30 setembro, 2013

O "Bolsa Família" estadunidense

Os EUA também têm o seu “Bolsa Família”.
Lá, é o SNAP - Supplemental Nutrition Assistance Program - que ajuda 40 milhões de americanos de baixa renda a se alimentarem, no mesmo esquema de cartão magnético do nosso aqui, com a diferença que o benefício não pode ser sacado, mas utilizado eletronicamente nas lojas cadastradas, o que é fácil frente ao uso de computadores generalizados em todo o comércio do país. Ele, aliás, substitui os antigos “food stamps”, tíquetes de alimentação que existem há décadas nos EUA.
Lá, como cá, o conservadorismo ataca o SNAP, dizendo que ele “ensina a não trabalhar”, acomodando as pessoas.
É triste ver que a mediocridade é universal e que, não importa o país, a "elite" sempre se parece em crueldade.
Contra isso, e para analisar os benefícios do “Bolsa Família” gringo, o economista Paul Krugman, professor da Universidade de Princeton (EUA) e Prêmio Nobel de Economia (2008), escreveu recentemente um artigo, publicado no The New York Times.

A matéria merece alguns complementos estatísticos:
Segundo informações oficiais, o programa atingiu em 2012 um total de 46,60 milhões de norte-americanos, e custou US$ 78,44 bilhões. Em reais, usando o câmbio médio dos últimos dias, em R$ 2,2, este valor corresponde a R$ 172 bilhões. O programa paga de US$ 100 a US$ 600 por pessoa (o valor médio é de US$ 133,41, ou R$ 293,00). .
Para efeito de comparação: o Programa Bolsa Família (PBF) beneficiou, no mês de setembro de 2013, 13,8 milhões de famílias, que receberam benefícios com valor médio de R$ 152,35. O orçamento federal para o programa em 2013 é de R$ 23,18 bilhões.
Ou seja, mesmo com o aumento de 60% dos gastos públicos com o Bolsa Família em 2013, o governo norte-americano gasta com o seu principal programa de assistência social um valor sete vezes superior ao Bolsa Família.
Miguel do Rosário, O Cafezinho

Arquivos

Classificando o peixe

:-)


Outras pescarias
Pesca (des)afiada, Assim ou assado, O peixe pescador, As sandálias do pescador, Do ofício de dilapidar conselhos e História de pescador

Coisas curiosas que caem do céu

Chuva, neve e granizo não são as únicas coisas que caem do céu. Ao longo da história, raras ocorrências foram registradas de outras formas menos esperadas e surpreendentes de objetos precipitados do céu.
Aqui estão alguns exemplos desses fenômenos bizarros:
Carne: Em 1876, pedaços de carne de três polegadas caíram do céu claro em Olimpian Springs, Kentucky. O Louisville Commercial informou que "dois senhores, que provaram a carne, expressaram a opinião de que seria de carneiro ou veado." Um cientista teorizou que urubus haviam se deleitado em cavalos mortos, voaram sobre a cidade e vomitaram.
Lula: Em junho de 1997, um pescador na costa das Ilhas Malvinas ficou em coma por dois dias, depois que uma lula congelada bateu em sua cabeça. Como a lula chegou até ele ninguém sabe.
Geleia: Em 2008, um andarilho, na Escócia, tropeçou em uma pilha de geleia clara . Depois que ele falou na Rádio BBC, vários outros ouvintes relataram avistamentos semelhantes, enviando fotos para a estação. Muitos especularam que aves podem ter comido rãs ou sapos e depois regurgitado seus ovários tóxicos. Cientistas realizaram testes de DNA sobre a substância, mas os testes não foram conclusivos.
Sapos: chuvas de sapos, girinos atormentaram a Prefeitura de Ishikawa Japão, no verão de 2009. Cientistas formularam a hipótese de que o fenômeno foi causado por tornados que sugaram os animais e deixaram-nos cair em terra.
Esferas azuis: Um homem em Dorset, na Inglaterra, encontrou cerca de 20 bolas gelatinosas azuis de uma polegada de diâmetro, espalhadas por seu quintal. Cientistas da Universidade de Bournemouth especularam que eles seriam ovos de uma criatura marinha, mas depois descobriram que eram feitos de poliacrilato de sódio, uma substância usada em fraldas para absorver urina.


Proteja-se
Incidente em Brighton, O meteorito Sylacauga e Uma ironia espacial

29 setembro, 2013

A fórmula secreta para ganhar o Prêmio Nobel

Genialidade, trabalho duro e um pouco de sorte - são as características que definem os beneficiários do prêmio Nobel. Mas, para nós, pobres mortais, poderia haver algum segredo ou fatores ocultos que entram nesse jogo?
Sim!
O Presurf, usando como fonte primária The Winning Formula, da BBC - Future, descobriu que ...
Se você é um norte-americano de 61 anos, do sexo masculino, nascido na Primavera, que estudou na Universidade Harvard, é casado, não usa óculos e tira regularmente a barba, então você tem uma grande chance de ganhar um prêmio Nobel.
Agora, se você é um brasileiro de 65 anos, do sexo masculino, nascido no Inverno nordestino, que estudou na UFC, é casado, usa óculos e tira regularmente a barba, então você tem uma grande chance de ganhar um prêmio Ig Nobel.
Há uma nobreza comovente no Ig Nobel
Warwick McFadyen, escrevendo no The Age: "Em uma cultura dominada por reality shows, em todos os seus tons de idiotice, uma boa dose de loucura do pensamento acrescido do riso de nossa ingenuidade interior, torna-se necessária. Não há nada de ignóbil nisso."

Desobediência

Esta foto foi tirada em Hamburgo, em 1936, durante a festa de lançamento de um navio. Mostra que uma pessoa se recusou a levantar o braço para fazer a saudação nazista. Essa pessoa foi August  Landmesser, um trabalhador do estaleiro. Ele já havia tido problemas com as autoridades nazistas, tendo sido condenado a dois anos de trabalhos forçados por "desonrar a raça" (casar-se com uma mulher judia). Sabemos pouco mais sobre August Landmesser, como o fato de que ele teve duas filhas: Ingrid e Irene. Por puro acaso, uma delas reconheceu o pai nesta foto, quando foi publicada em um jornal alemão, em 1991. Quanto orgulho ela deve ter sentido do pai naquele momento!

Landmesser: a coragem de dizer não

Pensam que ser Cupido é fácil?

Principalmente quando ele tem de consertar o que não devia ter feito.


28 setembro, 2013

Homenagem ao Mestre

O escritor Tarō Hirai (21/10/1984 - 28/07/1965) foi o grande responsável pelo desenvolvimento do romance de mistérios no Japão. Ele escrevia sob o pseudônimo de Edogawa Rampo.
É uma interpretação fonética do nome do principal mestre do gênero: Edgar Allan Poe.

Google: Homenagem ao Discípulo em 21/10/09

A respeito do homem ideal


QUE ELE SEJA DOCE, GENTIL E SE OFEREÇA PARA TROCAR UM PNEU ARRIADO.

Cinco perguntas

1. Numa corrida você acaba de ultrapassar a pessoa em segundo lugar. Em que posição você está agora?
2. Uma garrafa de vinho custa R$ 10,00. O vinho custa R$ 9,00 a mais que a garrafa. Quanto custa o vinho?
3. Um mês começa na sexta-feira e termina na sexta-feira. Qual mês é?
4. Qual é a próxima letra nesta sequência? QEAPLN _
5. Os 14.º e 17.º presidentes do Brasil tiveram a mesma mãe e o mesmo pai, mas não eram irmãos. Como?
Respostas
(para vê-las passe o mouse com o botão direito pressionado abaixo da seta)

1. No segundo lugar.
2. R$ 9,50.
3. Fevereiro em um ano bissexto.
4. S. (QEAPLNS são as letras iniciais desta questão.)
5. Eles eram o mesmo homem: Getúlio Vargas. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Presidente_do_Brasil)

27 setembro, 2013

O que podemos aprender com os gansos

"Podemos aprender muito com os gansos selvagens. Quando um ganso bate as asas, por exemplo, voando numa formação em V, cria um vácuo para a ave seguinte passar, e o bando inteiro tem um desempenho 71% melhor do que se voasse sozinho. Sempre que um ganso sai da formação, sente subitamente a resistência do ar por tentar voar sozinho e, rapidamente, volta para a formação, aproveitando o vácuo da ave imediatamente à frente. Quando um ganso líder se cansa, ele passa para trás e imediatamente outro assume seu lugar, voando para a posição da ponta. Na formação, os gansos que estão atrás grasnam para encorajar os da frente a aumentar a velocidade. Se um deles adoece, dois gansos abandonam a formação e seguem o companheiro doente, para ajudá-lo e protegê-lo. Ficam com ele até que esteja apto a voar de novo ou venha a morrer. Só depois disso eles voltam ao procedimento normal com outra formação ou vão atrás de outro bando. A lição dos gansos: Pessoas que compartilham uma direção comum e senso de comunidade podem atingir mais facilmente os objetivos. Para atingir nossos objetivos, é necessário estar junto com aqueles que se dirigem para onde queremos ir, dando e aceitando ajuda. É preciso haver um revezamento na liderança e nas tarefas pesadas. As pessoas, assim como os gansos, dependem umas das outras. Precisamos assegurar que nosso grasnido seja encorajador para nossa equipe e que a ajude a melhorar seu desempenho. É preciso estar ao lado dos colegas também nos momentos difíceis."
slideshare
Rangel, Alexandre. O QUE PODEMOS APRENDER COM OS GANSOS. Editora Original

O Karma replicado

:-)

O Karma explicado

Kaput e caput

"Kaput" é uma gíria que significa "quebrado", "arruinado", "destruído". É uma palavra derivada da alemã "kaputt" que significa "quebrado", "estragado". Indica que algo está "detonado", "arruinado". Por exemplo, quando o computador não funciona, diz-se que o computador está "kaput"! Ou seja, o computador "pifou", "deu pau".

Às vezes surge uma grande confusão entre a palavra "kaput" e a palavra latina "caput" (cabeça). Uma possível explicação para o relacionamento dos dois termos, seria o período da Idade Média quando a peste bubônica matou muitas pessoas. Os mortos eram contados por cabeça. A relação com a palavra alemã "kaputt" seria a referência de cada morto (cada cabeça) como perdido, aniquilado, sem utilidade.
A palavra latina "caput", cujo significado é "cabeça", se usa para indicar a parte mais alta de algo que foi referido, a parte principal. É amplamente usada em textos jurídicos, em artigos de lei que constam de códigos, constituições etc.
Significados.com.br



Título de um livro: "Pega pra Kaputt!"
Com Josué Guimarães, Luis Fernando Veríssimo, Moacir Scliar e Edgar Vasques
LePM Editores
Das ruínas da Segunda Guerra Mundial emerge esta história de mistério, de crime, de ódio, de amor e sobretudo de humor – um desafio a que três ficcionistas e um cartunista se lançaram mutuamente, cada um aprontando uma pior para o companheiro.
35 anos de um romance a oito mãos.

26 setembro, 2013

Rodeio

É uma prática recreativa que consiste em permanecer por até oito horas sobre um animal, usualmente uma tartaruga.
Vocês leram acima a definição de rodeio - sem rodeios - na modalidade lesmas.


Poderá também gostar de ...
Como tudo começou e Segura, peão!

DRÁCULA. Jornal de Estudos

Se você escreveu algum ensaio (com 4 mil a 6 mil palavras) sobre um dos seguinte tópicos...
  • Bram Stoker;
  • o romance Drácula;
  • o Drácula histórico;
  • a Transilvânia;
  • o vampiro no folclore e na cultura universal;
  • o vampiro no cinema, na televisão e nas HQ;
  • a cultura gótica;
  • a saga Crepúsculo etc.

... saiba que poderá publicá-lo no Journal of Dracula Studies.
Trata-se de uma revista especializada sobre esses assuntos que existe desde 1999 e que, atualmente, encontra-se em seu 13º número.

Serviço: journalofdraculastudies@kutztown.edu

A piranha negra

Este peixe carnívoro (Serrasalmus rhombeus) de rios da bacia amazônica apresenta a mordida mais poderosa do reino animal. Outros animais, como o grande tubarão branco, a hiena e o jacaré podem ter mordidas mais fortes, porém menos poderosas quando consideradas o tamanho e o peso deles. Em relação a seu tamanho (20 a 37 cm), as mordidas da piranha negra podem superar até mesmo as mordidas de monstros pré-históricos como o Tyrannosauros rex e o megalodonte, o animal que precedeu o grande tubarão branco.
Músculos da mandíbula de tamanho extraordinária e um alavancamento modificado no fechamento da mandíbula permitem à piranha negra uma força de mordida equivalente a 30 vezes o seu peso corporal, o que é um feito inigualável no mundo natural.

How the black piranha has the most powerful bite of any animal in history - even a T-Rex, MailOnline

25 setembro, 2013

Fim de jogo

- Como devo fazer? É o lance que decide o jogo.

Para os devidos começos

Melhor prevenir

Para fazer o seu discurso "Infâmia" (INFAMY), um dia depois de Pearl Harbor, Franklin Roosevelt foi ao Capitólio em um carro Cadillac, 1928.


O Serviço Secreto estava preocupado com tentativas de assassinato, e o carro oficial à disposição de Roosevelt não tinha recursos de proteção. Assim, o presidente dos EUA fez uso do fortemente blindado Cadillac V8 Town Sedan, de propriedade de Al Capone, que o Departamento do Tesouro tinha apreendido após a prisão do gangster.

Como cortar uma pizza

Tudo começa em PIZZA. O SLIDESHOW.


24 setembro, 2013

Pura matemática

Uma mãe é 21 anos mais velha que o filho. Daqui a 6 anos a mãe terá uma idade 5 vezes maior que o filho.
Pergunta: Onde está o pai agora?
Há que fazer alguns cálculos para obter a resposta.
Solução:
Analisando hoje:
Adotamos a idade da mãe como sendo = Y anos e adotamos a idade do menino como sendo = X anos.
Portanto, como a mãe é 21 anos mais velha, temos: Y = X + 21
Daqui a 6 anos, ou seja: ( Y + 6 ) e ( X + 6 ):
A mãe terá a idade 5 vezes maior que a do filho, ou seja: Y + 6 = 5 ( X + 6 )
Resolvendo a equação, temos: Y + 6 = 5 X + 30
Y = 5X + 24
Se substituirmos o valor acima de Y na primeira equação (Y = X+ 21), teremos: 5X + 24 = X + 21
5X - 1X = 21 - 24
Logo: 4X = -3
X = - 3/4
O menino tem hoje -3/4 anos, ou seja, - 9 meses (menos nove meses!).
A resposta é lógica:
Se o menino tem exatos menos 9 meses, ele nascerá daqui a nove meses, então a resposta do problema proposto é...
O PAI ESTÁ COMENDO A MÃE ENQUANTO VOCê ESQUENTA A CABEÇA!!!

Enviado por Luciano Gurgel. Fonte: web

Bônus
A MATEMÁTICA DA VIDA, Blog do Marcelo Gurgel

Repreensão ou elogio?


Elogio x bronca

A órbita de Chanchal

É uma forma divertida de organizar o desktop:

Chanchal Bathia
Eu gosto disso!
A órbita de Clarke, Telas transparentes e Por que Plutão deixou de ser um planeta?

23 setembro, 2013

Sem um fiapo de prova

Dirceu foi condenado sem provas
Jurista Ives Gandra Martins, um dos mais respeitados do País, concede entrevista bombástica à jornalista Mônica Bergamo; nela, afirma que estudou todo o acórdão da Ação Penal 470 e não encontrou uma única evidência contra o ex-ministro da Casa Civil; mais: disse ainda que a teoria do domínio do fato, importada pelo STF para julgar o caso específico de Dirceu, não é usada nem na Alemanha; Gandra diz ainda que, depois do precedente, abre-se um território de grande "insegurança jurídica" no País para executivos e empresários, que poderão ser condenados da mesma forma; detalhe: Gandra é um dos mais notórios conservadores do País e antagonista histórico do petismo.
O domínio do fato - Você tem pessoas que trabalham com você. Uma delas comete um crime e o atribui a você. E você não sabe de nada. Não há nenhuma prova senão o depoimento dela – e basta um só depoimento. Como você é a chefe dela, pela teoria do domínio do fato, está condenada, você deveria saber. Todos os executivos brasileiros correm agora esse risco. É uma insegurança jurídica monumental.
A postura de Lewandowski - Ele ficou exatamente no direito e foi sacrificado por isso na população. Mas foi mantendo a postura, com tranquilidade e integridade. Na comunidade jurídica, continua bem visto, como um homem com a coragem de ter enfrentado tudo sozinho.
Por que Gandra chutou o balde do STF?
[...] Gandra constrangerá alguns dos que votaram contra a aceitação dos embargos – menos, é claro, o Gilmar e o Marco Aurelio "Vaidoso" de Mello.
Esses são impermeáveis.
Luiz Fucks, já se percebe, começa a sentir que o mundo girou e a Lusitana rodou.
[...] Por que Gandra, demiurgo do sistema conservador, chutou o balde do STF?
Porque não há provas contra Dirceu.
Mas, também, porque as bombas atômicas da Globo acabaram.
Com este Supremo e com o próximo, não se dará mais o Golpe.
De Estado nem no Direito.
[...] Já imaginaram o “domínio do fato” em vigor na hora em que o pau der em Chirico? O PAU QUE DÁ EM FRANCISCO DÁ EM CHIRICO
A tropicalização do “domínio do fato”, que o Supremo transformou no turbante da Carmen Miranda, só serve para pegar petista.
Agora, chega!
Se não enforcou o Dirceu, agora temos que esquecê-lo.
Fazer que não existiu.
O professor Gandra (irmão do pianista João Carlos Martins) chutou o balde por uma questão de honestidade intelectual.
Ele leu a peça contra o Dirceu e não viu um fiapo de prova.
Paulo Henrique Amorim, Conversa Afiada
Por que só agora Ives Gandra disse que Dirceu foi condenado sem provas?
[...] Gandra teve todas as oportunidades possíveis para dar sua opinião – influente, vistas suas credenciais de jurista e, mais ainda, sua conhecida falta de simpatia pelo PT.
Poderia ser num artigo, poderia ser numa entrevista – chances não faltaram.
Por que agora e não antes? Lembremos: no final do ano, Dirceu estava com as malas prontas para ir para a cadeia. Se as coisas seguissem o rumo que parecia que seria tomado, a declaração de Gandra seria um insulto a mais a Dirceu, dada a sua extemporaneidade.
[...] Gandra provavelmente não quis se opor à, bem, à manada comandada pela mídia.
Mas.
Mas há uma questão de consciência que deveria se sobrepor. Foi o que fez Celso de Mello ao acolher – sob massacrante pressão da mídia e de pares como Marco Aurélio de Mello e Gilmar Mendes – os chamados embargos infringentes.
É possível que, de alguma forma, Celso de Mello tenha inspirado Gandra.
Por isso, ainda que esta seja uma hipótese, seguem aqui os aplausos ao decano do STF.
Clap, clap, clap.
De pé.
Paulo Nogueira, DCM
24/09/2013 - Atualizando...
Agora foi a vez de Claudio Lembo, também uma figura de proa do conservadorismo paulistano, chamar a Ação Penal 470 de um processo “medieval”.

O rei das cambalhotas

É este cara, Damien Walters.


Espantam-se com o que ele sabe fazer?
Pois é só uma amostra gif.
Precisam vê-lo no vídeo abaixo (que já tem mais de 21 milhões de visualizações).



Damien Walters é mesmo o rei das cambalhotas. Para ele tiro... aliás, ponho o meu chapéu.

Stand-up

Frases do comediante  George Carlin:
Pense em quão estúpida uma pessoa média é. Então, perceba que a metade delas ainda é mais estúpida.
A natação não é um esporte: a natação é uma maneira de evitar afogamento.
A casa é apenas um lugar para guardar suas coisas, enquanto você sai para conseguir mais coisas.
Honestidade pode ser a melhor política, mas é importante lembrar que, aparentemente, por eliminação, desonestidade é a segunda melhor política.
O lança-chamas é a prova de que alguém, em algum tempo e lugar, disse para si: "Você sabe, eu quero tocar fogo naquelas pessoas ali, mas eu não estou perto o suficiente para fazer o trabalho."
A religião convenceu as pessoas de que há um homem invisível morando no céu. Que assiste a tudo que você faz a cada minuto de cada dia. E o homem invisível tem uma lista de dez coisas específicas que ele não quer que você faça. E se você fizer qualquer uma dessas coisas, ele vai mandar você para um lugar especial, de queima de fogo e fumaça, de tortura e angústia para você viver para sempre, e sofrer, e queimar, e gritar, até o fim dos tempos. Mas ele te ama. Ele te ama. Ele te ama e ele precisa de dinheiro.
Previsão do tempo para esta noite: escuro. Continuando escuro durante a noite, com luz dispersa pela manhã.
Assim que alguém é identificado como um herói anônimo, ele já não é.
Eu não gosto de pensar em leis como regras que devo seguir, porém como sugestões.
Aqui está um autocolante de para-brisas que eu gostaria de ver: "Nós somos os pais orgulhosos de uma filho que não precisa de nós para promover suas pequenas realizações acadêmicas na parte traseira deste carro."
A maioria das pessoas trabalha apenas o suficiente para não ser demitida e recebe como pagamento o dinheiro apenas suficiente para não desistir.
Eu acho que sou, portanto, eu sou. Eu acho.
Se os policiais não me viram, eu não fiz isso!
Eu não tenho medo de altura. Eu, porém, tenho medo de cair das alturas.
A vida é um jogo de soma zero.
Eu tenho tanto autoridade quanto o Papa. Eu só não tenho o mesmo número de pessoas que acreditam em mim.
A razão principal de Papai Noel ser tão alegre é que ele sabe onde as meninas más vivem.
Nos Estados Unidos, qualquer um pode se tornar presidente. Esse é o problema.

22 setembro, 2013

A cadeira voadora



De acordo com uma antiga lenda, um funcionário chinês chamado Wan-Hoo tentou um voo para a Lua, por volta do ano de 1500, usando uma grande cadeira de vime na qual foram presos 47 foguetes. Um igual número de assistentes - com tochas - ficou encarregado de disparar simultaneamente os foguetes.
Aconteceu um estrondo enorme, acompanhado por nuvens espessas de fumaça.
Quando a fumaça se dissipou, a cadeira voadora e Wan-Hu haviam desaparecido.

Dia Mundial Sem Carro - 2013

O anunciado enterro do Bentley do Chiquinho Scarpa no quintal de sua mansão em Jardins, SP, já rendeu muito. Inclusive um meme em que ele enterra as "carpideiras globais" que não entenderam o voto do ministro Celso de Mello.


A cova foi aberta, o milionário posou para fotos, fingiu emocionar-se e o carro baixou à sepultura... só de mentirinha. Numa entrevista à imprensa, concedida a seguir, Chiquinho disse que o seu objetivo não era mesmo enterrar o carro (que vale R$ 1 milhão) e, sim, chamar a atenção da sociedade para a importância da doação de órgãos.
Julio Hungria, escrevendo no Blue Bus, lembra que outra aplicação (mais apropriada) para a cena poderia ser a de chamar a atenção de todos para o Dia Mundial Sem Carro, que é hoje (22).

O Dia em 2009, 2010, 2011 e 2012.

Jelly Jeff

De vez em quando, um personagem de desenho animado causa uma favorável impressão no público - e eu acho que pode ser o caso de Jelly Jeff. Ele é bonito, é laranja e ele é uma água-viva. Mas ele também é, coitado, meio infeliz e é constantemente incomodado por uma série de eventos, a maioria dos quais causados direta ou indiretamente por nós, humanos.
Este desenho de animação apresentando Jelly Jeff foi criado por Jacob Frey para o Festival Internacional de Stuttgart Trickfilm, como parte de seu trabalho de graduação na Filmakademie na mesma cidade, um das mais prestigiadas escolas de cinema e mídia na Alemanha, e que também goza de uma excelente reputação internacional.
Em vez de fazer um trailer único, ele optou por fazer uma série de vinhetas, inserindo entre elas mensagens de cunho ecológico.


21 setembro, 2013

Lincoln triste, Lincoln alegre

Pensar que, dispondo de apenas uma nota de cinco dólares, você pode ver o quanto oscilava o humor de Lincoln.


Abraham Lincoln, Dez anos atrásMensagens ocultas em cédulas e Sobretudo ajudando a entender

Workshop Urticária 2013

Realiza-se hoje (21), em Fortaleza, um curso de atualização em urticária, tendo como palestrantes o Dr. Clóvis Eduardo Santos Galvão, Presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia - Regional de São Paulo, e a Dra. Ariana Campos Yang, Doutora em Alergia e Imunopatologia pela Universidade de São Paulo.
Local: Oásis Atlântico. Avenida Beira Mar, 2500 - Meireles
Patrocínio: Sanofi e Thermo Fisher Scientific

Desfigurando...

NÃO É VERDADE QUE DEPENDEMOS CADA VEZ MENOS DAS ÁRVORES.
MAS O QUE FAZEMOS COM ELAS É COMO SE FOSSE VERDADE.
PGCS

Brasil, 21/09
O Google celebra o Dia da Árvore com um doodle especial.

20 setembro, 2013

Hoverboard

Um curta-metragem de ficção sobre uma menina imaginativa em busca de viajar no tempo depois de assistir ao "Back to the Future, Part II":



Atriz mirim: Magdalena Begay. Ator coadjuvante: seu ursinho de pelúcia.
Hoverboard: skate sem rodas.
O que faz a coisa possível é o capacitor de fluxo.

Bônus
Fique sabendo - em tempo real - quanto tempo falta até 21 de outubro de 2015, acessando o Back to the Future Countdown.

Um poleiro dinâmico

Neil e William Winton inventaram este "poleiro de exercício para periquitos", em 1957, na esperança de com ele melhorar o moral dessas aves.
"O objeto da presente invenção é fornecer um poleiro de exercício que mantenha o periquito em um estado de espírito alegre para que ele fique mais falante. A mola é projetada de uma forma que, quando um periquito pousa em qualquer um de seus segmentos, ela se movimenta para cima e para baixo, pela ação do peso da ave, além de oscilar para trás e para frente."
A versão em gaiola, aqui mostrada, é uma das opções. Mas os Wintons também previram um modelo de pé e outro que pode ser montado na parede.

Eu não sei como os periquitos reagiram a este invento. Se algum dia conquistarem a terra, talvez eles façam trampolins para nós.

Sem tinta

A britânica Trish Vickers, 59, residente em Dorset, ficou cega em decorrência de diabetes. Mesmo sem enxergar absolutamente nada, decidiu escrever um pequeno livro sobre “uma mulher que sente a sua vida desmoronar”. Certo dia, Trish pediu a seu filho Simon que fosse visitá-la para ler o manuscrito. Tudo em branco: ela, cega, jamais percebera que a caneta que usava (guiada por um sistema de elásticos) não tinha um pingo de tinta. Entrou em cena, então, a perita criminal Kerry Savage. Recuperou o texto através de uma luz forense que, colocada sob o papel, revelou as marcas deixadas pela caneta.

ISTOÉ, 20/04/2012, atualizado em 24/04/2012

A luz forense é constituída de uma poderosa lâmpada e filtros capazes de selecionar bandas da luz (comprimentos da onda), correspondentes a cores individuais. Essas cores aplicadas nos vestígios melhoram a visualização por meio de técnicas de interação da luz que fazem os vestígios brilhar como fluorescente.

19 setembro, 2013

Picadas de mosquito



Eu não estou querendo dizer que eu sou um ninja ou coisa parecida. Mas a minha taxa de sucesso em evitar as picadas de mosquitos já alcança os 90 por cento.

Creme de barbear sob baixa pressão

Este vídeo mostra o que acontece a um pouco de creme de barbear, quando ele é colocado sob baixa pressão. A pressão externa em torno da espuma, tornando-se mais baixa do que a pressão interna das bolhas de ar, faz com que elas se expandam.



Eureka!
É a Ciência, ainda que meio tardiamente, dando a sua explicação ao que aconteceu comigo em CREME BÁRBARO, na década de 1980.

A iconoclasta Polly

Polly Matzinger, nascida em 1947, é uma cientista estadunidense que propôs uma nova explicação de como o sistema imunológico funciona. É o chamado Modelo de Perigo (Danger Model).
Esse trabalho, publicado no Journal of Experimental Medicine, em 1978, e tendo Galadriel Mirkwood como coautor, pode ser lido em arquivo PDF. Aqui.
Antes de ser cientista, Polly Matzinger teve uma carreira incomum. Foi coelhinha da Playboy, garçonete, música de jazz, carpinteira e treinadora de cães.
Como cientista, entretanto, ela teve sérios problemas com o editor da revista científica. Ele, após fazer restrições preconceituosas ao nome de Galadriel Mirkwood no primeiro trabalho, não consentiu mais a publicação de outros artigos da pesquisadora no Journal.
A cientista tinha porém "n" justificativas:
Não gostava de escrever na primeira pessoa. Nem na voz passiva. Além disso, Galadriel era tão envolvido em suas pesquisas como outros coautores por aí. Etc.
Depois da questão levantada, Polly Matzinger só retornaria às páginas da revista em 1995. Quando o editor do J. Exp. Med já era. Até então, ela vinha publicando seus trabalhos na Science, Ann NY Acad Sci, J Immunol, Proc Transplant, Med Nature e Nature Immunology.

Polly e seu cão Galadriel, um galgo afegão

18 setembro, 2013

Na dúvida, condenados?

Sei não.
Já vi os mesmos Senhores Ministros do STF, em julgamento de políticos no TSE - políticos estes que, volta e meia, estão na mira da justiça/polícia -, os inocentarem, dizendo: "há indícios mas não há provas".
Neste ponto concordo em gênero, número, grau, cor dos sapatos, dor nas costas e tudo o mais que possa a justiça invocar para julgar com imparcialidade.
É sábio o princípio jurídico que afirma "in dubio pro reo". Ou seja, na dúvida, em benefício do réu, por ser preferível inocentar um culpado a culpar um inocente.
Neste momento em que decidem os tais embargos infringentes, creio que é hora de o STF voltar a fazer justiça. De fazer valer os princípios fundamentais de Direito, considerando-se que, na Ação Penal em andamento, houve réus condenados sem provas - apenas por indícios.
Outra coisa não quer dizer a tal "teoria do domínio do fato", invocada para condenar alguns dos réus.
Este é o meu entendimento, o qual - SMJ - penso que será desconsiderado.
E fim. (hehehehehe)
Fernando Gurgel
Fernando Gurgel disse...
Meu caro, Dr. Paulo Gurgel,
Apesar de V. ter mudado o finalzinho do meu "parecer", parece que ele não foi desprezado de todo.
Ou seja, ainda há vida inteligente na Esplanada:
O ministro ressaltou a importância de se preservar o direito à ampla defesa, “ainda que se revele antagônico o desejo da coletividade”. Para tanto, reafirmou que o ideal é que seja estabelecido, no âmbito penal, “um processo que neutralize as paixões exacerbadas das multidões.”
“O direito há de ser compreendido em sua dimensão racional, da razão desprovida da paixão”, destacou. “O Estado, ao delinear um círculo de proteção em torno da pessoa do réu, qualquer réu, faz do processo penal um instrumento que inibe o abuso de poder”, defendeu.
Leia aqui: http://revistaforum.com.br/blog/2013/09/celso-de-mello-desempata-e-vota-pela-validade-de-embargos-infringentes/
(18 de setembro de 2013 17:42)
Erro do editor
Onde se lê:  "o qual - SMJ - penso que será desconsiderado."
Deve ser lido: "que, Salvo Melhor Juízo do que o meu, será totalmente desconsiderado."

É como no trânsito em geral

Numa escada rolante, fique à direita. Assim, as pessoas que querem passar por você, farão a ultrapassagem pelo lado esquerdo.
Yoni Alter, um londrino, acha que, com essas pegadas nos degraus (imagens), consegue educar os usuários das escadas rolantes. Por serem um tipo de sinalização que transcende os idiomas e outras formas de comunicação.



P.S.
Este post foi republicado em 23/09/2013 no portal GGN, onde recebeu 17 comentários (1 c/ vídeo).


Fazer pipi é divertido - 2



FAZER PIPI É DIVERTIDO - 1

17 setembro, 2013

Costa Concordia

Esta montagem de imagens aceleradas resume em 1 minuto a megaoperação de engenharia com 19 horas de duração que trouxe para a posição vertical o navio Costa Concordia, afundado parcialmente no litoral de Toscana, Itália, na noite de 13 de janeiro de 2012.



A Ilha de Giglio tem como principal fonte de receita o turismo. Após desastre do Costa Concordia, devido ao esvaziamento do movimento turístico, os habitantes da ilha passaram a viver um período de grandes dificuldades. Com o início do resgate do navio por esta operação, abre-se a perspectiva de que a situação econômica local também desencalhe. (PG)

Arquivos
Schettino legendado e Vada a bordo, Cazzo

Aula de fotografia - 12

Como fotografar turistas em uma cidade poluída:
Hong Kong
(apesar de não estar entre as 10 cidades mais poluídas do mundo).

Paternidades do ar

Nós, brasileiros, e toda a torcida do Paris Saint-Germain sabemos que o verdadeiro Pai da Aviação é o conterrâneo de Nelson Cunha, o brasileiro Alberto Santos Dumont. O homem que primeiro voou em um aparelho mais pesado do que o ar, sem a necessidade de uma rampa especial para o seu lançamento.
Daí não aceitarmos a empulhação de conferir esse título aos irmãos Wright, construtores do Flyer, o qual precisava de uma catapulta e de bons ventos para sair do chão.
Mas sejamos justos. Há um título que Orville Wright, o irmão que pilotava o Flyer na demonstração de 1903, merece de fato e ninguém tasca.
Em 1908, ele foi o piloto do primeiro voo da história em que um passageiro morreu
.
Acidente do Flyer em Fort Myer (17 de setembro de 1908)
Imagem Wikimedia Commons

Isso o habilita para ser considerado o Pai do Acidente da Aviação. O que não é pouco para quem tirou o seu brevê com 12 segundos de voo.

16 setembro, 2013

O bode expiatório ▬ Casuísmo

O bode expiatório
por Valton Leitão, médico
Quando Orwell escreveu "O Triunfo dos Porcos" (Animal Farm), em 1945, para satirizar o marxismo stalinista, não poderia imaginar que seu texto seria aplicado com maior justeza ainda ao mercado capitalista contemporâneo.
Os porcos revolucionários da fazenda afastam o administrador Jones e proclamam que daí em diante governarão suas próprias vidas estabelecendo uma Constituição, na qual os quadrúpedes mais competentes e éticos substituirão os bípedes humanos incompetentes e corruptos no mundo.
Imediatamente dois porcos de elevada inteligência, Napoleão e Bola-de-Neve, travam uma ferrenha luta pelo Poder. Durante a Assembleia Constituinte fica determinado que “todos são iguais perante a lei”, mas um porquinho atrevido na plateia grita: “Alguns são mais iguais que os outros”. A sátira de Orwell se ajusta perfeitamente ao que acontece atualmente no mundo. [...]
Nenhum tribunal penal se manifestou diante da estupidez do moderno Napoleão, pois ao que tudo indica o sistema jurídico-político como dizia Carl Schmitt, não se aplica ao caso excepcional determinado pelo soberano. Schmitt afirma que soberano é aquele que decide pelo estado de exceção e, portanto, pode desrespeitar qualquer Carta Constitucional ou Diretos Humanos consagrados mundialmente.
O Brasil, por seu turno, assistiu a um espetáculo político-midiático que a nossa mídia americanófila não se cansa de aplaudir, ou seja, o chamado mensalão. Antes desse caso de caixa dois, quase duzentos outros já haviam sido denunciados, inclusive o do Senador Eduardo Azeredo, do PSDB mineiro. A pergunta que não quer calar é: por que entre todos esses processos de uma prática usual no mercado político foi escolhido precisamente aquele que implicava um setor do PT e da esquerda e julgado às vésperas de um processo eleitoral?
A famosa dosimetria tem alguma semelhança conceitual com a cirurgia guerreira americana? Creio que Napoleão que prendeu e baniu Bola-de-Neve talvez pudesse responder a tais perguntas.
Onde ler o artigo completo: Jornal "O Povo", edição de 15/09/13 - Opinião
Casuísmo
por Valdemar Menezes, jornalista
O julgamento sobre a continuação dos embargos infringentes no ordenamento interno do Supremo Tribunal Federal transformou mais uma vez a Corte num espetáculo lastimável de pressão política para bloquear o direito dos condenados ao ritual pleno do devido processo legal, preferindo-se correr o risco da suspeição de “julgamento de exceção”. Isso contraria norma interna do STF recepcionada com status de lei pela Constituição, segundo a qual quem recebeu quatro votos contrários à condenação a que foi submetido pela maioria da corte suprema, num determinado crime, tem direito a revisão do julgamento naquele crime específico. No entanto, intervenções autoritárias e arrogantes de certos ministros contrários aos embargos, fazendo peroração política ao invés de procurar destacar o argumento técnico e defender a precedência do devido processo legal (seguida da tentativa de açular a opinião pública contra quem insistia em se manter fiel aos princípios clássicos do Direito), deixaram estupefatos aqueles que jamais esperariam tal atitude de um magistrado da alta corte.
Mais uma vez, o carimbo de “julgamento político”, que acompanhou todo o desenrolar desse processo, parece justificar-se com todas as letras. Tentar mudar as regras do jogo com o processo em andamento e na fase final é puro “casuísmo” - frisou corajosamente o ministro Luís Roberto Barroso. Aliás, desde o início, a começar pela negação do desmembramento do processo (o que não foi feito com o mensalão do PSDB) esse julgamento é um rosário de anomalias jurídicas, segundo especialistas. [...]
Muita gente ficou com “pulga na orelha” depois da súbita lentidão que se apossou da sessão, que todos tinham como certa de ser concluída na última quinta feira. O ministro relator (e presidente da Corte) de repente perdeu a sofreguidão de concluir o julgamento, como vinha sendo sua marca durante todo esse tempo. Faltando apenas um voto para a conclusão e tendo o votante já declarado ter o voto pronto, o presidente se apressou em postergá-lo para daí a uma semana.
(◄) Para quê, hein?- perguntam muitos curiosos em Brasília e em todo o Brasil. Deus tenha piedade do ministro Celso de Mello e lhe dê couro forte para suportar a artilharia pesada já devidamente apetrechada por certos segmentos poderosos para fazê-lo abjurar da coerência mantida até aqui na defesa técnica e doutrinária do devido processo legal e que teve na recepção aos embargos infringentes uma de suas maiores expressões como magistrado. Teremos todos a oportunidade histórica de constatar que tipo de estofo judicante subsistirá nele depois das impiedosas pressões que desabarão sobre sua cabeça, provenientes dos setores que já tinham traçado um desfecho milimetricamente pré-determinado, cujo roteiro tinha de ser obedecido a pau e pedra.
Onde ler o artigo completo: Jornal "O Povo", edição de 15/09/13 - Colunas

Coisa de "Lokelani"

A carteira padrão de motorista no Havaí tem um espaço de 35 caracteres para o sobrenome do motorista.
Não é o suficiente.
É por causa disso que Janice "Lokelani" Keihanaikukauakahihuliheekahaunaele está no meio de uma luta com as autoridades estaduais, a fim de garantir que o sobrenome dela seja colocado por completo na carteira.
Na verdade, o sobrenome de Janice tem 35 letras, além de uma vírgula invertida usada no alfabeto havaiano chamada okina, (1) a qual fez com que a última letra fosse cortada.
Ms. Keihanaikukauakahihuliheekahaunaele (2) se considera injuriada.
Mas,
o governo havaiano está trabalhando em uma solução. Até o final do ano, as carteiras de motorista emitidas no Havaí vão ter o tal espaço aumentado para 40 caracteres.


N. do E.
(1) Não sei onde encontrar a okina na fonte Arial.
(2) Gente, este sobrenome de Janice veio de seu falecido esposo. Significa: "Quando há caos e confusão, você é aquele que vai se erguer e levar as pessoas a se concentrarem em uma direção que vai tirá-las do caos." Faz sentido, portanto.

Outras carteiradas
El verdadero Email, Sorrisos e lágimasPara quem não conhece a Disneylândia

Asterank

Quando pensamos no sistema solar nos lembramos do Sol, dos planetas (excluindo Plutão), da Lua e talvez de alguma outra lua. Mas, na realidade, o sistema solar contém muitíssimos outros objetos, literalmente centenas de milhares deles.
Em Asterank, há dados de mais de 600 mil asteroides de nosso sistema solar com as listas dos mais acessíveis, dos mais valiosos para a mineração e outros fins. Podendo-se ver no site, em animação 3D, a posição dos asteroides com relação às órbitas dos cinco planetas interiores.
Microsiervos

@AsteroidMisses avisa a cada dia que asteroides e cometas estão passando perto da Terra.

15 setembro, 2013

James Bond com o passar do tempo

O gráfico abaixo mostra o desempenho de James Bond, de acordo com ator que faz o papel.
Daniel Craig, o atual Bond, é o que mais bebe e o que menos leva mulher para cama.
Faz sentido.

Martinis, conquistas e mortes - Média por filme
Poderá também gostar de ...
Com licença para mudar, Testando uma tinta invisível, Os 10 maiores matadores do cinema e 50 anos de James Bond

Trança

A trança padrão tem uma propriedade curiosa. Removendo-se qualquer um dos seus componentes, os outros dois estão soltos.
No exemplo abaixo, se você remover o fio preto vai descobrir que os fios azul e vermelho não estão entrelaçados, e o mesmo se dá com os outros.


Violentissimo, a solução final

Para indicar a intensidade sonora com que uma nota ou um trecho musical deve ser executado, o compositor utiliza uma gradação que vai desde o molto pianissimo (intensidade sonora mínima, quase inaudível) até o molto fortissimo (o máximo de intensidade sonora que se pode obter sem danificar a voz ou o instrumento).
Neste caso, o maestro incluiu o mui raramente usado violentissimo, cujas consequências podem ser a dissolução da própria orquestra.


14 setembro, 2013

A fuga das baratas

Pelo menos um milhão de baratas teria escapado de uma fazenda na China, onde estavam sendo criadas para uso na medicina tradicional.
As baratas fugiram de uma instalação em Dafeng, na província oriental de Jiangsu, depois que um vândalo destruiu a estufa de plástico onde elas eram criadas.
Eram de propriedade de Wang Pengsheng que, depois de passar seis meses desenvolvendo um plano de negócios, investira cerca de 100.000 yuans (18.100 dólares) em 102 quilos de ovos da Periplaneta americana. No momento em que a estufa foi danificada, mais de 1,5 milhão de baratas haviam eclodido dos ovos e vinham sendo alimentadas com frutas e biscoitos.
Wang esperava obter um lucro de 180 dólares para cada quilo comercializado de baratas, o que certamente não mais acontecerá.

Baratas: um negócio da China

A barata é geralmente considerado uma praga, mas adeptos da medicina tradicional chinesa - a qual usa plantas e animais, incluindo espécies ameaçadas de extinção - creem que com ela podem tratar doenças, incluindo câncer e inflamação, e melhorar a imunidade dos pacientes.

Procura-se
A aranha fujona

A vingança do soldado

Um soldado destacado na guerra recebeu uma carta da namorada, que dizia:
Querido John, 
Não podemos continuar com esta relação. A distância que nos separa é demasiada longa. Tenho que admitir que te tenho sido infiel já por duas vezes, desde que te foste embora, e acredito que nem tu nem eu merecemos isto! Portanto, penso que é melhor acabarmos tudo! Por favor, manda de volta a foto minha que te enviei.
Com amor,
Mary

O soldado John, muito magoado, pediu a todos os seus colegas que lhe emprestassem fotos das suas namoradas, irmãs, primas, amigas etc.
E....
Juntamente com a foto de Mary, colocou num envelope todas as fotos que conseguiu recolher com os colegas. Nesse envelope, que enviou à Mary estavam 57 fotos com uma nota que dizia:

Querida Mary,
Peço desculpas, mas não consigo me lembrar quem tu és! Por favor, procura a tua foto no envelope e me envia, de volta, as restantes.
Com carinho,
John

Manifesto dos intelectuais brasileiros contra a censura às biografias

Vi no Blog do Marcelo Gurgel a notícia da leitura pelo jornalista e escritor Ruy Castro (foto), na Bienal do Livro do Rio, dia 7, do manifesto contra a censura às biografias (abaixo), que foi assinado por 45 intelectuais brasileiros:
Desde o século XIX, a Biografia teve papel importante na construção da nossa ideia de Nação, imortalizando personagens e ajudando a consolidar um patrimônio de símbolos e tradições nacionais.
Mais recentemente, na segunda metade do século XX, a Biografia ganhou outra dimensão: além de relatar os feitos dos grandes nomes, transformou o personagem em testemunha de sua época. A Biografia moderna não é só a história de uma pessoa, mas também de uma época, vista através da vida daquela pessoa.
No Brasil, tal forma de manifestação encontra-se em risco, em virtude da proliferação da censura privada, que é a proibição das biografias não autorizadas.
A ninguém é dado impedir a livre expressão intelectual ou artística de outro, garantia consagrada na Constituição democrática de 1988, que baniu definitivamente a censura entre nós. Por isso, não faz sentido exigir-se o consentimento prévio da personalidade pública cuja trajetória um autor ou historiador pretende relatar (e, menos ainda, exigir-se a autorização de seus familiares, quando já falecido o biografado), como condição para a publicação de Biografias.
É apropriado que a lei proteja o direito à privacidade. Mas este direito deve ser complementado pela proteção do acesso às informações de relevância para a coletividade, na forma de tratamento distinto nos casos de figuras de dimensão pública, os chamados protagonistas da História: chefes de Estado e lideranças políticas, grandes nomes das artes, da ciência e dos esportes.
O Brasil é a única grande democracia na qual a publicação de Biografias de personalidades públicas depende de prévia autorização do biografado. Um país que só permite a circulação de biografias autorizadas reduz a sua historiografia à versão dos protagonistas da vida política, econômica, social e artística. Uma espécie de monopólio da História, típico de regimes totalitários.
Este erro produz efeito devastador sobre a atividade editorial. A necessidade do consentimento prévio das pessoas retratadas nas obras cria um balcão de negócios de valores vultosos, em que informações sobre a nossa História são vendidas como mercadorias.
Há um efeito ainda mais grave no que tange à construção da memória coletiva do país. O conhecimento da História é um direito da cidadania, independentemente de censura ou licença, do Estado ou dos personagens envolvidos. O ordenamento jurídico deve assegurar pluralidade, cabendo à sociedade e ao cidadão formarem livremente sua convicção.
É pertinente lembrar que a dispensa do consentimento prévio do biografado não confere ao autor imunidade sobre as consequências do que escrever. Em casos de abuso de direito e de uso de informação falsa e ofensiva à honra, a lei já contém os mecanismos inibidores e as punições adequadas à proteção dos direitos da personalidade.
Hoje, quando a sociedade clama pela ética e pela plena liberdade de expressão, está mais do que na hora de eliminar este entulho autoritário e permitir novamente que os brasileiros possam ter acesso à sua própria História.
Assim, os intelectuais brasileiros apoiam as iniciativas legislativas e judiciais voltadas à correção dessa anomalia do ordenamento jurídico brasileiro, de maneira a permitir a publicação e a veiculação de obras biográficas sobre os protagonistas da nossa História, independentemente da autorização dos personagens nelas retratados.
Assinam:
Alexei Bueno, Ana Maria Machado, Antonio Torres, Carlos Heitor Cony, Eduardo Portella, Fernando Morais, João Ubaldo, Lira Neto, Luis Fernando Veríssimo, Nelson Pereira dos Santos, Roberto da Matta, Roberto Toledo, Ruy Castro, Sergio Rouanet, Ziraldo Pinto e Zuenir Ventura, entre outros.

13 setembro, 2013

Um passeio pelo mundo da cerveja


Dentre os inúmeros tratados sobre a cerveja, considero este o mais didático. Do qual inclusive consta o nome do santo padroeiro da loura gelada: Santo Arnoldo, esse iluminado, que, na época da Peste, proibiu os cristãos de tomar água. Só cerveja. E, assim, salvou milhares de pessoas do adoecimento e da morte pela ingestão de água contaminada. Mas, em compensação, encheu o nosso mundo de "papudinhos".
Cheers!
Afrânio Bizarria

O sapo voador

Um foguete quase levou um sapo para a órbita da Lua. A Nasa fotografou o animal no ar, erguido pela intensidade da propulsão do foguete, durante o lançamento de uma missão espacial, na última sexta-feira (5), em Virginia, EUA.
A imagem foi publicada no Instagram da agência espacial norte-americana, a qual confirmou se tratar de um "sapo de verdade", embora avaliasse como incerta a situação do animal.

Imagem: veio daqui

Provérbios escolhidos para uma sexta-feira 13 no brejo
O sapo não pula por boniteza, mas por precisão.
Em terra de sapo, de cócoras como ele.
Sapo que salta, água fogo não falta.

Poemas aforísticos

Quando a Alemanha ocupou a Dinamarca em 1940, o físico Piet Hein publicou um poema aparentemente inofensivo:

"Perder uma luva
é certamente algo doloroso,
porém não é nada comparado
com a dor de perder uma luva,
jogar fora a outra,
e encontrar a primeira novamente."

Os censores alemães deixaram passar, não entendendo o seu significado: que, enquanto a ocupação durasse seria ruim, parar de resistir seria pior. "O que acontece a você vindo de fora é menos importante do que como você o conduz", explicou mais tarde. "Os dinamarqueses sabiam o que eu quis dizer."
Nos anos seguintes, Hein cultivou o talento para esses pequenos poemas aforísticos que ele chamava de grooks (gruks, em dinamarquês).

A ESTRADA PARA A SABEDORIA?
Piet Hein
"Bem, é claro
e simples de expressar.
Errar e errar e errar de novo,
mas menos, cada vez menos."

12 setembro, 2013

Sedentário e hiperativo

1
Você se acha um cara parado?
Você está num planeta que orbita uma estrela a 30 km/s.
Essa estrela orbita o centro de uma galáxia a 250 km/s.
Essa galáxia move-se no universo a 600 km/s.
Desde que você começou a ler esta postagem você já viajou cerca de 3.000 km.

2
Brian Peiris modificou uma esteira ergométrica e configurou o seu computador, de modo a controlar o download de conteúdos e a rolagem de tela do computador pela velocidade com que ele anda/corre na esteira.
Quanto mais rápido ele caminha, mais rápido o computador carrega e rola suas páginas. Ao parar, estrangula a internet.
Em seu blog, estão as explicações técnicas de como ele montou o seu sistema. Abaixo, o vídeo (sem áudio) de demonstração.


Cerque o gato

O objetivo deste jogo de estratégia é simples, porém difícil de vencer. Consiste em cercar o gato com círculos verde-escuros. Cada vez que você clica em um círculo verde-claro, o gato pula.
Você consegue cercá-lo antes que ele pule fora do campo?
Aviso: ele é um gato esperto.

jogo online

A coruja sob plumas


O corpo real de uma coruja é muito, muito menor do que o que parece - com a respectiva cobertura de penas. Quando adulta, uma coruja pesa entre 700 e 1.800 gramas.
E a forma da ave se parece com a de um abutre ou algo parecido.
Quem teria pensado nisso?
Moral
Cada bela coruja esconde um feio urubu.

Bônus
O Hungover Owls é um site especializado em fotografias de corujas. Algumas delas com o ar tão sonolento que parecem ter virado o dia anterior numa balada.
Owling - um comportamento que não deve ser esquecido.

11 setembro, 2013

Dinheiro da pinga para professores no Brasil Colonial

Cá para nós, a cachaça tem tudo a ver com a cultura brasileira, mas ela também já teve a ver com a Educação. Vejam vocês: por volta de 1752, Portugal, flertando com ideias iluministas, decidiu diminuir a influência da Igreja Católica nas decisões políticas e expulsou do território tupiniquim a Companhia de Jesus do Brasil.
Se por um lado a coroa portuguesa teria mais autonomia, por outro, ela arranjou um problemão para a cabeça: os jesuítas cuidavam de quase todos os colégios brasileiros.
O que fazer, ora pois? Portugal, então, instituiu a educação pública: escolas passariam a ser geridas pela coroa. Mas, desde aquela época, já se sabia: não há educação sem professor. Eles precisariam ser contratados e, claro, pagos pelo serviço.
E é aí que entra a cachaça na história! Não, Dom José I não passou a beber desenfreadamente para esquecer esse problema! Nem os professores, sem salário, preferiram o pileque para não se lembrarem da falta de grana.
Para conseguir pagar o salário dos professores, a coroa criou mais um tributo e taxou uma atividade que ia de vento em popa: a produção de aguardente de cana-de-açúcar. Isso mesmo, era o dinheiro da pinga que ia pagar o professor!
A partir da Carta Lei de 6 de novembro de 1772, com o objetivo de centralizar o pagamento dos professores e regularizar a profissão, foram constituídas pelo Marques de Pombal novas mudanças na esfera da educação. O imposto foi chamado de Subsídio Literário e para cada tonel de 30 litros de cachaça seriam cobrados mil e quinhentos réis. O professor ganharia naquela época um salário melhor do que hoje em dia: 62 mil réis, o equivalente a R$ 2 mil. Supõe-se que quanto mais o povo bebesse, mais educação teria no Brasil, mas não é bem assim. A escola ainda era para poucos, que aprendiam gramática, retórica, álgebra, geometria e história natural.

Ler o artigo completo (sugerido por Fernando Gurgel) em Mapa da Cachaça.

As cenouras são mutantes

Originalmente, as cenouras eram roxas. Mas havia variantes - cenouras amarelas e brancas - que apareciam no meio selvagem. Com o tempo, de alguma forma, no século 17, cultivando essas variantes os produtores holandeses de cenoura conseguiram obter cenouras de cor laranja, o padrão com que estamos familiarizados até hoje.
As roxas ainda existem, mas são uma minoria no mundo de cores da cenoura. Quer experimentá-las? Cuidado, pode haver uma boa razão por que as cenouras roxas são atualmente tão incomuns. Com a palavra o coelho Pernalonga.

Quando as ruas falam

"Todos têm algo guardado a dizer. Uma ideia. Um conselho. Uma declaração. Uma raiva. Enfim... Quando nada mais cabe dentro de si, é hora de externar. Há quem use meios tradicionais para isso. Tem gente que escreve livros. Tem gente que usa a internet. Tem gente que usa telas. E tem gente que faz dos muros e das superfícies urbanas seu meio de comunicação e expressão."
Jéssica de Queiroz


10 setembro, 2013

Homens descansando - 2

:-)
Bits and Pieces
Poderá também gostar de ...
Homens descansando - 1 e Com sombra

A Wikipédia impressa

Em uma recente nota no What If ?, Randall Munroe aborda uma questão interessante:
"Se você tivesse uma versão impressa de toda a Wikipedia em inglês quantas impressoras você precisaria para manter-se em dia com a as alterações feitas na versão on-line? "
A resposta é seis:
Seis impressoras não é muito, mas estariam rodando o tempo todo. E isso fica caro.
A eletricidade seria o mais barato, alguns dólares por dia.
O papel custaria cerca de um centavo por folha, o que significa que você estaria gastando cerca de mil dólares por dia.
Você teria de contratar pessoas para administrar as impressoras, mas que iria custar menos do que o papel.
Mesmo as impressoras em si não seriam muito caro, apesar do ciclo de substituição aterrorizante.
Mas a tinta dos cartuchos seria um pesadelo. (*)
Um estudo realizado pela QualityLogic concluiu que, para uma impressora em jato de tinta comum, o custo real de tinta vai de 5 centavos por página em preto-e-branco a 30 centavos por página em cores. E você estaria gastando 4-5 unidades por dia em cartuchos de tinta.
Você definitivamente deve investir em uma impressora laser. Caso contrário, em apenas um mês, este projeto pode acabar lhe custando meio milhão de dólares.
Resumindo:
A Wikipedia inglesa recebe atualmente cerca de 125 mil a 150 mil edições a cada dia, ou 90-100 edições por minuto. Isso custaria US $ 500.000 por mês para a tinta, e você precisaria de 300 metros cúbicos por mês só para guardar o papel.

(*) A propósito:
Pense o senhor na economia que o mundo faria em tintas de impressão. Atrevo-me a profetizar que, no futuro, os cartuchos de tinta estarão entre as coisas mais caras e inacessíveis. Poderá inclusive a humanidade sucumbir numa guerra dos pigmentos.
DR. CARTA PÁCIO E SUAS MEIAS PALAVRAS

O chato de galocha

A expressão é da época das galochas.
Estas eram uma espécie de capa de borracha que as pessoas colocavam sobre os sapatos quando saíam na chuva.
O chato de galocha era aquele que entrava na casa da gente sem o cuidado de retirá-las. Molhando tudo.
Tornou-se necessário explicar a origem desta expressão porque, não sei por que cargas d'água, ninguém usa mais galochas.


Comentários
Foram publicados no Portal GGN, onde a presente nota foi transcrita em 25/09/2013.
25/09/2013 - 15:22
Pois então, e os chatos continuam por aí, mesmo sem as galochas. Cada vez em maior número.
O pior é que, antes, o chato de galochas, invadia nossa casa pela porta. Agora, os chatos sem galocha, nos invadem pelo rádio, pela tv aberta e pela paga, pelos jornais, pelo celular, pelo pc, tablet, android, laptop.....
Gilberto
25/09/2013 - 15:47
Graças a deus a criatividade ainda vive. Valeu, Paulo.
Lembrança sensacional.
peregrino
25/09/2013 - 15:51
Vai na onda do Paulo, peregrino.
Mas é claro que eu vou.
Me animei para montar a minha página.
peregrino
25/09/2013 - 17:02
Existe pelo menos um. Ou vários chatos de galocha na vida de cada um de nós.
Eu mesmo devo ser um deles para muitos que frequentam aqui.
Mas eu eu quero dizer: meu chato de galocha de estimação (aliás, seria muito legal que cada participante do blog dissesse o dele. Fica registrado pro blogueiro pensar sobre o assunto).
O meu preferido é... GILBERTO DIMENSTEIN.
anarquista sério
25/09/2013 - 17:28
Agora caiu a ficha (essa ainda vai ter que se explicada no futuro também).
Ed Döer
25/09/2013 - 18:13
Putz!
Depois de um delay de quase 2h, agora que entendi.
Gilson AS
25/09/2013 - 21:04
Eu usei as tais galochas de borracha flexíveis por cima dos sapatos. Eram heranças de família, rs, e por adorar galochas, eu as uso sempre que chove. Será que sou chata?
Nilva de Souza

09 setembro, 2013

Simplificando contratos

-
Quando o contexto admitir o singular incluirá o plural e vice-versa, e o masculino incluirá o feminino e vice-versa.

Uma escala de dor

Escolha o rostinho que melhor descreve como você se sente agora:



0: Oi. Não estou sentindo qualquer dor. Nem sei por que eu estou aqui.
1: Eu estou completamente sem saber se eu estou sentindo dor ou comichão ou, talvez, eu só tenha um gosto ruim na boca.
2: Eu provavelmente só preciso de um Band-Aid.
3: É angustiante. Eu não queria que isso estivesse acontecendo comigo.
4: A minha dor não é brincadeira.
5: Por que isso está acontecendo comigo?
6: Ai . Ok, minha dor é super legal agora.
7: Eu vejo Jesus, que vem em minha direção, e eu estou com medo.
8: Eu estou sentindo uma quantidade preocupante de dor. Posso inclusive estar morrendo. Por favor, me ajude.
9: Estou quase morrendo definitivamente.
10: Estou sendo ferozmente atacado por um urso.
11: O sangue vai explodir em meu rosto a qualquer momento.
MUITO SÉRIO PARA NÚMEROS: Você provavelmente tem Ebola, além de estar com uma tremenda conjuntivite.