não fanático!”
“Devemos perdoar os alugueis atrasados.”
“Minha dívida com o senhor é algo que eu levarei até o resto da minha vida.”
“Não se diz 'estáuta', se diz monumento.”
“Quando a fome aperta, a vergonha afrouxa.”
“Você não sabe o que é sentido figurado? Na escola não lhe dão aulas de geometria?”
“Para aprendermos outro idioma temos que estudar anatomia, já que a língua faz parte do corpo humano.”
“Tá me chamando de troglodita? Ah, bom... Pensei que tivesse dito poliglota.”
"Posso não ter um centavo no bolso mas tenho um sorriso no rosto e isso vale todo o dinheiro do mundo."
“Você sabe quanto custa trazer um artista do estrangeiro? Ainda mais sendo de outro país?”
“Se eu soubesse que tinha mandado um idiota fazer isso, tinha ido eu mesmo.”
“Minha senhora, se acha que pode me comprar com alguns presentinhos, eu vou lhe dizer uma coisa... eu aceito!”
“Eu sabia que você era idiota, mas não ao nível executivo!”
“Somente um idiota responde uma pergunta com outra pergunta.”
“Não estou triste porque não arranjei emprego. Estou triste porque consegui arranjar.”
“Às vezes temos que sacrificar algumas coisas para conseguir outras.”
“Ganha aquele que não perde.”
Seu Madruga é o personagem do ator mexicano Ramón Gómez Valdez Castillo no seriado "Chaves", um dos programas de maior sucesso na América Latina. Várias gerações no Brasil já assistiram ao "Chaves", graças aos episódios que são repetidos continuamente pelo SBT, desde a década de 1980. E o Seu Madruga se destacou não só por deixar de pagar o aluguel para o Senhor Barriga e por tomar tapas da Dona Florinda, mas porque é também um notável filósofo. Alguns de seus ensinamentos são riquíssimos para a educação infantil e adulta, como afirma Mario Lúcio, em Seu Madruga, o Filósofo (de onde essas tiradas filosóficas foram extraídas).

Ver também: Os bordões do Patropi

Nenhum comentário: